Quinta, 15 Julho 2021 15:47

A gestão "Pedro Casaldáliga" convida docentes e toda a comunidade acadêmica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) para a cerimônia virtual de posse da diretoria da Adufmat-Ssind, na próxima segunda-feira (19), às 15h (horário local). O ato, político e cultural, promoverá uma roda de conversa com o tema "A atual conjuntura e desafios do Movimento Docente", que terá a participação da presidente do ANDES-Sindicato Nacional, Rivânia Moura. Após o debate, artistas mato-grossenses farão apresentações na saudosa arena do sindicato.

Também estão convidados para o debate o diretor de Comunicação da Adufmat-Ssind e docente do Departamento de Serviço Social da UFMT, Leonardo Santos, e o professor da UFMS e base da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (Adufms), Vitor de Oliveira.

A partir das 17h, os artistas Gê Lacerda, Iris, Izafeh e Alexandre Paiva se apresentam, compartilhando com o público um pouco do que a humanidade soube fazer de melhor: música.

Assista, participe e interaja em tempo real pelos canais oficiais do sindicato no Facebook e YouTube.

 

Lunk para evento no Youtube: https://youtu.be/m4gnSQDNV3g 

 

 

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Sexta, 25 Junho 2021 08:18

A comissão eleitoral da ADUFMAT, no uso de suas atribuições, vem convidar a sua base para o debate com a chapa "Resistir e Esperançar", candidata à diretoria de subseção no Araguaia.

O debate será transmitido pelo Facebook e YouTube da ADUFMAT.


Dia: 25/06/2021
Horário: 16:00 H (horário de Brasília)


Atenciosamente,

A Comissão eleitoral.

 

Link para acesso direto no Facebook: https://www.facebook.com/211669182221828/posts/4393554527366585/

Link para acesso direto no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=3Qmhu4UsEds

 

 

 

Segunda, 21 Junho 2021 23:11

 

O GT Ciência e Tecnologia da ADUFMAT – S. SIND convida para a Live: "Matriz elétrica de baixo carbono e a privatização criminosa da Eletrobrás". 

DIA 23/JUNHO/2021 – 19 HORAS EM CUIABÁ/ 20 HORAS EM BRASÍLIA

Mediador:

José Domingues de Godoi Filho – Professor da UFMT/Faculdade de Geociências e Coordenador do GTCT/Adufmat-S.Sind.

Debatedores: 

Nelton Miguel Friedrich – Advogado, Constituinte Nota 10 DIAP – Diretor da Itaipu Binacional.

Dorival Gonçalves Junior – Engenheiro Eletricista, Professor da UFMT/Departamento de Engenharia Elétrica

“Em 1976, assisti pela TV o presidente Geisel, dócil à pressão das Sete Irmãs e de seus acólitos, abrir aos contratos de riscos a exploração do petróleo da plataforma continental e da bacia amazônica, (...). Só a mudança do modelo dependente por outro autossustentado, fundamentado em nossos recursos humanos e materiais, imensos e permanentes, nos salvará. Conquistar a independência energética com recursos renováveis, inesgotáveis e a tecnologia com inteligência brasileira, (...) O problema mais urgente é acabar com a fome dos brasileiros. É o mais fácil e de resposta quase imediata, conjugando-o com a produção de energia renovável. O melhor negócio do mundo, e mais estratégico, é vender energia.” Depoimento de um general brasileiro, que não concordava com as atitudes entreguistas dos colegas de farda, que comandavam a ditadura empresarial-militar de 1964.

Trinta anos depois as palavras soam atuais. A crise exposta pela pandemia reforçou a agenda ESG (Ambiental, Social e de Governança, na sigla em inglês), impondo urgências nas articulações para a redução dos Gases do Efeito Estufa (GEEs) e, colocou o setor energético no centro das discussões, para se atingir os níveis previstos pelo do Acordo de Paris-2015 (COP-21).

O Brasil, em relação à sua matriz energética, possui 46% da Oferta Interna de Energia composta por fontes renováveis e 25% do setor de transportes abastecido por biocombustíveis e com disponibilidade de óleos menos poluentes. O Brasil está bem-posicionado para superar os desafios e se tornar um dos principais atores na transição mundial uma matriz energética de baixo carbono.

Diferentemente do indicado, em 1991, por Bautista Vidal (em, Soberania e Dignidade), de que “a substituição dos combustíveis derivados do petróleo além da gasolina, somente serão definidos e implantados de modo consistente quando a sociedade brasileira adotar postura de indispensável autonomia e resolver os destinos do Brasil.(...)  quando nos orientarmos para um verdadeiro desenvolvimento e não para um crescimento econômico dependente (...)É indispensável que estas mudanças tenham o suporte de toda a população e não sejam mais um dos usuais pactos das oligarquias com os tecnocratas, que vem destruindo tudo o que havia de público no Estado Brasileiro”; o governo brasileiro opta pela destruição do setor energético, via Medida Provisória 1031/ 2021,propondo a privatização da Eletrobrás.

Finalmente, “os problemas com a privatização da Eletrobrás neste momento vão além das limitações naturais ao projeto neoliberal atrasado. A Eletrobrás é um conglomerado que tem dentro de si megaempresas como Eletrosul, Eletronorte, Eletronuclear, gestão da Itaipu Binacional, Furnas entre outras. Esse conjunto produz e distribuiu energia elétrica e faz investimentos em infraestrutura para atender a demanda energética do país”. (Paulo Kliass)

 

Link para acesso direto no Facebook: https://www.facebook.com/211669182221828/posts/4385150231540348/

Link para acesso direto no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=TMLQOeV7kqc

 

Fonte: Divulgação

Segunda, 14 Junho 2021 15:58

 Atualizada às 12h30 do dia 17/06/21. 

 

Ela não tem limites. Se um vídeo por semana é pouco para a Almerinda dividir suas inquietações políticas, agora ela terá uma Live. A primeira edição foi ao ar no dia 02/06 (assista aqui), com a contribuição do professor Maelison Neves (Psicologia/UFMT). Em apenas 30 minutos, o diálogo causou sensações diversas nos espectadores - do riso ao choro. O primeiro assunto não poderia deixar de ser a Reforma Administrativa, que começou a tramitar no Congresso Nacional este mês.

 

A ideia é: os convidados batem um papo de apenas 30 minutos com a Almerinda, trazendo - de forma divertida, mas bem real - questões políticas que interessam a todos. Assim, desmistifica-se a ideia de que política é chata, e amplia-se o interesse da população por temas que vão atingir diretamente o cotidiano de cada um.

 

Para a Adufmat-Ssind, o “De Papo com Almerinda” foi tão bom, que pede mais episódios. “O sindicato considerou a Live como uma experiência exitosa e o pessoal pode ficar atento que nós teremos outras edições”, comentou a professora Lélica Lacerda, diretora de Comunicação do sindicato. A segunda edição será nessa quinta-feira, 17/06, às 19h, com o tema "protestos nas ruas".

 

 

As Lives serão exibidas nas páginas oficiais da Adufmat-Ssind no Youtube e Facebook. Quem quiser contribuir pode enviar sugestões de temas e perguntas para que ela responda de forma descontraída, como fez no encerramento da primeira Live, quando foi censurada por um telefonema de Sinop. Corre no link acima para ver! As sugestões podem ser enviadas para o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

 

Link para a Live desta quinta-feira (17/06) no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=MXiI1Z8oka0

Link para a Live desta quinta-feira (17/06) no Facebook: https://www.facebook.com/211669182221828/posts/4371291782926193/

  

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Terça, 08 Junho 2021 17:48

 

O Grupo de Trabalho Ciência e Tecnologia (GTC&T) da Adufmat-Ssind convida toda a comunidade acadêmica e demais interessados para a Live "Geodiversidade e Zoneamento Agroecológico como instrumento para evitar e conter a destruição ambiental", que será realizada nessa quarta-feira, 09/06 às 19 horas em Cuiabá e 20 horas em Brasília. 

O mediador será o professor José Domingues de Godoi Filho, da Faculdade de Geociências da UFMT e Coordenador do GTCT/Adufmat-S.Sind.
Os debatedores convidados são Cássio Roberto da Silva - Geólogo, Pesquisador em Geociências do Departamento de Gestão Territorial da CPRM-Serviço Geológico do Brasil; Eder de Souza Martins – Geólogo, Pesquisador da Embrapa Cerrados; e Gustavo Canale – Professor da UFMT/Instituto de Ciências Naturais, Humanas e Sociais/GECAS - Grupo de Ecologia Aplicada de Sinop.

Uma semana depois da realização da Cúpula dos Líderes do Clima, que revelou uma distância tecnológica abissal separando os países desenvolvidos dos demais, no que se refere a alternativas energéticas de baixo carbono, o Presidente Biden anunciou seu plano para a Nação, deixando claro que um Estado “mínimo”, não contribuirá para superação das crises sanitária e climática.


Antonio Gutierrez, Secretário Geral da ONU, tem afirmado que “é necessário uma mudança de paradigma nas relações de apropriação e transformação dos recursos naturais”. E, aponta para “construção de um novo contrato social baseado na solidariedade e no investimento na educação, empregos decentes e verdes, proteção social e sistemas de saúde, todos os quais juntos, formariam a base para o desenvolvimento sustentável e inclusivo”.
No caso brasileiro, apesar de todo negacionismo, atraso cultural e científico-tecnológico, selvageria dos sanguessugas de nossas riquezas e parasitas infiltrados na estrutura do Estado, a pandemia escancarou a importância do Sistema Único de Saúde, das pesquisas patrocinadas com recursos estatais e realizadas com dificuldades pelas universidades públicas, institutos de pesquisas associados e empresas públicas; portanto o Estado não pode ser “mínimo” para atender às questões socioambientais e econômicas.


Com esta “live”, pretende-se apresentar e ressaltar o importante trabalho conjunto que vem sendo realizado e oferecido por outras duas instituições oficiais de pesquisa e desenvolvimento – o SGN/CPRM – Serviço Geológico Nacional e a EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, com fortes reflexos na formação futura de pessoal pelas universidades públicas.


As ciências da terra, em particular a Geologia e a Agronomia, contribuem com informações necessárias ao aproveitamento dos recursos minerais, energéticos e hídricos, à prevenção de catástrofes naturais e a melhor utilização do espaço físico. Nas últimas décadas, o avanço das investigações dos problemas decorrentes da relação entre a espécie humana e a superfície terrestre avançou substancialmente; consolidando novas áreas de pesquisa e gerando maior interação com outras. Assim, nasceram a Geodiversidade e o Zoneamento Agrogeológico do Brasil

As expectativas e objetivos dos estudos é o de fornecer aos administradores, planejadores e outros profissionais, que atuam na organização e desenvolvimento territorial, informações integradas sobre as principais características do meio físico e seu comportamento frente às várias formas de uso e ocupação do território. Sejam elas para orientar decisões no estabelecimento de políticas públicas para a sustentabilidade dos setores agroindustrial e minerário, sejam para ordenamento do espaço territorial, empregando-se “abordagem humanística e a aplicação desses conhecimentos em várias áreas e setores produtivos”. Certamente, nas regiões de avanço da fronteira agrícola e mineral, a utilização dessas novas ferramentas se torna crucial para evitar o incremento da destruição ambiental.

 

Link direto para o Facebook: https://www.facebook.com/211669182221828/posts/4350807748307930/

Link direto para o Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=jrktXQlqQZw

 

Divulgação

Terça, 01 Junho 2021 17:04

 

Nessa quarta-feira, 02/06, a Almerinda bate um papo com o professor da UFMT, Maelison Neves, sobre a Reforma Administrativa. A PEC 32 já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, e deve ser apreciada no plenário em breve.

O que será que Almê está preparando sobre esse tema quentíssimo???? Saiba tudo durante o evento, que terá apenas meia hora de duração e será transmitido ao vivo, às 19h, nas páginas oficiais da Adufmat-Ssind no Facebook e Youtube.

Link para o Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=sosYPriCOnA 

Link para o Facebook: https://www.facebook.com/211669182221828/posts/4327794430609262/

Terça, 25 Maio 2021 10:26

Dando sequência à tríade de debates sobre o Latifúndio, nessa quinta-feira, 27/05, às 19h (Cuiabá) e 20h (Brasília), a Adufmat-Ssind recebe os professores Wanderlei Pignati e Ariovaldo Umbelino de Oliveira, docentes da UFMT e USP, respectivamente, para debater o tema “Latifúndio: quem planta lucro colhe violências”.

Wanderlei Pignati é doutor em Saúde Pública e pesquisador do Núcleo de Estudos Ambientais e Saúde do Trabalhador (NEAST/ Universidade Federal de Mato Grosso) e Ariovaldo Umbelino de Oliveira é Livre Docente e professor titular de Geografia Agrária da Universidade de São Paulo.

Participe do debate que será transmitido pelos canais oficiais da Adufmat-Ssind no Youtube e Facebook. Envie sua pergunta aos convidados e entenda melhor porque, num país que figura entre as 12 primeiras economias, e que se orgulha de dizer que é o celeiro do mundo – sendo o terceiro maior exportador de produção agrícola - , ainda há tanta fome, desemprego e miséria.

Não perca!

 

Link para acesso direto no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=QoOOr9Y9jV8

Sexta, 07 Maio 2021 20:26

 

A Adufmat-Ssind dá continuidade, na quinta-feira,13/05, às 19h, a série de lives sobre os problemas relacionados a fome e o Agronegócio no estado de Mato Grosso. Sob a mediação da professora Lélica Lacerda, o tema da segunda live da série será "Latifúndio: Quem planta lucro, colhe fome". Os convidados são Maelison Silva Neves (psicólogo e professor do Departamento de Psicologia da UFMT) e Marcia Montanari (nutricionista, professora do curso de Saúde Coletiva da UFMT e pesquisadora do Núcleo de Estudos Ambientais, Saúde e Trabalho - N.E.A.S.T).

O debate será transmitido pelos canais oficiais da Adufmat-Ssind no Youtube e Facebook.

Não percam! Participem da Live enviando perguntas e comentários.

Terça, 30 Março 2021 10:44

A escalada, tão evidente nos últimos trinta anos, de retirada de direitos dos trabalhadores brasileiros tem, na contrarreforma trabalhista, aprovada em 2017, um de seus capítulos mais doloridos. Com a introdução do trabalho intermitente, do acordado valendo sobre o legislado, da terceirização irrestrita, da mutilação dos sindicatos, essa contrarreforma foi uma pá de cal no trabalho protegido.


E contrariando as vozes neoliberais que diziam o contrário, tivemos aumento do desemprego, da informalidade, do empobrecimento dos trabalhadores; os propagados investimentos não vieram; a economia seguiu e segue paralisada; o país voltou ao mapa da fome. Como mostrou o IBGE, em junho de 2020, pela primeira vez na história, mais da metade dos brasileiros, em idade para trabalhar, não tinham trabalho.


O Grupo de Trabalho em Política e Formação Sindical-GTPFS, da ADUFMAT, realiza, com esta, sua terceira Live sobre o assunto. E compreender esse cenário de extorsão de direitos, de precarização do trabalho, de banalização do desemprego, de degradação da classe trabalhadora, assim como debater formas de resistência e enfrentamento é o objetivo dessa Live.

 

Link para o Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=Gcg5T4FB9Gk

Link para o Facebook: https://www.facebook.com/211669182221828/posts/4138093319579375/

Segunda, 22 Março 2021 11:17

 

A (contra)reforma trabalhista, que assumiu vigência com a Lei n. 13.467/2017, representa a instituição da desproteção jurídica dos trabalhadores e o esvaziamento da Justiça do Trabalho.

Sobreviventes na terra arrasada provocada pela implantação contínua e perene do neoliberalismo desde a década de 1990, os trabalhadores brasileiros receberam do Governo Temer (MDB/SP) e do Congresso Nacional, a legalização das arbitrariedades patronais, a prevalência do negociado sobre o legislado, a ampliação de formas diversas de precarização do trabalho e corrosão de direitos, o enfraquecimento do papel das entidades sindicais  e, coroando essa devastação, restrições ao acesso à Justiça do Trabalho e a drenagem de suas competências.

Sob a justificativa – recorrente – de modernizar a legislação trabalhista, de fomentar emprego, de assegurar liberdade e autonomia aos trabalhadores e de ajustar-se às novas tecnologias, a Contrarreforma Trabalhista consagrou o retrocesso nas relações de trabalho, produzindo o seu contrário. Como resultado: cresceu a informalidade e a insegurança remuneratória com o crescimento do trabalho intermitente; aumentou a contração salarial e o desemprego; ampliou a precarização das relações de trabalho; e desestimulou a abertura de ações trabalhistas, penalizando ainda mais os trabalhadores, agora duplamente desamparados, diante do esvaziamento do papel dos sindicatos e da Justiça do Trabalho.

Compreender a dimensão desse processo destrutivo e, especialmente, refletir sobre formas de resistência dos trabalhadores é imprescindível para que nós não sejamos capturados pela escuridão da noite, mas atentemos para o brilho das estrelas que (como já nos alertaram outros antes de nós), não temem a noite escura, transformando-a no seu contrário.

Nessa quarta-feira, 24/03/21, não perca o debate sobre este tema com os juristas Jorge Souto Maior e Valdete Souto Severo. Será às 19h (horário de Cuiabá; 20h pelo horário de Brasília), ao vivo, nas páginas oficiais da Adufmat-Ssind do Facebook e Youtube. Participe enviando a sua pergunta!

Link do Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=UJKKMGZYZjI

Link do Facebook: https://www.facebook.com/211669182221828/posts/4114347455287295/