Segunda, 26 Julho 2021 18:16

 

Nesse sábado, 24/07, trabalhadores de todo o país voltaram a pedir, nas ruas, mais vacinas, auxílio emergencial digno e o impeachment de Jair Bolsonaro. De acordo com a organização, foram ao menos 488 atos, realizados em 471 cidades do Brasil e em outros 17 países.

 

Em Cuiabá, os manifestantes se reuniram na Praça Alencastro, e no final da tarde caminharam pelas avenidas Getúlio Vargas, Isaac Póvoas e Tenente Coronel Duarte (Prainha), dialogando com a população presentes nas praças e pontos de ônibus.

 

“Fora Bolsonaro, Mourão, Guedes, e toda a quadrilha que se apossou do Governo Federal e está à frente do projeto ultraliberal que traz a fome, miséria, e morte para o nosso povo. Está provado que a forma como o Brasil lida com essa pandemia é a forma para beneficiar o lucro do patrão e negociatas de bastidores, enquanto nossos amigos e parentes têm falecido. Estamos nas ruas mais uma vez, e estivemos nos últimos três meses, porque nos negaram o direito de passar a pandemia de uma forma mais digna e mais rápida”, disse o diretor de Comunicação da Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat-Ssind), Leonardo Santos, reafirmando os motivos da mobilização.

 

Segundo o diretor, além da pandemia, há ainda os problemas provocados pelo modelo social vigente. “O problema é a crise sanitária, mas também são a econômica, política e social. Os efeitos de todas elas recaem sobre a classe trabalhadora. Mato Grosso, capital do Agronegócio, tem padecido pela miséria e pela fome. Os que estão aqui hoje têm lutado incansavelmente pelo direito à vida, contra as privatizações, que são criminosas, contra os cortes de recursos e políticas sociais, contra o aumento do custo de vida, contra a carestia induzida politicamente. Assim, viemos e viremos às ruas, quantas vezes for necessário, e lutaremos todas as formas de lutas possíveis”, garantiu o docente.  

 

Antes de caminhar, os participantes do ato em Cuiabá assistiram intervenções artistas, com músicas de luta cantadas por Gê Lacerda, Iris, Izafeh, Pacha Ana e Ahgave.

 

Em Mato Grosso, cerca de 23 entidades participaram da organização do ato. Além da Adufmat-Ssind e do ANDES-SN, também assinaram a convocação local o Clube de mães do Jd. Renascer, Psol, Nós do Renascer, Movimento de Mulheres Olga Benário, Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro, PCB, Sinasefe/MT, Sintect/MT, União da Juventude Comunista, Unidade Classista,

Autonomia e Luta, Intersindical, Partido da Causa Operária, Mandato da vereadora Edna Sampaio, União da Juventude Revolucionária, Unidade Popular, Povo na Rua, DCE/UFMT, Sinetran/MT, Fórum pelos Direitos e Liberdades Democráticas e Movimento Correnteza. 

 

Além das ruas, ocorreram também mobilizações nas redes sociais. O ANDES - Sindicato Nacional promoveu um debate pela manhã com a presidente Rivânia Moura e docentes de diferentes regiões do país, destacando os motivos para ocupar as ruas. No período da tarde, também com representantes de vários estados, o sindicato analisou os atos numa Live transmitida pelo Youtube. 

 

No próximo final de semana os servidores estarão reunidos no Encontro Nacional de Trabalhadores e Trabalhadoras do Serviço Público, no qual devem debater a realização de mais um ato em Brasília, já no dia 03/08, com foco na rejeição à Reforma Administrativa (PEC 32).

 

CONFIRA AQUI AS FOTOS DO ATO EM CUIABÁ

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Terça, 20 Julho 2021 14:05

 

Neste sábado, 24 de julho, os trabalhadores atenderão novamente a convocação das centrais sindicais e estarão mais uma vez nas ruas exigindo vacina no braço e comida no prato.

A concentração, em Cuiabá, será às 15h, na Praça Alencastro.

Nas subsedes também haverá mobilização. Em Sinop, um carro de som circula desde o início da semana com material informativo sobre as reivindicações do ato, e em Barra do Garças haverá ato presencial com concentração às 8h30 na Praça Sebastião Alves Junior. 

A Adufmat-Ssind constrói essa luta pelo fim das políticas genocidas do Governo Bolsonaro, pela vacinação em massa, contra a Reforma Administrativa, em defesa da Educação e pela Greve Geral.

Só as ruas podem derrubar Bolsonaro!

Não tire a máscara, tire o Bolsonaro!

Utilize máscaras, álcool em gel e procure manter o distanciamento social. 

Quarta, 14 Julho 2021 12:20

 

Já nos primeiros anos pós Constituição Federal de 1988, o desmonte neoliberal das garantias de responsabilidade do Estado começou a ser colocado em prática no Brasil. Mais de 30 anos depois, os ataques ao que é público se intensificam. Foi essa denúncia que trabalhadores de Cuiabá e outras cidades do país fizeram em atos contra a privatização dos Correios e pelo Fora Bolsonaro, realizados nessa terça-feira, 13/07.  

 

“Há uma campanha muito grande para desqualificar o serviço público no Brasil, embora ele demonstre, historicamente, sua eficiência. São ataques diversos e sucateamentos provocados pelos governos para justificar, posteriormente, a privatização. Os Correios, assim como a Eletrobrás, entraram nessa lógica”, afirmou o diretor geral da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo. A Seção Sindical do ANDES-SN em Mato Grosso foi uma das entidades que participou da construção do ato em Cuiabá.  

 

Durante o ato, que ocorreu na Praça Ipiranga, centro da capital mato-grossense, os presentes afirmaram que os Correios são reconhecidos pela população pelo trabalho de excelência prestado ao longo de anos. Lembraram que, em diversos municípios pequenos, de interior, são os Correios que garantem o acesso de milhares de famílias a serviços bancários, a direitos como o Bolsa Família, além do acesso a cartas, documentos e mercadorias, sempre feito com muita seriedade. Com a privatização, denunciaram as entidades, além da piora do serviço, haverá aumento de valores, prejudicando o acesso daqueles que mais precisam.

 

“É uma lorota essa história de que o serviço privado é de boa qualidade. Nós podemos perguntar aos trabalhadores de Cuiabá se consideram de boa qualidade esses ônibus, que são privados. Podemos perguntar a avaliação dos serviços de telefonia, internet. Nós pagamos caríssimo por serviços de péssima qualidade. Eu poderia citar outros, mas nós temos provas de que não é isso. As universidades públicas, por exemplo, produzem 95% das pesquisas do país, demonstram que os serviços públicos têm capacidade muito grande de prestar serviços de qualidade para a sociedade”, afirmou o diretor.

 

As privatizações de instituições como os Correios, Eletrobrás, Petrobrás são políticas neoliberais que golpeiam a população, retirando seus direitos, para entregar instituições públicas a empresários, vendendo por valores ínfimos verdadeiros patrimônios reconhecidos e valorosos, que podem garantir muitos lucros ao setor privado. Enquanto isso, os recursos que poderiam devolver benefícios para melhorar as condições de vida da população terminam nas mãos de poucos - privatizados.    

 

Como atual representante do neoliberalismo, o Governo Bolsonaro é o principal alvo dos manifestantes.  

 

“Nós estamos mobilizados, nas ruas, para que os efeitos da crise não sejam repassados integralmente para a classe trabalhadora, contra o negacionismo, contra a prevaricação, contra a corrupção com vacinas, contra as políticas que têm nos matado. Nós sabíamos que o governo Bolsonaro, Mourão e Guedes representava a política de morte do grande capital para a classe trabalhadora, e temos visto os efeitos: aumento da fome, da carestia, aumento de desemprego de forma absurda. Nós sabemos também que só a luta organizada dos trabalhadores pode reverter isso, pode por fim à política de morte e trazer o poder popular, rumo ao socialismo”, disse o diretor de Comunicação da Adufmat-Ssind, Leonardo Santos.

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quarta, 14 Julho 2021 10:53

 

70% da população acredita que há corrupção no governo Bolsonaro



A maioria das brasileiras e dos brasileiros defende a abertura de impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). De acordo com o Instituto Datafolha, 54% das pessoas entrevistadas são a favor da abertura do processo. A pesquisa realizada entre os dias 7 e 8 de julho, com 2.074 pessoas maiores de 16 anos, em todo o país também mostrou que a reprovação ao governo de Jair Bolsonaro chegou a 51%, a pior marca registrada desde o início do mandato do presidente, em janeiro de 2019. Eram 45% no levantamento anterior, em maio.

O discurso anticorrupção que elegeu Bolsonaro já não convence mais a maioria da população. Para 70%, há corrupção no governo de Jair Bolsonaro, conforme os dados divulgados pelo instituto no último sábado (10). A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou menos.

Entre as e os entrevistados que mais acreditam que há corrupção na gestão de Jair Bolsonaro, 74% são mulheres, 78% jovens, 78% moradores do Nordeste. Com relação ao grupo que acredita que não há corrupção no governo Bolsonaro, 28% são homens, 29% têm mais de 60 anos e 31% são moradores das regiões Norte ou Centro-Oeste.

De acordo com os dados levantados pela pesquisa, 63% das e dos entrevistados acreditam que há corrupção nos contratos do Ministério da Saúde para a compra de vacinas, ante 25% que a descartam e 12% que não sabem. 64% acham que o presidente sabia das suspeitas de irregularidades em contratos da pasta, outros 25% não creem nisso e 11%, não opinaram.

Entre os que acreditam que o presidente tinha conhecimento sobre a existência de corrupção na pasta, 72% são jovens de 16 a 24 anos e 71% são da região Nordeste. Já aqueles e aquelas que acham que Bolsonaro nada sabia, 36% ganham entre 5 e 10 salários mínimos e 44% são empresários.

Propina
Das investigações que envolvem o governo federal, está a que foi aberta pela Procuradoria da República no Distrito Federal para apurar a suspeita de fraude na compra da vacina Covaxin, produzida na Índia. O imunizante é o mais caro negociado pelo governo federal até agora, e o contrato está suspenso. O contrato foi firmado entre o Ministério da Saúde e a Precisa Medicamentos, responsável pela venda no Brasil do imunizante produzido pelo laboratório indiano Bharat Biotech, em fevereiro deste ano. E o dinheiro para a compra dessas vacinas foi empenhado pelo governo, não podendo ser utilizado para nenhum outro fim.

O caso veio à tona na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. A CPI também investiga uma suposta negociação paralela de 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, na qual o então diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, teria cobrado propina de US$ 1 por dose do imunizante.

Das e dos entrevistados que declararam estar informados sobre as investigações que envolvem o governo, 74% avaliam que o presidente tinha conhecimento de tudo. Entre os defensores do impeachment, esta taxa chega a 89%.

Incapaz
Para 63% das e dos que responderam a pesquisa, o presidente Jair Bolsonaro é incapaz de liderar o país. O índice reafirma a rejeição recorde ao ex-capitão do exército. O descontrole da pandemia da Covid-19, que já matou mais de 534 mil pessoas, tem afetado a popularidade de Bolsonaro, assim como desemprego recorde (14,7 milhões de brasileiros), o empobrecimento da população e a alta na inflação (8,3%).

O uso recorrente de notícias mentirosas (fake news) e informações distorcidas, em especial no combate à pandemia, também já afeta a credibilidade do presidente. Segundo a pesquisa, 55% dizem nunca confiar nas declarações de Bolsonaro, enquanto 28% afirmam confiar às vezes. Já 15% declaram que sempre confiam no que o presidente diz.

Quando perguntado se Bolsonaro respeita mais as e os ricos ou pobres, a resposta não deixou dúvidas. Apenas 17% das e dos participantes afirmaram que as e os pobres são mais respeitados pelo governo. Para 66%, o presidente respeita mais as e os ricos.

24J
Após os últimos atos nacionais, que levaram milhares de manifestantes às ruas de todo o país, nesta terça-feira (13) ocorrem atos pelo país pelo Fora Bolsonaro e contra a privatização dos Correios e outras estatais. No sábado, 24 de julho, será novamente dia de reivindicar o Fora Bolsonaro e Mourão, vacinação em massa contra a Covid-19, o auxílio emergencial de, pelo menos, R$ 600; estabilidade no emprego, o fim das privatizações e ataques aos direitos, entre outras reivindicações no combate às crises sanitária, econômica e social que atacam a classe trabalhadora, especialmente os mais podres.


Fonte: ANDES-SN (com informações da CSP-Conlutas e agências de notícias) 

Terça, 13 Julho 2021 12:46

Os trabalhadores e trabalhadores brasileiros vêm realizando uma jornada de lutas que se confirmou nos grandes atos de 3 de julho como terceiro dia de mobilizações da ampla campanha pelo Fora Bolsonaro no Brasil e em outros países. Anteriormente, havíamos tido o 29M e 19J, que levaram centenas de milhares às ruas contra esse governo genocida e corrupto.

 

Neste dia 13 de julho, categorias específicas como trabalhadores dos Correios e povos indígenas realizam dia de luta em Brasília e outras capitais.

 

Como foi dito recentemente, o ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, caiu, mas a boiada bolsonarista continua passando. Apesar de toda a crise enfrentada pelo governo e as denúncias de corrupção, os ataques não param.

 

Dois temas importantes estão em pauta neste momento: a privatização de 100% dos Correios e a luta por emprego, salários e direitos da categoria e o criminoso Projeto de Lei 490/2007 que trata do marco temporal e prevê que só a demarcação somente das terras indígenas que já estavam em posse desses povos na data da promulgação da Constituição, 5 de outubro de 1988.

 

Diante de tantos ataques, a luta não pode parar. Por isso, neste dia 13 haverá mobilização nacional contra as privatizações, com Correios na linha de frente dessa luta, e em defesa dos povos originários.

 

Privatização dos Correios

 

No caso dos Correios, nunca a privatização esteve tão próxima de se realizar como neste momento. O governo Bolsonaro, o presidente da Câmara Federal, Artur Lira, e a bancada entreguista do centrão, querem destruir uma empresa que ao longo de 358 anos foi construída como bem público, para atender à população em todos os municípios do país, em seus mais de 40 milhões de domicílios e que é fundamental principalmente para os pequenos municípios mais distantes que dependem desses serviços para sua sobrevivência.

 

O modelo de privatização dos Correios é a venda de 100% do seu capital. A proposta que o Ministério da Economia quer ver aprovada pela Câmara dos Deputados, antes do recesso parlamentar, prevê que a União se desfaça de 100% do capital da empresa.

 

“Se passar a privatização dos Correios, haverá demissão em massa e vamos engrossar a fila dos mais de 14 milhões de desempregados nesse país, sem contar que a população toda será prejudicada”, salienta o trabalhador da empresa Geraldinho Rodrigues, integrante da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas.

 

Neste sentido os trabalhadores dos Correios, por meio de seus sindicatos, estão chamando para esse dia 13 de julho um ato em Brasília às 10 horas em frente ao edifício sede da empresa.

 

PL 490 que acabar com povos originários

 

 

Os indígenas vêm travando uma forte luta unificada contra o Projeto de Lei 490/2007, o marco temporal, que além de inconstitucional, é uma sentença de morte aos povos originários de nosso país, uma vez que ficarão a mercê do ataque institucionalizado e ganância do sistema capitalista. O que hoje é ilegal, será legalizado caso o projeto seja aprovado. Terão  passe livre para entrar nas terras dos povos originários para a exploração e comercialização de garimpeiros e madeireiros ilegais e do agronegócio. Será a morte de nossos povos.

 

Em defesa de suas vidas, no dia 8 de junho iniciaram um acampamento em Brasília, o Levante pela Terra, que chegou a reunir mais de mil indígenas representando 45 povos espalhados pelo Brasil. Realizaram protestos em frente à Câmara, à Funai e ao STF (Supremo Tribunal Federal), foram duramente reprimidos pela Polícia Militar, mas não esmoreceram e continuam em luta.

 

Há atos marcados em algumas capitais em defesa dos povos originários.

 

“Essas lutas são mais amplas que as próprias categorias envolvidas, pois é uma pauta da classe trabalhadora como um todo em defesa dos povos indígenas, que estão enfrentando o genocídio por este governo e contra as privatizações no Brasil, que entregam a soberania nacional ao capital privado”, afirma a integrante da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas Rita Souza.

A CSP-Conlutas mantém-se como parte dessas lutas e manifesta total apoio e solidariedade.

 

Aos que participarem dos atos, reforça-se que é preciso usar máscara (de preferência pff2), álcool em gel e manter o distanciamento.

 

Abaixo, os atos marcados

Alagoas (AL):
Maceió – Centro em Frente ao antigo Produban,15h.

 

Ceará (CE):
Fortaleza- 15h30- Praça da Bandeira
Crato- 8h- Agência dos Correios
Juazeiro do Norte- 8h- Agência dos Correios-Centro

 

Distrito Federal (DF):
Brasília – Gramado da rodoviária plano piloto, 16h.
Edifício sede dos Correios, 10h

 

Espírito Santo (ES):
Vitória – Praça Costa Pereira, 10h.

 

Goiás (GO):
Goiânia – Praça do Bandeirante, 16h.

 

Mato Grosso (MT):
Cuiabá – 12 horas – Praça da República.

 

Minas Gerais (MG):
Belo Horizonte – Praça Afonso Arinos – 17h
Ribeirão das Neves – Praça de Justinópolis – 17:30h
Uberaba – Praça Henrique Kruger (Av. Fidelis Reis) – 17h
Uberlândia – Agência dos Correios (Av. Getúlio Vargas) – 11:30h
Montes Claros – Praça do Maracanã – 9h
Itaúna – Praça da Matriz – 18h
Itabira – Praça Acrísio Alvarenga – 18 horas.
Mariana – Praça Presidente Tancredo Neves (Centro)
Ouro Branco – Praça Santa Cruz – 15:30H
Poços de Caldas – Praça Pedro Sanches – 17H
Juiz de Fora: Correios, 8.30h

 

Pará (PA):
Belém – Escadinha da Doca, 17h;
Santarém – Praça São Sebastião, 17h.

 

Paraíba (PB):
João Pessoa – Praça Cristo Rei, Mangabeira, 09h;
Campina Grande – Praça da Bandeira, 09h;
Patos – Correios, 17h;
Cajazeiras – Prefeitura, 09h;

 

Paraná (PR):
Curitiba – Praça Santo André, 18h;
Cascavel – Catedral, 17h;
Maringá – Praça da Prefeitura, 18 horas.

 

Pernambuco (PE):
Caruaru – Março Zero, 16h.
Garanhuns – Colunata, 15h.

 

Piauí (PI):
Teresina – Cruzamento da Av Serafim com a Frei Rosa, 17h

 

Rio de Janeiro (RJ):
Rio de Janeiro – 17h Candelária.
7h Hospital Universitário da UFRJ
10h ato da educação em frente a prefeitura.

11h ato Prédio central dos Correios. Cidade Nova

Petrópolis em frente a sede do Correios – Centro 16h
Cabo Frio – Jardim Esperança, 17h
Niterói – Hospital Universitário da UFF, 7h.

 

Rio Grande do Norte (RN):
Natal – 14:30, Praça do Relógio

 

Rio Grande do Sul (RS):
Porto Alegre – 18h prefeitura;
Passo Fundo – 18:30 Praça do Teixeirinha;
Pelotas – Mercado Público, 17h;
Guaíba – 17h Largo José Cláudio Machado;

 

Santa Catarina (SC):
Florianópolis – catedral, 17h.
Balneário Camboriú – molhe da Barra Norte, 19h

 

São Paulo (SP):
São Paulo – 17h, Teatro Municipal
São Paulo – 12h, Instituto Federal de São Paulo
Campinas – 17h, em frente a Catedral Metropolitana (pça José Bonifácio)
São Vicente – 17h, Praça dos Correios
Sorocaba- Centro 16h

 

Sergipe (SE):
Aracaju – Calçadão João Pessoa, 16h.

 

Fonte: CSP-Conlutas

Terça, 06 Julho 2021 17:10

 

Pouco a pouco as mobilizações contra as políticas e os escândalos que envolvem o Governo Bolsonaro ganham força. No último sábado, três de julho, as ruas de mais de 400 municípios dentro de fora do país foram novamente ocupadas por manifestantes. Com pouquíssimo tempo para organização, a quantidade de pessoas que responderam ao chamado de centrais sindicais, movimentos sociais e partidos políticos chegou a superar expectativas.

 

Em Cuiabá a concentração foi, mais uma vez, na Praça Alencastro, região central. Por volta das 10h30, os manifestantes começaram a percorrer algumas das principais avenidas da capital – Getúlio Vargas, Isaac Póvoas e Tenente Coronel Duarte-, provocando o debate sobre a conjuntura entre a população, que filmava tudo e, vez por outra, manifestava concordância ou discordância.

 

Mais de 23 entidades locais e nacionais fizeram falas sobre os motivos do ato, que envolveram desde a falta de ações do Governo Federal para combater a pandemia, até às imposições de políticas neoliberais que pioram as condições de vida da população, como a privatização da Eletrobrás e dos Correios, o Marco Temporal e a PL 490 contra os povos indígenas, e os ataques sistemáticos à Educação, ao SUS, à Previdência e aos direitos trabalhistas, especialmente por meio da proposta de Reforma Administrativa (PEC 32). As denúncias de corrupção na compra das vacinas, num dos piores momentos para a população, também marcaram o tom de repúdio do ato.

 

“Estamos aqui, em unidade, todas as forças progressistas, de esquerda, comunistas, socialistas, em defesa do nosso protagonismo na derrubada desse governo. Temos que tomar as rédeas dos rumos dos acontecimentos e defender que esse Governo não fique nem mais um minuto no poder. Não devemos nos contentar com impeachment ou processo eleitoral burguês como fim último do nosso processo de construção popular. O poder popular se faz nas ruas, com a juventude, com as entidades sindicais, movimentos sociais, partidos políticos, e este aqui é um movimento por essa construção. Quero cumprimentar a todos, desejar uma marcha belíssima, chamar os trabalhadores e as trabalhadoras do centro de Cuiabá e da cidade inteira para somar ao esforço de derrubar esse processo de morte, desse governo genocida, e desse partido fardado. Saudações, companheiros. Fora Bolsonaro!”, disse o diretor da VPR Pantanal, Vice-presidência do ANDES-Sindicato Nacional no Centro Oeste, Bruno Santos.

 

Com a participação da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (Adufmat-Ssind), foram realizados também atos em Sinop e Barra do Garças.   

 

Novos atos já estão oficialmente convocados para o dia 24 de julho.

 

Confira as fotos na GALERIA DE IMAGENS.

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quinta, 01 Julho 2021 16:40

 

Atualizada às 11h30 do dia 02/07/21*

 

Neste sábado, 03/07, a população vai às ruas para reivindicar vacina no braço e comida no prato. O ato foi convocado nacionalmente por centrais sindicais e partidos políticos e, em Cuiabá, ao menos 23 entidades organizam o “Fora Bolsonaro e Mourão: pela vida, por vacina e pelo auxílio”.

 

Na capital mato-grossense a concentração será às 9h, na Praça Alencastro, em frente a Prefeitura Municipal de Cuiabá.  

 

Em Sinop o ato será a partir das 14h, com uma carreata saindo do Estádio Gigante do Norte.

 

O ato no Araguaia terá início às 7h na Praça Sebastião Junior. 

 

A Adufmat-Ssind, uma das entidades envolvidas, construiu também os atos anteriores dos dias 29/05 e 19/06 nos locais da sede e subsedes. Ela será a responsável, ainda, por uma atividade no dia anterior ao ato (02/07) - um “esquenta”, em Cuiabá, projetando mais uma vez as reivindicações dos manifestantes em vários pontos da cidade (saiba mais aqui).  

 

Nas ruas, a população se mostra cada vez mais numerosa no coro que demanda a queda de Bolsonaro. Foram milhares de pessoas em mais de 300 atos dentro e fora do país nos dias 29 de maio, 19 de junho, e novos protestos estão sendo convocados para os dias 03 e 24 de julho.

 

 

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quarta, 30 Junho 2021 18:23

Manifestantes voltam às ruas neste sábado, 03/07; em Cuiabá o ato será às 9h na Praça Alencastro

 

Com o destempero de sempre - talvez um pouco mais acentuado – Bolsonaro, ao não ter o que responder, mandou calar. A semana passada não foi fácil para o presidente, e a tendência é que piore. O que começou com grandes protestos em todo o país, terminou com graves denúncias e mais protestos.

 

Há pouco mais de um mês, as ruas de todo o país voltaram a ser inundadas por pedidos de impeachment, renúncia, ou qualquer estratégia capaz de tirar Bolsonaro e Mourão da cadeira presidencial. Os atos de 29 de maio e 19 de junho serão encorpados no próximo sábado, 3 de julho, e também no dia 24 de julho.

 

Em meio à pandemia, o comportamento insatisfatório com relação à compra de vacinas e o negacionismo acerca das medidas protetivas foi agravado por denúncias de corrupção. Primeiro da vacina indiana Covaxin, que seria adquirida por um valor muito alto e em tempo Record, por meio de um contrato cheio de irregularidades. Nessa terça-feira, 29/06, a Folha de S. Paulo publicou nova denúncia, de que representantes interessados em vender as vacinas da Astrazeneca também teriam sido convidados a participarem de esquema de superfaturamento que custaria R$ 1 bilhão aos sofres públicos.  

 

Com relação ao contrato para a compra da Covaxin, o deputado Luiz Miranda (DEM/DF) afirmou, na CPI da Covid-19, que Bolsonaro sabia do esquema e não tomou nenhuma providência, o que caracteriza crime de peculato. Foi o irmão de Miranda, que é servidor público, quem alertou sobre a intenção do crime. “Depois do que fizeram com o meu irmão, queria dizer para todos os servidores públicos, principalmente aqui do Distrito Federal, que se sintam abraçados porque a partir de agora sou contra a Reforma Administrativa, porque se não fosse a estabilidade, o meu irmão não estaria aqui sentado, com a coragem que ele tem, de denunciar isso tudo que está ocorrendo. A estabilidade, para o funcionário público, é a garantia de que eles não podem ser coagidos como o ministro Onyx Lorenzoni tentou fazer”, disse Luiz Miranda durante o depoimento à CPI.

 

Nessa quarta-feira, 30/07, entidades e representantes públicos entregaram à Câmara mais um documento pedindo a saída de Bolsonaro. O “superpedido” de impeachment reúne argumentos dos cerca de 120 pedidos anteriores de impedimento, somando mais de 20 acusações, divididas em sete categorias: crimes contra a existência da União; crimes contra o livre exercício dos poderes Legislativo e Judiciário e dos poderes constitucionais dos estados; crimes contra o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais; crimes contra a segurança interna; crimes contra a probidade na Administração Pública; crimes contra a guarda e legal emprego de dinheiro público; crimes contra o cumprimento de decisões do Judiciário.

.

 

A pressão sobre Bolsonaro aumenta nas ruas e, seus planos, por consequência, vão caindo por terra. Depois da demissão de um dos seus ministros favoritos, o Meio Ambiente, Ricardo Salles – da boiada -, da suspensão do contrato de compra da Covaxin, da queda de popularidade e intenção eleitoral, o presidente terá de enfrentar mais um pedido de impeachment, que apontam fortes indícios de práticas ilícitas.

 

Atos Públicos

 

Nas ruas, a população se mostra cada vez mais numerosa no coro que demanda a queda de Bolsonaro. Foram milhares em mais de 300 atos dentro e fora do país nos dias 29 de maio, 19 de junho, e novos protestos estão sendo convocados para os dias 03 e 24 de julho.

 

Em Cuiabá o ato do próximo sábado terá início às 9h, na Praça Alencastro (em frente a Prefeitura da capital).

 

Além das manifestações de 29M e 19J, Cuiabá e Sinop também fizeram projeções com críticas às políticas do Governo, fortalecendo a bandeira Fora Bolsonaro (saiba mais aqui).

 

Veja fotos na Galeria de Imagens da Adufmat-Ssind (clique aqui)

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Foto: Ato do 19J em Cuiabá/ Imprensa Adufmat-Ssind

 

 

Quarta, 30 Junho 2021 14:48

 

 

 

Novas manifestações contra o governo de Jair Bolsonaro e Mourão acontecem no próximo sábado, 3 de julho, em todo o país. As suspeitas de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin pelo governo federal, levantadas na CPI da Covid, fizeram com que entidades que integram a Campanha Fora Bolsonaro adicionassem mais uma data ao calendário de luta. No Brasil, já são mais de 514 mil pessoas mortas em decorrência da Covid-19. O dia 24 de julho ainda segue como um dia de lutas e mobilizações em todo o país.

Além da saída de Jair Bolsonaro e Mourão, as e os manifestantes exigem celeridade na vacinação, auxílio emergencial de, no mínimo, R$ 600 até o controle efetivo da pandemia, mais investimentos em Educação e Saúde, além da defesa dos povos indígenas e pela não aprovação da reforma Administrativa. Este é o terceiro ato contra o governo, os primeiros ocorreram em 29 de maio e 19 de junho.

Na quarta-feira (30), um “superpedido” de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro será protocolado em Brasília (DF). A iniciativa organizada pela Campanha Fora Bolsonaro reúne partidos políticos, movimentos sindicais e sociais, reunindo os 122 pedidos já encaminhados à Câmara dos Deputados. A ação pretende pressionar o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), para que abra imediatamente o processo.

Vacinas
Na última sexta-feira (25), na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, foram levantadas suspeitas sobre um esquema de fraude na negociação para a compra de doses do imunizante Covaxin entre o Ministério da Saúde (MS) e a empresa Precisa Medicamentos, responsável pela venda no Brasil do imunizante produzido pelo laboratório indiano Bharat Biotech.

Em depoimento à CPI, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) afirmou que o nome citado pelo presidente Bolsonaro (sem partido), como responsável pelo esquema da compra da vacina indiana Covaxin, com preço superfaturado, é o do deputado Ricardo Barros (PP-PR). Ele e o seu irmão, Luis Ricardo Fernandes Miranda, que é servidor concursado do MS disseram que “o presidente da República foi alertado das irregularidades e, ao invés de apurá-las, as creditou ao líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR)”. A suspeita é de superfaturamento e corrupção. Após as novas denúncias, Jair Bolsonaro foi recebido com manifestações em Santa Catarina.

Mais recente veio à tona que a negociação para a compra de outro imunizante, a vacina Convidencia, produzida pelo laboratório chinês CanSino, também está na mira da CPI da Covid. A comissão vai investigar a tentativa do governo em comprar 60 milhões de doses da vacina, através de mais uma empresa intermediária, a Becher Farmacêutica do Brasil, que também é investigada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público por fraude. O valor da dose sairia por 17 dólares, ainda mais caro que a Covaxin, que até então era a de maior valor (US$ 15, valor 1.000% acima dos demais imunizantes).

ANDES-SN na luta
O Sindicato Nacional convoca todas e todos a participarem dos atos nos estados respeitando as medidas de segurança sanitária, com máscaras PFF2 e álcool em gel para higienizar as mãos com frequência, e manter o distanciamento mínimo de 2 metros.

 

Fonte: ANDES-SN (com informações da CSP-Conlutas e Agência Senado)

Segunda, 28 Junho 2021 18:12

 

Não esquecer para nunca mais se repetir. Assim, a Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (Adufmat-Ssind) promoveu, este final de semana, projetaços em Cuiabá e Sinop (479,4 km de Cuiabá) para marcar um mês da censura de Bolsonaristas a outdoors veiculados em Sinop no dia 26/05. O grupo aterrorizou as entidades que contrataram o serviço e a empresa que veiculou a campanha crítica às políticas do Governo Bolsonaro com relação à pandemia e à Economia (leia aqui a matéria sobre o caso).

 

Em Cuiabá, as projeções dos três outdoors censurados em Sinop e outras frases criticando o negacionismo que prejudicou as políticas de combate à pandemia, a proximidade com milícias, aumento dos preços e a corrupção do atual governo foram projetadas em vários locais diferentes. Alguns deles foram a igreja São Benedito e arredores (na Prainha) o hotel Taiamã, na avenida do CPA (em frente a Política Federal), e próximo ao Choppão e à Praça Rachid Jaudy. A organização afirma que haverá novas projeções nos próximos dias.

 

 

Em Sinop a ação foi uma parceria entre Adufmat-Ssind, Adunemat-Ssind, Coletivo Sinop para Elas, PDT, e o Mandato da vereadora Professora Graciele (PT). Além das artes projetadas em defesa das vacinas, a ação conjunta, realizada em “descomemoração” à censura dos outdoores também trouxe uma Bazuca poética com a arte de Jean Siqueira, ameaçado em Cuiabá por um homem armado após grafitar a morte com a expressão “Bolsonaro Genocida”, no início deste mês.  

 

 

As manifestações ganham força a partir dos atos Fora Bolsonaro realizados em todo o país e às denúncias de que revelam, além do descaso com a pandemia, possíveis ações de corrupção.

 

Clique aqui para ver mais fotos e vídeos do projetaço deste final de semana em Sinop e Cuiabá.

 

 

 

Luana Soutos

Assessoria da Imprensa da Adufmat-Ssind