Quarta, 17 Agosto 2016 11:16

 

"Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros." Che Guevara



Venha participar e encontrar outras pessoas da UFMT que compartilham do sentimento de solidariedade de classe e que apoiam a luta do MST.

 

Vai ter um caldinho gostoso para saborear, música, poesia, cultura e muita disposição para a luta!

 

19/08, às 19 horas, no Sintuf (atrás da Biblioteca)


Até lá!

Quarta, 17 Agosto 2016 11:16

 

"Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros." Che Guevara



Venha participar e encontrar outras pessoas da UFMT que compartilham do sentimento de solidariedade de classe e que apoiam a luta do MST.

 

Vai ter um caldinho gostoso para saborear, música, poesia, cultura e muita disposição para a luta!

 

19/08, às 19 horas, no Sintuf (atrás da Biblioteca)


Até lá!

Sábado, 23 Julho 2016 16:54

Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso, reunidos em assembleia geral realizada nessa quinta-feira, 21/07, no auditório da Adufmat – Seção Sindical do ANDES, deliberaram algumas ações com relação à suspensão do pagamento do adicional de insalubridade, alterações na Resolução 158/10 e contribuição financeira ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). 

Nos três pontos de pauta, o caráter político dos temas foi evidenciado pelos docentes durante os debates.

Com relação a suspensão do pagamento do adicional de insalubridade a alguns docentes, a categoria refletiu sobre o que representa a necessidade de um percentual como esse acrescentado ao salário. “A ideia do adicional de insalubridade é que ele seja uma multa paga pela empresa até a resolução de um problema que deve ser resolvido. A discussão que a gente tem de fazer aqui é se um adicional salarial, assim como a utilização de Equipamentos de Proteção Individual que não têm a eficiência necessária, compensam os riscos que determinada atividade representa a saúde do trabalhador?”, comentou o professor Wanderlei Pignati, que realiza pesquisas na área da Saúde Coletiva. 

O debate também levou em consideração a maneira como o adicional foi retirado de docentes e técnicos da UFMT e, ao final, a categoria decidiu as seguintes ações sobre o ponto de pauta: acionar a assessoria jurídica do sindicato para estudar a questão e trabalha-la de forma individual; solicitar um debate com a administração da universidade sobre os critérios para pagamento ou não do adicional, e a maneira como os cortes foram realizados na universidade; levar a denúncia ao ANDES – Sindicato Nacional. 

Sobre as alterações da Resolução 158/10, a plenária aprovou a proposta feita pela professora Alair Silveira, membro do Grupo de Trabalho Política de Formação Sindical (GTPFS). A ideia é que o GT elabore um calendário para debater o tema, com o objetivo de fomentar a categoria para apresentar, mais adiante, uma proposta alternativa a sugerida pelo Consepe, que tenha sido efetivamente pensada pelos professores. Todas as assembleias realizadas durante a greve de 2015 para construção da pauta interna, em que a categoria refletiu longamente sobre o caráter do trabalho docente, devem ser incluídas no processo de elaboração dessa proposta. 

O debate sobre a contribuição financeira ao MST foi marcado por intervenções emocionadas, que ressaltaram o caráter classista da Adufmat e do ANDES Sindicato Nacional, além do histórico do sindicato, de parceria e solidariedade com o MST e outros movimentos sociais. Membros do Movimento vieram a assembleia relatar os motivos da solicitação, que são os cortes de recursos destinados aos projetos que ajudam o MST a tocar suas atividades e lutas. “Nós temos tranquilidade para vir aqui falar sobre isso, porque esse é um espaço de trabalhadores, de gente que constrói riquezas, como nós”, afirmou o coordenador do MST, Vanderly Scarabeli.

Depois de várias manifestações favoráveis e contrárias, o pleno decidiu, com apenas um voto de diferença, que a contribuição não será realizada. Foram 32 votos favoráveis e 33 contrários.   

O presidente da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo, registrou, no início do debate, que recebeu informações sobre boatos que teriam sido espalhados pela universidade, sugerindo que a contribuição implicaria em descontos no holerite de docentes sindicalizados. “Boatos não contribuem para o fortalecimento da democracia no nosso sindicato”, comentou. 

Mas após a assembleia, avaliou positivamente o embate. “Todos os temas propostos ao sindicato são discutidos junto a base nas assembleias. Ela é nossa maior instancia deliberativa. Assim, a solicitação do MST, que tem apoio de um grupo de sindicalizados, não seria diferente. Nós o fizemos com todo o respeito a cada pessoa presente e aos diferentes posicionamentos, nos reafirmando como um sindicato de base”, concluiu. 

Os pontos de pauta “reforma na sede da Adufmat-Ssind” (previsto no edital de convocação), e “representação nas reuniões de setor do ANDES” e “retomada dos GT’s” (incluídos no início da assembleia) não foram avaliados devido ao avançado da hora. 

Entre os informes, foram pontos destacados pela diretoria: a participação em evento contra o racismo e homofobia em Sinop, realizado pelos estudantes em parceria com a Unemat; a determinação da quebra de sigilo da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e do presidente da instituição, por conta da CPI da Funai; as preocupações com a Fapemat, que serão debatidas mais detalhadamente nos próximos dias; a parceria em eventos; e as últimas informações sobre os 28,86%, que são a devolução do processo pela UFMT sem nenhuma petição anexa, isto é, nenhuma manifestação, e o ato que será realizado pelos docentes no dia 28/07, às 8h30, na frente da Reitoria. 

Da base, os informes foram sobre as atividades do GT Aposentados, a participação da Adufmat-Ssind no 61º Conad, e a Resolução 158/12. 

A professora Vanessa Furtado, diretora da VPR Pantanal do ANDES, fez alguns informes referentes a atividades do Sindicato Nacional.  

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind 

Quarta, 27 Abril 2016 12:21

 

A energia na caminhada impressiona. Foram 27 km a pé, dois dias de caminhada em fila, saindo da BR 364, próximo do rio Aricá, em direção a Praça Ulisses Guimarães, no Centro Político e Administrativo de Cuiabá. Nos pés de muitos que ali caminhavam, chinelo. Além do desgaste físico, o emocional também é um fator importante durante o trajeto. Não é fácil defender a Reforma Agrária e os direitos dos trabalhadores rurais na capital do agronegócio, ainda mais em tempos de aprofundamento da intolerância.

  

Todos os anos o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza uma longa caminhada, dentro da programação do Abril Vermelho. Além das reivindicações gerais do Movimento, como reforma agrária, saúde e educação de qualidade no campo, os trabalhadores lembram, nesse período, que mais um ano se passou sem a punição adequada dos responsáveis pelo massacre do Eldorado dos Carajás, em 1996. Dezenove vidas foram retiradas naquele 17/04. Vinte anos depois, alguns dos autores do crime cumprem pena em regime domiciliar, outros foram absolvidos no final do julgamento, apesar de todas as evidências.

 

A marcha desse ano teve início na segunda-feira (25/04), com os primeiros 17 km cumpridos de acordo com o planejado. Os trabalhadores descansaram na entrada de Cuiabá.  Na terça-feira, acompanhados de outros movimentos sociais, os trabalhadores percorreram mais 10 km do trajeto, até a Praça Ulisses Guimarães. O MST deve permanecer acampado na região durante alguns dias, enquanto pretende avançar em determinadas pautas políticas com INCRA e Secretaria Estadual de Educação. A educação é o tema de parte da programação do Abril Vermelho, que contém o “Ciclo de Debates: Educação e Luta de Classes”, com atividades até o dia 29/04, na UFMT (confira abaixo). Esse ano, o MST também marchou em defesa da democracia e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.    

 

A Seção Sindical do Andes – Sindicato Nacional (Adufmat-Ssind) acompanhou a marcha e prestou seu apoio, reafirmando sua posição histórica enquanto entidade classista. “O ANDES-SN tem uma visão bastante clara da nossa identidade sindical, classista e solidária a todos os movimentos sociais de trabalhadores. O MST, especialmente nessa agenda anual, do Abril Vermelho, é uma expressão genuína dessa luta dos trabalhadores brasileiros, que é nossa também, dos servidores públicos e dos professores”, disse o presidente da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo.

 

Durante a atividade, Araújo chamou a atenção para a conjuntura política do país, que certamente, em sua análise, implicará na organização e grande mobilização dos trabalhadores nos próximos meses.

 

Por onde a marcha passou, não ficou indiferença. Manifestações de apoio e também contrárias à luta demonstram que, bem ou mal, os brasileiros estão interessados e conectados às questões políticas do país, que não se resumem a interesses partidários. Cumpriram seu objetivo os mais de 600 marchadores que atravessaram Cuiabá nessa terça-feira: pautaram sua luta, e disseram à milhares de pessoas que os viram no caminho que é preciso melhorar as condições de vida e trabalho dos brasileiros do campo e da cidade. Para isso, é preciso haver, de início, ao menos consciência e envolvimento da população.

 

Pedras no caminho

 

Não era de se admirar, diante do cenário de intolerância e violência, que houvesse alguma investida para tentar romper ou atrapalhar a marcha do MST. O grupo já tem algumas experiências nesse sentido. No entanto, a surpresa, dessa vez, veio de um agente da Polícia Federal.

 

Assim apontam diversos relatos de membros do MST, e também de outras pessoas que não pertencem ao Movimento, mas acompanhavam a marcha: cerca de cinco km do início da atividade na segunda-feira, um homem simplesmente avançou com o carro sobre os trabalhadores que caminhavam no final da fila. A equipe de segurança do Movimento, tentando evitar que o condutor continuasse e atropelasse as pessoas, acabou quebrando um vidro do seu carro. Gritando e portando uma arma de fogo, o homem, sem nenhuma identificação no veículo ou na roupa, desceu do carro ameaçando os trabalhadores. A segurança do movimento o imobilizou e retirou a arma. Feito isso, o homem entrou no seu carro e foi embora. Cerca de duas horas depois, ele voltou acompanhado da Polícia Rodoviária Federal, que o identificou da maneira devida e iniciou, junto ao MST, o procedimento de devolução da arma. Em nenhum momento a marcha parou ou atrasou. Não houve nenhum incidente.

 

O advogado do MST, Silvio Araújo, explicou que, passado o susto, a negociação foi tranquila. “A tomada da arma foi um ato de defesa. Qualquer pessoa armada representa um perigo, e a pessoa em questão se identificava, apenas, verbalmente. Com relação à devolução da arma, foi um processo bastante tranquilo. Não é interesse do Movimento se apropriar indevidamente de bem público. A arma pertence à União, então nós a devolvemos conforme combinamos com os policiais que fizeram o contato conosco nesse sentido”.       

 

As atividades do Abril Vermelho seguem até o dia 01/04, confira:

 

PROGRAMAÇÃO ABRIL VERMELHO 2016

 

Dia 24/04 
16h - Ato público de lançamento da Marcha do MST
Local: Rodovia BR 364, sentido Rondonópolis, próximo ao Rio Aricá e PRF

 

Dia 25/04
5h - Largada da Marcha do MST
Percurso: 17 Km de caminhada. BR364 entrando em Cuiabá pela av. Fernando Correa da Costa (aproximadamente 4 a 5 horas de caminhada)
Parada para almoço, descanso e pouso.
Local: área próxima ao trevo/ viaduto Av. Fernando Correa/ Av. Palmiro Paes de Barros
Período da tarde: Formação política (estudo da conjuntura, reforma trabalhista, política de ajustes do governo estadual, etc.)
Noite: atividades culturais - filmes e apresentações

 

Dia 25/04
18h: Reunião para a constituição do Núcleo da UFMT da FRENTE BRASIL POPULAR MT e Ato SAÚDE CONTRA O GOLPE
Auditório 1 do ICHS – UFMT

 

26/04
6h - continuidade da marcha - Av. Fernando Correa até Av. Prainha (morro da Luz), Av. Rubens de Mendonça rumo ao INCRA
Parada para almoço, descanso e pouso
Período da tarde: formação política (estudo da conjuntura, reforma trabalhista, política de ajustes do governo estadual, etc.)
Noite: atividades culturais - filmes e apresentações

 

27/04
8h - ações de lutas na região do Centro Político Administrativo
Pauta: a partir da orientação nacional
Período da tarde: formação política (estudo da conjuntura, reforma trabalhista, política de ajustes do governo estadual, etc.)
Noite: atividades culturais - filmes e apresentações

Ciclo de debates "Educação e luta de classes"

 

27/04/2016 - Local: ADUFMAT
9h – 11h - Panorama da Reforma Agrária do Brasil - Idalice (MST) e Domingos Sávio (Unemat)
14h - 17h - O Estado e o Estado Brasileiro - Ivo Tonet (UFAL)
19h - 22h - Roda de conversa e vídeo

 

28/04/2016 - Local: ADUFMAT
9h – 11h - Carajás: 20 anos de impunidade - Lucineia (MST)
14h – 17h - O Estado e o Estado Brasileiro - Ivo Tonet (UFAL)

 

29/04/2016 - Local: ADUFMAT
9h – 11h - Reforma agrária popular e a perspectiva das lutas - Nivea Regina (direção nacional do MST-RJ)
14h – 17h - O Estado e o Estado Brasileiro - Ivo Tonet (UFAL)
19h – 22h - Sarau: As castanheiras lembram, e você?

 

30/04/2016

Noite - panfletagem contra o golpe no SESI Papa

 

01/05/2016
12h - Almoço com o MST no INCRA (Centro Político)
16h - Romaria dos Trabalhadores - saída do INCRA até a praça cultural do CPA1)
17h - Ato em comemoração ao dia do trabalhador

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quarta, 27 Abril 2016 12:19

 

A energia na caminhada impressiona. Foram 27 km a pé, dois dias de caminhada em fila, saindo da BR 364, próximo do rio Aricá, em direção a Praça Ulisses Guimarães, no Centro Político e Administrativo de Cuiabá. Nos pés de muitos que ali caminhavam, chinelo. Além do desgaste físico, o emocional também é um fator importante durante o trajeto. Não é fácil defender a Reforma Agrária e os direitos dos trabalhadores rurais na capital do agronegócio, ainda mais em tempos de aprofundamento da intolerância.

  

Todos os anos o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza uma longa caminhada, dentro da programação do Abril Vermelho. Além das reivindicações gerais do Movimento, como reforma agrária, saúde e educação de qualidade no campo, os trabalhadores lembram, nesse período, que mais um ano se passou sem a punição adequada dos responsáveis pelo massacre do Eldorado dos Carajás, em 1996. Dezenove vidas foram retiradas naquele 17/04. Vinte anos depois, alguns dos autores do crime cumprem pena em regime domiciliar, outros foram absolvidos no final do julgamento, apesar de todas as evidências.

 

A marcha desse ano teve início na segunda-feira (25/04), com os primeiros 17 km cumpridos de acordo com o planejado. Os trabalhadores descansaram na entrada de Cuiabá.  Na terça-feira, acompanhados de outros movimentos sociais, os trabalhadores percorreram mais 10 km do trajeto, até a Praça Ulisses Guimarães. O MST deve permanecer acampado na região durante alguns dias, enquanto pretende avançar em determinadas pautas políticas com INCRA e Secretaria Estadual de Educação. A educação é o tema de parte da programação do Abril Vermelho, que contém o “Ciclo de Debates: Educação e Luta de Classes”, com atividades até o dia 29/04, na UFMT (confira abaixo). Esse ano, o MST também marchou em defesa da democracia e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.    

 

A Seção Sindical do Andes – Sindicato Nacional (Adufmat-Ssind) acompanhou a marcha e prestou seu apoio, reafirmando sua posição histórica enquanto entidade classista. “O ANDES-SN tem uma visão bastante clara da nossa identidade sindical, classista e solidária a todos os movimentos sociais de trabalhadores. O MST, especialmente nessa agenda anual, do Abril Vermelho, é uma expressão genuína dessa luta dos trabalhadores brasileiros, que é nossa também, dos servidores públicos e dos professores”, disse o presidente da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo.

 

Durante a atividade, Araújo chamou a atenção para a conjuntura política do país, que certamente, em sua análise, implicará na organização e grande mobilização dos trabalhadores nos próximos meses.

 

Por onde a marcha passou, não ficou indiferença. Manifestações de apoio e também contrárias à luta demonstram que, bem ou mal, os brasileiros estão interessados e conectados às questões políticas do país, que não se resumem a interesses partidários. Cumpriram seu objetivo os mais de 600 marchadores que atravessaram Cuiabá nessa terça-feira: pautaram sua luta, e disseram à milhares de pessoas que os viram no caminho que é preciso melhorar as condições de vida e trabalho dos brasileiros do campo e da cidade. Para isso, é preciso haver, de início, ao menos consciência e envolvimento da população.

 

Pedras no caminho

 

Não era de se admirar, diante do cenário de intolerância e violência, que houvesse alguma investida para tentar romper ou atrapalhar a marcha do MST. O grupo já tem algumas experiências nesse sentido. No entanto, a surpresa, dessa vez, veio de um agente da Polícia Federal.

 

Assim apontam diversos relatos de membros do MST, e também de outras pessoas que não pertencem ao Movimento, mas acompanhavam a marcha: cerca de cinco km do início da atividade na segunda-feira, um homem simplesmente avançou com o carro sobre os trabalhadores que caminhavam no final da fila. A equipe de segurança do Movimento, tentando evitar que o condutor continuasse e atropelasse as pessoas, acabou quebrando um vidro do seu carro. Gritando e portando uma arma de fogo, o homem, sem nenhuma identificação no veículo ou na roupa, desceu do carro ameaçando os trabalhadores. A segurança do movimento o imobilizou e retirou a arma. Feito isso, o homem entrou no seu carro e foi embora. Cerca de duas horas depois, ele voltou acompanhado da Polícia Rodoviária Federal, que o identificou da maneira devida e iniciou, junto ao MST, o procedimento de devolução da arma. Em nenhum momento a marcha parou ou atrasou. Não houve nenhum incidente.

 

O advogado do MST, Silvio Araújo, explicou que, passado o susto, a negociação foi tranquila. “A tomada da arma foi um ato de defesa. Qualquer pessoa armada representa um perigo, e a pessoa em questão se identificava, apenas, verbalmente. Com relação à devolução da arma, foi um processo bastante tranquilo. Não é interesse do Movimento se apropriar indevidamente de bem público. A arma pertence à União, então nós a devolvemos conforme combinamos com os policiais que fizeram o contato conosco nesse sentido”.       

 

As atividades do Abril Vermelho seguem até o dia 01/04, confira:

 

PROGRAMAÇÃO ABRIL VERMELHO 2016

 

Dia 24/04 
16h - Ato público de lançamento da Marcha do MST
Local: Rodovia BR 364, sentido Rondonópolis, próximo ao Rio Aricá e PRF

 

Dia 25/04
5h - Largada da Marcha do MST
Percurso: 17 Km de caminhada. BR364 entrando em Cuiabá pela av. Fernando Correa da Costa (aproximadamente 4 a 5 horas de caminhada)
Parada para almoço, descanso e pouso.
Local: área próxima ao trevo/ viaduto Av. Fernando Correa/ Av. Palmiro Paes de Barros
Período da tarde: Formação política (estudo da conjuntura, reforma trabalhista, política de ajustes do governo estadual, etc.)
Noite: atividades culturais - filmes e apresentações

 

Dia 25/04
18h: Reunião para a constituição do Núcleo da UFMT da FRENTE BRASIL POPULAR MT e Ato SAÚDE CONTRA O GOLPE
Auditório 1 do ICHS – UFMT

 

26/04
6h - continuidade da marcha - Av. Fernando Correa até Av. Prainha (morro da Luz), Av. Rubens de Mendonça rumo ao INCRA
Parada para almoço, descanso e pouso
Período da tarde: formação política (estudo da conjuntura, reforma trabalhista, política de ajustes do governo estadual, etc.)
Noite: atividades culturais - filmes e apresentações

 

27/04
8h - ações de lutas na região do Centro Político Administrativo
Pauta: a partir da orientação nacional
Período da tarde: formação política (estudo da conjuntura, reforma trabalhista, política de ajustes do governo estadual, etc.)
Noite: atividades culturais - filmes e apresentações

Ciclo de debates "Educação e luta de classes"

 

27/04/2016 - Local: ADUFMAT
9h – 11h - Panorama da Reforma Agrária do Brasil - Idalice (MST) e Domingos Sávio (Unemat)
14h - 17h - O Estado e o Estado Brasileiro - Ivo Tonet (UFAL)
19h - 22h - Roda de conversa e vídeo

 

28/04/2016 - Local: ADUFMAT
9h – 11h - Carajás: 20 anos de impunidade - Lucineia (MST)
14h – 17h - O Estado e o Estado Brasileiro - Ivo Tonet (UFAL)

 

29/04/2016 - Local: ADUFMAT
9h – 11h - Reforma agrária popular e a perspectiva das lutas - Nivea Regina (direção nacional do MST-RJ)
14h – 17h - O Estado e o Estado Brasileiro - Ivo Tonet (UFAL)
19h – 22h - Sarau: As castanheiras lembram, e você?

 

30/04/2016

Noite - panfletagem contra o golpe no SESI Papa

 

01/05/2016
12h - Almoço com o MST no INCRA (Centro Político)
16h - Romaria dos Trabalhadores - saída do INCRA até a praça cultural do CPA1)
17h - Ato em comemoração ao dia do trabalhador

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Segunda, 11 Abril 2016 14:13

 

Mortes ocorreram dez dias antes dos 20 anos do massacre de Eldorado dos Carajás

 

No dia 7 de abril, dez dias antes de completar 20 anos de um dos maiores extermínios ocorrido no país contra camponeses brasileiros, dois integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) foram assassinados no Acampamento Dom Tomas Balduíno, no município de Quedas do Iguaçu, região central do Paraná, após uma emboscada realizada pela Polícia Militar e por seguranças contratados pela Araupel. As vítimas: Vilmar Bordim, de 44 anos, casado, pai de três filhos, e Leomar Bhorbak, de 25 anos, que deixa a esposa grávida de nove meses. Também foram feridos mais sete trabalhadores e dois foram detidos para depor.

 

O acampamento Dom Tomas Balduíno, cuja ocupação teve início em maio de 2015, possui aproximadamente 1,5 mil famílias e está localizado no imóvel rural Rio das Cobras, que foi grilado pela empresa Araupel, que atua com reflorestamento e exportação de madeiras. A empresa alega ser proprietária da área ocupada, no entanto, a Justiça Federal já reconheceu que o terreno pertence à União e, portanto, deve ser destinado para a reforma agrária. No último sábado (9), o MST fez um ato na praça central da cidade contra a violência, em solidariedade as famílias dos mortos, e pela Reforma Agrária.

 

Em nota publicada, o MST exige a imediata investigação e prisão dos policias e seguranças e, também, dos mandantes do crime cometido; além do afastamento imediato da PM e a retirada da segurança privada contratada pela Araupel; a garantia de segurança e proteção das vidas de todos os trabalhadores do MST acampados na região; e que todas as áreas invadidas pela empresa Araupel sejam destinadas para a Reforma Agrária, assentando as famílias acampadas.

  

Walcyr de Oliveira Barros, 3° tesoureiro do ANDES-SN e um dos coordenadores do Grupo de Trabalho de Política Agrária, Urbana e Ambiental (GTPAUA) do Sindicato Nacional, afirma que infelizmente, após 20 anos do massacre de Eldorado, a história da violência e impunidade no campo se repete. “Essa é uma situação que não é nova e continua a causar grande preocupação, porque a violência no campo tem se intensificado. A impunidade tem sido demonstrativa do que vem marcando esse conflito agrário, entre o direito à terra e a política de remuneração do Capital a partir do agronegócio”, ressalta.

 

Massacre de Eldorado dos Carajás

  

O dia 17 de abril de 2016 marca os 20 anos do massacre de Eldorado dos Carajás, quando 21 integrantes do Movimento Sem Terra (MST) foram assassinados após a polícia militar paraense tentar impedir uma marcha em protesto contra a demora da desapropriação de terras na rodovia PA-150. Outros 69 trabalhadores rurais foram mutilados com facões e foices. A chacina ocorreu no ano de 1996, no município de Eldorado dos Carajás, no sul do Pará, e ganhou repercussão nacional e internacional, ao lado do Massacre do Carandiru (1992) e da Chacina da Candelária (1993). Porém, duas décadas após a chacina, a certeza da impunidade para centenas de policiais militares executores diretos do massacre ainda põem em risco o direito pela luta por reforma agrária. Apenas o coronel Mario Colares Pantoja e o major José Maria Pereira, que comandaram o massacre, foram presos depois de 16 anos, em maio de 2012.

 

O diretor do ANDES-SN explica que as disputas mais recentes pela reforma agrária, resultando na morte daqueles que defendem o direito à terra (agricultores, indígenas e quilombolas) têm origem no período da ditadura empresarial-militar no Brasil. “Durante a ditadura empresarial-civil-militar, muitos camponeses foram expulsos de suas terras, perseguidos e duramente reprimidos. E os conflitos no campo têm feito baixas desde essa época, não somente de agricultores, como também de povos originários da terra - etnias indígenas e quilombolas. Com o ‘fim’ da ditadura, essa violência no campo não cessou, pois vimos a vinculação dos sucessivos governos com o setor latifundiário, colocando, inclusive, à frente da pasta da Agricultura, ministros ligados diretamente ao agronegócio,  tem sido demonstrativo de suas contradições e violências”, disse.

 

Com informações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

 

Fonte: ANDES-SN