Terça, 10 Maio 2022 15:42

 

 

Um encontro entre o campo e a cidade é a proposta da Jornada Universitária da Reforma Agrária (JURA) que realiza a Feira de Saberes e Sabores da Terra nos dias 12 e 13 de maio, no Centro de Cuiabá, na Praça Alencastro, das 9h30 às 19h.  Estudantes universitários, professores, agricultores e camponeses convidam a sociedade mato-grossense para um diálogo sobre a produção de alimentos, segurança e soberania alimentar, e a luta das mulheres camponesas e urbanas.

 

“A JURA é um movimento das universidades de todo o país para pôr em discussão o projeto de reforma agrária popular e os temas relativos a ela, assumindo-a como necessária e fundamental para a democratização da estrutura agrária, social, econômica, política, educacional e cultural. A reforma agrária é um direito previsto na Constituição e os governos, independentemente de seu posicionamento partidário ou vontade pessoal, têm obrigação de fazê-la”, afirma a professora do curso de Serviço Social da UFMT, Eva Emília Azevedo.

 

A feira vai comercializar alimentos produzidos em assentamentos da reforma agrária, pela agricultura familiar e de iniciativas de economia solidária. Doces, melado, mel de abelha, bolachas, pães, castanhas, frutas, legumes, verduras, farinhas e massas, além de queijos, ovos e outros alimentos estarão à venda. A feira terá participação de comerciantes de cidades da Baixada Cuiabana e do interior de Mato Grosso, a exemplo de Cáceres, Campo Verde, Sapezal, Tangará da Serra, Nortelândia e Nova Olímpia. Também será possível conhecer e adquirir artesanatos dos povos indígenas Umutina e Chiquitano.

 

Para Antonio Carneiro, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a reforma agrária popular precisa ser debatida pela sociedade, considerando que 70% dos alimentos que chegam na mesa dos brasileiros e brasileiras vêm da agricultura familiar, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “A produção de alimentos saudáveis, sem agrotóxicos, proposta da agroecologia é de interesse de todas as pessoas, especialmente da classe trabalhadora que sofre os impactos econômicos e sociais no dia a dia”, diz.

 

Programação diversificada

 

Além da comercialização de alimentos e artesanato, a feira terá um espaço da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso com serviço gratuito de orientação jurídica e emissão da declaração de hipossuficiência para isenção de taxas em documentos. Professores e estudantes dos cursos de Medicina, Enfermagem e Nutrição darão orientações de saúde e alimentação saudável para quem participar do evento. 

 

Também haverá apresentações culturais, oficinas e rodas de conversas nos dois dias da feira. No primeiro dia, 12/5, às 9h30, haverá o debate sobre “O avanço do agronegócio sobre o Pantanal: desafios para uma reforma agrária popular”, com o professor Reginaldo Araújo (UFMT) e Vanessa Ribeiro (MST). À tarde, às 14h, o Coletivo de Mulheres Camponesas e Urbanas de Mato Grosso vai dialogar sobre o machismo em Cuiabá, considerada a capital do agronegócio.

 

No segundo dia, 13/5, entre os destaques da programação estão as rodas de conversa  “Impactos do agronegócio na saúde em Mato Grosso e a emergência de uma reforma agrária popular”, com Maelison Silva Neves, Marcia Montanari e Haya Del Bel professores e pesquisadores do NEAST/UFMT, às 14h; e na sequência, às 15h15, a conversa sobre “Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional e a Retomada do Desenvolvimento no Brasil” com participação de Maria Emília Lisboa Pacheco (antropóloga, ex-presidenta do Consea Nacional e assessora da FASE); Fran Paula (FASE); Leonel Wohlfahrt (FASE) e mediação de Victória  Ramos (estudante de Nutrição da UFMT).

 

Sobre a JURA

 

A Jornada Universitária da Reforma Agrária (JURA) teve início no ano de 2014, com a participação de 40 universidades e hoje ocorre em 60 instituições de todo o país, promovendo o intercâmbio entre a academia e os camponeses para debater sobre a reforma agrária e a relação com a produção. Na UFMT, acontece desde 2018.

 

O evento debate educação, relações raciais, soberania popular, proteção ao ambiente, saúde, direitos dos povos indígenas e quilombolas, trabalho e agroecologia.

 

Esta edição é organizada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), com apoio de movimentos sociais, associações de trabalhadores, sindicatos, mandatos populares e da Prefeitura Municipal de Cuiabá.

 

Fonte: Divulgação

Quinta, 19 Agosto 2021 17:03

“Não é no silêncio que os seres humanos se fazem, mas

na palavra, no trabalho e na ação-reflexão”.

Paulo Freire

 

A Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária da Universidade Federal de Mato Grosso – JURA UFMT 2021 tem o prazer de convidar toda a comunidade para participar do “ATO PELA VIDA: TERRA, LUTA E RESISTÊNCIA”.

O evento será realizado no dia 20 de agosto de 2021 em Cuiabá, na Praça Alencastro, das 17h às 19 horas.

O Ato pretende ser um momento de celebração, acolhida e de reflexão sobre a memória, lutas e resistência dos movimentos sociais e das mais diversas organizações da sociedade civil, de diversas vivências e confissões religiosas, buscando colocar em evidência a memória das vítimas da Covid19, bem como a luta de todos os povos por seus territórios, pela terra e pela Reforma Agrária em nosso Estado.

Para compor a mística do Ato, convidamos todas as pessoas a trazerem suas bandeiras, cartazes, velas, fotografias, nomes de pessoas vítimas da Covid-19 e, também, algo que possa representar os frutos da terra para compartilhar (uma fruta, por exemplo).

Lembramos o cuidado com o uso de máscaras, álcool gel e de manter distância segura entre pessoas. Será ótimo também trazer a sua água e um banquinho ou uma almofada para ficar mais confortável durante o Ato.

Até lá!

Comissão organizadora da JURA UFMT 2021

Sábado, 01 Junho 2019 12:28

 

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) recebeu, pela segunda vez este ano, entre os dias 27 e 29/05, a Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (JURA). Em outros estados, o evento já é realizado há mais de dez anos.  

 

Foram três dias de intensos debates sobre a questão Agrária em âmbito local, regional, nacional e global, com trabalhadores rurais sem terra, indígenas, quilombolas e movimentos sociais diversos ligados diretamente ou não ao campo.  

 

A programação contemplou atividades como palestras, curso, rodas de conversa, oficinas, vivências, mostra de fotografias, cinema e outras atividades culturais. A feirinha de produtos da agricultura familiar, localizada no saguão do Centro Cultural, apresentou dezenas de alimentos que resultam da Reforma Agrária. Muitos produtos orgânicos e também veganos, todos cuidadosamente preparados para alimentar com saúde.  

 

Durante os debates, destaque para a discussão sobre a Agroecologia. Na mesa “Colapso ambiental e alternativas à capitalização no campo”, realizada no primeiro dia do evento, na Adufmat-Ssind, o pesquisador Luis Gabriel Nunes, militante do PSOL e do Núcleo Teresa de Benguela, apontou as principais diferenças entre a Agroecologia e a Agricultura Convencional.

     

Há muito se sabe que a produção de alimento no mundo é mais do que suficiente para toda a população. No entanto, a partir da segunda metade do século XX, a chamada “Revolução Verde” é introduzida na América Latina pelos ideais capitalistas, aumentando a produção em números, sem preocupações com a diversidade de alimentos, saúde da população ou do meio ambiente. Pelo contrário, a Revolução Verde estabelece a monocultura a custas do uso de agrotóxicos e outras intervenções químicas, pautadas pela indústria.

 

“A Agroecologia não é só produzir sem veneno. Ela é a vida, é diversidade, é a saúde social e mental dos seres humanos. Ela considera todas as dimensões da vida humana em seu conjunto de elementos. Então, nós precisamos avançar da produção orgânica para a agroecológica. Essa é a nossa Revolução”, disse Nunes.

 

 

O palestrante destacou, ainda, uma série de vantagens da Agroecologia, como a produtividade, que no modelo convencional está muito sujeita às intempéries, enquanto o modelo agroecológico - que produz muitos produtos ao mesmo tempo - tem maior estabilidade, oscilando menos a produtividade em decorrência das questões climáticas.

 

A militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Devanir Araújo, afirmou que a sociedade está num momento definitivo de reflexão. “Não é possível continuar sem fazer uma autocrítica, sem repensar as nossas práticas de fazer agricultura. Nós precisamos construir um ambiente sustentável mais agradável, construir a Agroecologia. Enxergar o solo como organismo vivo, não apenas um suporte onde se coloca a planta”, disse Araújo.

 

Os dados que apontam a diminuição da rentabilidade da terra devido ao mau uso, a destruição crescente de solo e as perdas de terras agricultáveis, resultado das grandes monoculturas, foram apontados como principais motivos para essa necessária mudança.

 

“Nosso sistema já entrou em colapso. A sociedade está doente, porque nós estamos comendo, não nos alimentando. Cerca de 70% das doenças são causadas pela alimentação ou falta de nutrientes. Então, nós temos de desenvolver outro sistema produtivo pensando na vida. Nós temos responsabilidade com a vida, enquanto seres humanos”, concluiu a palestrante.

 

Para que essa transformação seja possível, os dois debatedores foram enfáticos: não há como desenvolver a Agroecologia sem Reforma Agrária e sem políticas públicas. A preocupação com insumos, com a criação de sementes crioulas - quase extintas pelas indústrias de sementes -, a formação de profissionais qualificados para trabalhar com a técnica, considerada a mais avançada nos dias de hoje, são alguns dos desafios.

 

Por fim, os palestrantes afirmaram que a Agroecologia é um projeto político de sociedade e que esse debate precisa adentrar as periferias, considerados espaços estratégicos para que essa proposta se torne realidade.  

 

Apresentações culturais

 

Além dos debates, a JURA proporcionou uma série de atividades culturais, como a exibição de filmes. Uma dessas atividades, também realizada no auditório da Adufmat-Ssind, foi a apresentação da peça “Mulheres da Terra”, na noite de terça-feira, dia 28/05.

 

A arena lotada assistiu, emocionada, a homenagem do grupo mato-grossense Cena Onze a mulheres que dedicaram suas vidas à defesa do direito à dignidade, do direito à terra. Veja algumas fotos do espetáculo na GALERIA abaixo, e assista aqui a íntegra, disponível no canal do Cena Onze no Youtube.  

 

Confira aqui a programação completa da JURA 2019 e não perca a edição do próximo ano!

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quarta, 22 Maio 2019 17:55

 

JURA chega à UFMT para discutir distribuição de terras, justiça social e agroecologia, devastação ambiental e produção para exportação sem pagamento de impostos.

Entre os dias 27 e 29 de maio a Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Cuiabá, sedia a Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (JURA). Esta é a segunda edição do evento na Universidade e o objetivo é discutir os impactos do agronegócio, as alternativas sustentáveis, a distribuição mais justa das terras e o respeito ao meio ambiente e a quem vive no campo ouvindo especialistas, ativistas, agricultores e comunidades tradicionais. Iniciada em 2014 com a participação de 40 instituições federais de ensino, a JURA chega a 2019 com 60 Universidades e Institutos Federais.

Desde o ano passado, a Universidade Federal de Mato Grosso faz parte da rede de eventos e neste ano, traz dezenas de atividades culturais, vivências, oficinas, cursos, mesas de discussão, rodas de conversa e feira de produtos artesanais e agroecológicos. As atividades da Jornada, tiveram início antes mesmo de sua abertura oficial. No dia 18 houve uma importante vivência para estudantes e interessados no Acampamento Padre José Ten Cat (Jaciara) e no assentamento Egídio Bruneto (Juscimeira), coordenada pelas professoras Gislayne Figueiredo e Mírian Sewo, ambas da UFMT . Entre os dias 20 e 24 de maio, sempre às 19:00 no auditório do Musear – Museu Rondon de Etnologia e Arqueologia da UFMT, estão sendo exibidos Documentários sobre a luta pela terra, as comunidades quilombolas e a educação nos assentamentos da Reforma Agrária. Já na abertura oficial do evento (27/05), às 19:00 no Auditório do Centro Cultural da UFMT, acontece a palestra de Gilmar Mauro, um dos principais líderes do MST.

Outras mesas compõe a programação em diversos horários e locais: "Movimentos quilombolas: história, identidade e luta" (dia 27 das 10:00 às 12:00 no Auditório do IGHD); "Impactos das hidrelétricas nas bacias do Teles Pires e Juruena – A visão dos atingidos" (dia 27 das 14:00 às 16:00 no Centro Cultural da UFMT); "O jornalismo de Mato Grosso e a expansão do agronegócio no estado" (dia 27 das 16:00 às 18:00 no Auditório da Faculdade de Agronomia e Zootecnia), com coordenação dos jornalistas Francisco Alves e Vinicius Souza, ambos colaboradores dos Jornalistas Livres; " Formas de organização da universidade frente às demandas dos movimentos sociais" (dia 28 das 10:00 às 12:00 no Centro Cultural da UFMT); "A educação do campo frente aos ataques ultraliberais" (dia 29 das 8:00 às 10:00 no Centro Cultural da UFMT); e "Trabalho, patriarcado e natureza: olhares e percepções de mulheres camponesas" (dia 29 das 10:00 às 12:00 no Auditório do PPGE).

Entre as oficinas, seminários e cursos previstos estão: Oficina de Bacia de Evapotranspiração" (dia 28 a partir das 8:30 no Auditório do IGHD); "Seminário: Trabalho escravo contemporâneo no campo e reforma trabalhista" (dia 28 das 14:00 às 16:00 no Centro Cultural da UFMT); e "Oficina: Teatro do Oprimido" (dia 28 das 14:00 às 16:00 no Auditório do Instituto de Educação).

Haverá ainda exposições, lançamentos de livros, rodas de conversa, místicas e Feiras com diversos produtos, entre outras atividades. Veja a programação completa em https://juramatogrosso.wixsite.com/jura2019/programacao .

 

Fonte: Divulgação

Sexta, 25 Maio 2018 17:25

*Atualizada às 14h55 do dia 28/05/18: A atividade cultural programada para a noite do dia 28/05 - Lusco Fusco Happy Hour Cuiabano - foi suspensa. 

 

No início da próxima semana, de 28 a 30/05, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) sediará, pela primeira vez, uma Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (JURA). O evento foi realizado pela primeira vez em 2014 e, desde então, mais de 50 universidades já realizaram edições do encontro. O objetivo é inserir a discussão sobre o projeto de Reforma Agrária e os temas que circundam essa questão nos estudos desenvolvidos nas áreas de humanas, saúde, agrárias, educação, entre outras.

 

Para o professor da Faculdade de Economia, Armando Tafner, um dos organizadores do evento, trazer esse debate para dentro de um dos principais polos do agronegócio é fundamental. “É a primeira vez que a UFMT vai receber uma JURA, e isso é muito simbólico. O Mato Grosso é um dos maiores concentradores de terra da União. Aqui você tem o maior consumo de agrotóxico e o menor número de compradores, o que demonstra a inviabilidade do negócio: quanto menos pessoas com terra, mais pessoas sem terra. Então, que a JURA possa ser utilizada na instituição de ensino superior por meio da pesquisa, ensino e extensão, direcionando a discussão sobre as ferramentas para a redistribuição de terra acontecer”, afirmou o docente.

 

Tafner acrescenta que as Jornadas são realizados em todo o país nos meses de abril ou maio para relembrar o massacre de Eldorado do Carajás, onde 16 trabalhadores rurais sem terra foram assassinados. Vinte e dois anos depois, ninguém foi responsabilizado.

 

Além disso, para o professor, o evento significa uma aproximação da universidade com o Movimento Sem Terra (MST). “A instituição de ensino superior é um espaço onde uma elite intelectual poderá ouvir as demandas, ajudar a propor encaminhamentos, e fazer com que cheguem ao poder público, demonstrando as dificuldades da luta, mas também que é preciso fazer alguma coisa diante de um cenário tão caótico como o brasileiro, ainda pior em Mato Grosso”, acrescentou.      

 

De acordo com a professora Mirian Sewo, do Departamento de Psicologia, o evento contemplará discussões ainda mais amplas. “A JURA é um evento importante para colocarmos em pauta a discussão da Reforma Agrária Popular, a denúncia das opressões vividas no campo e na cidade, o Golpe de 2016, os efeitos do agronegócio na saúde do povo, as perseguições aos movimentos sociais, os retrocessos dos direitos da classe trabalhadora, entre outros temas. A Jornada reúne professores e estudantes de várias áreas diferentes, cada qual contribuindo com seus estudos e projetos, e esse é o ponto mais rico do evento, essa parceria na defesa da Reforma Agrária entrelaçada pela certeza de que uma outra sociedade é possível e de que a utopia continua viva e pulsante”, afirmou a docente, que também está na organização.

 

Entre os convidados para contribuir com os debates estão a historiadora Anita Leocádia Prestes - filha de Olga Benário e Luís Carlos Prestes, que lançará um livro no último dia do evento -, os dirigentes nacionais do MST, João Paulo Rodrigues e Kelly Manfort, e o professor da Universidade Federal do Amazonas, Gersem Baniwa.  

 

Além dos debates e oficinas, os participantes também poderão conhecer os produtos da Reforma Agrária em uma feira com diversos itens de Mato Grosso e de outros estados do país, e visitar a exposição fotográfica “Terra e Resistência”, que reúne cinco coleções fotográficas sobre a luta pela terra e formas de resistência empreendidas pelos trabalhadores sem terra, povos indígenas e quilombolas, e pela própria universidade.

 

Na noite do primeiro dia de evento, 28/05, o público do JURA será convidado especial da 2ª edição do Lusco Fusco, happy hour cuiabano, realizado pela Adufmat-Ssind. A ideia é promover diversas atividades culturais para marcar a unidade dos trabalhadores num contexto político cada vez mais delicado e de necessária mobilização. Além do espaço de debate descontraído, intervenções artistas e palco aberto co karaokê, os presentes poderão saborear comidas típicas e bebidas (ATIVIDADE CANCELADA - LEIA MAIS AQUI).

 

As inscrições para a JURA são gratuitas, basta preencher a ficha disponível no site do evento (clique aqui) e as atividades serão divididas entre o Museu de Arte e Cultura Popular da UFMT (Centro Cultural da UFMT), auditório da Adufmat-Seção Sindical do Andes e outros espaços da instituição. Confira na íntegra da programação abaixo:

   

 

28/05 SEGUNDA-FEIRA

13:30 - Audiência Pública na Assembleia Legislativa: Os direitos dos Povos Indígenas em Mato Grosso e no contexto nacional

Presença do Prof. Gersem Baniwa

Local: Assembleia Legislativa 

​14:00 - 17:00

Palestra: Zoneamento socioeconômico e ecológico e reforma agrária no MT

Local: Auditório da ADUFMAT

​15:30 - 18:00

Oficina de Poesia Marginal com Júlia Karoline e Lígia Viana. Só 60 vagas! Inscrição na Oficina

Local: Auditório do IGDH

​18:00 - Abertura da Exposição "Terra e Resistência"

Local: Museu de Arte e Cultura Popular da UFMT - MACP

​19:00 - 21:00

Palestra de abertura: Análise de conjuntura com João Paulo Rodrigues (MST-SP)

Local: Centro Cultural

29/05 TERÇA-FEIRA

 

8:00-10:00

​Palestra: Reforma agrária popular com Vanderly Scarabeli - MST/MT

Local: Centro Cultural

9:00-12:00

Lançamento do Relatório Dataluta Mato Grosso e Brasil com Profª. Onélia Carmem Rossetto - UFMT

 

Local: Auditório IGHD

Coordenação: Gabriel Miranda

10:00-12:00 

Mesa redonda: Violência no campo e trabalho escravo com Wellington Douglas Rodrigues da Silva e Cristiano Apolucena Cabral – ambos da CPT

Local: Centro Cultural

Coordenação: Luana da Cruz Burema

10:00-12:00

Roda de conversa: 50 anos da Pedagogia do Oprimido

Roda de conversa sobre Paulo Freire e os 50 anos da obra “Pedagogia do Oprimido”

- Prof. Aldi Nestor de Sousa - UFMT

- Prof. Luiz Augusto Passos - UFMT

- Profa. Mírian Sewo - UFMT

Local: Auditório do ICET

Coordenação:  Prof. Aldi Nestor de Sousa - UFMT

14:00-16:00

Mesa Redonda: Terra, saúde e trabalho

Local: Centro Cultural

A mesa abordará os temas que envolvem a concentração de terra, as relações sociais do trabalho e a saúde do trabalhador do campo.​

- Profª. Beatriz dos Santos de Oliveira Feitosa – UFMT

- Pofº. Maelisson Silva Neves – UFMT

- Profº. Sandro Aparecido Lima dos Santos - IFMT

Coordenação: Profº. Armando Wilson Tafner Júnior – UFMT

14:00-16:00

Painel: Territórios e resistências no campo

Local: Auditório do IGHD

Este painel tem como objetivo debater, na perspectiva da Geografia, as relações que ocorrem nos territórios camponeses que podem representar espaços de resistência.

- Dehbora Alves da Costa – Mestre em Geografia - UFMT

- Patrícia Wolff Sampaio – Mestre em Geografia - UFMT

- Zenildo Crisostomo do Prado – Mestre em Geografia - UFMT

- Dayane Pricila Alves Godoi – Mestre em Geografia - UFMT

- Clóvis Vaillant – Mestre em Geografia - UFMT e membro da Coordenação do Fórum Brasileiro de Economia Solidária

Coordenação: Profª. Giseli Dalla-Nora e Profª. Meire Rose A. Oliveira - UFMT

14:00-16:00

Roda de conversa: Diálogos sobre Educação, Movimentos Sociais, Povos da Floresta e Comunidades Tradicionais

Local: Auditório do IE

- Profª. Nilce Vieira Campos Ferreira – UFMT

- Luciano da Silva Pereira - SEDUC

- Sandra Jung de Mattos – PROCEV/UFMT

- Silvia Maria dos Santos Stering – PROEG/IFMT

Coordenação: Profª. Nilce Vieira Campos Ferreira – UFMT

14:00-16:00

Seminário: Trabalho associado e agroecologia

Local: Auditório do PPGE/IE - Sala 68

O Seminário objetiva discutir o significado do Trabalho Associado e da Agroecologia, a partir da existência, resistência e experiências dos assentamentos e dos povos e comunidades tradicionais. O público alvo serão alunos/as de graduação e de pós-graduação, pesquisadores/as, camponeses/as e comunidade.    

- Trabalho Associado - Prof. Edson Caetano  - UFMT

- Agroecologia - Prof. Cristiano Cabral - UFMT

- Trabalho Associado e Juventude Camponesa - Eva Emília F. do N. Azevedo (Doutoranda PPGE/UFMT)

- Trabalho Associado e agroecologia - Germana Benedita da Silva (produtora agroecológica e moradora da Comunidade Mutum)

- Juventude do campo, trabalho e agroecologia – Shirley da Costa (assentada, produtora agroecológica, juventude do assentamento Roseli Nunes, Mirassol D’Oeste)

Coordenação: Prof. Edson Caetano  - UFMT

14:00-16:00

Cine debate: Arpilleras

Local: Auditório do ISC

O documentário conta a história de luta e resistência de cinco mulheres atingidas por barragens das cinco regiões brasileiras denunciando as violações de direitos das populações atingidas, principalmente as mulheres, o modelo energético e a lógica predatória das empresas do setor elétrico.

Coordenação: Victoria Oliveira

16:00-18:00 

Mesa redonda: Criminalização dos movimentos sociais

Local: Centro Cultural

- Profª. Alair Silveira - UFMT

- Profº. Paulo Delgado – UFMT

- Profª. Lélica Ellis Lacerda – UFMT

Coordenação: Profº. Daniel Fanta – UFMT

19:00-22:00

Conferência: Golpe e os direitos indígenas 

Profº. Gersem Baniwa - UFAM

30/05 QUARTA-FEIRA

 

​08:00-10:00

Mesa redonda: Levantandas do chão - Da luta por igualdade à perseguição do feminismo

Local: Centro Cultural

Coordenação: Profª. Qelli Rocha - UFMT

08:00-10:00

Palestra: Privatização da Reforma Agrária

Local: Auditório do IGHD

Vanderli Scarabeli - MST/MT

Coordenação: Profª. Camila Salles - UFMT

08:00-10:00

Mesa redonda: Educação do campo: avanços e desafios

Local: Auditório do IE

A palestra abordará a educação rural no Brasil, história e conceito da Educação do Campo, a Educação do Campo e o golpe e desafios da Educação do Campo.

Palestrante:

- Solange Serafim dos Santos - MST/MT

- Prof. Rui Leonardo Souza Silveira - IFMT

- Profa. Ozerina Victor de Oliveira - UFMT

Coordenação: Júlio César Barbosa Pedroso da Cruz

10:00-12:00

Mesa redonda: Faces do Golpe de 2016 na América Latina e um Projeto para o Brasil

Local: Centro Cultural

- Faces do Golpe na América Latina – Profª. Alair Silveira - UFMT

- O golpe e a discussão de um Projeto para o Brasil – Antonio Carneiro de Menezes (MST/MT)

- Golpe, autonomia universitária e reforma educacional – Prof. Reginaldo Araújo - UFMT

Coordenação: Profª. Haya Del Bel

14:00-16:00

Mesa redonda: Mineração, energia, reforma agrária e os conflitos dos programas de desenvolvimento

Local: Centro Cultural

A mesa irá discutir os grandes projetos agropecuários, minerais e energéticos impostos, desde pelo menos o golpe civil-militar de 1960 até a Amazônia Legal

- Profº. José Domingues de Godói Filho - UFMT

- Profº. Dorival Gonçalves Junior – UFMT

Coordenação: Profº Waldemir Rodrigues - UFMT

14:00-16:00

Mesa redonda: O Golpe de 2016 e suas relações com a imprensa e o judiciário

Local: Auditório do IGHD

– Profº. Paulo Rocha - UFMT

- Tiago Cury - UFMT

- Prof. Luiz Alberto Esteves Scallope - UFMT

Coordenação: Profº. Paulo Rocha

15:00-18:00

Oficina de Teatro do Oprimido com Profª. Naine Terena de Jesus. Só 30 vagas! Inscrição na Oficina

Local: Sala 1 do IGHD

16:00-18:00

Cine debate: Pão, paz e terra

Local: Centro Cultural

Debatedora: Luana Souza Santos

Coordenação: Armando Wilson Tafner Júnior – Economia/UFMT

16:00-18:00

Cine debate: Psicologia ambiental - O cerrado como território de vida, resistência e subjetividades

Local: SALA 3 do IE

- Profª. Jane Cotrin - UFMT

- Profª. Mírian Sewo - UFMT

- Profª. Jane Vignado - UFMT

Coordenação: Pofª. Mírian Sewo – UFMT

19:00-21:00

Conferência e lançamento do livro "Olga Benário Prestes - Uma Comunista Nos Arquivos da Gestapo"

Local: Centro Cultural

Profª. Anita Leocádia Prestes

 

Mais informações: https://juramatogrosso.wixsite.com/jura

 

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind