Terça, 11 Agosto 2020 17:06

 

A “Frente Popular pela Vida: em Defesa dos Serviços Públicos e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19” fez uma nova grande entrega. Na última semana, mil cestas básicas contendo 15 mil quilos de alimentos, e outros mil quites de higiene pessoal e limpeza foram distribuídos entre grupos e comunidades da periferia de Cuiabá e outros municípios de Mato Grosso.

 

A ação desse início de agosto levou um pouco mais de dignidade a famílias dos bairros Pedregal, Renascer, Jd. Glória 1, Parque Cuiabá, Pedra 90 e região do Cinturão Verde, Cohab São Gonçalo, Bela Vista e Jd. Vitória. Também foram distribuídas cestas e quites em outras regiões da cidade, com auxílio de entidades ligadas aos movimentos Estudantil, Camponês, Indígena, Negro, LGBTQI e de Imigrantes, atendendo venezuelanos, senegaleses, haitianos, senegaleses e cubanos.

   

Terceirizadas da UFMT, trabalhadores do Aterro Sanitário de VG, moradores da Casa do Estudante e professores interinos do Estado também estão na lista de receptores da ação que, desta vez, além da capital mato-grossense, também contemplou famílias de Várzea Grande, Cáceres, Jaciara, Nossa Senhora do Livramento, Barra do Bugres e Tangará da Serra.

 

O professor Reginaldo Araújo, vice-presidente da Regional Pantanal do ANDES - Sindicato Nacional e um dos membros da Frente, contabiliza cerca de 35 toneladas de alimentos distribuídos nos últimos dois meses. “Desde junho, quando a Frente lançou a campanha de solidariedade, já foram distribuídas aproximadamente 35 toneladas de alimentos, material de higiene e limpeza. Mas como nós ainda não vislumbramos o fim dessa pandemia, e a situação ainda será difícil por alguns longos meses, é preciso continuar arrecadando e distribuindo esses itens”, lembrou o docente.

 

Assim como a grande doação realizada em meados de junho, o material distribuído na última semana foram enviados pela Organização Não-governamental Ação Cidadania.

 

A Frente continua arrecadando alimentos, material de limpeza e também recursos para ajudar aos trabalhadores sem emprego ou qualquer tipo de assistência do Estado nesse momento. O coletivo destaca que divulgará um vídeo, nos próximos dias, para estimular a contribuição daqueles que têm uma situação mais confortável no momento.    

 

Saiba como ajudar

 

PARA DOAÇÃO DE ALIMENTOS E MATERIAIS DE LIMPEZA: A Adufmat-Ssind é um ponto de arrecadação dentro da Universidade Federal de Mato Grosso. A Oca fica quase em frente ao Hospital Veterinário da UFMT. O endereço é Avenida Fernando Corrêa da Costa, S/Nº, Coxipó, Cuiabá.

 

PARA DOAR RECURSOS: a conta criada exclusivamente para isso está na 

Caixa Econômica Federal.

Agência: 0686 | Op.: 013

Conta Poupança: 00034474-8

CNPJ: 149120750001/53

Titular: ADUFMAT SOLIDARIEDADE COVID-19

 

 

Saiba mais sobre a Frente Popular pela Vida: em Defesa dos Serviços Públicos e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19:

 

CAMPANHA “SOLIDARIEDADE PELA VIDA” JÁ ARRECADOU CERCA DE 20 TONELADAS DE ALIMENTOS

 

CAMPANHA ‘SOLIDARIEDADE PELA VIDA’ É LANÇADA NESTA QUINTA-FEIRA, 04/06

 

DESIGUALDADE SOCIAL FARÁ DA AMÉRICA LATINA EPICENTRO IMPORTANTE DA COVID-19

 

 

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Sábado, 20 Junho 2020 11:18
A Frente Popular em Defesa do Serviço Público e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19 manifesta seu mais profundo repúdio à ação difamatória e de assédio moral coletivo da Prefeitura de Cuiabá que, a pretexto de realizar vistoria, violou os armários dos trabalhadores no Hospital de Referência para Covid-19 e os expôs a situação vexatória com acusações não comprovadas de retenção de EPI e extravio de forma ilícita, de forma vertical aplicando penalidades.
 
Agindo dessa forma, a gestão municipal reproduz a prática bolsonarista de caluniar as/os trabalhadores da saúde, perseguir e tentar silenciar as denúncias de descaso para com suas condições de trabalho num momento em que o sistema de saúde já está além de seu limite como consequência do relaxamento das políticas de garantia de isolamento social digno a toda a população.
Quinta, 18 Junho 2020 20:23

 

Não é por acaso que lideranças mundiais mencionam, todos os dias, a situação do Brasil diante da Covid-19. Todos eles sabem que a extrema desigualdade social, que leva à extrema pobreza, fará um estrago sem precedentes na América Latina. Por mais que parte dos brasileiros ainda se esforce para negar a história do país, o Brasil, como um país latino, sofre os efeitos da absoluta exploração dos países de economia central e, embora seja hoje uma das dez maiores economias do mundo, sua realidade social é uma das mais desiguais, pois a riqueza produzida está muito concentrada nas mãos de poucos.

 

O retrato fiel dessa condição brasileira está sendo observado de perto em Cuiabá, por entidades que formam a Frente Popular em Defesa do Serviço Público e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19. O grupo está mobilizado desde o início de abril para ajudar trabalhadores em situação de vulnerabilidade na capital mato-grossense, e tem feito visitas regulares a alguns bairros, entre eles o “Terra Prometida”, na região da grande CPA.

 

No último sábado, 13/06, a Frente realizou atividades no referido bairro, onde os moradores se instalaram e têm vivido de acordo com a própria sorte há dez anos. “É impressionante a naturalidade com que córregos são depositados em locais sem estrutura alguma, e as pessoas vão sobrevivendo como podem, a partir da solidariedade de outras pessoas, doações, sem nenhum amparo do Estado. É isso que acontece com a América do Sul, com o Caribe, e é por isso que essa região será o epicentro da Covid-19 agora”, relata o diretor da Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat-Ssind), Aldi Nestor de Souza.

 

 

Para o docente, as contradições da disseminada riqueza brasileira estão presentes em todos os aspectos. “Do lado da avenida do CPA [um dos metros quadrados mais caros de Cuiabá], na capital do Agronegócio [ao qual atribuem importância na economia do país], há uma situação de fome e desamparo total dos trabalhadores”, relata.

 

Por esse motivo, as entidades que constroem a Frente defendem que a universidade pública deve ocupar o espaço e ajudar a população, oferecendo as ferramentas de pesquisa e extensão. No sábado, os trabalhadores organizados distribuíram 500 máscaras aos moradores do bairro, 80 litros sabão líquido, água sanitária e sabão em barra. Além disso, a Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, coletivo que pertence à Frente, realizou atendimentos médicos. “Foram 29 atendimentos completos, com aferição de pressão, dextro [exame de sangue realizado com um aparelho digital que mede a quantidade de glicose no sangue], consulta clínica e entrega de medicação”, informaram os participantes.

 

No Terra Prometida, como em tantos outros bairros de Cuiabá, não há asfalto, e os moradores realizam mutirão para construir casas com diversos materiais. Parte da ajuda também vem de igrejas e outras instituições não governamentais. Como o Estado tem responsabilidade, e a universidade também faz parte do aparato estatal, o representante da Adufmat-Ssind reafirma que a Universidade Federal de Mato Grosso deve compartilhar o conhecimento produzido para melhorar a vida da população de forma concreta.

 

“A universidade precisa estar presente nesses espaços, estar junto, ajudar. Não é ir lá uma vez e pronto. A ação, para ser efetiva, tem de se materializar nas relações que se estabelecem”, afirma o docente.

 

Nas visitas aos bairros, a Frente já realiza uma espécie de cadastro para acompanhamento das famílias, e informa os contatos das entidades envolvidas nas atividades. “Nós queremos saber quem são essas pessoas, de onde elas vêm, para pensar em projetos de extensão na universidade, levá-las à universidade, aproximar a universidade desse lugar”, afirmou Souza.

 

 

Vale destacar que o alerta das entidades de trabalhadores organizados sobre o aprofundamento da pobreza se deve às políticas neoliberais adotadas pelos governos brasileiros. A pandemia, entretanto, agrava o cenário, pois reafirma sobremaneira o desprezo histórico dos governantes pela população já empobrecida pelo sistema.

 

“No Terra Prometida tem gente de todo jeito e todos os lugares, de vários países do mundo e regiões do Brasil. Tem, inclusive, professor de Química e Biologia que fala cinco idiomas, mas não encontra emprego. De alguma forma, aquela realidade me pareceu o futuro de toda a classe trabalhadora”, avalia Souza, destacando a importância de unidade e mobilização da classe trabalhadora, para reverter a situação.  

 

 

A Frente continua arrecadando alimentos e materiais de limpeza para doação:

 

CONTRIBUA COM DOAÇÃO DE ALIMENTOS

Ponto de Arrecadação:

Adufmat-Ssind (OCA - UFMT)

Avenida Fernando Corrêa da Costa, S/Nº, Coxipó, Cuiabá

 

CONTRIBUA COM DOAÇÃO DE RECURSOS 

Caixa Econômica Federal

Agência: 0686 | Op.: 013

Conta Poupança: 00034474-8

CNPJ: 149120750001/53

Titular: ADUFMAT SOLIDARIEDADE COVID-19

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Sexta, 12 Junho 2020 21:19

 

A campanha “Solidariedade Pela Vida”, idealizada pela Frente Popular em Defesa do Serviço Público e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19, lançada no dia 04/06, começa a ter os resultados com a arrecadação de alimentos para a população vulnerável do estado. 

Segundo o diretor da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (Adufmat-Ssind), Armando Tafner, a campanha “Solidariedade Pela Vida” já arrecadou quase 20 toneladas de alimentos. “Tivemos uma doação grande, com mil cestas básicas e materiais de higiene, Organização Não-governamental Ação Cidadania”, afirma. 

A Frente Popular em Defesa do Serviço Público e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19 está articulada desde o início de abril para fazer a defesa da vida dos trabalhadores e trabalhadoras, lutando para ajudar milhares de pessoas em situação de vulnerabilidade social, distribuindo máscaras, informações, e agora alimentos. 

O professor ressalta que a campanha se torna cada vez mais importante, pois muitas pessoas não podem escolher ficar em casa e tantas outras já foram demitidas, precisando ainda mais dessa rede de solidariedade. 

Nas palavras de Tafner, há “um complexo de vulnerabilidade social montado, estabelecido pelo capital. Essas cestas básicas são como um afago social para as famílias, fazendo com que elas possam ter um tempo maior dentro de suas casas, resguardadas”. 

 

 

O representante da Frente Popular, Reginaldo Araújo, acrescenta que a Adufmat-Ssind adquiriu máscaras que serão entregues em todas as cestas básicas, e o Andes Sindicato Nacional garantiu leites e fraldas para distribuir às mães. “É fundamental, neste momento, que a classe trabalhadoras se mostre solidária. A nossa tarefa é essa, buscar os companheiros e companheiras próximos aos movimentos organizados e lideranças. Estamos priorizando os indígenas e os imigrantes que estão em Cuiabá, que muitas vezes não são atendidos pelas políticas públicas do estado. Temos muita esperança de que os nosso professores, estudantes e técnicos também ajudem, tanto financeiramente quanto com doações que podem ser feitas na sede do sindicato a qualquer momento. A Adufmat-Ssind tem ao menos um funcionário disponível para receber as doações em todos os períodos”, conclui. 

Além das entidades representativas da comunidade acadêmica da UFMT - Adufmat-Ssind, Sindicato dos Servidores Técnicos-administrativos (Sintuf-MT), e Diretório Central dos Estudantes (DCE) - mais de outras 20 entidades, entre sindicatos e movimentos populares, fazem parte da Frente. 

CONTRIBUA COM DOAÇÃO DE ALIMENTOS

 

Ponto de Arrecadação:

Adufmat-Ssind (OCA - UFMT)

Avenida Fernando Corrêa da Costa, S/Nº, Coxipó, Cuiabá

 

CONTRIBUA COM DOAÇÃO DE RECURSOS 

 

Caixa Econômica Federal

Agência: 0686 | Op.: 013

Conta Poupança: 00034474-8

CNPJ: 149120750001/53

Titular: ADUFMAT SOLIDARIEDADE COVID-19

 

 

Layse Ávila

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

 

Quarta, 03 Junho 2020 22:50

 

Diante da pandemia do novo coronavírus, o aumento do desemprego e a precarização do trabalho dos profissionais da saúde mostra, mais uma vez, como o Estado é negligente com a população brasileira. Cerca de 42,2 milhões de pessoas tiveram o seu pedido do auxílio emergencial negado, dentre eles trabalhadores informais e desempregados, que teriam direito - em tese - a receber o valor de R$ 600. 

Por esse motivo, a Frente Popular em Defesa do Serviço Público e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19 está articulada para fazer a defesa da vida dos trabalhadores e trabalhadoras, lutando para ajudar milhares de pessoas em situação de vulnerabilidade social. Desde o início de abril, a Frente participa de diversas ações, distribuindo máscaras, informações e realizando intervenções públicas, como a do Dia Internacional da Enfermagem, na qual homenagearam os profissionais e denunciaram o descaso de governos com a saúde pública.

Agora a Frente inicia mais uma etapa da luta. Nesta quinta-feira (04/06), às 19h, na página oficial da Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat-Ssind), realizará o lançamento da campanha “Solidariedade Pela Vida”, com o intuito de arrecadar alimentos para a população vulnerável do estado. “Próximo ao campus da UFMT, em Cuiabá, nós temos o bairro Renascer, no qual tem gente passando fome. Temos estudantes que moram lá e estão fazendo arrecadação para essa população. A nossa cidade tem recebido muitos imigrantes, venezuelanos, haitianos, cubanos, senegaleses e de outros países da África, que também estão em situação de vulnerabilidade muito grande. Também temos a população indígena, a quem o Estado brasileiro tem virado as costas”, afirma o professor Reginaldo Araújo, integrante da Frente.

Nesse sentido, o representante avalia que o grupo já conseguiu avançar em algumas questões. “Conseguimos dialogar com o Ministério Público Federal e Estadual, o Ministério Público do Trabalho, fazendo denúncias, inclusive das condições de trabalho e também das dificuldades que a população indígena e quilombola está tendo para ter acesso às cestas básicas”, destaca. 

A campanha “Solidariedade Pela Vida” tem o intuito de contar com a solidariedade da população cuiabana e da comunidade acadêmica da UFMT. “O mais importante é que as pessoas se envolvam e ajudem a divulgar, ajudem a sensibilizar os seus colegas de departamento, de trabalho. Que ajudem também a sensibilizar outros que não estão na comunidade acadêmica, para que consigamos fazer dessa campanha algo bastante relevante”, afirma Araújo. 

Vale ressaltar que a Frente Popular está buscando outros parceiros que possam contribuir com a Campanha ‘Solidariedade Pela Vida’, como o Instituto Herbert de Souza (Betinho), o Ação Cidadania e a Fundação Banco do Brasil, ambos com a possibilidade de doações em alimentos. Há também articulação com os possíveis beneficiários da campanha, moradores da periferia, imigrantes e coletivos negros e indígenas. 

Além das entidades representativas da comunidade acadêmica da UFMT - Adufmat-Ssind, Sindicato dos Servidores Técnicos-administrativos (Sintuf-MT), e Diretório Central dos Estudantes (DCE) - mais de outras 20 entidades, entre sindicatos e movimentos populares, fazem parte da Frente.  

Grande parte delas estará presente no lançamento da Campanha ‘Solidariedade Pela Vida’ durante a Live na página oficial da Adufmat-Ssind no Facebook (clique aqui), que será transmitida nesta quinta-feira, 04/06, às 19h. Participe! 

CONTRIBUA COM DOAÇÃO DE ALIMENTOS

 

Ponto de Arrecadação:

Adufmat-Ssind (OCA - UFMT)

Avenida Fernando Corrêa da Costa, S/Nº, Coxipó, Cuiabá

 

CONTRIBUA COM DOAÇÃO DE RECURSOS 

 

Caixa Econômica Federal

Agência: 0686 | Op.: 013

Conta Poupança: 00034474-8

CNPJ: 149120750001/53

Titular: ADUFMAT SOLIDARIEDADE COVID-19

 

 

 

Layse Ávila

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind 

Terça, 07 Abril 2020 18:11

 

Nessa terça-feira, 07/04, o mundo comemora O Dia da Saúde. Destacar a importância das políticas destinadas à saúde pública - que já seria motivo de aclamação em tempos de aparente “normalidade” - em meio a uma pandemia que paralisa mais de 180 países, é mais do que uma obrigação. O Dia Mundial da Saúde passou, para trabalhadores organizados do mundo, como uma cerimônia sagrada.

 

Para lembrar o quanto o Sistema Único de Saúde (SUS) é importante no Brasil e, apesar de tantos ataques, é de onde se pode esperar algum conforto nesse momento, sindicatos de Mato Grosso passaram carros de som em alguns bairros da capital mato-grossense.

 

Três carros circularam pelo CPA, setores I, II, III e IV, Jd. Florianópolis, Jd. União e Jd. Vitória, além da região dos bairros Pedra 90, Osmar Cabral e Tijucal. A mensagem, produzida por sindicatos de professores e demais servidores da Universidade Federal de Mato (Adufmat-Ssind), Universidade do Estado de Mato Grosso (Adunemat-Ssind), Instituto Federal de Mato Grosso (Sinasefe), além do ANDES – Sindicato Nacional, foi uma só: esse momento prova que todos dependem do SUS e, por isso, devem lutar por ele e pelos seus profissionais com todas as forças.   

 

As entidades que organizaram a intervenção fazem parte da Frente Popular em Defesa do Serviço Público e Solidariedade no Enfrentamento à Covid-19. “Nós fizemos essa atividade hoje tomando todos os cuidados que os órgãos de saúde sugerem. Pensamos em fazer carreata, mas no fim optamos pelos carros de som, apenas. Reproduzimos um áudio destacando que a melhor maneira de lidar com tudo isso, nesse momento, é ficar em casa e defender o SUS e os servidores da saúde”, disse o diretor geral da Adufmat-Ssind, Aldi Nestor de Souza.

 

“A data de hoje é estratégica para refletir o quanto nosso Sistema de Saúde está sendo imprescindível nesse momento, e lembrar que se trata de um sistema reconhecido mundialmente há muitos anos. Por exemplo, nós temos o programa de tratamento de HIV positivo mais premiado do mundo. O SUS é o sistema que mais faz transplante de órgãos no mundo, o sistema que mais faz aplicações de vacina e distribuição de medicamento de alto custo gratuitamente. Há medicamentos cuja caixa custa cerca de R$ 20, 30 mil. Ou seja, é um sistema que precisa ser reconhecido pela sua grandeza. Ao mesmo tempo, tem suas contradições, porque dentro dele estão os interesses do capital. A Constituição Federal de 1988 permite que o sistema privado atue em parceria com o SUS e, assim, ele disputa cada centavo dos recursos públicos destinados ao setor”, destacou o 1º vice-presidente regional do ANDES-SN, Reginaldo Araújo.

 

O professor lembrou, ainda, que a Itália, um dos países em que há o maior número de mortes provocadas pela Covid -19, teve seu sistema de saúde desmontado, como os governos brasileiros pretender fazer retirando recursos da saúde pública.

 

As entidades explicam que a Frente surgiu da compreensão de que os governantes brasileiros ainda resistem às evidências de que os serviços públicos são as ferramentas mais importantes no combate à atual pandemia - entre outras enfermidades sociais - e insistem em preservar o espírito capitalista, individualista e mercenário. Por isso, as entidades se uniram para pensar e desenvolver estratégias que possam ajudar a população tanto nas questões imediatas, quanto a médio e longo prazo.

 

 “Nós entendemos que o governo federal brasileiro tem mantido uma postura genocida frente à pandemia. Veja, o Brasil é o único país que tem cortado salário em vez de garantir renda mínima. Apesar de toda a gravidade que nós já sabemos que a doença representa, o presidente ainda faz propaganda contra a quarentena. O Brasil é o único país no qual a burguesia faz carreata para que as pessoas voltem a trabalhar. Por isso, nós trabalhadores temos de articular alternativas que representem uma contra proposta a essas posturas”, explicou a professora Lélica Lacerda, diretora Adufmat-Ssind.

 

Estão entre as ações planejadas pelo grupo a distribuição de alimentos e equipamentos de proteção individual, além de articulações políticas no sentido de defender os salários dos trabalhadores, a queda do Teto de Gastos (EC 95/16), garantia do trabalho para todos, condições de vida para as pessoas e respeito à quarentena.

 

A sede da Adufmat-Ssind, localizada dentro da Universidade Federal de Mato Grosso (quase em frente ao Hospital Veterinário) já é um ponto de arrecadação de alimentos não perecíveis e materiais de limpeza que serão entregues nos bairros.  

 

O Coletivo tem organizado as ações por meio de um grupo de aplicativo de mensagens (clique aqui para entrar), e deve se articular, nos próximos dias, com categorias profissionais e outros sindicatos.

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind