Sexta, 16 Dezembro 2022 09:36

Adufmat-Ssind elege delegados para o 41º Congresso do Andes-SN, debate cortes orçamentários e outros assuntos em assembleia geral Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

Em assembleia geral realizada nessa quinta-feira, 15/12, pela Adufmat-Ssind., os docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) discutiram e decidiram sobre os pontos de pauta divulgados no edital - informes, análise de conjuntura e cortes de recursos, delegados para o 41º Congresso do Andes-SN -, além de uma inclusão no início da plenária, sobre a paridade de salário de professores ativos e não-ativos.

 

Durante o ponto de pauta Informes, o professor Breno dos Santos fez um repasse sobre os eventos realizados pelo Andes-Sindicato Nacional em Foz do Iguaçu na última semana, do qual participou como diretor da Regional Pantanal. Foram 3 eventos simultâneos, que abordaram temas como educação na região de fronteira, multicampia, e arte e cultura. Participaram pela Adufmat-Ssind as professoras Loanda Cheim (Cuiabá), Ana Paula Sacco (Araguaia) e Clarianna Silva (Sinop).

 

O professor Aldi Nestor de Souza também fez um repasse da reunião de Setor das Federais realizada no dia 12/12 e seus encaminhamentos (leia aqui).

 

A professora Paula Gonçalves falou sobre a confraternização da categoria no Araguaia e também sobre a assembleia geral realizada no campus, com a participação de representantes docentes, estudantis, técnicos-administrativos e da administração da universidade, tendo como ponto de pauta os cortes orçamentários.

 

Pela Diretoria, o professor Leonardo Santos informou sobre algumas atividades, como a reunião realizada pela Reitoria para informar sobre o caixa zerado para a Educação no dia 06/12, que resultou, entre outras coisas, em nota da Diretoria da entidade (leia aqui). Além disso, o sindicato participou do Ato em defesa dos Direitos Humanos realizado no dia 10/12, em Cuiabá, e de atividade de final de ano em Sinop. O diretor falou, ainda, sobre a perseguição e detenção de dois estudantes da UFMT que filmaram policiais lanchando nos acampamentos golpistas. Santos destacou que o debate sobre critérios de participação em eventos, cuja última assembleia indicou realização, será feito no início do próximo ano e, por fim, leu a carta de solicitação do professor Reginaldo Araújo, que reivindicou a correção de uma informação sobre seu desligamento: após a comunicação do seu desligamento por meio de documento enviado pelo Andes-SN, Araújo solicitou, portanto, a suspensão da contribuição financeira mensal que continuou sendo feita, e não a desfiliação.

 

Conjuntura e cortes de repasses de recursos   

 

No debate sobre a conjuntura e os cortes de recursos, a reunião com a Reitoria foi novamente citada. “Pela primeira vez a Reitoria chamou as entidades e colocou abertamente a situação financeira da UFMT (saiba mais aqui)”, disse o diretor geral do sindicato, Leonardo Santos.

 

A professora Haya Del Bel disse que, em reunião do Conselho Universitário (Consuni), o professor Evandro Soares, reitor da UFMT, fez o mesmo informe, acrescentando que, além do repasse de pouco mais de R$ 1 milhão, que foram utilizados para pagamento de bolsas e auxílios, outros R$ 3 milhões devem ser debitados na conta da universidade na próxima segunda-feira (19). No entanto, a universidade ainda tem milhões em dívidas.  

 

Para a professora Alair Silveira, a categoria deveria ter sido mais ágil na reação aos cortes de bolsas e auxílios, tanto em nível local como nacional, considerando o desespero dos estudantes que dependem desses recursos.  

 

O professor Aldi Nestor de Souza observou que, diante da conjuntura, não é possível pensar na desfiliação da CSP-Conlutas, como discutirá o próximo Congresso do Andes-SN. “As centrais sindicais disseram que não querem a revogação da Reforma Trabalhista [e da Previdência]”, observou, acrescentando que o ministro da Defesa indicado pelo próximo Governo Federal será José Múcio Monteiro, que foi da Arena, participou da construção do impeachment de Dilma Rousseff e, por esses e outros motivos, representa a continuidade de grupos bolsonaristas no poder.

 

Além disso, o docente informou que o próximo Governo já admitiu em reuniões com entidades representativas de trabalhadores que não há previsão de reajuste salarial no próximo período, o que fará de 2023 um ano muito difícil. “Nessa conjuntura, não é possível brincar de fazer central sindical”, concluiu o professor.

 

O professor José Domingues de Godoi Filho trouxe informações sobre a conjuntura internacional, especialmente na área da tecnologia, que implicam também nas questões brasileiras, devido aos interesses do setor privado, cuja grande participação na Educação já é de conhecimento público.

 

Após o debate, os presentes decidiram pelos seguintes encaminhamentos: realizar um debate sobre as perspectivas da categoria com relação ao próximo governo no início do próximo ano; dialogar, junto ao DCE, para a construção de alguma atividade que debata a evasão na universidade; realizar a campanha de valorização dos serviços públicos e recomposição do orçamento, aprovada em assembleia anterior, já no início do ano; e retomar, em âmbito local, o GTPE (Grupo de Trabalho Políticas Educacionais).    

 

Delegados para o 41º Congresso do Andes

 

O 41º Congresso do Andes-SN será realizado entre os dias 6 e 10/02, em Rio Branco, no Acre. No evento, a Adufmat-Ssind terá direito a 10 delegados.

 

Antes de escolher os representantes, os presentes decidiram votar pela posição que os delegados com relação à saída ou permanência na CSP-Conlutas. Após as defensas, a posição que deverá ser defendida pelos 10 delegados é de permanência na Central. Logo no início de fevereiro do próximo ano a Adufmat-Ssind deverá realizar assembleia geral para debater outros pontos que serão debatidos no Congresso.

 

Na assembleia, a professora Alair Silveira defendeu a permanência na central, destacando sua presença nas lutas. “A CSP é a central que, efetivamente, defende os princípios que o Andes-SN sempre defendeu, ser um sindicato de base, classista, de luta”.

 

A professora Raquel de Brito fez a defesa pela desfiliação, com base no texto da diretoria do Andes-SN apresentado no 14º Conad Extraordinário. “Nós não negligenciamos o papel que a CSP nas lutas, mas não é possível se prender a elementos do passado. A central está burocratizada, verticalizada, de forma que o Andes-SN perde em muitas de suas deliberações” disse.

                                      

Após esta decisão, foram aprovados os nomes dos professores Leonardo Santos (indicado pela Diretoria), Clarianna Silva (indicada por Sinop), Paula Gonçalves (indicada pelo Araguaia) e, pela ordem de votação, Alair Silveira, Maria Clara Weiss, Loanda Cheim, Maelison Neves, Aldi Nestor de Souza, Maria Luzinete Vanzeler e José Domingues de Godoi, para representarem a entidade como delegados no evento. Também foram indicados os professores Onice Dall’Oglio, Haya Del Bel, Marlene Menezes, Waldir Bertúlio e Breno dos Santos, pela ordem de votação, para participarem do congresso como observadores.

 

 Paridade salarial entre docentes ativos e aposentados

 

Por último, os docentes a assembleia aprovou a solicitação de um parecer à Assessoria Jurídica do sindicato com relação à demanda pela paridade salarial entre docentes que estão ativos e docentes aposentados.

 

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind  

Ler 144 vezes Última modificação em Sexta, 16 Dezembro 2022 13:37