Quinta, 17 Fevereiro 2022 18:34

Estudantes pressionam pelo retorno às atividades presenciais ou híbridas na UFMT Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

Imagem: Ícaro Kelvin/ G1MT

 

Estudantes de graduação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá, Várzea Grande e Araguaia, se mobilizam para reivindicar que as atividades presenciais sejam retomadas pela instituição antes do previsto – 11 de abril, quando começa oficialmente o segundo semestre letivo de 2021. No sábado, 12/02, a União Estadual dos Estudantes de Mato Grosso (UEEMT) realizou uma reunião com a categoria para ouvir as manifestações e organizar as atividades.    

 

“Nossa intenção no sábado foi criar um espaço onde os estudantes e seus representantes pudessem expressar suas opiniões sobre o retorno das aulas na UFMT. Depois de ouvir, ficou claro que a maioria dos estudantes ali presentes defendia um retorno presencial ou de maneira híbrida, respeitando todos os protocolos de segurança”, disse o diretor de Comunicação da UEEMT, Iago Venâncio.

 

O estudante afirmou, ainda, que o retorno presencial das aulas práticas e de campo é questão considerada inegociável pelos estudantes, porque muitos cursos possuem uma carga horária extensa de aulas práticas, fundamentais ao aprendizado.

 

Ainda não há uma data definida pelos estudantes para este retorno, mas a UEEMT afirma que abrirá um canal de diálogo com a Reitoria da UFMT para chegar a um acordo. A entidade publicou na sua página oficial do Instagram uma carta apontando as dificuldades de acesso dos estudantes ao conteúdo, o aumento da evasão escolar e o aprofundamento das desigualdades sociais, provocados pelo ensino remoto, como alguns dos principais motivos da reivindicação (leia aqui a íntegra da carta).

 

“Nós cobraremos com máxima urgência que a data prevista de retorno presencial seja confirmada ou que seja definida uma nova data, visto que muitos alunos não se encontram nas cidades de seus campi, e alguns, inclusive, estão fora do estado. Estes alunos precisam se preparar para retornar e, por isso, precisamos ter clareza de quando acontecerá esse retorno”, acrescentou Venâncio.

 

O Diretório Central dos Estudantes da UFMT, campus Cuiabá (DCE/Cuiabá) também organizou a reunião de sábado, junto à UEEMT e aos DCE’s Araguaia e Várzea Grande, além dos Centros Acadêmicos de alguns cursos, mas sua posição é pelo retorno das atividades presenciais em 11 de abril. “Nós fizemos um levantamento no mês de agosto, antes de ocorrer a cobertura vacinal, e a maioria dos estudantes já queria o retorno das aulas para 2021/2, em abril, no caso. Mas nós estamos percebendo algumas movimentações no sentido de empurrar para os cursos a decisão de voltar ou não, e não achamos isso certo. Acreditamos que a gestão superior tem que fazer o retorno de forma segura, garantindo máscara para quem é assistido pela Pró-reitoria de Assistência Estudantil (PRAE), discutindo o retorno do Restaurante Universitário - que é a maior política de assistência estudantil da UFMT - e o cartão vacinal obrigatório que, para nós, é um ponto fundamental do retorno”, afirmou o coordenador geral do DCE Cuiabá, Matheus Araújo.

 

Com relação às condições financeiras da universidade, a UEEMT afirmou que, apesar de saber dos seguidos cortes no orçamento da UFMT e que sua situação é realmente delicada, as respostas trazidas por representantes da Reitoria, pró-reitores de Assistência Estudantil (PRAE) e de Ensino de Graduação (PROEG), na reunião de sábado, fizeram entender que a instituição está preparada para providenciar todas as adaptações necessárias. “A PRAE informou que já adquiriu máscaras para os alunos assistidos pelos auxílios e que também vai adquirir álcool gel para distribuição aos mesmos. Tendo estas informações, imagina-se que a UFMT esteja em condições financeiras para o retorno das aulas presenciais de maneira total ou híbrida, mas nós vamos cobrar mais informações da Reitoria sobre como está a infraestrutura da universidade, pois defendemos um retorno presencial seguro, e isso inclui um espaço que não ofereça risco à comunidade”, disse o diretor de Comunicação da UEEMT.

 

As respostas dadas aos estudantes na ocasião chegaram a ser publicadas pela universidade no site institucional (leia aqui).

 

Para o DCE/Cuiabá, que igualmente reconhece as dificuldades provocadas pelos cortes de recursos, retornar é uma maneira de preservar a instituição. “Pensamos que uma forma de defender a própria universidade é voltando às aulas, pois o Bolsonaro cortou R$ 700 milhões de verba das universidades com a justificativa de que não estão usando. É um momento muito difícil de decisão, temos que voltar às aulas justamente para conseguirmos defender a permanência dos estudantes, a existência da própria universidade”, concluiu Araújo.

 

Os estudantes destacam, no entanto, que todos os cuidados deverão ser providenciados pela universidade, incluindo a exigência do cartão de vacinação - resguardados os casos de indicação médica contrária -, e que o plano de retorno presencial deve ser aprovado e divulgado massivamente, para que todos possam ter acesso às informações da forma mais precisa possível.

 

A Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat-Ssind) também protocolou uma lista de precauções junto à instituição, para que o retorno seja feito da forma mais segura possível. Confira aqui as recomendações protocoladas pelo sindicato em dezembro de 2021, e aqui algumas alterações aprovadas em assembleia geral realizada este ano.  

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Ler 385 vezes Última modificação em Quinta, 17 Fevereiro 2022 19:25