Quinta, 23 Dezembro 2021 18:05

Aos 43 anos, Adufmat-Ssind batiza sede e centro de documentação; José Afonso Portocarrero e Maria Adenir Peraro são os homenageados Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

Na última sexta-feira, 17/12, a Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat-Ssind) recebeu os sindicalizados para comemorar seus 43 anos com um café da manhã no Largo Pedro Casaldáliga. Na ocasião, o sindicato homenageou dois docentes que simbolizam etapas fundamentais dessa história: José Afonso Botura Portocarrero, arquiteto que idealizou e é responsável pelo prédio sede da Adufmat-Ssind - a famosa “oca”, e Maria Adenir Peraro, historiadora que iniciou a organização do arquivo desses mais de 40 anos de luta, que já renderam um livro e um filme documentário.

 

A partir de agora, a sede da Adufmat-Ssind e o Centro de Documentação do sindicato terão, respectivamente, os nomes José Afonso Botura Portocarrero e Maria Adenir Peraro. E todo mundo vai saber que esses dois professores, como parte de uma categoria inteira, se dedicaram à construção e preservação de um ideal de sociedade na qual a educação é libertadora, direitos são essenciais e a igualdade social é condição de segurança para a diversidade cultural e humana.

 

“Foi uma honra. Eu não esperava tamanha consideração e me sinto muito feliz e agradecida por estar com saúde, aos 69 anos de idade, realizando esse trabalho, que teve início na gestão anterior do professor Reginaldo - de 2017 a 2019. Nós fizemos um primeiro trabalho de pesquisa para escrever a história da Adufmat-Ssind, que foi publicada em livro, e a partir daí eu continuei me apaixonando pela documentação e pensei em organizar o arquivo herdado pelas diretorias anteriores. Ela está bastante segura, preservada, era necessário só classificar. Desde então nós estamos fazendo isso, de acordo com o Arquivo do Centro de Documentação (CEDOC) do ANDES-Sindicato Nacional”, disse a professora Maria Adenir Peraro após receber a homenagem.

 

Para a historiadora, a luta dos docentes do ensino superior deve ser divulgada. “Essa história deve ser divulgada para que as próximas gerações possam entender as lutas, os desafios e o que pode ser feito ainda para que esse país seja mais justo, mais democrático, e que a universidade continue sendo pública e democrática. O arquivo da Adufmat-Ssind, seus documentos, mostram que essa luta vale a pena”, concluiu Peraro, lembrando, ainda, que a exemplo do ANDES-SN, a documentação da Adufmat-Ssind precisa ser acompanhada permanentemente por um profissional arquivista.   

   

O professor José Portocarrero também se emocionou e agradeceu a homenagem, citando alguns momentos que vivenciou no prédio que, agora, leva o seu nome.

 

“Sou muito agradecido à Adufmat-Ssind por ter feito essa homenagem, esse contato. Mais contente ainda por estar junto da Maria Adenir, que é uma pessoa fantástica e que realizou um trabalho que faz muita falta para nós todos da universidade, não só da Adufmat-Ssind, que é esse cuidado com a documentação, com a nossa história. Eu fico contente também porque esse próprio prédio é, agora, um documento da nossa história. Ele está aqui, de concreto. Me deixa tão contente poder... ser um arquiteto que fez um projeto há 30 anos e depois ser reconhecido, assim, ser chamado para ter o nome aqui, dentro do prédio, desse desenho que nasceu de um risquinho, virou um projeto e depois uma obra, e essa obra virou o prédio da Adufmat-Ssind, um espaço usado para encontros, discussões, propostas, inovação. É um espaço muito vivo a Adufmat-Ssind. Eu fico muito contente, lisonjeado mesmo, orgulhoso”, declarou o docente.

 

Sobre a tentativa recente de cobrança de aluguel do sindicato, por parte da Reitoria da instituição, Portocarrero lamentou e considerou que a questão deve ser resolvida de forma diplomática. “Depois que esse prédio foi inaugurado, quando ainda não havia a parede fechando, o auditório era uma praça grande aqui em baixo. Muitas vezes, quando acabava a luz – e teve uma época isso acontecia muito aqui no Coxipó -, eu e alguns outros professores trazíamos os alunos para cá e dávamos aulas aqui. Esse auditório tem servido para todos nós, para complemento de aula, seminários, reuniões. Ele faz parte, é um espaço da universidade, não é só nosso. Eu entendo que essa possibilidade poderia ser pagar a conta de luz, de água, mas cobrar o aluguel eu acho que é uma indelicadeza. Não deveria”, avaliou.

 

Portocarrero destacou, ainda, o ineditismo da obra. “O prédio faz parte da própria instituição hoje. Ele trouxe para dentro da universidade pública, pela primeira vez, o desenho das habitações indígenas. Colocou concretamente a tecnologia indígena dentro de uma universidade federal, e isso tem contribuído para que a tecnologia indígena seja reconhecida como tecnologia. Esse é um espaço muito caro para mim. Foi meu primeiro projeto nessa direção, que é a raiz da minha pesquisa. Eu fico contente de ver que ele está aqui dentro da universidade, e a universidade deveria considerar essa conjuntura toda. Nós somos um espaço onde os povos indígenas também vêm fazer reuniões, a universidade está sempre aberta, a Adufmat-Ssind cede esse espaço sempre. É uma questão de diálogo diplomático entre as duas partes para ajustar isso e manter o prédio aberto como sempre foi, quando era praça e, mesmo agora, com o auditório fechado, porque ele continua sendo aberto para a comunidade”.

 

Além dos bons momentos, o docente evidenciou, dentro da arena de debates, onde concedeu entrevista, que a sede da Adufmat-Ssind também é fruto de uma construção coletiva. “Esse prédio é uma construção coletiva. Nós tivemos a contribuição de outros professores, parte de estrutura hidráulica, elétrica. Uma lembrança bonita que eu tenho é que, durante a execução da obra, quando era apenas a estrutura, a universidade federal realizou concerto aqui. Acho que era o professor Bussiki [Marcelo] o dirigente da Orquestra. Então é um espaço que a própria universidade sempre prezou. Foi muito bonito, a orquestra aqui, as pessoas em volta. Eu gostaria muito de encontrar uma foto dessa noite. A Adufmat-Ssind tem essa representação, esse caráter, de ser um espaço capaz de acolher os povos indígenas não só do ponto de vista da questão indígena, mas também de tecnologia, de arquitetura, como uma referência para nós, dentro dos cursos que nós temos, mas para outras universidades também. Então, como eu estava dizendo, a Maria Adenir cuida da documentação, e esse também é um documento”, finalizou.   

 

Veja aqui as FOTOS do Café da Manhã em Comemoração aos 43 anos da Adufmat-Ssind

 

Quer saber mais sobre a história da Adufmat-Ssind? Assista aqui o vídeo documentário produzido como uma das ações do aniversário de 40 anos do sindicato.

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind  

Ler 198 vezes Última modificação em Quinta, 23 Dezembro 2021 18:13