Sexta, 09 Julho 2021 20:36

Nova diretoria da Adufmat-Ssind toma posse em assembleia geral nessa sexta-feira, 09/07 Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(2 votos)

 

A assembleia geral da Adufmat-Ssind convocada para essa sexta-feira, 09/07, marcou a despedida da gestão “Luto Pela Universidade Pública”, e o início da gestão “Dom Pedro Casaldáliga: por uma Adufmat de luta, autônoma, democrática”, que assumirá o sindicato durante o biênio 2021-2023. Também tomou posse a representação da subseção do Araguaia, “Resistir e Esperançar”, eleita para o mesmo biênio.

 

O professor Aldi Nestor de Souza começou a assembleia agradecendo aos docentes e funcionários da Adufmat-Ssind. “Foram 2 anos e 3 meses mais do que excepcionais, e vocês ajudaram a atravessar esse momento. Para mim, pessoalmente, foi um período de muita aprendizagem que vou guardar com muita alegria, satisfação, e certa honra”, disse o ainda diretor geral naquele momento, afirmando seguir na luta, novamente como base.  

 

Após a aprovação da pauta, a diretoria fez informes sobre o 12º Conad Extraordinário, ainda em andamento, Festival Contra Atacar, que premiou os vencedores na última quarta-feira, 07/07 (assista aqui), e o envio do Jornal da Adufmat-Ssind, balanço da gestão. A diretora de Comunicação até aquele momento, Lélica Lacerda, aproveitou para desejar boa sorte à nova diretoria.

 

As professoras Gerdine Sanson e Clarianna Silva fizeram informe sobre o debates acerca da emancipação do campus, e chamaram a atenção para informações de alterações nas políticas de assistência estudantil da universidade. O professor Leonardo Santos, ainda pela base, falou sobre a rearticulação do Fórum Popular da Juventude em Mato Grosso.

 

No ponto de pauta “Prestação de Contas”, a diretoria esclareceu que, nesta sexta-feira, o motivo do debate foi apenas anunciar o ato da entrega dos Relatórios da gestão, disponíveis no site do sindicato (veja aqui). Não se tratou de uma assembleia de aprovação de contas. Nesse sentido, o tesoureiro Djeison Benetti explicou que o Conselho Fiscal fará a análise dos documentos e apresentará um parecer que, só então, será submetido a análise da categoria em assembleia específica.   

 

Posse

 

Para empossar a nova diretoria, o professor Aldi Nestor de Souza, marcando a despedida da gestão Luto pela Universidade Pública, relembrou algumas lutas travadas dentro e fora da universidade. Além da luta contra o Future-se, o corte de energia na UFMT, que significou um marco político, e a pandemia, o diretor lembrou da batalha das trabalhadoras terceirizadas da limpeza. A Adufmat-Ssind acompanhou a mobilização para garantir o pagamento dos salários, e também as demissões durante a pandemia. “Algumas foram demitidas simplesmente porque são velhas. Essa é uma situação para a qual a UFMT resolveu fechar os olhos. Mas a Adufmat acompanha até hoje”, disse Souza, relatando, em seguida, que o sindicato recebeu, diariamente, pedidos de ajuda de pessoas que passam fome. Nesse sentido, o trabalho da “Frente Popular pela Vida: em defesa dos Serviços Públicos e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19” fez a diferença, entregando dezenas de toneladas de cestas básicas e materiais de higiene.

 

A professora Liliane Capilé, vice-tesoureira que assumiu o setor após o afastamento de Benetti, falou sobre as reformas ainda necessárias na sede do sindicato, e de algumas que já avançaram.

 

Benetti destacou alguns detalhes que precisam ser ajustados na Tesouraria, pagamentos sendo efetuados, alguns ainda não compensados, e se colocou à disposição para fazer a transição com a próxima gestão.    

 

A professora Clarianna Silva, representando a Comissão Eleitoral do pleito de 2021, relatou os dados da eleição (disponíveis aqui) e, logo em seguida, Aldi Nestor oficializou a entrega da diretoria ao novo diretor geral, Reginaldo Araújo.

Em sua primeira manifestação à frente do sindicato, Araújo registrou o desejo de compartilhar da presença dos colegas. “Eu gostaria de estar na nossa arena, nossa oca, espaço em que a gente dialoga, disputa, vota, ri, chora. Um espaço que nos traz realizações enquanto sujeitos militantes”, afirmou.

 

O professor Leonardo Santos, agora diretor de Comunicação da Adufmat-Ssind, fez uma homenagem a Dom Pedro Casaldáliga, cujo nome inspirará a gestão. “Um homem de luta, forte, de posições firmes e coragem de manter suas posições diante daqueles que tentaram lhe expulsar do país e da sua igreja. Será inspiração para o que a gente acredita da luta social e da construção de uma sociedade. Essa homenagem será mais voltada para mostrar a síntese do que nos inspira o que a gente gostaria de construir”, afirmou, destacando três elementos que marcaram a vida e luta de Casaldáliga: a práxis (fazer o prega e pregar que faz), o pertencimento ao povo (escolher sempre os pobres), e o viver coletivo.

 

O novo diretor encerrou sua intervenção com a leitura do poema de Casaldáliga, “Canção da foice e do feixe” (leia aqui).

 

A nova tesoureira do sindicato, Maria Luzinete Vanzeler, também brincou com o distanciamento. “Espero que não fiquemos por muito tempo nesse corre-corre, estou aqui, mas estou atrasada para o Conad, tudo aqui dentro da minha casa. Esse foi um período duro, mas que nos ensinou muito. Nós temos capacidade de aprender a cada momento, capacidade de lutar a todo momento”, disse a professora.

 

A segunda diretora secretária, Márcia Corrêa, se disse contemplada pelas intervenções anteriores, mas registrou as expectativas da primeira experiência numa diretoria sindical. “Eu aceitei o convite porque acredito nos colegas e no Pedro Casaldáliga, sua história, por isso me coloque à disposição, e acredito que será uma grande oportunidade de aprendizado”, afirmou.

 

Para a professora Gerdine Sanson, essa também será a primeira experiência na diretoria do sindicato, e não na representação local. Ela agradeceu a chapa Luto Pela Universidade Pública, e falou da admiração pelo trabalho realizado. “Não sei nem dar nome ao que esse mandato teve que passar. Vocês resistiram, apesar de não conseguia reunir a categoria, tatearam no escuto para tentar resolver, manter o sindicato evoluindo. Acompanhei bem de perto, e agradeço especialmente por vocês trazerem trazido poesia, arte, como estratégia de comunicação, nesse momento tão difícil. Sou apaixonada pelo programa Pulso Cerrado”, disse a, agora, diretora geral adjunta da Adufmat-Ssind.  

 

O professor Magno Silvestri, diretor secretário, ressaltou a carga simbólica de diferentes lembranças de lutas, desafios, e o papel da comunicação na última gestão. “Manter avanços será um grande êxito desse grupo que está iniciando. Nós temos vários desafios conjunturais e estruturais, são escalas de ação política distintas, da sede e da subsede, que apresentam questionamentos e desafios diferenciados. A questão da presença física do sindicato dentro da universidade é um desses desafios”, lembrou o docente.  

 

A diretora de assuntos de Aposentadoria e Seguridade Social, Marlene Menezes se mostrou animada com a reaproximação dos debates de interesse da universidade. “Eu agradeço o convite para participar da chapa. Foi motivo de alegria e volta à luta, ao compromisso, à universidade. Eu tenho muita disposição em contribuir e trabalhar com a chapa e com a base. Nesse momento em que as adversidades são tão grandes, nós vamos conseguir fazer muita coisa. Contem comigo”, afirmou.

 

A professora Loanda Cheim, diretora de assuntos socioculturais, também agradeceu a oportunidade de contribuir com a categoria. “Toda etapa, todo desafio, é aprendizado, e a gente sai mais sábio. Trabalhar numa equipe com pessoas diferentes, com conhecimentos diferentes, com certeza me trará bastante aprendizado. E eu quero um sindicato cada vez mais atuante, sempre mais forte. Enquanto diretora de assuntos culturais possa contribuir com isso, resgatar o orgulho de ser professor, pertencer à instituição”, destacou.

 

O diretor geral, Reginaldo Araújo, agradeceu a diretoria anterior, e também falou um pouco sobre os desafios futuros. “Eu sei que essa é uma tarefa árdua, que a gente tem que se doar para a luta coletiva, e vocês pegaram uma conjuntura das mais duras depois da redemocratização. Vocês cumpriram tarefas, deixaram legado. Nós temos a clareza de que esse sindicato será forte se as pessoas compreenderem que devem estar perto da direção, e esse será nosso desafio diante de uma Educação absolutamente precarizada. Se nós estivéssemos frequentando a universidade, ela não estaria funcionando, por falta de recursos. É essa a conjuntura que nós vamos enfrentar. Um Governo Federal e também o Estadual genocidas, que diz que economizou R$ 3 bilhões no estado no qual as pessoas passam fome”.  

 

A nova diretoria já planeja um ato político e cultural de posse para a próxima semana.

 

Pela subseção do Araguaia, falou a professora Graziele Borges, que fez parte da representação local anterior e continuará no próximo biênio. “Eu sei das dificuldades das mulheres de fazer luta, e também dos homens. Gostaria de agradecer a professora Adriana Nascimento, que me trouxe para a luta após o doutorado, aos professores Eliel e Fred que estavam na gestão anterior, à Vanessa Tavares, funcionária da subseção, e à nova gestão do Araguaia, que será feita por um coletivo de sete: Ana Paula Sacco, Magno Silvestri, Gilson Costa, Ayane Paiva, Robson Lopes, Paula Alves e eu”.  

       

Ela explicou ainda que o nome “Resistir e Esperançar” também é uma homenagem ao educador Paulo Freire. “Esperançar é não sucumbir, barrar toda a forma de opressão, ir atrás, construir, não desistir, levar a diante, juntar com os outros para construir outro modo. Venha o que vier, acredito que nós vamos construir um bom trabalho”, concluiu.

 

A professora Ana Paula Sacco disse que se sentiu silenciada durante a pandemia, pelo distanciamento entre os colegas. “Ficamos cada um no seu quadradinho virtual, tivemos dificuldades de diálogos com os companheiros com relação a tantas mudanças que surgiram, a flexibilização do ensino. Nesse contexto achei importante voltar ao sindicato para ter essas discussões”, afirmou, pontuando também algumas questões locais da região do Médio Araguaia.

 

O professor Gilson Costa, formado e pós-graduado pela UFMT, falou com orgulho da relação de longa data com a instituição. “Esse é um momento desafiador e nós temos a certeza de que não da para ficar esperando as coisas acontecerem. Estamos sendo atacados cotidianamente, há um clima de fascismo nos espaços. Fortalecer a categoria e, mais do que isso, a classe trabalhadora, contribuindo como trabalhadores da educação. Esse é o nosso desafio. Queremos fortalecer nossa aliança com movimentos sociais, indígenas, entre outras demandas pontuais que diferem da capital”, disse.

 

Pela base, a professora Clarianna Silva falou que espera, neste biênio, debater a natureza da profissão e a serviço de quem a categoria está. Além disso, lembrou das dificuldades das lutas e contradições dentro do movimento no cotidiano.

 

O professor Breno Santos, diretor da Vice-presidência Regional do ANDES (VPR Pantanal) parabenizou a nova diretoria pela vitória e pela disposição para assumir uma entidade que enfrenta dificuldades ainda duras nesta conjuntura.

O professor José Airton saudou a chapa que saiu, e a que entrou. Se disse feliz escolha dos nomes e gostou do que o material de campanha propôs com relação aos aposentados.

 

A professora Maria Adenir Peraro também parabenizou o trabalho da gestão “Luto Pela Universidade Pública”, diante da conjuntura dificílima, e solicitou atenção da nova gestão ao arquivo da Adufmat-Ssind, que ajudou a construir durante a gestão da qual fez parte, entre 2017 e 2019.

 

Por fim, os presentes elegeram para o Conselho Fiscal do próximo biênio os professores José Ricardo de Souza, Adriana Queiroz e José Airton de Paula, como titulares, e Marluce Souza e Silva e Djeison Benetti como suplentes.

 

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind      

Ler 242 vezes