Quarta, 22 Abril 2020 14:06

O ISOLAMENTO SOCIAL E A COMUNHÃO POLÍTICA - Roberto de Barros Freire

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
****

 
Por Roberto de Barros Freire*
 

Esses que não respeitam o isolamento social e que não fazem parte daqueles responsáveis pelas atividades essenciais, serão responsáveis por termos que ficar ainda mais tempo nessa quarentena, ampliando a reclusão. Ainda que não sejam a maioria, havendo uma grande obediência as normas de saúde, esses desobedientes são em grande quantidade. Mais ainda, incentivados pela presidência e ignorantes, insensatos, afora saírem em contraposição à norma civilizatória da saúde, poderão causar mais danos, propagando a doença, não havendo hospital para todos, não havendo respiradores para todos, nem UTI, nem ambulância, teremos corpos espalhados por todo lado.


Alguns só perceberão que o Coranavirus é grave quando perderem alguém próximo. A arrogância de se achar acima dos demais, que as doenças não os pegam, e pode ser até que não a sofra, mas a espalhará aos demais, levando para alguém próximo. Ora, é preciso que se perceba que deve haver um esforço coletivo, que não devemos nos dividir, com cada um fazendo o que quer do seu jeito. É preciso civismo e humanismo nesse momento, se perceber como parte do todo, responsável por si e pelos demais.


O que se vê, infelizmente, no país, é uma minoria pedindo não apenas desobediência às normas de saúde e civilizatória, a abertura do comércio e de toda atividade econômica, mas um golpe de Estado, que as forças armadas imponham uma nova ditadura, enfim, algo não apenas contra a saúde, mas um ato criminoso, de terrorismo, que deveria ser punido exemplarmente por estarem proclamando e propagando atos contra a constituição e a imensa maioria da população. Esses poucos loucos acham que são o povo, quando é um bando de gente arrogante com carro importado passeando pela cidade, enquanto o povo está ou trabalhando nos serviços essenciais, ou em casa não propagando o vírus. O povo mesmo está também nos ônibus, está em bairros afastados, está em condições sofríveis de existência, e em grande número, muito maior do que dos carros, e desses infames a proporem o fim da democracia e sem ver a grande maioria; só circulam pelas avenidas refinadas. Não querem conversar como afirma o nosso débil presidente, querem impor a todos suas prescrições fundamentadas nas suas vontades egoístas e mesquinhas tão somente. Falta pouco para esse insano achar que é preciso alguma atitude de força sobre a nação, quando inflamados pelo doido todos desobedecerem a tudo, como nos induz o comportamento errático de Bolsonaro.


Esses que se acham superiores aos cientistas, sábios e a grande maioria da humanidade civilizada, que seguem o isolamento social como forma de mitigar os males da doença, não apenas são péssimos cidadãos, são contrários à humanidade. São favoráveis à ditadura, à tortura, à morte, ao extermínio de tudo (as instituições) e de todos (a oposição). Enfim, devem ser repreendidos, processados e multados, pois que esses só têm no bolso a sensibilidade da sua pequena alma. Sentem mais a perda dos bens do que das pessoas.


Se todos seguíssemos o isolamento, maciçamente, o aumento da epidemia seria contido, e teríamos tempo suficiente para novos remédios e para uma vacina. Teríamos garantido que teríamos recursos hospitalares para abrigar a todos, e algum tempo para nos preparar melhor para o crescimento da doença que sempre pode ocorrer, visto que não temos ainda anticorpos para esse vírus, por ser um vírus novo e desconhecido.


Devemos ignorar o presidente e seus fanáticos seguidores, e num gesto político proclamemos que seguiremos a ciência, os sábios, a experiência bem sucedida dos outros povos, não as vontades presidenciais, que sem base em nada que não seja sua visão estreita e pequena, proclama como se fosse superior a todos do planeta regras equivocadas e prejudiciais. Ainda que cada um esteja em sua casa, estamos juntos contra a doença, esperando o momento certo para retomarmos as atividades normais. Continuemos seguindo as autoridades competentes para nos instruir, os médicos e a ciência.

 

 
*Roberto de Barros Freire é professor do Departamento de Filsofia/UFMT

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Ler 461 vezes