Segunda, 17 Julho 2017 17:04

 

A Adufmat-Ssind informa a lista de candidatos classificados para entrevista no processo de seleção para assessor sindical 2017.  

As entrevistas serão realizadas na próxima sexta-feira, 21/07, na sede do Sindicato (campus da UFMT em Cuiabá). 

 

Candidatos selecionados para entrevista (ordem alfabética) Horário da Entrevista
Cristiane de Oliveira 9h
Edzar Allen de Miranda Santos 9h30
Érika Aparecida de Oliveira 10h
Gabrielle dos Santos 10h30
Jéssica Carolina Amaral da Silva 15h
Kristielle Regina Dias de Sousa 15h30
Rosana Moreira de Campos Silva 16h
Taynara Morais Humbelino 16h30
Wiviane Santana de Almeida 17h
Segunda, 17 Julho 2017 17:01

A Adufmat-Ssind informa a lista de candidatos classificados para entrevista no processo de seleção para assessor sindical 2017.  

As entrevistas serão realizadas na próxima sexta-feira, 21/07, na sede do Sindicato (campus da UFMT em Cuiabá). 

 

Candidatos selecionados para entrevista (ordem alfabética) Horário da Entrevista
Cristiane de Oliveira 9h
Edzar Allen de Miranda Santos 9h30
Érika Aparecida de Oliveira 10h
Gabrielle dos Santos 10h30
Jéssica Carolina Amaral da Silva 15h
Kristielle Regina Dias de Sousa 15h30
Rosana Moreira de Campos Silva 16h
Taynara Morais Humbelino 16h30
Wiviane Santana de Almeida 17h
Sexta, 24 Fevereiro 2017 07:19

 

2019

 

ATIVIDADES

 

29/07 - 17h: reunião da Adufmat-Ssind

22/07 - 16h: Abraço à UFMT

             19h: debate sobre o "Future-se" na Adufmat-Ssind

14/06 - Greve Geral em defesa da Previdência Pública, da Educação e do Emprego

30/05 - 2º Dia Nacional em Defesa da Educação Pública e Gratuita

30/05 - às 14h: Debate sobre os ataques à Educação no Auditório do CCBS III [cancelado]

24/05 - às 14h: Debate sobre os ataques à Educação no ICHS/IGHD [cancelado]

20/05 - às 14h: Debate sobre os ataques à Educação no Batatão [cancelado]

15/05 - Dia Nacional de Greve Geral da Educação

14/05 - às 16h30: Tchá co Bolo com o tema "Enfrentando as opressões na Universidade: Relações de Raça, Gênero e Sexualidade"

13/05 - às 9h: Debate sobre os ataques à Educação na FAET

10/05 - às 14h: Debate sobre os ataques à Educação no IE

09/04 - Posse diretoria "Luto Pela Universidade Pública!" (biênio 2019-2021).

28 e 29/03 - III ENE:  Etapa Regional MT com 5ª Edição do Lusco Fusco

20/03 - Eleições para Diretoria da Adufmat-Ssind

08/03 - Paralisação - Dia Internacional de Luta da Mulher Trabalhadora

20/02 - Plenária Nacional das Centrais Sindicais contra a Reforma da Previdência 

28/01 a 03/02 - 38º Congresso do ANDES-SN

 

 


2018

40 ANOS DA ADUFMAT-SSIND  
 

***

REUNIÕES ORDINÁRIAS DOS GT'S

 

GTPFS - POLÍTICA DE FORMAÇÃO SINDICAL: TODAS AS QUINTAS-FEIRAS, ÀS 8H, NA ADUFMAT-SSIND

GTSSA - SEGURIDADE SOCIAL E ASSUNTOS DE APOSENTADORIA: PRIMEIRA QUARTA-FEIRA DO MÊS, ÀS 14H30, NA ADUFMAT-SSIND

 

***

 

ATIVIDADES

 

08/12 - Comemoração dos 40 anos da Adufmat-Ssind 

01 e 02/12 - Curso de Formação Política e Sindical "Capital e Trabalho: Reforma ou Revolução?" em Barra do Garças.

27/11, às 8h e às 19h - Debate "Empreendedorismo e Universidade"

10 e 11/11 - Curso de Formação Política e Sindical "Capital e Trabalho: Reforma ou Revolução?" em Cuiabá.

07/11, às 13h - Mesa Sindical "Escola Sem Partido, a Reforma do Ensino Médio e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC): a ofensiva capitalista para a mercantilização da educação e amordaçamento dos/as professores/as" (Programação alternativa Semiedu)

06/11, às 19h - Mesa Sindical "A conjuntura no contexto educacional e a política de formação de professores: o significado da Residência Pedagógica" (Programação alternativa Semiedu)

05/11, às 19h - Mesa Sindical "O que é capacitismo?" (Programação alternativa Semiedu) 

19/10, às 19h - Seminário Tempos Sombrios, Tempos de Intolerância

20/09 - Dia de Atividades

        15h - Debate “Crise de Financiamento das Universidades Federais e da Ciência e Tecnologia Pública”

        17h -  3ª Edição da Feira do Livro do GTSSA

        18h - 3ª Edição do Lusco Fusco (Literário)

10/08 - Dia Nacional de Lutas

11/07 - Lusco Fusco "Aposentado, sim. Alienado, não!"

28/06 a 01/07 - CONAD

13/06 - Ato Político A Criminalização de Estudantes pela Reitoria da UFMT e a Farsa das Negociações

23/05Debate: Cortes Orçamentários e a Resistência em Defesa da Educação Pública, Gratuita, de Qualidade e Socialmente Referenciada.

13/04 - Lusco Fusco com Elas

08/03 - Greve Internacional das Mulheres

19/02 - Dia Nacional de Luta Contra a Reforma da Previdência  

16/02, às 15h - Homenagem aos 90 anos de Dom Pedro Casaldáliga 

 

 

PLANTÕES ASSESSORIA JURÍDICA – SINOP E BARRA DO GARÇAS/2018

 

MESES

 

 

 

 

ABRIL

SINOP

11/04/18 - (QUARTA-FEIRA)

BARRA DO GARÇAS

25/04/2018 (QUARTA-FEIRA)

 

 

 

 

 

MAIO

SINOP

09/05/18 - (QUARTA-FEIRA)

BARRA DO GARÇAS

23/05/18 - (QUARTA-FEIRA)

 

 

 

 

 

JUNHO

SINOP

13/06/18 - (QUARTA-FEIRA)

BARRA DO GARÇAS

27/06/18 - (QUARTA-FEIRA)

 

 

 

 

 

JULHO

SINOP

04/07/18 - (QUARTA-FEIRA)

BARRA DO GARÇAS

18/07/18 - (QUARTA-FEIRA)

 

 

 

 

 

AGOSTO

SINOP

08/08/18 - (QUARTA-FEIRA)

BARRA DO GARÇAS

22/08/18 - (QUARTA-FEIRA)

 

 

 

 

 

SETEMBRO

SINOP

12/09/18 - (QUARTA-EIRA)

BARRA DO GARÇAS

26/09/18 - (QUARTA-FEIRA)

 

 

 

 

 

OUTUBRO

SINOP

10/10/18 - (QUARTA-FEIRA)

BARRA DO GARÇAS

24/10/18 - (QUARTA-FEIRA)

 

 

 

 

 

NOVEMBRO

SINOP

14/11/18 - (QUARTA-FEIRA)

BARRA DO GARÇAS

28/11/18 - (QUARTA-FEIRA)

 

 

 

 

 

DEZEMBRO

SINOP

05/12/18 - (QUARTA-FEIRA)

BARRA DO GARÇAS

12/12/18 - (QUARTA-FEIRA)

Terça, 03 Janeiro 2017 21:50
Sexta, 18 Novembro 2016 13:34

JUACY DA SILVA 

O Brasil está em crise profunda  há várias  décadas. Podemos fazer  alguns recortes destacando o período que antecede `a intervenção militar em  1964, quando o ápice  da  crise foi a derrubada do Governo João  Goulart, onde a inflação estava em um crescendo, a cofronto entre movimentos populares, alguns com marcas  de anarco sindicalistas e movimentos conservadores, de direita e, como hoje, muita corrupção, para os “padrões”  da época, bem menos do que agora.
 
Decorridos 21 anos de governos militares, com os generais presidentes  e as instituições nacionais, principalmente as políticas muito tuteladas, a repressão aos opositores do regime, considerados pelos militares como inimigos internos. Neste periodo o país experimentou  índices de crescimento econômicos e mudanças na estrutura e forma de governo muito profundas, mas tinha como contra ponto a questão da repressão, inclusive um combate feroz `as tentativas de luta armada como  estratégia  para derrubar o regime considerado ditarorial.
 
Com um pouco de abertura conseguido de um lado pelo afrouxamento da repressão e de outro a organização  e ação mais destemida dos  movimentos populares, com destaque para a   campanha das  diretas  já,  a onda  de greves  dos trabalhadores do setor industrial e a fundação do PT, o fim do regime militar  desembocou na Constituinte e na  eleição indireta, por um Congresso ainda bastante  castrado pela pressão do  regime em vigor (militares), acabou elegendo a dupla Tancredo Neves e como vice, o então presidente do PDS, partido que sucedeu  a ARENA  e durante todo o regime apoiou tudo o que os militares queriam.  Este personagem, que acabou sendo presidente da República,por vias indiretas, que de apoiador da ditadura se transformou em um dos maiores “democratas”  da Nova República se chama José Sarney, espécie de vice rei do Maranhão, onde sua família manda e desmanda há mais de cinquenta anos.
 
Com a constituinte e depois a Constituição Cidadã, o povo, em sua santa alienação  e, em certo sentido, passividade e crença de que  um messias um dia poderá resolver todos os nossos problemas,  aos poucos vai perdendo as esperanças de que o Brasil um dia possa ser um país com justiça, sem corrupção, com igualdade de oportunidades para todos e com governantes íntegros e com elevada capacidade de gestão e desenvolvido.
 
A cada momento as elites dominantes ou grupos dominantes, como mencionados neste artigo,  criam verdadeiros bodes expiatórios para dissimular as verdadeiras causas de  uma crise estrutural que nos dilacera profundamente. O epílogo da recente crise,, quando ao governo Dilma/Lula e o PT eram imputadas todas as mazelas  da  República, deixando de lado parceiros e participes do mesmo governo acusado de corrupção, assalto `a Petrobrás, desequilíbrio das contas públicas,  recessão econômica, desempreggo, caos nos serviços públicos, crise nos estados e outros aspectos tão bem conhecidos.
 
Além do PT, também foram  participes no desastrado governo do PT, outros partidos como PMDB, PP, PR, PTB, PSB e outros considerados de esquerda como PDT, PSOL, PCdoB. O impeachment de Dilma e a derrota fragorosa do PT nas  últimas eleições municipais, estão longe de desatar os diversos  “nós” que estão amarrando o país a problemas e desafios que jamais serão equacionados pelo  governo Temer  e seus apoiadores, pois esses, incluindo a alta administração dos tres poderes, e também governos estaduais, organismos de controle, enfim, grupos que representam verdadeiros marajás, com super salários, mordomias, privilégios e mutretas continuaram a usar as estruturas do poder para se locupletarem, enquanto o povo terá seu sofrimento aumentado e irá , como sempre, pagar a conta da incompetência, da corrupção e da incúria dos govenntes,  que tem como aliados grupos empresariais que se enriquecem  e acumulam mais capital, muitos dos quais através de uma parceria corrupta com os poderes públicos.
 
Por isso é que o povo a cada dia acredita menos em seus govenantes, na classe política, nas instituições nacionais e nos poderes da República e também nos organismos de controle e ainda nutrem  uma esperança  da vinda de um messias, que a cada momento tem uma representação midiática, como durante o MENSALÃO  foi o ex Ministro Joaquim Barbosa  e agora em tempos de LAVA JATO é o Juis Federal Sérgio Moro.
 
Todavia, enquanto os partidos políticos continuarem a ser propriedade de caciques que se eternizam nas estruturas partidárias, a governabilidade ser feita através  da barganha de cargos e o fisiologismo for a a marca registrada da gestão pública, será muito difícil acreditar em um   futuro melhor para o Brasil, que continuará sendo “administrado’  por uma elite apodrecida e falida!
 
JUACY DA SILVA,  professor universitário,  titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia, colaborador e articulista de jornais, sites, blogs e outros veículos de comunicação.  Email  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. Blog www.professorjuacy.blogspot.com

Quinta, 17 Novembro 2016 11:44


Roberto Boaventura da Silva Sá

Prof. de Literatura/UFMT; Dr. em Jornalismo/USP

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 

Desde muito tempo, no meio escolar, os exames servem para avaliar alguém; no limite de suas funções, aprova e/ou reprova os que se prontificam e/ou devem ser examinados. Assim como todos os certames, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) deveria ser visto por todos sem um senão que fosse. Isso, infelizmente, nunca ocorreu. Desde sua primeira edição, a despeito das que não são descobertas, o país assiste a um festival de tramoias praticadas alhures e expostas pela mídia. Portanto, está mais do que provado que o ENEM é inconfiável; por isso, já deveria ser visto como algo inviável.

Mas além de inconfiável e inviável, é injusto. Também desde sua primeira edição, eu tratei disso em artigo sobre o tema, que, aliás, me tem sido recorrente. A questão da injustiça, que está no cerne do ENEM, até sua última edição, ainda em curso, vinha sendo pouco tratada pela mídia. Agora, enfim, começa a ganhar algum espaço para a qualificação do debate.

Nesse sentido, parabenizo a repórter Alecy Alves, do Diário de Cuiabá, que na edição de 12 e 13/11/2016, p. B1, tratou do ENEM. Sob o título “Questão de foco (e grana)”, a matéria, de quase uma página inteira, foi dividida em quatro subtítulos. Tudo isso foi feito partindo de uma questão que serviu como introdução:

O que explicaria o sucesso das escolas que se mantêm no topo do ranking do ENEM, o processo seletivo que substituiu o tradicional vestibular em praticamente todas as faculdades brasileiras?”

Ainda que em sua matéria, Alecy não aborde, o primeiro problema do ENEM já está no fato de ele ter deixado de ser mero exame da qualidade do Ensino Médio para substituir os antigos vestibulares realizados autonomamente pelas universidades do país. Com a mudança de eixo, e servindo como moeda de troca, imposta pelos agentes do PT principalmente às universidades federais, o ENEM ajudou a criar outro monstro contra a qualidade de nosso ensino: o Sisu, ou seja, o Sistema de Seleção Unificada. Mas, embora merecesse, não tratarei disso aqui e agora.

Volto à centralidade do trabalho de Alecy: mostrar a realidade de injustiça que permeia o ENEM. Nesse sentido, já de posse de vários indicadores oferecidos pelo próprio governo, sua segunda pergunta, que continua a introduzir o seu trabalho jornalístico, abre para os devidos esclarecimentos:

Quanto custa e o que oferecem os colégios que poderiam, teoricamente, assegurar vagas nos cursos mais concorridos das melhores faculdades públicas?”.

No que se refere aos preços das mensalidades, ficamos sabendo que a melhor colocada tem mensalidade já próxima dos 3 mil; ou seja, por volta de quatro salários mínimos. Pergunto: quantos brasileiros podem frequentar tais escolas?

Aos que podem frequentar essas escolas particulares, a única atividade que têm é estudar. Aos que não podem, ao invés de estudar, apenas vão à escola, à noite, em geral; isso quando as escolas não estão em justíssimas greves. Antes, porém, tais “estudantes” trabalham durante o dia; raramente por mais de um salário mínimo.

Nesse quadro, que é predominante no país inteiro, as vagas para os cursos mais concorridos, com destaque ao curso de Medicina, têm endereço certo. Aos demais “estudantes” restam os cursos menos concorridos, com destaque aos de licenciatura, em visível desprestígio social.

Diante dessa realidade, muito mesmo precisa ser modificado na educação brasileira; todavia, as modificações não passam jamais pelas propostas que o MEC está tentando impor ao Ensino Médio.

Quarta, 16 Novembro 2016 15:25

JUACY DA SILVA 

Amig@s  bom dia, se é que podemos imaginar que possamos ter um bom dia em nosso país, onde a violência, o sucateamento da educação, o caos na saúde pública, a falência da segurança pública, a degradação ambiental , a corrupção  que corre solta e ainda tem a possibilidade dos corruptos e corruptores terem tratamento que facilitem suas vidas, por ação legislativa, onde diversos deputdos e senadores são investigados  e integram a LISTA DO JANOT e outras listas de suspeitos de corrupção.

Além  dessas mazelas que estão destruindo as eperanças do povo brasileiro de vivermos em um país decente e desenvolvido, nossos  governantes, demagogos, incompetentes e insensíveis, estão levando o Brasil , os estados e os municípios `a  falência e estão tentando jogar a culpa e a conta deste descalabro nas costas do povo, retirando direitos e arrochando ainda mais a carga tributária, enquanto continuam com seus privilégios, como aposentadoria com apenas quatro ou oito anos de mandatos, acumularem  duas ou tres aposentadorias enquanto estão no exercício de um novo mandato ou cargo público.

Mais de doze milhões de trabalhadores estão desempregados  e mais de 15  milhões subemepregados, lutando desesperadamente para sobreviverem e poderem colocar um pouco de comida na mesa para  seus filhos; sem falar em quase 60 milhões de pessoas que estão inadimplentes, com o nome sujo e não conseguem pagar suas contas e correm o risco de ficarem sem energia, abastecimento de água ou alguns trocados para se locomoverem ou até mesmo sem comida.

Tudo isto são formas de violência contra  as pessoas, violência psicológica, pela intranquilidade e ameaças de um futuro sem perspectivas para as famílias, violência financeira imposta pela agiotagem do Sistema financeiro que age como ave de rapina, com taxas de juros abusrdas e incompatíveis com os níveis de crescimento econômico e da inflação do país, violência física através dos assaltos, roubos, sequestros, estupros, furtos e assassinatos  e violência moral cometida por políticos, empresários, governantes e gestores públicos que usam a corrupção como instrumento para enriquecimento, burlando as leis e os códigos de ética que devem ser observados por governantes e governados.

Enquanto isto, o Governo Temer, com apoio de deputados e senadores, dezenas dos quais investigados por suspeitas de corrupção e outros crimes, que após eleitos viram as costas para o povo, quer congelar os gastos públicos por 20 anos, deixando de fora deste congelamento o pagamento de juros e encargos da dívida pública, que consome quase a metade dos recursos do Orçamento Geral d União, para favorecer os banqueiros, a renúncia fiscal que representa mais de 250 bilhões de reais que deixam de entrar nos cofres públicos e fazem falta para todos os setores, pouco faz para cobrar mais de R$1,3 trilhões da Dívida Pública com a União, faz vistas grossas para a sonegação, principalmente dos grandes grupos econômicos que anualmente deixam de recolher mais de R$300 bilhões de reais de impostos, taxas e contribuições aos cofres públicos, afetando ainda mais todos os setores e o tão falado equilíbrio fiscal.

Apenas para exemplificar  uma das formas de violência, recortei alguns títulos de notícias policiais veiculadas pelo jornal A Gazeta, de Cuiabá, onde podemos perceber  a gravidade da violência cometida pela bandidagem na  região metropolitana  de Cuiabá  e outros municípios de Mato Grosso,  muito parecido com o que acontece no Brasil inteiro.

11 de novembro de 2016

20:22 - Assaltantes de bancos presos na Capital
17:32 - Jornalista volta a ser preso por extorsão
12:07 - Suplente de vereador morre ao bater carro em árvore na BR-163
11:59 - Neto esfaqueia idoso de 74 anos em Várzea Grande
11:44 - Homem tenta queimar casa da ex-mulher
11:15 - Agente penitenciário é detido por tiros contra travestis no Zero KM
11:06 - Suspeito de matar o pai carbonizado é preso em Jaciara
10:12 - PRF prende casal com picape e liberta família refém
09:46 - Moradora do Pedra 90 chega da igreja e é baleada por ladrão
09:25 - Vizinho retira mãe e filha de casa incendiada no CPA
Podemos multiplicar isto por 365 dias do ano, nos 27 esstados e DF e nos mais de 5.500 municípios, ai vamos ter uma noção da situação da violência que amedronta a população. Vivemos em meio a  uma violência muito pior do que em muitos países que estão em Guerra e conflitos armados, mas parece que nossas autoridades não conhecem esta realidade, afinal como governantes  tem uma segurança  especial e recursos para custear segurança privada.Da mesma forma pouco importa se o SUS  está falido pois tem planos especiais e outros servicos de saúde custeados pelo contribuinte, enquanto este sofre e morre nas filas de hospitais e unidade de saúde.

Como está a situação em nosso país , estados e municípios, fica muito difícil alguém ser otimista, a não ser que sejamos totalmente alienados, e vislumbrar um futuro brilhante onde o povo tenha oportunidade de trabalho, perspectivas de melhoria de renda, possa sonhar com uma educação de qualidade para seus filhos e netos, possa acreditar que os preceitos  constitucionais de que “todos são iguais perante a Lei” e que “saúde,educação e segurança pública são direitos da população e dever do Estado”, e diversos outros artigos de nossa Constituição que falam sobre direitos individuais e sociais.

Para que os preceitos da Constituição “cidadã” sejam verdadeiramente normas de ação de nossas instituições e não mera letra morta, temos um longo caminho  a percorrer, comecando pela reforma política que escoime de nosso Sistema politico  pessoas incompetentes, destituidas de principios morais, corruptos, oportunistas, demagogos, fisiológicos, enfim, uma casta que vive como sangue suga `as custas do contribuinte e manipulam o cenário politico a seu bel prazer.
Precisamos mudar os métodos e formas de escolher nossos governntes  e as formas e sistemas de governar, onde o povo que paga  imposto seja realmente o protagonista da realidade nacional e não apenas mero espectador ou verdadeiros financiadores das benesses  que as classes dirigente , dominante e governante usufruem `as custas do povo.

O caminho é longo,  árduo mas é o único a ser trilhado rumo ao um país onde todos possam se orgulhar de pertencer!

JUACY DA SILVA,  professor universitário, titular e aposentado UFMT,   mestre em sociologia, articulista e colaborador de jornais, sites, blogs e outros veículos de comunicação. Email  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. Blog www.professorjuacy.blogspot.com

Sexta, 28 Outubro 2016 12:08


JUACY DA SILVA*
 

 

Nos últimos dias a temperatura política em Brasília esteve bem quente e com certeza nos próximos deverá aumentar ainda mais  e em algum momento futura poderá ferver e aí a água ou o caldo vai derramar, para que lado, só Deus sabe.


Tudo começou quando o Juiz Federal de primeira instância da Justiça Federal, em Brasília, Vallisney de Souza Oliveira determinou que a Polícia Federal fizesse busca e apreensão e prendesse quatro integrantes da polícia legislativa do Senado, incluindo seu chefe, que,   segundo apuração,  a mando do Presidente do Senado, Renan Calheiros, há muitos meses  realizava “varreduras”, nas  residências e outros imóveis utilizados por senadores, até mesmo em outros estados, incluindo e benefiando nessas contra operações, o ex senador e ex presidente José Sarney, tudo `as custas do contribuinte.


Como soe acontecer, foi uma operação conduzida com a cobertura em tempo real  e documentada pelos diversos meios de comunicação, inclusive a TV, possibilitando `a população assistir o que ela mais admira, que é a caça a corruptos, que tem transformado juizes, promotores, procuradores da República, delegados e agentes da Polícia Federal  em verdadeiros herois nacionais e empresários, gestores públicos e políticos, suspeitos e investigados por atos de corrupção em verdadeiros bandidos ou mafiosos.


A opinião pública sente que algo de podre está no ar  e aplaude quando um suspeito ou um figurão  comprovadamente corrupto cai na malha fina  da justiça e acaba na cadeia. Basta  ver os resultados das pesquisas de opinião pública.


Há pouco tempo, coube  ao Ministro-chefe da AGU – Advocacia Geral da União, demetido e defenestrado do Governo Temer,  colocar a boca no trombone e dizer aos diversos meios de comunicação que o desejo do Governo e de seus aliados, principalmente a cúpula política, abafar ou acabar  com a OPERAÇÃO LAVA JATO, antes que os integrantes da Lista do Janot, que investiga, com autorização do STF, mais de 40 senadores e deputados federais, incluindo o Presidente do Senado Renan Calheiros, acabem nas “mãos da justiça”.


Por enquanto esses figurões  estão  `a salvo, tendo em vista que a LAVA JATO  no âmbito do STF e da Procuradoria anda bem devagar e corre o risco de que essas investigações se  arrastem  por muitos anos. O problema  é que quando esses deputados federais e senadores, perderem o mandato, como aconteceu com o ex todo poderoso presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha ou outros ex parlamentares que já estão presos, os mesmos acabem sendo condenados por juizes de primeira instância, como Sérgio Moro ou Vallisney de Souza Oliveira, este ultimo alcunhado de “juizeco” por Renan Calheiros, que na mesma ocasião em que condenava a prisão dos políciais legislativos  também se referiu ao Ministro da Justiça, como “chefete  de polícia” e ministro circunstancial, numa clara forma descortez, intempestiva , arrogante  ou seja  um destempero verbal que não é permitido a  uma autoridade que representa um dos poderes da República.


De pronto Renan Calheiros, que também está sendo investigado, com  autorização do STF, esqueceu, por exemplo que a Polícia Federal, apesar de estar subordinada ao Ministro da Justiça  é  a policia judiciária da União e, neste sentido, é uma instituição republicana e não uma polícia de governo, para ser usada, como nas ditaduras, civis ou militates, apenas contra seus adversários ou inimigos internos. Se  um juiz federal, mesmo sendo considerado um  “juizeco” pelo Presidente do Senado, determina uma operação que resulte em busca e apreensão, prisão ou o que for considerado necessário, não cabe ao Ministro da Justiça determinar que a Polícia Federal seja impedida de acatar a ordem judicial.

 

Por esta razão  e pela forma chula como se referiu a uma autoridade judiciária Renan Calheiros recebeu a resposta por parte da Ministra Carmen Lúcia, presidente do STF e do Conselho Nacional de Justiça e notas de desagravo por parte de Associações dos Juizes  Federais e Procuradores da República, condenando a forma como o Presidente do Senado se referiu ao Juiz Vallinsney, que, `a semelhança do Juiz Federal Sérgio  Moro, não tem se intimidado com as tentativas de acabar com a Lava JATO, prova disso é que na última quarta feira, depois de ser chamado de “juizeco”, o mesmo aceitou denúncia  contra o ex deputado Eduardo Cunha  e também  contra o Ex Ministro Henrique Eduardo Alves , ambos até recentemente, grandes caciques do PMDB  por supostas fraudes e corrupção no Fundo de Investimento do FGTS, tudo confirmado pelo ex vice presidente da  CEF Fábio Cleto, que fez delaçao premiada no âmbito da Operação LAVA JATO.


Pelo que se percebe tem muita gente importante em Brasília lutando desesperadamente para acabar com a LAVA JATO, mas o povo tem certeza que a mesma está no caminho certo e tem que continuar, ou o Brasil é passado a limpo e se torna livre de governantes, políticos e empresários corruptos ou seremos  eternamente governados por criminosos de colarinho branco!

 

*JUACY DA SILVA,  professor universitário, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia, articulista e colaborador de jornais, sites, blogs  e outros veículos de comunicação. Email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo." target="_blank">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.Twitter@profjuacy Blog www.professorjuacy.blogspot.com



Quarta, 14 Setembro 2016 11:25

JUACY  DA SILVA 

Costuma-se  dizer  que  ao tentar ajudar a salvar alguém que  está se afogando, a  pessoa corre  um grande risco de também  acabar se afogando,  tendo o mesmo destino da vítima.  Parece  que isto já está  acontecendo  no cenário politico atual.
Agindo  como irmãos siameses durante os treze anos de governo LULA/DILMA,  PT e PMDB,  em vários momentos desta parceria fisiológica, acabram  se divorciando, empurrando o PT e seus aliados históricos  e ideológicos ,  PCdoB, PDT,PSOL e Rede para o buraco.
Ao  imaginar que seu antigo aliado (PT) e quase  patrão estava afundando, oPMDB  ao assumir a Presidência da República, passou a contar com  o apoio de  mais de duas dezenas de partidos, incluindo os que ao longo dos  governos petistas sempre estiveram na oposição,  com destaque para o PSDB, DEM e PPS, todos aliados  ao PMDB durante o Governo  FHC.  Esta era  e continua sendo a lógica que levou   mais de dois terços  dos Deputados Federais  e Senadores a porem  fim ao mandato da Presidente Dilma, que só   foi eleita e reeleita graças  ao apoio do PMDB  e outros partidos que agora  se bandearam  para  o lado de Temer.
Todavia,  aos poucos vai  ficando claro para a população  que tanto o PMDB  quanto outros partidos como PP, PSD,PR, PTB, PSC, PRB  sempre  estiveram  com Lula e Dilma, por treze  anos e mamaram  nas tetas  doGoverno,   puderam  barganhar  quando o governo precisava e em troca  receberam ministérios de porteira fechada, como o PR  que por anos foi  “dono”  do Ministério dos Transportes   e,  por extensão, também  dono do DENIT, onde até um ex  secretario  de MT  reinou  sob o manto protetor de um ex  governador  e senador, que hoje é ministro  de Temer.
A  divisão  de cargos de direção  das estatais, incluindo as  joias da Coroa  como a Petrobrás, a  Eletrobrás,  os Bancos públicos como BB,  Caixa  Econômica, BNDES, BASA, os Correios  e outras mais  serviram  não apenas para que os  governos Lula/Dilma  tivessem  apoio no Congresso e garantissem a tão  propalada governabilidade, quanto  facilitou a instalação  de váras quadrilhas de criminosos de colarinho branco que acabaram sendo desmanteladas nas  operações  que trouxeram a público o MENSALÃO  e o PEROLÃO. O juiz Sérgio Moro, a Polícia Federal e o Ministério Público que o digam.
Pesquisas  realizadas e veiculadas  logo que Temer  assumiu interinamente  demonstraram  e outras mais com  certeza  em futuro próximo  irão indicar que  o “novo”  presidente não está  com esta bola toda e seus índices de popularidade  são  iguais  ou piores do que os ostentados por Dilma emseus piores momentos, ou seja, a população  não  acredito nestegoverno,talvez  apenas  parte  do empresariado, sempre ávido  por benesses  oferecidas pelo governo, enquanto que  para os traballhadores e classe média  sobrarão o  “ônus”  das medidas de ajuste, que o próprio  governo diz que serão amargas, para  o povo, é claro, enquanto parra  as camadas privilegiadas nada  vai mudar.
Asvaias que Temer  recebeu no desfile  do 07  de setembro em Brasília e no Maracanã, na abertura  da Paralimpica  demonstram um pouco de como o povo vê seu governo.
Diversas medidas  fazem  parte do saco  de maldades do Governo Temer, incluindo a famigerada reforma da previdência que  quer aumentar a  idade  de aposentadoria para os trabalhadores dos setores públicos e privados, reduzir  os benefícios, enfim, encurtar  ao máximo o tempo que um trabalhador poderá  usufruir  de aposentadoria antes de morrer. Justifica isto com exemplos  de outros países em que as pessoas  para se aposentarem  precisam ter, em média  entre  60  e 65 ou  67  anos.  No entando não  leva  em conta que a  expectativa  de vida nesses países  é em média 12 a 15  anos a mais do que no Brasil.  Em um  ranking  de expectativa de vida  geral, ou seja homens e mulheres  o Brasil ocupa da 67a posição com 75anos,  a 78a posição  para  os homens, com 71,4 anos  e para as mulheres 56a posição, com 78,7anos.
Isto significa que se a idade  para se aposentar  passar a ser  de  65 anos no Brasil, um homem, em média irá usufruir dos  benefícios  da  aposentadoria ,antes  de morrer, por apenas seis  anos e quatro meses. Muitos, pois  esta  é a idede média como  expectativa de vida, irão  contribuir por  quase  50  anos, principalmente  os trabalhadores oriundas das camadas mais pobres, cujos   filhos começam  a trabalhar  aos quinze anos, enquanto os filhos  das classes  média e alta só  começam a trabalhar  depois da universidade, vão  morrer logo que  se aposentarem  ou até mesmo antes  de conquistarem  este direito.
Enquanto isto, todos os governos anteriores,  desde  a nossa redemocratização, nada  fizeram  para cortar  privilégios de políticos,  gestores  de grupos especiais  dos poderes Executivo, Legislativo  e Judiciário que podem  se aposentar  com pouco tempo de trabalho e acumularem tres ou  quatro aposentadorias.
Resumo da ópera:  para o povão  sacrifícios  e mais sacrifícios  e para os donos do poder privilégios e mais privilégios, tudo sustentado pelo contribuinte, inclusive milhões  de trabalhadores e excluidos que em tudo o que  consomem  pagam  uma  enorme  carga tributária, uma das maiores  do mundo.
Por  essas e por outras é  que o Governo Temer  vai  afundar, da mesma forma  que o governo de Dilma afundou. Com Temer  também  vão  afundar  todos os partidos que com ele defendem  essas  e outras medidas  impopulares!
JUACY DA SILVA,  professor  universitário,  titular e aposentado UFMT,  mestre em sociologia,colaborador e articulista de jornais, sites , blogs  e outros veículos  de comunicação. Email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo." target="_blank">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  Blogwww.professorjuacy.blogspot.com Twitter@projuacy

Sexta, 26 Agosto 2016 14:02

JUACY DASILVA
 

As eleições deste ano,como já demonstrado em artigo anterior, deverão acontecer  em um contexto totalmente diferente do que foram as eleições de 2012. Naquela época a aliança capitaneada nacionalmente pelo Governo Dilma, tinha como núcleo central o PT; PMDB; PP; PSD; PR;PDT; PCdoB, PSOL  e quase duas dezenas de partidos que compartilhavam/mamavam nas tetas do Governo petista.
Atualmente, com o PT,  Dilma/LULA e seus principais financiadores  de campanha em desgraça, com excesão do PDT, PCdoB, PSOL e Rede, todos lhes  viraram as costas e os deixaram como ratos que abandonam o barco quando o mesmo começa afundar, razão pela qual o PT deverá minguar de tamanho e terá que enfrentar inúmeros problemas futuros.
Outro aspecto que marca  essas eleições municipais é que as mesmas devem ocorrer balizadas pela nova legislação que proibiu o financiamento empresarial de campanha, para , segundo o  espírito da Lei, evitar caixa dois, que sempre foi crime, mas era tratado com vistas  grossas; e também, evitar ou pelo menos reduzir a corrupção e acertos que sempre são cobrados após os eleitos tomarem posse, tudo na forma  de propina e super faturamento de contratos e obras, licitados de forma fraudulenta.
Além disso, todos os candidatos a prefeito, tanto os que não querem deixar o osso para continuarem roendo os recursos minguados das prefeituras, quanto os novatos, que imaginam que o Brasil ainda está em um período de bonança e que as prefeituras tem recursos humanos, técnicos, orçamentários e financeiros para “resolverem” todos os problemas que a população enfrenta.
A primeira coisa que um candidato deve ou deveria fazer, antes mesmo de apresentar seu “plano” de governo, que geralmente é um amontoado de idéias gerais, muitas totalmente irrealizáveis, sem condições financeiras para serem iniciadas e concluidas,como acontece com milhares de obras públicas, federais, estaduais e municipais paralizadas, mal feitas ou realizadas em total desrespeito `as normas técnicas e legais, volto a dizer, a primeira coisa que um candidato deveria fazer é uma análise da conjuntura brasileira, da conjuntura de seus estados e , ai sim, uma análise da conjuntura política, econômica, orçamentária e financeira de seu município.
Nesta análise não pode esquecer que os municípios são os primos pobres, quase miseráveis do país, a prova disso são as “marchas” de prefeitos, ultimamente também imitadas pelos governadores, quando os alcaides, numa demonstração de quase subserviência aos parlamentares federais   Senadores e Deputados federais   e ministros tentam conseguir algumas migalhas de recursos oriundos de convenios ou de políticas públicas que o governo federal tenta realizar.  Neste contexto  também essas marchas tentam sensibilizar o Governo Federal para liberar as emendas parlamentares,  espécie de moeda de troca entre o apoio que o Executivo federal  precisa e que os  parlamentares utilizam como moeda de troca ou numa linguagem mais direta, compra e venda de votos no Congresso.
Normalmente as eleições municipas servem para debates entre os candidatos, mas a maior parte do tempo, tanto nas manifestações dos mesmos nos meios de comunicação, principalmente na TV , nas radios, nos jornais, na internet e também nos comícios servem mais para atacar os adversários, acusações, muitas das quais totalmente descabidas, sem fundamentos ou provas concretas, enfim, muito fuxico, baixarias que banalizam as eleições. 
Em lugar dessas demonstrações de baixo nível  caberia aos candidatos, partidos e coligações apresentarem suas propostas, demonstrarem conhecimento da cidade ou do município que pretendem administrar e, mais importante, apresentarem planos viáveis  com dimensionamento de políticas públicas que são realmente de competência dos municípios, planos setoriais com objetivos, metas  de curto prazo, ou seja, que possam e devem ser realizadas dentro dos quatro anos do mandato do futuro prefeito e o que deve  ser feito a médio e longo prazo para a continuidade das ações em curso.
Mais importante ainda, esses planos precisam demonstrar quanto vão custar tais ações e de onde virão os recursos, a começar pelos parcos e minguados recursos da fonte 100; os chamados recursos próprios, oriundos dos tributos de responsabilidade dos municípios: IPTU, ITBI  e ISS.  Os demais são transferências dos Estados, como quota parte do ICMS ou da União, do FPM e convênios.  Empréstimos nem pensar, pois praticamente todos os municípios estão falidos.
Portanto, se os candidatos e futuros prefeitos querem a compreensão e participação da população e também dos servidores públicos municipais para enfrentarem dias mais difíceis, precisam jogar limpo, com transparência, sem mentiras e demagogia e mais do que isto, terem competência e estarem rodeados de gente com competência e zelo pela coisa pública, jamais de ratos e corruptos  como aconteceu com o Governo Dilma/Temer que levou o Brasil a este caos em que nos encontramos!
JUACY DA SILVA, professor universitário, aposentado UFMT, mestre em sociologia, Articulista de jornais, sites,  blogs e outros veículos  de comunicação. Email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo." target="_blank">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  Blogwww.professorjuacy.blogspot.com Twitter@profjuacy