Quinta, 15 Outubro 2020 18:05

 

Crédito: Filipe Araujo

 

Nesta quinta-feira (15) é celebrado o dia do(a) professor(a). Nesta data serão realizadas atividades como parte da luta em defesa da Educação. Estão previstas atividades no Rio de Janeiro (RJ), Natal (RN), Recife (PE), Porto Alegre (RS) entre outras regiões por direitos, contra o retorno escolar e a reforma administrativa.

 

 

 

A CSP-Conlutas está com uma campanha permanente contra a volta às aulas presenciais em meio a pandemia. Em regiões em que o retorno aconteceu, como em Manaus, houve aumento de número de contaminados. Em Belém (PA), ocorreu o mesmo em escolas particulares, como é o caso do colégio Marista, em que alunos testaram positivo para Covid-19. Na rede estadual, após muita pressão da comunidade escolar, o retorno foi adiado para novembro e novas mobilizações irão acontecer.

 

Por isso, neste dia 15 é preciso reforçar a campanha da Central “Escolas Fechadas, Vidas Preservadas. Volta às aulas presenciais, só depois da pandemia”.

 

Vamos alertar familiares, estudantes, comunidade acadêmica e toda a população sobre a importância de defender a Educação e os educadores – que estão sendo pressionados para o retorno escolar, mesmo sem a vacina e curva elevada da doença de Covid-19 no país.

 

Existe uma política de minimizar a pandemia, apontando uma suposta melhora nos níveis de contaminação e mortes pela doença. No entanto, a curva de casos e óbitos é muito alta, os governos não fazem testagem em massa, têm flexibilizado a quarentena e agora querem impor a reabertura das escolas.

 

De acordo com último Censo Escolar, as escolas públicas têm 37,8 milhões de alunos matriculados no ensino fundamental e médio, além dos mais 2,5 milhões de professores que lecionam no país.  Pessoas que estarão circulando e sendo expostas ao risco de contaminação e de levar a doença para seus familiares.

 

As Secretarias de Educação estão dizendo que vão garantir protocolos de segurança para combater a pandemia. No entanto, mesmo antes da pandemia, as escolas já refletiam uma brutal precariedade, com falta de produtos básicos de higiene e com salas de aulas superlotadas.

 

Os governos querem a reabertura das escolas porque lucram com isso. O que está em jogo é o interesse mercadológico, junto aos tubarões do ensino. Há ainda um processo de privatização, através de parcerias público-privadas, com o objetivo de transferir as aulas online para empresas de educação especializadas neste tipo de serviço.

 

Outro interesse no retorno das aulas é para beneficiar os patrões que querem liberar a mão de obra, principalmente das mulheres, que durante a pandemia são as responsáveis pelo cuidado dos idosos e crianças, ou seja, tem o objetivo de ampliar a exploração, quando deveriam garantir a quarentena geral para todos.

 

O dia 15 de outubro servirá para colocar luz a todas essas denúncias e exigir segurança e proteção à vida, como parte da defesa da Educação. Reforçar que a categoria é uma das mais desvalorizadas no país, e que ser professor é mais do que vocação é um trabalho que merece o respeito dos governos.

 

Para dar um exemplo de como a categoria ainda é precarizada, de acordo com o MEC (Ministério da Educação), em 2020, o salário dos profissionais da rede pública da educação básica em início de carreira é de R$ 2.886,24. Isso em um país que não cumpre a Lei do Piso para esse segmento, e que em diversas regiões ganham abaixo disso.

 

Se não há garantia do básico, que é cumprir a lei, como o governo vai garantir a segurança desses mesmos profissionais com a volta às aulas presenciais? Os protocolos de segurança das Secretarias de Educação são prometidos na teoria, sem considerar que as escolas, na prática, antes da pandemia, já não tinham infraestrutura adequada de higiene, requisito básico para a não proliferação do vírus.

 

Vamos também nos mobilizar contra a reforma administrativa, que atingirá em cheio os professores e as professoras. Isso porque a medida prejudica o acesso e a qualidade de diversos serviços públicos, entre eles a Educação, ao facilitar a entrega desses bens para a iniciativa privada, o que pode levar a demissões em massa e o rebaixamento de direitos de professores e funcionários de escolas.

 

É preciso debater as ferramentas de luta construída pela classe trabalhadora, para defender a vida e apontar a resistência contra os governos, com os educadores na linha de frente. Vamos nos mobilizar com indicativo de greves e paralisações e radicalizar as ações contra os governos que querem impor o retorno escolar. Vamos à luta em defesa da vida. Escolas fechadas, vidas preservadas!

 

A CSP-Conlutas faz um chamado às demais Centrais Sindicais a se incorporarem a essa data de Luta e fortalecer a mobilização contra o retorno escolar e a Reforma Administrativa.

 

Fonte: CSP-Conlutas

Quinta, 15 Outubro 2020 16:57

 

A pandemia evidenciou algo que já denunciávamos: que este modelo de sociedade, baseado no lucro e na exploração, que despreza a vida e a natureza, precisa ser urgentemente superado.

Governos no mundo todo, aproveitando o isolamento social, tentam impor agendas que atacam frontalmente os trabalhadores, em especial professoras e professores; tentam implantar reformas que pretendem impedir a existência de uma educação pública, gratuita e de qualidade social; atacam a liberdade de pensamento com tentativas de cerceamento.

Professoras e professores do Brasil todo já ocupavam as ruas, desde o ano passado, contra as políticas do governo Bolsonaro, em conjunto com estudantes e técnicos. Nos estados que repetem as barbaridades do governo federal de extrema-direita, com ataques à previdência e outros, também aconteceram protestos veementes nas ruas das cidades. Continuamos confiantes que a primavera há de surgir nas ruas após vencermos a batalha da pandemia da Covid-19. Mas a luta não pode esperar! Por isto, das mais diversas formas, temos que resistir, temos que existir.

Mesmo frente às mais diversas dificuldades, professores e professoras em todo o País mostram que o ensino pode ser um instrumento de conscientização. Por isso mesmo este governo não cessa de atacar a educação, o conhecimento e a ciência. A resposta de professoras e professores é a resistência, e sua força é a esperança de dias melhores.

 

Fonte: ANDES-SN

Quinta, 15 Outubro 2020 16:34

 

Se ensinar é revolucionário, um grupo formado por professores, estudantes e técnicos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) decidiu marcar o 15 de outubro - Dia dos Professores - com mobilização. Pela manhã, distribuíram panfletos no centro de Cuiabá e, na Praça da Prefeitura, chegaram a entoar um trecho da famosa “A Internacional”.

“Bem unidos façamos dessa luta final uma terra sem amos, a Internacional”, cantaram os militantes, chamando a população para refletir sobre essa ferramenta fundamental para qualquer tipo de transformação: Educação. No panfleto com título “A Educação Nossa! Por uma Educação Popular e Libertadora”, assinado pela Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat-Ssind), Diretório Central dos Estudantes (DCE), ANDES – Sindicato Nacional e Sindicato dos Trabalhadores Técnico-administrativos (Sintuf-MT), afirmaram que grupos políticos disputam a Educação. O primeiro, com o intuito de lucrar, e o segundo – do qual fazem parte - com o intuito de melhorar a vida das pessoas.  

Além de criticar a forma de acesso às universidades, que contempla os ricos e marginaliza os filhos da classe trabalhadora, afirmaram que a permanência no ensino superior também é uma luta, devido aos cortes de recursos voltados para a Assistência Estudantil. A prioridade à lógica da iniciativa privada dos governos também foi destacada. “Enquanto as universidades, que deveriam ser do povo, totalmente gratuitas, são desmanteladas, o dinheiro que deveria ser investido nelas é dado para a iniciativa privada. A mesma que faz nos endividarmos pelo sonho de ter um diploma. Programas de financiamento como o FIES e o PROUNI são o que é ofertado para aqueles que tiveram negada a universidade pública, totalmente gratuita, com direito a alimentação e bolsa de estudos”, afirmaram no documento distribuído.

 

Por fim, a construção de uma Educação Popular e Libertadora tem como ponto de partida a valorização dos trabalhadores da Educação – principalmente com a recusa da proposta de Reforma Administrativa encaminhada ao Congresso Nacional - e recomposição do orçamento das universidades.

 

“Defendemos o direito de que a vida de ninguém seja posta em risco pelo sonho de nos formarmos e da assistência estudantil como elemento fundamental para a permanência dos filhos da classe trabalhadora que conseguiram entrar nas universidades. Colocamos que não só não devem faltar creches e escolas para que os pais possam trabalhar tranquilos, como também que nossa educação seja um mecanismo de libertação, uma ferramenta para mudarmos o mundo. No dia dos professores, mais do que lhes dar parabéns, defendemos a estabilidade nos cargos públicos, nos colocamos contra a reforma destrutiva e nos unimos com eles por um projeto de educação dos trabalhadores”, finalizaram.  

 

Leia abaixo a íntegra do texto distribuído.

 

15 de outubro: DIA DO PROFESSOR

 

A EDUCAÇÃO NOSSA! POR UMA EDUCAÇÃO POPULAR E LIBERTADORA

 

A educação está em disputa e não é de hoje. Em lados opostos se colocam dois projetos de educação, mas também de país. Um privilegia os lucros, cada vez maiores, mas não para o povo. Os mentores deste lado colocam, e muitas vezes impõem contra a vontade popular, tentativas de privatização do público; e por “público” dizemos o que é de todos. Cada vez se torna mais difícil para os filhos de trabalhadores entrarem e permanecerem nas universidades. A assistência estudantil, que antes permitia que nós permanecêssemos na universidade, ainda que não tivéssemos condições dignas de trabalho, é cada vez menor e sofre, agora mais do que nunca, tentativas de liquidação completa. Mas por quê? E quem ganha com isso?

 

Basta dar uma olhada para o lado para perceber onde os trabalhadores, veladamente expulsos das universidades públicas, começaram a estudar. Enquanto as universidades, que deveriam ser do povo, totalmente gratuitas, são desmanteladas, o dinheiro que deveria ser investido nelas é dado para a iniciativa privada. A mesma que faz nos endividarmos pelo sonho de ter um diploma. Programas de financiamento como o FIES e o PROUNI são o que é ofertado para aqueles que tiveram negada a universidade pública, totalmente gratuita, com direito a alimentação e bolsa de estudos. Nos endividamos por uma promessa de diploma quando o conhecimento científico se torna cada vez mais menosprezado, crentes de que conseguiremos arcar com uma promessa de emprego que não só pode não vir, como de fato não tem vindo para muitos de nós. Enquanto isso, os professores, fundamentais para a formação de todos os profissionais, têm seus direitos retirados por diversos ataques como os que acontecem agora com a (Contra)Reforma Administrativa. O fim da estabilidade, proposto pela Contra Reforma, deixa os professores à mercê de bicos, fragilizando mais uma categoria. Não queremos igualdade na exploração, queremos trabalho digno para todos!

 

Enquanto é esta a situação das universidades, o corte de 4,2 bilhões que o governo planeja para a educação se traduz em menos creches para nossos filhos e na piora da estrutura das escolas. E a promessa de foco no ensino básico, usada para justificar a ruína de nossas universidades, vai ficando de lado. Se comprova ainda mais o descaso quando olhamos para as tentativas de desvio do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB), principal fonte de recurso das escolas e creches.

 

Então nós, que estamos do outro lado da disputa, colocamos para a educação um projeto popular, que seja de todos os trabalhadores para todos os trabalhadores. Para isso, reivindicamos a valorização daqueles que se colocam à frente do ensino e que conosco lutam para que a universidade pública, em vez de destruída seja transformada. É para que ninguém mais tenha que se endividar para estudar que defendemos a recomposição do orçamento das universidades e a escolha democrática de reitores comprometidos com a expansão da universidade e não com sua liquidação. Defendemos o direito de que a vida de ninguém seja posta em risco pelo sonho de nos formarmos e da assistência estudantil como elemento fundamental para a permanência dos filhos da classe trabalhadora que conseguiram entrar nas universidades. Colocamos que não só não devem faltar creches e escolas para que os pais possam trabalhar tranquilos, como também que nossa educação seja um mecanismo de libertação, uma ferramenta para mudarmos o mundo. No dia dos professores, mais do que lhes dar parabéns, defendemos a estabilidade nos cargos públicos, nos colocamos contra a reforma destrutiva e nos unimos com eles por um projeto de educação dos trabalhadores!

 

 

 

 Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quarta, 16 Outubro 2019 07:58

 

Nesta data, tão especial para os professores do Brasil, a diretoria da Adufmat-Ssind convida a categoria à reflexão. O que é ser professor? Quais são os nossos principais desafios?

Ouvindo docentes da UFMT, sejam da ativa, aposentados, efetivos ou substitutos, temos a certeza de que somente a unidade nos fortalecerá e nos fará capazes de avançar nas lutas por uma educação libertadora, por uma sociedade justa e igual.

Aceitemos mais esse desafio! O vídeo dos nossos colegas, disponível abaixo, é um convite ao debate.  

 

Boa reflexão a todos! Vamos à luta! 

Segunda, 14 Outubro 2019 15:44

 

Os professores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) já têm um compromisso para o sábado, dia 26/10: o tradicional Baile dos Professores, que a Adufmat-Ssind realiza todos os anos em homenagem à categoria.

 

Em Cuiabá, o baile dançante será no salão da AABB a partir das 20h. Além do jantar e da animação, que será promovida pela banda Clássicos do Popular, haverá espaço kids para as crianças.

 

Os convites poderão ser retirados na sede da Adufmat-Ssind a partir da quarta-feira, 16/10/19. Como nos anos anteriores, os docentes sindicalizados têm direito a um convite gratuito, e os demais terão o custo de R$ 50,00.  

 

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

 

   

 

Terça, 16 Outubro 2018 14:56

 

Neste 15 de outubro comemora-se o dia do professor. Muitos desafios permeiam a realidade cotidiana desses trabalhadores que resistem e lutam por uma Educação pública e de qualidade.

 

Professoras e professores são submetidos a baixos salários, atrasos nos pagamentos, o sucateamento de escolas, universidades e institutos de ensino, governo após governo.

 

O atraso nos salários também tem sido recorrentes. Os professores estaduais do Rio Grande do Sul, por exemplo, amargam mais de dois anos sem receber no dia correto, quatro anos sem reajuste e o desmonte da educação, e seguem lutando contra isso.

 

 

Projetos que atacam a Educação e o professor

Neste ano de eleitoral, o candidato que está à frente das pesquisas, Jair Bolsonaro (PSL), defende a privatização da Educação, ensino a distância, entre outras atrocidades, que reafirmam a necessidade do #EleNão.

 

Em seu plano de governo consta a defesa de um modelo de educação “sem doutrinação e sexualização precoce” e baseado nas propostas do Escola Sem Partido. O candidato propõe ainda o aumento de escolas militares e pretende incluir no currículo escolar disciplinas herdadas da ditadura militar, como a educação moral e cívica.

 

Esse quadro reforça que a tarefa da categoria continua sendo a de mobilização contra esses ataques que tendem a se aprofundar.

 

Projetos que desmontam direitos como a nova BNCC (Base Nacional Comum Curricular), que prevê uma série de medidas que privatizam, vão gerar desemprego, evasão escolar, queda da qualidade e o desmonte completo da escola pública.

 

A proposta prevê que apenas as disciplinas de português e matemática seriam obrigatórias, e as demais seriam condensadas em chamadas “áreas do conhecimento”. Disciplinas como Biologia, Artes, Inglês, Educação Física, Geografia, História, Física, Química, entre outras, podem deixar de existir.

 

Outro ponto de desacordo entre os movimentos que lutam em defesa da Educação é a intenção que tem por trás dessas novas diretrizes, em privatizar a Educação, mesmo sendo inconstitucional passar a responsabilidade de gerir as escolas às empresas privadas.

 

Outro item grave da BNCC é o de permitir que o ensino médio seja feito com pelo menos 40% do conteúdo à distância, no chamado EAD (Educação a Distância) .

 

Desafios

A professora de história da rede estadual do Rio de Janeiro e municipal de Duque de Caxias (RJ) Vera Nepomuceno destacou os desafios da profissão. “Somos apenas professores, mestres e educadores e sabemos na prática que precisamos de uma série de elementos para que consigamos exercer a nossa profissão com sucesso. Somos a prova viva de que para que aconteça a aprendizagem é necessário uma série de condições, dentre elas, que sejamos valorizados e bem remunerados”, pontuou.

 

De acordo com o presidente do Andes-SN, Antônio Gonçalves, e integrante da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, o professor universitário também vive um momento difícil. “Diante das lutas empreendidas pelo Andes-SN, seja no setor das Federais ou das Estaduais/Municipais é possível afirmar que os maiores desafios hoje dos docentes universitários são a precarização do trabalho, o adoecimento docente e a má remuneração em tempo de produtivismo exacerbado”, denuncia.

 

Para a integrante da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas e professora de química Joaninha de Oliveira todos esses ataques reforçam que essa data deve marcar um histórico de lutas dessa categoria. “Somos uma categoria que luta e já passou pela ditadura militar, que foi perseguida e que vai continuar lutando, porque para o Estado e os governos a Educação é uma bandeira de campanha eleitoral. O projeto Escola Sem Partido, defendido por Bolsonaro e governos atuais, é uma pequena amostra do plano de governo deste candidato”, apontou.

 

Comemorar a data é importante para reafirmar a resistência desse segmento. “É um dia que tem um significado para quem é aluno e para os pais que tem filhos, em especial na rede pública. Então é preciso comemorar esse dia e pensar que a luta continuará e que é preciso derrotar Bolsonaro e organizar a greve geral pra derrotar as reformas”, finalizou Joaninha.

 

Fonte: CSP Conlutas

 

Segunda, 15 Outubro 2018 15:10

 

 

 

 

 

Paulo Freire foi pedagogo, filósofo e é um dos grandes nomes da educação mundial. Nascido em 1921, em Recife (PE), ficou conhecido internacionalmente pela sua teoria de que a educação é o caminho para a emancipação e para o empoderamento de sujeitos para que transformem sua realidade por meio da reflexão crítica. O seu trabalho de alfabetização de adultos é reconhecido mundialmente. Entre as inúmeras obras publicadas está a trilogia: “Pedagogia do Oprimido”, “Pedagogia da Esperança”, “Pedagogia da autonomia”.

No dia em que celebramos o Dia do Professor, o ANDES-SN faz uma singela homenagem a Paulo Freire, patrono da Educação brasileira, resgatando um pouco do seu pensamento. Para tanto, conversamos com Maria Margarida Machado, docente da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás (UFG) e que atua no Fórum de Educação de Jovens e Adultos do Brasil.

“Freire foi um pensador muito importante nas décadas de 50, 60 e 70 e 80. Foi educador atuante em uma perspectiva de educação que buscava colocar no centro da educação pedagógica o direito a uma educação emancipatória”, afirma a professora.

Segundo a docente da UFG, defender a concepção de educação como emancipadora do sujeito representa enfrentar as grandes limitações econômicas e sociais dos estudantes brasileiros. Para ela, Freire combatia não apenas a opressão que decorre da necessidade financeira e da limitação do acesso aos bens materiais, mas também reafirmava a necessidade de combater a mentalidade conservadora. “A mentalidade conservadora, tradicional, tem a ver com que o sujeito aprende com a sua família, na religião e no trabalho. Nessas relações, essa convivência ao invés de torná-lo um sujeito livre e amoroso, o aprisiona a um conjunto de preceitos morais, éticos e céticos que o distancia de outros seres humanos”, diz Margarida.

Crítica à educação bancária

Uma das principais contribuições de Paulo Freire é a sua crítica à educação tradicional, conceituada na obra “Pedagogia do Oprimido” como educação bancária. Segundo o pedagogo, o sujeito que está aprendendo na educação bancária é tratado como um lugar onde se deposita verdades, e isso não seria aprender uma vez que não há diálogo.

“Aprender, para Paulo Freire, é acessar o conhecimento sistematizado, problematizar esse conhecimento, buscar a compreensão para além daquilo que é dito”, explica.

Para a docente, muitas das ações executadas no sistema educacional brasileiro não levam em conta o princípio do diálogo.  “Temos que questionar quem diz que quer tirar Paulo Freire de qualquer lugar. Essas pessoas realmente sabem do que estão falando?”, questiona.

Aprender para transformar

Paulo Freire compreendia que o sujeito aprende para se humanizar. De acordo com o educador, aprender é complemento da formação do sujeito como humano. “Se aprende na relação com o outro, no diálogo com outro, na aproximação dele com o conhecimento do outro. Esse aprender coletivo tem a ver com o conhecimento sistematizado pelas outras pessoas. Saber que você precisa escutar e aprender com o outro é fundamental para romper com uma lógica de educação tradicional”, comenta Maria Margarida.

Outra questão fundamental na obra de Paulo Freire é que se aprende para transformar a realidade. “Nesse aspecto, é fundamental a consciência crítica e de sujeito histórico. Nesta perspectiva, nós estamos anos luz distantes, em toda nossa formação na educação brasileira, seja da educação infantil até a superior, do princípio de empoderar o sujeito para que ele possa se perceber como sujeito transformador da realidade”, diz a docente da UFG.

Quem foi Paulo Freire?

Paulo Freire nasceu em 1921 em Recife. Com o agravamento da crise econômica mundial iniciada em 1929 e a morte de seu pai, quando tinha 13 anos, passou a enfrentar dificuldades econômicas. Formou-se em direito, mas não seguiu carreira, encaminhando a vida profissional para o magistério. Em 1963, em Angicos (RN), coordenou um programa que alfabetizou 300 pessoas, cortadores de cana, em 45 dias. No ano seguinte, o golpe civil-militar o surpreendeu em Brasília (DF), onde coordenava o Plano Nacional de Alfabetização do presidente João Goulart. Freire passou 70 dias na prisão antes de se exilar.

Em 1968, no Chile, escreveu seu livro mais conhecido, “Pedagogia do Oprimido”. Também deu aulas nos Estados Unidos e na Suíça e organizou planos de alfabetização em países africanos. Com a anistia, em 1979, voltou ao Brasil, integrando-se à vida universitária. Foi secretário municipal de Educação de São Paulo (SP), na prefeitura de Luiza Erundina. Foi nomeado doutor Honoris Causa de 28 universidades em vários países e teve obras traduzidas em mais de 20 idiomas. Morreu em 1997, de infarto. Em 2012 foi sancionada a Lei 12.612 que declara o educador Paulo Freire o Patrono da Educação Brasileira.

Para estudar Paulo Freire

Maria Margarida Machado indica três leituras para quem quer conhecer mais a teoria de Paulo Freire. O livro “Pedagogia do Oprimido”, para a docente, é a base da formação humanista de Freire, além de sua principal obra, e traz as principais referências que ele estudou e com quem aprendeu para pensar na obra. O livro “Pedagogia da Esperança” traz uma releitura do livro anterior, simplificando-a. Já o livro “Pedagogia da Autonomia”, último que o Paulo Freire escreveu, dialoga com professores sobre os aspectos da prática docente. “Essa trilogia é fundamental para ser lida e pensada no contexto em que foram escritas”, conclui.

 

 

  

 Fonte: ANDES-SN (com informações de Instituto Paulo Freire)

 

Segunda, 15 Outubro 2018 10:42

 

"Sou professor... a favor da liberdade contra o autoritarismo, da autoridade contra a silenciosidade, da democracia contra a ditadura de direita ou de esquerda.

Sou professor, a favor da luta constante contra qualquer forma de discriminação, contra a dominação econômica dos indivíduos ou das classes sociais.

Sou professor contra a ordem capitalista que inventou esta aberração: 'a miséria na fartura'. Sou professor a favor da esperança que me anima apesar de tudo".

Pedagogia da autonomia. Paulo Freire, 1996.

 

Parabéns, professores e professoras! 

Vamos comemorar essa data no Baile 2018! Os convites, gratuitos para os sindicalizados, já estão disponíveis para retirada na sede do sindicato. 

Quarta, 18 Outubro 2017 19:55
 
*****
O Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
*****

 

 

Roberto Boaventura da Silva Sá

Prof. de Literatura/UFMT; Dr. em Jornalismo/USP

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Depois de longo período de governos petistas – erroneamente ditos e vistos como de esquerda –, interrompido após impressionante acúmulo de práticas de corrupção, arraigadas em tantos partidos da velha direita, muito da esperança, que enfim vencera o medo, foi se dissolvendo no ar.

Da dissolução, aos poucos, o país vem assistindo a um ressurgimento, antes impensável, do pensamento e das ações reacionárias, tudo muito perigoso, alhures, desde que o mundo é mundo.

O processo de dissolução da esperança teve início quando os governos petistas, formado por novos adeptos dos interesses do capital e seguindo a cartilha neoliberal, que em nada se identifica com as esquerdas, empreenderam uma divisão da classe trabalhadora, aliás, “nunca antes vista...”.

Rasgando o lema “Trabalhadores do mundo, uni-vos”, o PT apostou na formulação de diversas políticas compensatórias. Assim, a fragmentação dos trabalhadores estava consolidada. A noção de classe dera lugar à de grupos sociais. Na linha da inclusão, cada agrupamento passou a lutar por conquistas exclusivas. As cotas raciais são exemplos disso. A visão de totalidade dera lugar à visão do foco, que, via de regra, ofusca a possibilidade da compreensão do todo.

Nesse percurso, o PT, que já se esmerava na “corruption made in Brazil”, matando de inveja muitos velhacos da direita, passou a cooptar lideranças de movimentos sociais, sindicais, estudantis e trabalhistas. Pornografia política.

Tudo isso resultou em tragédia para a classe trabalhadora. Agora, nada parece conseguir nos unir. Nem mesmo atos de censura já em curso, frutos de uma onda assustadora de reacionarismo, aliada a uma produzida ignorância cultural de nosso povo.

Só em Cuiabá, em curto período de tempo, duas mostras (uma de fotografia, outra de pintura) foram recentemente censuradas por dois shoppings; claro que com a pressão daquela parte da sociedade tão moralista quanto cínica.

Neste momento, estamos vivenciando a censura que ocorrera no Santander Cultural, em Porto Alegre, durante a exposição de artes intitulada “Queermuseu”.

A referida mostra tinha apenas a intenção de promover a necessária discussão sobre a diversidade de gênero e de sexualidades. Todavia, seguindo a lógica de que “toda nudez será castigada”, a exposição, em si, sofreu estupro moral de uma turba ignara. Depois do estupro, o linchamento.

Vi, por meio de sites, as obras mais polêmicas. Nenhuma poderia ser censurada. A expressão artística não se censura por nada. No mais, elas não mentem, como descaradamente fazem tantos políticos no impuro cotidiano nacional. Elas podem até agredir os puritanos, pois transpõem artisticamente, no caso, para as telas, muitas práticas oriundas de nossa colonização. Nesse sentido, o quadro de Adriana Varejão, que expõe a prática de zoofilia, é a mais chocante para a virgindade ocular.

Sendo assim, o máximo que poderia ocorrer naquela mostra era, como já tantos apontaram, a classificação etária, como ocorre no cinema. Logo, se ainda há o que choque, o que fosse impróprio a menores de 18 anos, que ficasse em lugar reservado. Tudo seria resolvido sem estardalhaço. Sem censura.

Mas por que trago isso à tona, se no início deste texto trato da pornografia política que corre solta no Brasil?

Porque a censura, inclusive a política, chega devagar, cavando a sepultura da democracia. Uma vez sepultada, só nos restará conviver na e com a escuridão dos tempos.

Diante do risco cada vez mais próximo, algo precisa nos unir; e logo, antes que seja tarde. 

Quarta, 11 Outubro 2017 11:26

 

 

Os docentes da UFMT que ainda não conseguiram retirar os convites para o Baile dos Professores 2017 terão ainda a sexta-feira, 13/10, e a manhã de sábado, 14/10, para fazê-lo.

 

A Adufmat-Ssind abrirá em horário normal na sexta-feira (das 7h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30) e, no sábado, das 7h30 às 11h30.

 

O Baile dos Professores 2017, tradicional jantar dançante realizado pela Adufmat- Ssind em homenagem ao Dia dos Professores, será no sábado, 14/10, a partir das 20h, no salão de festas do Sisma/MT - ao lado do Hotel Fazenda Mato Grosso.

 

Docentes sindicalizados têm direito a um convite, e acompanhantes ou demais interessados não sindicalizados contribuem com o valor de R$ 50,00.

 

Entre as novidades desse ano, a organização do evento destaca atrações internacionais e o espaço de recreação reservado para crianças.

 

Mais informações por meio dos telefones: (65) 99686-8732 | (65) 4104-0656 | (65) 4104-0548.

 

 

 

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind