Quinta, 09 Julho 2020 14:01

A RESISTÊNCIA DO “NOTÓRIO SABER” - Roberto Boaventura

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
****
 
 
Roberto Boaventura da Silva Sá
Prof. de Literatura/UFMT; Dr. em Jornalismo/USP
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
 
               A língua portuguesa é repleta de palavras e expressões extraordinárias. “Notório saber” – ou seja, algo que é público, que é de conhecimento geral – é uma delas. Em muitos casos, pessoas que se tornam notórias também podem ser notáveis.

              No meio acadêmico, “Notório Saber” é a expressão legal e legítima qualificadora daquele docente que não cursou o doutorado de forma convencional, mas que demonstra possuir conhecimentos equivalentes àquele título.

           Para minha felicidade, no início de minha carreira, conheci colegas/amigos com esse perfil: eruditos, mesmo sem títulos. Sempre que pude, timidamente, estive por perto daquelas eminências que, de forma tão simples, perambulavam pelos corredores do antigo Instituto de Ciências Humanas e Letras, hoje, Instituto de Linguagens/Faculdade de Comunicação e Artes.

             No mesmo ano de meu ingresso (1987), chegou para o Departamento de Música, o docente Abel Santos Anjos Filho, hoje, reconhecido, artisticamente, por Habel Dy Anjos. Contudo, mais do que eu, até por conta de seu específico percurso acadêmico/artístico, ele soube como ser “orientado” pelo mesmo conjunto de docentes. Com eles, semelhante aos gregos antigos, Abel estava sempre “perambulando” e tendo lições absolutamente raras. 

             Pois bem. O longo preâmbulo acima serve para dizer que Abel Santos, desde 2016, vem pleiteando ser avaliado, como docente “Notório Saber”, dentro da UFMT, que dispõe de inquestionável arcabouço legal para tanto. Todavia, “inexplicavelmente”, Abel, até o último dia 07 de julho, havia recebido duas “portas grosseiramente fechadas” dentro da Instituição.

          O reparo dessas “inadequações administrativas”, que podem ter camuflado eventuais preconceitos espalhados pelo ar, enfim, ocorreu. Na data acima mencionada, Abel Santos, tendo tido imediata absorção de seu pedido junto ao Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem, do Instituto de Linguagens, do qual tenho a honra de ser seu atual diretor, pôde expor à apreciação formal da Instituição o impressionante conjunto de suas obras.

          Em outras palavras, seguindo o rigor acadêmico e a ritualística das defesas de doutorado, de início, Abel Santos apresentou o resumo de sua longa produção, que contempla o plano científico, consolidado por incansáveis pesquisas bibliográficas e de campo, e o artístico, de constante apreciação pública.

              Após, sob a presidência de sua orientadora formal, a professora Dra. Simone de Jesus Padilha (IL/UFMT), seguiram-se as distintíssimas arguições dos seguintes doutores: Everton Almeida Barbosa (UNEMAT), Marta Cocco (UNEMAT), Roberto Vitório (FCA/UFMT) e Cláudio Alves Benassi (IL/UFMT). Cada qual a seu modo, na condição de docentes e artistas, mais do que arguir, prestou reverência ao colega avaliado, tamanha a importância e o aspecto indiscutível do altíssimo nível de seus trabalhos, que contemplam o tripé ensino, pesquisa e extensão.

          Terminada essa etapa, registro que a defesa pública (apresentada por meios virtuais) de Abel Santos é um registro histórico para a UFMT, pois sua produção acadêmico/artística é ímpar, como tem de ser uma tese, e de profunda qualidade; é de resgate; é de respeito às práticas culturais de nosso povo; é socialmente abrangente; é pedagógica... E tudo isso realizado com métodos científicos, lidos, compreendidos e aplicados ao longo de mais de três décadas.

            Mais: este momento ímpar pode ser, infelizmente, único. Esperando estar errado no tom profético, o fato é que, diante da realidade vivida por todos nós, dificilmente a UFMT terá a oportunidade, de tão cedo, conceder outro título de Notório Saber, pelo menos não em nossa área e áreas adjacentes do conhecimento. Esse comportamento acadêmico, tão valioso quanto o enquadramento piramidal da pós-graduação brasileira, é cada vez mais raro na docência universitária.

              Assim, meus efusivos cumprimentos ao Abel Santos Anjos Filho, pela pacienciosa construção de um conjunto considerável de importantíssimas obras. Igualmente, cumprimento o Programa de Pós-Graduação do Instituto de Linguagens, que soube compreender e respeitar o percurso de uma trajetória academicamente construída de forma diferente, mas de igual valor às trajetórias comumente pavimentadas.

               Agora, resta-nos esperar pelos novos encaminhamentos para a outorga do título, que é conferida por órgãos superiores da UFMT.   
 
Ler 211 vezes