Terça, 27 Junho 2017 14:18

Movimento LGBT contrarreformas do Temer e do Congresso Nacional

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Nesta quarta-feira (28) é celebrado o dia do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais). A data é em alusão a um episódio ocorrido em Nova Iorque, em 1969. Naquele dia, as pessoas que frequentavam o bar Stonewall Inn, até hoje um local de frequência de gays, lésbicas e trans, reagiram a uma série de batidas policiais que eram realizadas ali com frequência. A realidade de abusos e violência LGBTfóbica nessas ações gerou uma forte indignação da comunidade LGBT, que passou a realizar uma série de protestos que ficaram conhecidos como a Revolta de Stonewall.


O levante contra a perseguição da polícia às pessoas LGBT durou mais duas noites e, no ano seguinte, resultou na organização na 1ª parada do Orgulho LGBT, realizada no dia 1° de julho de 1970, para lembrar o episódio. Hoje, as Paradas do Orgulho LGBT acontecem em quase todos os países do mundo e em muitas cidades do Brasil ao longo do ano.

 

O Brasil é o país onde mais se mata LGBTs, com 343 assassinatos registrados somente no ano de 2016. O Setorial LGBT da CSP-Conlutas denuncia que o governo Temer e o Congresso são coniventes com a barbaridade cotidiana que vivem as LGBTs, da mesma forma como foi o governo do PT. Nenhum deles fizeram nada para o combate à violência LGBTfóbica e tem as mãos sujas de sangue!

 

As LGBTs são parte importante do total de milhões de desempregados hoje no Brasil e estão nos postos de trabalho mais insalubres, ganhando menores salários, trabalhando mais e as primeiras a serem demitidas. Serão as mais afetadas pelas Reformas Trabalhista e Previdenciária impostas por esse governo de corruptos.

Por isso, dia 30 de Junho é dia de colorir a Greve Geral!

  

Confira, abaixo nota do Setorial LGBT da CSP-Conlutas especial para a data:

  

Vamos colorir a Greve Geral para derrotar governo, congresso e as reformas Trabalhista e da Previdência 

O dia 28 de Abril e a Marcha a Brasília mostraram o caminho. Temos mais um dia de Greve Geral marcado para o dia 30 de junho que vai fazer história.

Em Brasília, as LGBTs e as nossas bandeiras resistiram lado a lado com os outros trabalhadores às bombas da polícia, aos ataques do governo Temer e de seu Congresso de picaretas e LGBTfóbicos.
 

Queremos reviver a luta de 48 anos atrás quando as LGBTs trabalhadoras e pobres do Greenwich Village (Nova York) resistiram à violência e à opressão cotidiana! Fecharam as ruas e por seis dias combateram o cerco da polícia que os prendiam e torturavam nos guetos pela sua orientação sexual e identidade de gênero!
 

Hoje, aqui no Brasil, não vamos aceitar os ataques que vão acabar com a nossa aposentadoria, nem vamos morrer pela violência cotidiana e o desemprego que nos empurra todos os dias para o mercado informal, para prostituição e para o armário no local de trabalho!
 

As LGBTs são parte importante do total de milhões de desempregados hoje no Brasil, estamos nos postos de trabalho mais insalubres, ganhando menores salários, trabalhando mais e somos as primeiras a serem demitidas.
 

Vivemos o medo constante da demissão por nossa orientação e identidade de gênero, sem falar nas vezes que não somos contratados por “darmos pinta” ou dizermos abertamente quem somos! A realidade das LGBTs trabalhadoras, com o desemprego cotidiano, o trabalho informal e a violência, é que já não nos aposentamos e a Reforma Previdenciária de Temer vai piorar esse cenário. Com a Reforma Trabalhista seremos, junto com mulheres, negros e negras, as primeiras a trabalharem por jornadas desumanas e sem contrato fixo por medo de sermos demitidas.
 

O Brasil é o país onde mais se mata LGBTs, com 343 assassinatos registrados somente no ano de 2016. O governo Temer e o Congresso são coniventes com a barbaridade cotidiana que vivem as LGBTs, da mesma forma que foi no governo do PT. Nenhum deles fizeram nada para o combate à violência LGBTfóbica e tem as mãos sujas de sangue!


Por isso, dia 30 de Junho é dia de colorir a Greve Geral! Vamos reviver Stonewall e dizer que não vamos aceitar mais nenhuma morte como as de Dandara, Lexia, Camila, Jennifer e muitas outras pessoas trans assassinadas! As LGBTs não querem morrer sem trabalhar, nem trabalhar até morrer! As reformas não vão ferir nosso ORGULHO!

 

Stonewall

 A revolta de Stonewall é um marco para o movimento LGBT organizado. As batidas policiais eram constantes no bar Stonewall Inn um dos poucos lugares em que as LGBTs da cidade de Nova Iorque conviviam e viviam sua sexualidade e gênero.


A realidade de abusos e violência LGBTfóbica virou um estopim, ou seja “desceram do salto 15” com vários dias de luta, junto aos negros e negras, o movimento de mulheres e o outros trabalhadores do Village. Revoltas e grandes manifestações varreram toda a cidade dando o início a 1ª Parada do Orgulho.

 
O Movimento LGBT não surge do armário dos gabinetes, nem das ONGs financiadas por empresas que só querem saber do lucro, mas dos bairros pobres, sendo construído na classe trabalhadora. Stonewall vive!

 

Ler 806 vezes