Quarta, 13 Janeiro 2021 09:55

PANTANAL MATO-GROSSENSE.


****


Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
****


PANTANAL MATO-GROSSENSE.
 
José Domingues de Godoi Filho(¹)
 

“As coisas que acontecem por aqui, acontecem paradas.
Acontecem porque não foram movidas.
Ou então, melhor dizendo: desacontecem.
Dez anos de seca tivemos.
Só trator navegando de estadão, pelos campos. (...)
(Carreta Pantaneira, Manoel de Barros, 1985) 

Pantanal Mato-grossense é o nome dado para uma planície com uma    das maiores extensões úmidas contínuas do planeta, situada no centro da América do Sul (Figura 1). Com altitude média de 100m e área aproximada de 140 000 km², é circundado por um planalto com altitude variável entre 600 e 1000 metros, que representa a área fonte de água, sedimentos e toda espécie de resíduos. Como consequência sua evolução física e biológica pretérita, atual e futura está diretamente submetida às condições ambientais dos planaltos.
 
O Pantanal Mato-grossense é uma paisagem geológica recente, resultante da evolução da placa tectônica sul americana, que o individualizou após o soerguimento da cadeia andina. Os rios possuem baixo declive, com descarga pouco uniforme e períodos de inundação prolongada. Devido à baixa declividade, a água que cai nas cabeceiras do rio Paraguai pode levar meses para atravessar o Pantanal.
 
Além das áreas sem alagamento periódico e campos inundáveis, caracterizam a paisagem pantaneira feições, localmente definidas como: - baías (lagoas de diferentes formas e dimensões), salinas (baías com grandes concentrações de sais alcalinos), cordilheiras (elevações do terreno que separam baías), capões-de-mato (semelhantes às cordilheiras, porém circulares) , vazantes (canais que servem de escoadouros às baías e rios) e corixos ( pequenos rios que conectam baías).
 
Nesse cenário diverso, a Embrapa Pantanal verificou que o Pantanal não é um só. São onze pantanais com características próprias de solo, vegetação e clima: Cáceres, Poconé, Barão de Melgaço, Paraguai, Paiaguás, Nhecolândia, Abobral, Aquidauana, Miranda, Nabileque e Porto Murtinho.
 
OS IMPACTOS AMBIENTAIS
 
É fundamental ressaltar que além dos fatores que atuam há milhões de anos na formação da região pantaneira, outros resultam direta e indiretamente da ocupação humana. A degradação e ameaças ambientais geradas ou agravadas pela espécie humana na região vem crescendo em frequência e intensidade, desde pelo menos o início dos anos 1980 com a implantação de usinas de álcool, usinas hidrelétricas, garimpos, expansão de áreas urbanas sem tratamento de esgotos, intensificação do plantio de soja, milho e algodão nas terras altas e mesmo no interior da planície.
 
Como agravante a preservação do Pantanal não pode ser desvinculada de um outro problema, isto é, o processo de ocupação da Amazônia. A BR-364 (Cuiabá-Porto Velho), que cruza as terras altas da porção norte do Pantanal foi e é uma das principais entradas para a “invasão” da Amazônia, programada pela antiga SUDECO – Superintendência para o Desenvolvimento do Centro-oeste.
 
O agronegócio, com práticas nefastas para as condições ambientais, devastou a região e não respeitou nem mesmo as terras indígenas e das populações locais, além de pressionarem as áreas e estações de preservação permanente.
 
Todo o conjunto dessas atividades estranhas à região, somadas a práticas de trabalho precário imposto a muitos pantaneiros, contribuiu para a ruptura das relações sociais vigentes. Muitos pantaneiros deixaram a região na esperança de conseguir melhores condições de vida. Com isso, novos proprietários se instalaram na região para criar gado com prática diferente da adotada historicamente pelo pantaneiro, o que tem contribuído, significativamente, para o aumento de queimadas, especialmente, em períodos de seca mais intensa e com ciclo previsível, como as ocorridas em 2020.

 

De 2019 para cá, com a posse de um governo negacionista e com postura de liberar a devastação, houve um impensável processo de desregulação ambiental, desconstrução do aparato institucional e da política nacional de meio ambiente para que a “boiada passasse”, via precarização e omissão na fiscalização e aplicação das penalidades previstas em lei. As previsíveis queimadas, criminosas ou não, de 2020, são um exemplo das consequências do desrespeito às mais elementares normas de preservação e conservação ambiental.
 
PANTANAL MATO-GROSSENSE: RESERVA DA BIOSFERA.
 
Em função de suas características e importância, em 2000, a UNESCO reconheceu o Pantanal Mato-grossense como Reserva da Biosfera. As atividades econômicas necessitam, contudo, de rigoroso manejo do solo, convivência com os períodos de cheia e controle do desmatamento. As cheias modificam a qualidade do solo e a produtividade do Pantanal por transportarem água, sedimentos e resíduos antrópicos da região circunvizinha. O desmatamento e a urbanização desorganizada de suas bordas afetam a quantidade e a qualidade da água, os sedimentos e a velocidade de transporte desses materiais para as terras baixas, alterando gravemente o equilíbrio socioambiental.
 
O Pantanal e sua área de influência representam uma região singular de alta complexidade, ainda pouco conhecida cientificamente e, sobremaneira rica e frágil. Sem um criterioso planejamento, reivindicado pelos pantaneiros, desde os anos 1970, o aproveitamento de seus recursos naturais, renováveis e permanentes, e, todo seu potencial econômico e socioambiental sofrerá danos irreparáveis para o futuro da região, como demonstrado nos acontecimentos de 2020.
 

No paraíso das águas, o desrespeito à sua qualidade significa o desrespeito à vida.
 
Figura 1: Fonte – Godoi Filho, J.D. (1984)
 
Texto publicado pelo Núcleo Piratininga de Comunicação – Livro-agenda 2021.
 
(¹José Domingues de Godoi Filho – Professor da     UFMT/Faculdade de Geociências.

Terça, 12 Janeiro 2021 11:42

MUITA CACHORRADA PARA 2021


****


Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
**** 

MUITA CACHORRADA PARA 2021

Roberto Boaventura da Silva Sá
Dr. em Jornalismo/USP. Prof. de Literatura/UFMT
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 

            Como ainda estamos na primeira quinzena de 2021, e como não pude externar antes, desejo a todos nós, seres humanos, um período repleto de cachorradas.
            Com tais votos, não estou desejando nada de ruim a ninguém, embora, nos dicionários, o sentido figurado registre que “cachorrada” seja “ação vil ou malévola”.
           Pensando bem, essa metáfora é mais um equívoco dos humanos; pior: é injusta com os cães. Por isso, e também para fugir da mesmice dos votos de sempre de “muita felicidade, paz, amor, saúde e prosperidade”, é que reafirmo: muita cachorrada para todos em 21 e anos subsequentes.
          Para explicar meu desejo, começo divergindo de Eduardo Dusek – cantor e compositor de quem sou fã –, que, na última parte do “Rock pra cachorra”, pede que sejamos “mais humano” e “menos canino”, e completa: “Dê guarida pro cachorro/ mas também dê pro menino/ Senão, um dia desses/ você vai amanhecer latindo”.
           Essa letra de Dusek é socialmente pertinente, mas comete o deslize de ameaçar os humanos – principalmente aos que cuidam mais dos cães do que de seus semelhantes – com uma das características inerentes aos cachorros: latir.
             De minha parte, sem desconsiderar a preocupação central daquela música, eu preferiria ver muitas pessoas latindo a vê-las “falando” tanto nas redes sociais, onde compartilham “opiniões” sem lastro, além de cenas de suas vidas, em geral, miseráveis, embora com “filtro” de felicidade sem-fim.
            Pois bem. Usar animais para compará-los a ações dos humanos – positivas ou negativas – parece algo recorrente nas situações mais díspares; e isso remonta a tempos distantes. Quem não se lembra, p. ex., da cobra bíblica que “ludibriou” Eva, fazendo-a experimentar do que, maldosamente, lhe fora proibido? A propósito, à lá questionamento Saramago, se era proibido, por que foi criado? O Pai, que tudo sabe, não conhecia o que estava criando?
            Seja como for, aquela serpente, se não foi a fonte originária, foi, com certeza, a que popularizou a comparação de uma pessoa muita astuta (no caso, má) a uma cobra.
            As fábulas também são fontes de abundantes comparações: cigarra, formiga, leão, porquinho... A lista é longa. Pela própria lógica que move as fábulas, a comparação dos animais às ações humanas é ato contínuo; tanto que é difícil encontrarmos um animal que não sirva para algum tipo de comparação.
            Particularmente, fico de “queixo caído” com esse tipo de exercício feito por Manuel Bandeira, não em uma fábula, mas no poema “Rondó dos Cavalinhos”, de 1936.
            Contudo, neste artigo, quero falar só de quatro ações, ou de cenas, mas especificamente caninas. Com isso, pretendo mostrar como seria bom se fôssemos mais caninos e menos humanos, já que estamos mesmo velozmente perdendo a humanidade.
          Primeira ação/cena que destaco: os cães “de rua” (“vira-latas”) atravessando ruas e avenidas nas faixas exclusivas de pedestres. Impressionantemente eles sabem o lugar e esperam o sinal fechar!!!
             Sempre que os vejo assim, tão respeitosos, tão cuidadosos, sinto constrangimento de minha espécie. Por conta desse respeito canino às regras urbanas, pensadas pelo “homo sapiens” para o dito “homo sapiens”, raramente vemos um cão atropelado. Já o contrário...
            Outra atitude canina de arrepiar: aquelas cenas em que os cães ficam, nas portas de hospitais, esperando por seus donos – em geral, mendigos – dali saírem. Há inúmeros desses registros. Já o contrário, muita gente é capaz de ir a uma “clandestina” no mesmo dia que amigos e parentes são hospitalizados, velados ou mesmo enterrados.  
            A penúltima dos cães que destaco foi vista, por mim, no recente 1º de janeiro; aliás, essa data é o “dia mundial da paz”, uma criação de Paulo VI, nos idos de 67. Eis a cena: dois “vira-latas” – que podem ter se conhecido ali e naquele momento – rolavam, brincando carinhosamente no canteiro central de uma avenida por onde eu caminhava.
          Por “ironia do destino”, ao lado exato daquela cena “caninamente pueril” passavam dois carros emparelhados. Seus ocupantes, aos berros, “mandavam-se” mutuamente um tomar naquele lugar. Suas mães – mesmo à distância – também “entraram na desavença”. Era uma briga de trânsito, dessas que, comumente, encaminham-se para a fatalidade.
            Meu último destaque refere-se aos acasalamentos caninos nas ruas, e “na frente das crianças”!!! Oh!!!
           Excetuando a disputa natural da espécie para ser o “vira-lata” escolhido, pouco se noticia, na mídia, a prisão de algum cão – tomado de ciúmes da cadela que o preteriu publicamente – por ter assassinado, na frente de seus filhotes, “aquela safada, aquela desavergonhada”. Quem ganhou, cumpre sua função. Quem perdeu, bota o rabo aonde bem quiser e segue seu rumo, mesmo quando não o tem bem definido. Já o contrário, a mídia não deixa de noticiar crimes de feminicídios – na frente dos filhos –, dos quais o Brasil é um dos campeões mundiais. Infelizmente, somos tão bons de bola quanto de bala. Ah! E de bíblia também... É a desastrosa tríade que tem regido um povo completamente desgovernado, sem rumo na Terra.
            Pelas cenas acima destacadas, e por muito mais, reafirmo meus votos de um ano cheio de cachorradas para todos. Sem exceção. 

Pagina 3 de 472