****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
****

  
 
Publicamos a pedido do professor José Domingues de Godoi Filho
 

O Minhocão do Pari, PhD em Confusão no Rio, é a melhor opção para representar o processo eleitoral aprovado na UFMT. "As diabruras do gigantesco bicho, como emborcar canoas para comer pescadores ou provocar rebuliço das águas dos profundos poços nos quais habitava em seus momentos de fúria noturna" retrata perfeitamente o futuro da universidade nas mãos de qualquer um dos candidatos, entreguistas, privatistas e futuros capachos do MEC. 
 
Oposição ferrenha, desde já, em defesa de uma UFMT pública, gratuita, democrática, laica e socialmente referenciada ou ela será vilipendiada e transformada em um laboratório do receituário ultraliberal. Nada de Parceria Público Privada, compliance, métodos de gestão/esculhambação, patentes.  
 
Há 231 anos, no dia 14 de julho, ocorreu a tomada da Bastilha. Vamos iniciar a tomada da "nossa" Bastilha e trazer de "volta o cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar"
 
Para quem não conhece a lenda cuiabana do Minhocão do Pari, segue o texto do jornalista Nelson Severino.

Minhocão do Pari, uma lenda de mais de 100 anos que continua viva na memória
 

Por Nelson Severino 
 
As temidas diabruras do gigantesco bicho foram imortalizadas como samba enredo e carro alegórico da Escola de Samba Mocidade Independente

 


 

Faz 133 anos que o padre Ernesto Barreto comprou, no distante 1880, uma comprida faixa de terras a montante do rio Cuiabá, na área que passou a ser chamada de Barra do Pari e que deu origem a uma das mais conhecidas lendas de Mato Grosso, a do Minhocão do Pari.

Passado mais de um século, a lenda do Minhocão do Pari continua viva na memória dos moradores mais antigos do local e que para preservá-la vão passando o que sabem sobre o bicho de geração para geração.

As temidas diabruras do gigantesco bicho, como emborcar canoas para comer pescadores ou provocar rebuliço das águas dos profundos poços nos quais habitava em seus momentos de fúria noturna, acabaram sendo imortalizadas como samba enredo e carro alegórico da Escola de Samba Mocidade Independente, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), que levou para a avenida Mato Grosso em 85 ou 86 o tema “Lendas e crendices da minha terra natal” e cujo samba foi composto e musicado por Neguinho da Beija-Flor de Nilópolis-RJ.

Os moradores mais antigos da faixa de terras que fica nos fundos dos jardins Santa Amália e Araçá, emoldurada por um grande morro no primeiro bairro e uma bela ilha nas imediações do local onde deságua o Rio Pari, do lado do rio em Várzea Grande, e que chamam de “nosso pedaço de paraíso”, não só conhecem a lenda do Minhocão do Pari.

Como outras crendices que povoam o imaginário popular da região, como uma enorme sucuri que vivia numa lagoa dali e o negrinho que aparecia numa pedra do rio Cuiabá na área da Barra do Pari e, atrevidamente, às vezes até sentava na proa das canoas para deixar os pescadores de cabelos arrepiados.

Quem melhor conhecia a lenda do Minhocão do Pari era Benedito Oscarino Barreto, o Ditão, que construiu a primeira casa da Barra do Pari. Ditão era neto do padre Ernesto Barreto, que tinha oito filhos, e faleceu com 92 anos em 2004.

INÍCIO DA COMUNIDADE

Herdeiro do avô Ernesto Barreto, Ditão, que nasceu e morreu na Barra do Pari, foi comprando áreas que pertenciam a seus irmãos e acabou formando uma pequena comunidade no local, com a construção de umas 20 casas, algumas de alto padrão. Como seu avô sacerdote, Ditão era devoto de São Benedito e inclusive construiu em 1952 uma capelinha na comunidade para homenagear o santo.

Aos 70 anos, dona Josefina Viana, a dona Fiota, sobrinha de Ditão, e em cuja casa vive até hoje, afirma que ele era muito procurado por curiosos para contar histórias envolvendo o horroroso bicho que vivia nas águas profundas de dois poços que existem nas imediações do Restaurante Varandão.

Já Edisseia Barreto, 47 anos, herdeira junto com um irmão, dos bens que Ditão deixou, lembra-se vagamente e de poucas coisas que seu pai contava para a família e visitantes sobre o lendário Minhocão do Pari.

O que se sabe hoje das histórias que foram sendo passadas pelos mais velhos aos seus descendentes que o Minhocão do Pari desapareceu da Barra do Pai com a grande enchente de 1974.

A explicação que alguns moradores da comunidade têm para o sumiço é que a enchente destruiu uma antiga casa onde o Minhocão do Pari enganchava seu rabo, protegido pela vegetação, para reinar soberano nos dois poços de grande profundidade naquela área do Rio Cuiabá. Essa versão é confirmada inclusive por dona Fiota, com base no que ouvia da boca do tio Ditão.

Moradora há 30 anos da comunidade, a comerciante Edith Lúcia da Silva, 68 anos, afirma que nunca viu o lendário Minhocão do Pari, mas que algumas vezes ouviu o barulho provocado pelo levantamento de folhas do fundo do rio, agitação das águas e canoas de pescadores amarradas na vegetação da beira do Cuiabá batendo umas nas outras por causa do violento movimento das águas.

Edith garante que nunca ouviu falar que, pelo menos ali, algum pescador tenha sido comido pelo Minhocão do Pari...

COMPARAÇÕES

Tem gente da Barra do Pari que acha que o Minhocão do Pari na realidade era uma sucuri de tamanho descomunal que vivia numa lagoa das imediações da localidade. A lagoa acabou sendo “sangrada” para aumentar o volume de água do rio Cuiabá, quando começou a construção da barragem de Manso e a sucuri desapareceu.

Sobre essa gigantesca sucuri conta-se que certa vez um pescador precisou atravessá-la para chegar do outro lado para cortar capim para os seus animais. E caminhou um longo trecho sobre o que parecia ser uma árvore.

No outro dia, quando o pescador voltou para buscar mais capim para seus animais, não encontrou mais a travessia na superfície da água. Foi aí que ele entendeu que havia caminhado sobre a sucuri. História de pescador...
"O que estão querendo fazer com essas histórias como a dessa sucuri é desmistificar a lenda do Minhocão do Pari. Mas não vão conseguir. Essa lenda não vai desaparecer nunca", reage um velho pescador que nasceu e vai morrer na Barra do Pari. “Não tem quem me tira daqui”, garante o morador, defensor das tradições da Barra do Pari.

Já falecidos, dois pescadores da comunidade – Libano Zacarias de Souza, o Pituca, e seu Xisto – falavam muito de um negrinho que aparecia com freqüência na Barra do Pari, pregando sustos em quem singrava as águas do Rio Cuiabá naquele trecho. Diziam eles que o lugar preferido da estranha e lendária figura aparecer era numa pedrinha do leito do Cuiabá rio acima, depois do Varandão. Ou então ele emergia do fundo do rio e se sentava na proa das canoas, de onde ficava só olhando para os pescadores, muitos dos quais saíam das águas em disparada e se benzendo...

A comerciante Edith ouviu seu Xisto dizer muitas vezes que quando ele entrava no rio ou já estava pescando e o negrinho aparecia, juntava as tralhas de pesca e ia caindo fora ligeirinho. Não por medo do negrinho, que não falava com ninguém e muito menos fazia algum mal aos pescadores. Ou fazia, sim. Com a sua presença perto ou dentro da canoa, ninguém pegava nada...
 

 

 

****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
****



Por Edson Luiz Spenthof*

  

Sou um dos signatários e autores da Carta Aberta aos Candidatos à Reitoria da UFMT, na qual se pede a renúncia de todas as chapas diante do pico da pandemia e do retrocesso democrático que a eleição, nos moldes aprovados, impõe. Tenho orgulho de ter participado dessa reflexão, porque ela tentou, desde o início, ainda quando pareceria haver articulação nas sombras da instituição para que a MP da intervenção explícita vingasse, uma saída para a nossa universidade que não passe pela pressa desestruturante nem pela ligeireza da manha ou da distração política que se apega ao superficial e esquece o essencial. Nesse sentido, concordo com a preocupação daqueles que têm medo de uma intervenção na universidade, embora alguns dos que a manifestaram não me tivessem dado garantias lá atrás, desde o ano passado, de que estivessem mesmo contra ela. Mas o fato é que já estamos sob intervenção há mais de ano.

 

Quando o problema era o congelamento do orçamento da universidade, estávamos vivendo um processo de intervenção, pois, para além da má gestão interna na instituição (uma hipótese sempre plausível, de cujo mérito, contudo, não me ocupo aqui), estávamos vendo o governo intervindo no sentido de estrangular a vida desta instituição e estimulando fakes contra ela e todas as demais universidades públicas do País. Não por questões técnicas, de ordem financeira e econômica, mas ideológicas. Daí o sentido do termo intervenção. E, ao que se sabe, com participação de pessoas de dentro da UFMT, que alimentavam os gabinetes do ódio, como a sala do ministro da Educação, em Brasília, com “informações” e, talvez (é uma especulação!) na torcida para serem, elas próprias, os interventores.
 
Mas essa postura é coerente, dentro da mesma premissa coerente do Eichmann dos estudos de Hannah Arendt, lembrado outro dia pela professora Paula Alves, do curso de Direito da UFMT Araguaia. Ele se considerava um homem de bem e homens assim respeitam as ordens e as leis, sejam elas quais forem. Essa posição de adesão à intervenção real (estrangulamento da UFMT) ou formal (nomeação de um interventor) por parte dos que viram até na caneta Bic com a qual Bolsonaro assinou o termo de posse um sinal inequívoco de um “novo tempo” é coerente. Mas confesso que me causa um pouco de estranheza a defesa de um processo eleitoral confuso, apressado, atropelado, desconectado do nosso histórico modelo de consulta, inoportuno devido à pandemia, por parte de pessoas que denunciaram, sob os meus entusiasmados aplausos, o obscurantismo e o autoritarismo desse governo. É preciso lembrar que ele é tão obscuro e negacionista (nega a universidade porque nega o conhecimento) que fará a intervenção com ou sem consulta, na minha análise, como o fez não liberando os recursos que já estavam no orçamento da UFMT e que competiam a ela gerir autonomamente. É claro que a consulta é nossa arma, mas uma consulta oportuna e democrática. A outra me parece como uma arma emprestada pelo inimigo depois de entortar o cano, direcionando-o para o próprio atirador.

 

Quando o processo de intervenção sob Bolsonaro-Weintraub começou dentro da UFMT, estávamos a bem mais de um ano e meio do fim do mandato da ainda reitora Myrian e de seu vice Evandro. Ali já denunciávamos a intervenção e fomos para as ruas. Concretamente, quando o tema eleição entrou em pauta, constituir um processo eleitoral com base em Medida Provisória antidemocrática significava as duas coisas ao mesmo tempo: continuidade da intervenção e pressa, atabalhoamento, atropelamento, processo antidemocrático. Para que mesmo? Cumprir (legalidade) uma MP antidemocrática? No frigir dos ovos, significava concordar com a continuidade da Intervenção ou não vê-la acontecendo.
 
Perdoem-me se a análise estiver equivocada, mas parece que a palavra intervenção, agora, além de não atentar para o mais importante, a legitimidade do processo e a razoabilidade (princípio largamente utilizado no Direito para as coisas que estão além do legal escrito - direito positivo –, mas estão longe de serem ilegais) temporal, contextual e democrática, aparece em várias manifestações como favas contadas, coisa dada, inevitável, caso a eleição não ocorra agora. Talvez da mesma forma que era coisa dada e não nos mobilizou devidamente desde o ano passado? Contra ela (intervenção) não nos insurgiremos fortemente, para além das nossas ideologias?

 

Sei que é posição individual, ou dos grupos aos quais me filio, mas eu prefiro continuar apelando para que o bom senso seja pautado, para além da legalidade, na legitimidade e na razoabilidade das leis e dos processos. O adiamento de uma eleição para garantir que cuidemos do mais importante agora (as vidas) e a essência do processo democrático, há de ser uma decisão legítima, razoável, democrática e há, portanto, de conquistar as mentes e os corações dentro da UFMT e de toda a sociedade. Mais: há de nos unir e nos tornar fortes para não aceitarmos qualquer coisa em contrário. Feito isso, teremos construído uma estrada sólida para mantermos, diante do governo, um escudo que tornará muito difícil a sua intervenção formal, que, aliás, já está desenhada, no meu ponto de vista, a depender do resultado da consulta. O que não quer dizer que, pelos mesmos princípios democráticos, de legitimidade e razoabilidade, não se deva fazer consulta democrática, mesmo suspeitando que ela não vá ser acatada. Contudo, por que temos de oferecer ao governo uma consulta que fomos nós que “arrancamos” de dentro da legalidade, mas vilipendiada/esvaziada em sua essência?

 

Penso ser desnecessário reforçar aqui o contexto social e sanitário que estamos vivendo, o que coloca essa eleição num campo de ilegitimidade e inconveniência desenhadas de forma absolutamente clara na Carta Aberta. Por isso, peço: venham, democraticamente, assinar a carta! E venham resistir à intervenção, com ou sem consulta. Para mim, à exceção da pandemia, tudo o que está acontecendo agora dentro da UFMT é fruto da intervenção iniciada em abril/maio de 2019. Depende de nós se queremos continuar sob intervenção ou não. Perder é do jogo político e democrático. Mas qual será nossa vitória/derrota real agora? Entendo que vitória é tentarmos nos unir em torno de uma consulta democrática, depois, quando pudermos realizá-la com o recrudescimento da pandemia e de forma a mais equânime e inclusiva possível (até candidatos estão tendo problemas com a tecnologia!). Vitória também é resistirmos, agora e sempre, contra todos os tipos de intervenção. A Carta Aberta propõe as duas coisas: renúncia das chapas com cancelamento das eleições agora e resistência a qualquer tipo de intervenção.

 

*Edson Luiz Spenthof é professor do curso de Jornalismo do ICHS/Araguaia, e membro do Movimento Base e Democracia – Campus Araguaia
Pagina 10 de 449