Quarta, 27 Abril 2016 14:26

DO CAOS À DEGENERAÇÃO

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

Roberto Boaventura da Silva Sá

Dr. Jornalismo/USP; Prof. Literatura/UFMT

 

Engana-se quem pensa que o Brasil vive hoje um clima de caos; já estamos no estágio da degeneração nos planos politico-social-econômico, cultural, educacional, ético...

 

Em nossa história recente, um momento caótico, ou seja, de desordem geral, foi, p. ex., o período em que Sarney presidiu o país.

 

Naquele período, o descontrole do governo era tamanho que Humberto Gessinger, dos Engenheiros do Hawaii, emAlívio Imediato, compôs “Nau à deriva”, um dos mais felizes retratos poéticos para uma das experiências mais infelizes de uma nação. Ao olhar do compositor, em sua “Nave Mãe”, tudo lhe parecia estar “longe demais do cais do porto, perto do caos”. A “Nau, à deriva”, vivia literalmente o “apocalipse now”.

 

Pois bem. Se nos registros cosmogônicos, crê-se que um ser sobrenatural, do caos, fez a vida, no Brasil, do caos se encaminhou à degeneração; ou seja, um estágio de decomposição, destruição, perversão geral das coisas e dos seres.

 

Do caos, com muito esforço, pode-se sair; da degeneração, o buraco é “pressálico”. A saída é complexa. Nada é conjuntural. Tudo é estrutural. Tudo é sistêmico.

 

E se alguém tinha dúvidas sobre essa condição, o resultado final da votação da Câmara Federal que acatou o pedido de impeachment da Sra. Rousseff foi prova inconteste. Poucas vezes, senti vergonha de ser brasileiro. O mundo todo viu aquilo!

 

Foi desumano ver um corrupto, um ser desprezível presidir aquela sessão. Foi inominável ver deputado após deputado declarar seus votos, fosse para acatar ou descartar o pedido do impeachment. Nunca o cinismo falou tão alto. E todos eram nossos representantes! Aquilo era a nossa cara!

 

Mas por que o cinismo se sobressaiu?

 

Porque votaram por tudo: Deus, família etc. Como “nunca antes na história deste país”, o desprezível conservadorismo regozijou-se tanto. Fiquei aguardando, em vão, que alguém tivesse a coragem de apresentar seu voto pela/o amante e/ou pelo filho bastardo, desde sempre mantidos na surdina; ou por outras personagens anônimas do submundo da capital federal, tão frequentado por muitos seres de colarinho branco.

 

Por outro lado, também era inominável saber que a senhora denunciada, portanto, posta em julgamento em “praça pública”, no plano político, não tem a menor defesa, embora, no plano jurídico, conforme visão de alguns juristas e sectários, sim.

 

Por isso, também foi dolorido ver criaturas – que não são democráticas, embora pensem que sejam – falar em nome da democracia. Nunca esse bem herdado dos gregos antigos foi defendido com tanta abstração.

 

A própria presidente, quando fala em democracia, o faz de forma abstrata, etérea. Só para ficar com um exemplo, cito o seu silêncio diante da última greve das universidades federais, subjugadas por seu partido, o PT. Nem mesmo os ministros da Educação (Janine e Mercadante) foram autorizados para o diálogo. “Democraticamente” fomos ignorados e derrotados pelo desdém do staff governamental, que hoje clama por democracia.

 

Mas para não terminar este artigo sem acreditar em saídas, resgato reflexões de Ionesco, para o qual, “onde não há humor, não há riso, há cólera e ódio”. Felizmente, no Brasil, mesmo depois desta “página infeliz de nossa história”, o que não faltou foi humor.

 

Nas redes sociais, o riso correu solto, e dos dois lados antagônicos. Por isso, espero que a cólera e o ódio, disseminados por políticos velhacos, não nos contagiem. Que sejamos capazes de ser superiores a eles. Só assim, mesmo que demore, poderemos sair da degeneração ao caos, e do caos à normalidade social.   

Ler 2888 vezes