Segunda, 08 Agosto 2016 20:08

 

 

A assembleia geral extraordinária realizada nessa segunda-feira (08/08), entre às 14h30 e 17h, decidiu convocar todos os sindicalizados para Assembleia Geral Extraordinária a se realizar:

 
Data:  11 de Agosto de 2016 (quinta-feira)
 
Local: AUDITÓRIO DA ADUFMAT
 
Horário: às 14:00 horas com a presença mínima de 10% dos sindicalizados e às 14:30  horas, em segunda chamada, com os presentes.
 

PAUTA ÚNICA :

- Paralisação no dia 16 de agosto - Dia Nacional de Mobilização.

 

Cuiabá, 08 de agosto de 2016.

 

Reginaldo Silva de Araujo
Presidente / ADUFMAT SSind

 

Segunda, 08 Agosto 2016 19:54

 

 

 

Uma assembleia geral densa decidiu, nessa segunda-feira (08/08), que ainda não é o momento de deliberar sobre a aquisição de sede social para os docentes sindicalizados na Adufmat-Ssind. Diante das lutas políticas que estão postas, do número reduzido de docentes na assembleia, e das questões estatutárias referentes ao processo de compra, a plenária decidiu amadurecer a ideia e voltar a avaliar a questão nos próximos meses.

 

O ponto de maior embate foi a concepção de sindicato como entidade política. Um grupo defendeu que empenhar recursos numa aquisição tão cara, que não é indispensável, pode comprometer os recursos que precisam ser destinados a lutas prioritárias, como as dezenas de Projetos de Lei que ameaçam os serviços e servidores públicos.  

 

De outro lado, outro grupo defendeu que a Adufmat-Sind tem recursos suficientes, e que o sindicato não perde seu caráter político por investir, também, em lazer. Isso poderia, inclusive, aproximar a categoria nas reflexões políticas, defenderam alguns docentes.

 

Por fim, depois de todos esses e outros pontos destacados, a plenária decidiu adiar a discussão por pelo menos dois meses.

 

A assembleia teve outros dois pontos de pauta acrescentados. No entanto, decidiu encaminhar para nova assembleia, que será realizada na quinta-feira, 11/08, às 14h, a discussão sobre a orientação do ANDES - Sindicato Nacional, para paralisação no dia 16/08, durante o dia de mobilização unificada em defesa da educação pública.

 

Também não foi debatido o ponto de pauta sobre o convite aos senadores de Mato Grosso para dialogar sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, porque o proponente da pauta se ausentou da assembleia antes da discussão.

 

Informes da base

 

A diretora da VPR do ANDES-SN, Vanessa Furtado, fez informes relacionados à mobilização nacional e regional contra a aprovação do PLP 257/16 e da PEC 241/16 na última semana. De acordo com a docente, o substitutivo d PLP 257/16 apresentado na Câmara dos Deputados retira os militares do grupo de servidores prejudicado pelo projeto, indicando uma possível exigência da chamada “Bancada da Bala” para aprovação.

 

Houve também informes sobre a agenda de discussão sobre o PLP 257/15 no estado, organizada por várias entidades: 08/08, às 18h, um seminário na sede do Sindes (Servidores do Desenvolvimento Econômico do Estado); 13/08, às 14, o Sinasefe também discute a questão no IFMT.

 

Sobre o processo dos 3,17% (URV), o informe foi no sentido de que a perícia ainda não foi concluída, e outras informações foram solicitadas sobre o pagamento do percentual a alguns docentes da universidade.

 

Informes da Diretoria

 

O presidente da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo, informou sobre o processo de escolha do pró-reitor da UFMT no campus de Sinop, realizado no dia 03/08. O sindicato participou da Comissão Local, por meio dos representantes regionais, além do debate realizado no dia 01/08, com a presença de Araújo. O professor Roberto Beber foi o escolhido pela comunidade acadêmica. Concorreram com ele o servidor técnico administrativo Everton Alves de Souza, e o professor Mário Mateus Sugizaki.       

 

O docente falou ainda da agenda de mobilização do ANDES – SN, diante da ofensiva para aprovação dos Projetos de Lei que desmontam os serviços públicos. Um encontro dos GT’s Carreira, Educação e Ciência e Tecnologia, realizado em Brasília no dia 05/08, foi um dos destaques do informe.

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

  

  

 

Quarta, 03 Agosto 2016 17:36

 

 

A Diretoria no uso de suas atribuições regimentais convoca todos os sindicalizados para Assembleia Geral Extraordinária a se realizar:

 
Data:  08 de Agosto de 2016 (segunda-feira)
 
Local: AUDITÓRIO DA ADUFMAT
 
Horário: às 14:00 horas com a presença mínima de 10% dos sindicalizados e às 14:30  horas, em segunda chamada, com os presentes.
 

PAUTA ÚNICA :

- Apresentação de propostas de aquisição de chácara (SEDE SOCIAL) para ADUFMAT.

 

Cuiabá, 03 de agosto de 2016.

 

Reginaldo Silva de Araujo
Presidente / ADUFMAT SSind

 

Sábado, 23 Julho 2016 16:54

Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso, reunidos em assembleia geral realizada nessa quinta-feira, 21/07, no auditório da Adufmat – Seção Sindical do ANDES, deliberaram algumas ações com relação à suspensão do pagamento do adicional de insalubridade, alterações na Resolução 158/10 e contribuição financeira ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). 

Nos três pontos de pauta, o caráter político dos temas foi evidenciado pelos docentes durante os debates.

Com relação a suspensão do pagamento do adicional de insalubridade a alguns docentes, a categoria refletiu sobre o que representa a necessidade de um percentual como esse acrescentado ao salário. “A ideia do adicional de insalubridade é que ele seja uma multa paga pela empresa até a resolução de um problema que deve ser resolvido. A discussão que a gente tem de fazer aqui é se um adicional salarial, assim como a utilização de Equipamentos de Proteção Individual que não têm a eficiência necessária, compensam os riscos que determinada atividade representa a saúde do trabalhador?”, comentou o professor Wanderlei Pignati, que realiza pesquisas na área da Saúde Coletiva. 

O debate também levou em consideração a maneira como o adicional foi retirado de docentes e técnicos da UFMT e, ao final, a categoria decidiu as seguintes ações sobre o ponto de pauta: acionar a assessoria jurídica do sindicato para estudar a questão e trabalha-la de forma individual; solicitar um debate com a administração da universidade sobre os critérios para pagamento ou não do adicional, e a maneira como os cortes foram realizados na universidade; levar a denúncia ao ANDES – Sindicato Nacional. 

Sobre as alterações da Resolução 158/10, a plenária aprovou a proposta feita pela professora Alair Silveira, membro do Grupo de Trabalho Política de Formação Sindical (GTPFS). A ideia é que o GT elabore um calendário para debater o tema, com o objetivo de fomentar a categoria para apresentar, mais adiante, uma proposta alternativa a sugerida pelo Consepe, que tenha sido efetivamente pensada pelos professores. Todas as assembleias realizadas durante a greve de 2015 para construção da pauta interna, em que a categoria refletiu longamente sobre o caráter do trabalho docente, devem ser incluídas no processo de elaboração dessa proposta. 

O debate sobre a contribuição financeira ao MST foi marcado por intervenções emocionadas, que ressaltaram o caráter classista da Adufmat e do ANDES Sindicato Nacional, além do histórico do sindicato, de parceria e solidariedade com o MST e outros movimentos sociais. Membros do Movimento vieram a assembleia relatar os motivos da solicitação, que são os cortes de recursos destinados aos projetos que ajudam o MST a tocar suas atividades e lutas. “Nós temos tranquilidade para vir aqui falar sobre isso, porque esse é um espaço de trabalhadores, de gente que constrói riquezas, como nós”, afirmou o coordenador do MST, Vanderly Scarabeli.

Depois de várias manifestações favoráveis e contrárias, o pleno decidiu, com apenas um voto de diferença, que a contribuição não será realizada. Foram 32 votos favoráveis e 33 contrários.   

O presidente da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo, registrou, no início do debate, que recebeu informações sobre boatos que teriam sido espalhados pela universidade, sugerindo que a contribuição implicaria em descontos no holerite de docentes sindicalizados. “Boatos não contribuem para o fortalecimento da democracia no nosso sindicato”, comentou. 

Mas após a assembleia, avaliou positivamente o embate. “Todos os temas propostos ao sindicato são discutidos junto a base nas assembleias. Ela é nossa maior instancia deliberativa. Assim, a solicitação do MST, que tem apoio de um grupo de sindicalizados, não seria diferente. Nós o fizemos com todo o respeito a cada pessoa presente e aos diferentes posicionamentos, nos reafirmando como um sindicato de base”, concluiu. 

Os pontos de pauta “reforma na sede da Adufmat-Ssind” (previsto no edital de convocação), e “representação nas reuniões de setor do ANDES” e “retomada dos GT’s” (incluídos no início da assembleia) não foram avaliados devido ao avançado da hora. 

Entre os informes, foram pontos destacados pela diretoria: a participação em evento contra o racismo e homofobia em Sinop, realizado pelos estudantes em parceria com a Unemat; a determinação da quebra de sigilo da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e do presidente da instituição, por conta da CPI da Funai; as preocupações com a Fapemat, que serão debatidas mais detalhadamente nos próximos dias; a parceria em eventos; e as últimas informações sobre os 28,86%, que são a devolução do processo pela UFMT sem nenhuma petição anexa, isto é, nenhuma manifestação, e o ato que será realizado pelos docentes no dia 28/07, às 8h30, na frente da Reitoria. 

Da base, os informes foram sobre as atividades do GT Aposentados, a participação da Adufmat-Ssind no 61º Conad, e a Resolução 158/12. 

A professora Vanessa Furtado, diretora da VPR Pantanal do ANDES, fez alguns informes referentes a atividades do Sindicato Nacional.  

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind 

Segunda, 18 Julho 2016 07:58

 

EDITAL DE CONVOCAÇÃO
ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DA ADUFMAT- Ssind

 

A Diretoria no uso de suas atribuições regimentais convoca todos os sindicalizados para Assembleia Geral Ordinária a se realizar:

 
Data:  21 de Julho de 2016 (quinta-feira)
 
Local: AUDITÓRIO DA ADUFMAT
 
Horário: às 14:00  horas com a presença mínima de 10% dos sindicalizados e às 14:30 horas, em segunda chamada, com os presentes.
 

PAUTA:

1 – Informes;
2 – Suspensão de pagamento de adicional por insalubridade;
3 – Resolução 158 (CONSEPE) – proposta substitutiva;

4 – Solicitação de contribuição para o MST/MT;

5 – Reforma da sede da ADUFMAT - Cuiabá.

 

 
 
Cuiabá, 18 de julho de 2016.

 

Reginaldo Silva de Araujo
Presidente / ADUFMAT SSind
 

 

 

Terça, 12 Julho 2016 16:39

 

 

Em decorrência do descumprimento da decisão judicial que determina o pagamento dos 28,86% a todos os docentes da UFMT, as ações em defesa do direito passam a ser, agora, além de judiciais, políticas.  Assim encaminharam os docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em assembleia geral realizada nessa terça-feira, 12/07, no auditório da Adufmat - Seção Sindical do ANDES.

 

“O processo de conhecimento transitou em julgado em 1996, e os docentes já ganharam. O que tramita, agora, é a ação de execução. O juiz já determinou várias vezes o pagamento de todos, de maneira muito clara, com base no acórdão de 2013. A universidade não cumpre porque a Procuradoria está induzindo a UFMT ao erro; não cabe interpretar decisão judicial agora e todos os argumentos do Parecer de Força Executória da Procuradoria tentando justificar o pagamento parcial foram derrubados pelo juiz”, afirmou o assessor jurídico da Adufmat-Ssind, Alexandre Pereira.

 

Depois de algumas ponderações, o advogado voltou a afirmar que não há risco de devolução de valores. “Essa já foi uma preocupação nesse processo, mas toda a jurisprudência é favorável aos docentes”, explicou.  

 

A exposição do presidente da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo, acerca das reuniões nos campi do interior, e os relatos dos docentes do Araguaia e Sinop, presentes na assembleia, apontaram para necessidade de ações políticas da categoria. Docentes de Cuiabá também manifestaram-se nesse sentido.

 

O presidente também falou sobre a reunião realizada com a reitora na ultima semana. “A Maria Lúcia disse que, pessoalmente, não faz nenhuma objeção em conduzir a questão da maneira como o sindicato deseja. Mas garantiu, na reunião realizada no dia 06/07, que ela depende da Procuradoria Federal e do próprio Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Mpog) para implementar”, disse Araújo.

 

Após longo debate, a plenária decidiu formar uma comissão para encaminhar, a princípio, duas ações políticas: uma carta aberta à Reitoria, e um ato público ainda esse mês.

 

Fazem parte da comissão os docentes Waldir Bertúlio, Marluce Silva, Lélica Lacerda, Alair Silveira, Tomás Boaventura, Alexandre Machado, Carlos Breda (Sinop), Daniel Guimarães e Jocirei Ferreira (Araguaia).    

 

Jurídico

 

De acordo com os advogados responsáveis pelo processo dos 28,86%, a próxima manifestação jurídica da universidade em resposta a decisão do juiz César Bearsi de 22/06, que ratificou a implementação para todos os docentes, tem até o dia 12/08 para ser juntada ao processo. Só a partir daí novas movimentações podem ser efetivadas, visto que a reação depende do conteúdo apresentado pela universidade.

 

Caso a Procuradoria insista na tese de que cumpriu a decisão, a assessoria jurídica deverá solicitar a execução da multa institucional e pessoal, já sentenciada em abril, além do pagamento imediato aos docentes, inclusive dos meses acumulados, pois a decisão de Cesar Bearsi determinava a implementação a todos os docentes na folha de maio/16.

 

Resolução 158/10

 

Como a discussão sobre os 28,86% consumiu grande parte da manhã, o pleno decidiu adiar para a próxima assembleia o debate sobre a Resolução 158/10, que está em discussão no Consepe, bem como os informes.

 

Em um breve período de reflexão, os docentes solicitaram aos membros do Grupo de Trabalho Política de Formação sindical (GTPFS) que elaborem alguns direcionamentos para subsidiar o debate na próxima assembleia, que deverá ser convocada para a próxima semana.

 

 

Luana Soutos        

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quinta, 07 Julho 2016 17:46

 

A Diretoria no uso de suas atribuições regimentais convoca todos os sindicalizados para Assembleia Geral Extraordinária a se realizar:


 
Data:  12 de Julho de 2016 (terça-feira)
 
Local: AUDITÓRIO DA ADUFMAT
 
Horário: às 08:00  horas com a presença mínima de 10% dos sindicalizados e às 08:30  horas, em segunda chamada, com os presentes.
 

PAUTA:

1 – Informes;
2 – Implementação do 28,86% para todos: informes e encaminhamentos;
3 – Resolução 158 (CONSEPE) – proposta substitutiva.

 

 
 
Cuiabá, 07 de julho de 2016.
 

 
Reginaldo Silva de Araujo
Presidente / ADUFMAT SSind

Quarta, 22 Junho 2016 15:12

 

 

Em assembleia geral realizada nessa terça-feira, 21/06, no auditório da Adufmat - Seção Sindical do ANDES Sindicato Nacional, docentes da Universidade Federal de Mato Grosso discutiram e deliberaram sobre a posição do sindicato diante da conjuntura política, critérios para participação em eventos nacionais, e eleição de delegados para o Conselho Nacional de Associações Docentes (Conad).

 

Devido ao adiantado da hora, o ponto de pauta referente à suspensão do pagamento de insalubridade, previsto no edital de convocação da assembleia, foi adiado com a condição de ser o primeiro ponto de pauta da próxima assembleia, ainda sem data marcada.

 

Os docentes também discutiram, nessa terça-feira, o pagamento adiantado dos 28,86% a sindicalizados que entraram na universidade depois de 1993. Esse assunto seria, apenas, um informe no início da assembleia, mas virou ponto de pauta por sugestão da plenária.

 

Com relação à posição do sindicato frente à conjuntura política, debate já iniciado na assembleia do dia 12/05, os docentes avaliaram que o momento exige novo documento, com conteúdo diferente do haviam pensado anteriormente.

 

Após diversas análises sobre o afastamento da presidente Dilma Rousseff, o papel da mídia e do Poder Judiciário nesse processo, as políticas dos governos contra os direitos dos trabalhadores, e a dívida pública, os docentes decidiram o seguinte: formar uma comissão para elaborar um documento em defesa dos direitos e contra a dívida pública, além de moções de apoio à greve dos servidores públicos estaduais, as ocupações das escolas pelo Movimento Primavera Secundarista, e demais lutas estudantis; fortalecer a parceria com os servidores regionais nas lutas contra a PLP 257/16 e a contrarreforma da Previdência; ampliar o diálogo com os docentes da Unemat, por meio do sindicato que representa a categoria; organizar um seminário sobre Mídia/Imprensa; e formar, junto a outras entidades, uma Coordenação Estadual de Educação que, conforme orientação do II ENE, realizado em Brasília entre 16 e 18/06, terá a função de articular as lutas junto à Coordenação Nacional de Educação.

 

Sobre os critérios de participação nos eventos nacionais, as ponderações versaram sobre o tipo de sindicato que a categoria quer: de base/ luta, que defende de fato os trabalhadores, ou burocrático. O professor Tomás Boaventura destacou que esse debate é recorrente, e que a leitura da categoria sempre foi de que a participação nesses espaços deve ser dos docentes que estão realmente envolvidos com a categoria, e são atuantes no trabalho de base. Com isso, segundo o professor, espera-se preservar a ideia de que todos devem contribuir efetivamente para o fortalecimento do sindicato.

 

 Depois de várias exposições, os docentes votaram e aprovaram por unanimidade as seguintes prerrogativas para participação de sindicalizados, sejam da diretoria ou da base, em eventos nacionais: que essas atividades façam parte da agenda de lutas do Andes-SN ou da CSP Conlutas; que os interessados em ir a esses eventos tenham participação regular nas assembleias da categoria; que os membros dos Grupos de Trabalho (GT’s) atuantes terão prioridade na participação das reuniões nacionais referentes a seus temas de trabalho; que o número máximo de representantes em reuniões nacionais regulares/ordinárias será de dois, sendo o primeiro representante atuante do movimento docente, e o segundo um observador com intuito de adquirir experiência na formação sindical. As assembleias gerais poderão autorizar a participação de um número maior de participantes em reuniões com esse perfil; para atividades ampliadas, como congressos e encontros, o número de participantes poderá ser maior, mas serão realizadas reuniões prévias para preparação dos representantes no evento; após a participação em evento nacional, os docentes deverão elaborar relatório por escrito para publicação no Espaço Aberto, além de registrar, na primeira assembleia geral após o retorno, os principais pontos debatidos, bem como os encaminhamentos aprovados nacionalmente.

 

Concluído o debate sobre a participação nos eventos nacionais, a plenária aprovou por aclamação os nomes dos docentes candidatos a delegado e ouvintes do 61º Conad, que será realizado em Roraima entre os dias 30/06 e 03/07. Foram aprovados os seguintes nomes: Reginaldo Araújo (presidente da Adufmat-Ssind, como delegado), Paulo Wescley (1º suplente), Vanessa Furtado (2ª suplente), Alair Silveira (3ª suplente), Waldir Bertúlio (4º suplente) e Maurício Couto (de Sinop, 5º suplente).

 

Sobre o recebimento antecipado dos 28,86%, que ocorreu com alguns professores que iniciaram o trabalho na universidade após 1993, ficou decidido que a Adufmat-Ssind encaminhará um documento à Reitoria, solicitando audiência para tratar da possibilidade de parcelamento da devolução do valor implementado. A categoria entende que não houve pagamento indevido, e não há relação de má fé, já que a determinação do juiz é de que todos recebam, independentemente da data de posse na universidade. Os docentes aguardam, para os próximos dias, nova manifestação do juiz determinando a implementação para todos e aplicação da multa por descumprimento. Outros encaminhamentos serão tomados após a manifestação do juiz.

            

 

Informes da Diretoria

 

Durante a assembleia, o presidente da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo, informou a plenária sobre algumas atividades das quais o sindicato participou recentemente. Uma delas foi o Abraço ao Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, em defesa do SUS, no dia 07/06. O sindicato também organizou, junto a VPR Pantanal, uma caravana de estudantes para participar do II ENE. Além disso, o presidente convidou os presentes para as seguintes atividades:

23/06, às 19h: Debate sobre a crise e as alternativas para os movimentos sociais e sindical, com Ricardo Antunes, na Adufmat-Ssind.

24/06, às 14h, ato em solidariedade aos Guarani-Kaiowá, na Praça Alencastro, Cuiabá.

24, 25 e 26/06 – II Encontro de Aposentados e Aposentáveis da Adufmat-Ssind, no Hotel Águas Quentes.   

 

Informes da base

 

Os professores que participaram do II ENE, presentes na assembleia, informaram sobre os debates que foram realizados nos três dias do evento (disponíveis aqui). A professora Vanessa Furtado falou que os três docentes membros da chapa eleita para a próxima diretoria do ANDES-SN (Vanessa Furtado, Maria Luzinete Vanzeler e Maurício Couto) participaram do evento organizado pela Regional Pantanal em Mato Grosso do Sul, no dia 03/06, para debater a PLP 257/16 e o movimento Escola Sem Partido. A diretoria eleita do ANDES-SN assumirá a direção da entidade no próximo Conad.  

 

   

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

 

Quarta, 22 Junho 2016 13:48

 

 

Em assembleia geral realizada nessa terça-feira, 21/06, no auditório da Adufmat - Seção Sindical do ANDES Sindicato Nacional, docentes da Universidade Federal de Mato Grosso discutiram e deliberaram sobre a posição do sindicato diante da conjuntura política, critérios para participação em eventos nacionais, e eleição de delegados para o Conselho Nacional de Associações Docentes (Conad).

 

Devido ao adiantado da hora, o ponto de pauta referente à suspensão do pagamento de insalubridade, previsto no edital de convocação da assembleia, foi adiado com a condição de ser o primeiro ponto de pauta da próxima assembleia, ainda sem data marcada.

 

Os docentes também discutiram, nessa terça-feira, o pagamento adiantado dos 28,86% a sindicalizados que entraram na universidade depois de 1993. Esse assunto seria, apenas, um informe no início da assembleia, mas virou ponto de pauta por sugestão da plenária.

 

Com relação à posição do sindicato frente à conjuntura política, debate já iniciado na assembleia do dia 12/05, os docentes avaliaram que o momento exige novo documento, com conteúdo diferente do haviam pensado anteriormente.

 

Após diversas análises sobre o afastamento da presidente Dilma Rousseff, o papel da mídia e do Poder Judiciário nesse processo, as políticas dos governos contra os direitos dos trabalhadores, e a dívida pública, os docentes decidiram o seguinte: formar uma comissão para elaborar um documento em defesa dos direitos e contra a dívida pública, além de moções de apoio à greve dos servidores públicos estaduais, as ocupações das escolas pelo Movimento Primavera Secundarista, e demais lutas estudantis; fortalecer a parceria com os servidores regionais nas lutas contra a PLP 257/16 e a contrarreforma da Previdência; ampliar o diálogo com os docentes da Unemat, por meio do sindicato que representa a categoria; organizar um seminário sobre Mídia/Imprensa; e formar, junto a outras entidades, uma Coordenação Estadual de Educação que, conforme orientação do II ENE, realizado em Brasília entre 16 e 18/06, terá a função de articular as lutas junto à Coordenação Nacional de Educação.

 

Sobre os critérios de participação nos eventos nacionais, as ponderações versaram sobre o tipo de sindicato que a categoria quer: de base/ luta, que defende de fato os trabalhadores, ou burocrático. O professor Tomás Boaventura destacou que esse debate é recorrente, e que a leitura da categoria sempre foi de que a participação nesses espaços deve ser dos docentes que estão realmente envolvidos com a categoria, e são atuantes no trabalho de base. Com isso, segundo o professor, espera-se preservar a ideia de que todos devem contribuir efetivamente para o fortalecimento do sindicato.

 

 Depois de várias exposições, os docentes votaram e aprovaram por unanimidade as seguintes prerrogativas para participação de sindicalizados, sejam da diretoria ou da base, em eventos nacionais: que essas atividades façam parte da agenda de lutas do Andes-SN ou da CSP Conlutas; que os interessados em ir a esses eventos tenham participação regular nas assembleias da categoria; que os membros dos Grupos de Trabalho (GT’s) atuantes terão prioridade na participação das reuniões nacionais referentes a seus temas de trabalho; que o número máximo de representantes em reuniões nacionais regulares/ordinárias será de dois, sendo o primeiro representante atuante do movimento docente, e o segundo um observador com intuito de adquirir experiência na formação sindical. As assembleias gerais poderão autorizar a participação de um número maior de participantes em reuniões com esse perfil; para atividades ampliadas, como congressos e encontros, o número de participantes poderá ser maior, mas serão realizadas reuniões prévias para preparação dos representantes no evento; após a participação em evento nacional, os docentes deverão elaborar relatório por escrito para publicação no Espaço Aberto, além de registrar, na primeira assembleia geral após o retorno, os principais pontos debatidos, bem como os encaminhamentos aprovados nacionalmente.

 

Concluído o debate sobre a participação nos eventos nacionais, a plenária aprovou por aclamação os nomes dos docentes candidatos a delegado e ouvintes do 61º Conad, que será realizado em Roraima entre os dias 30/06 e 03/07. Foram aprovados os seguintes nomes: Reginaldo Araújo (presidente da Adufmat-Ssind, como delegado), Paulo Wescley (1º suplente), Vanessa Furtado (2ª suplente), Alair Silveira (3ª suplente), Waldir Bertúlio (4º suplente) e Maurício Couto (de Sinop, 5º suplente).

 

Sobre o recebimento antecipado dos 28,86%, que ocorreu com alguns professores que iniciaram o trabalho na universidade após 1993, ficou decidido que a Adufmat-Ssind encaminhará um documento à Reitoria, solicitando audiência para tratar da possibilidade de parcelamento da devolução do valor implementado. A categoria entende que não houve pagamento indevido, e não há relação de má fé, já que a determinação do juiz é de que todos recebam, independentemente da data de posse na universidade. Os docentes aguardam, para os próximos dias, nova manifestação do juiz determinando a implementação para todos e aplicação da multa por descumprimento. Outros encaminhamentos serão tomados após a manifestação do juiz.

            

Informes da Diretoria

 

Durante a assembleia, o presidente da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo, informou a plenária sobre algumas atividades das quais o sindicato participou recentemente. Uma delas foi o Abraço ao Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, em defesa do SUS, no dia 07/06. O sindicato também organizou, junto a VPR Pantanal, uma caravana de estudantes para participar do II ENE. Além disso, o presidente convidou os presentes para as seguintes atividades:

23/06, às 19h: Debate sobre a crise e as alternativas para os movimentos sociais e sindical, com Ricardo Antunes, na Adufmat-Ssind.

24/06, às 14h, ato em solidariedade aos Guarani-Kaiowá, na Praça Alencastro, Cuiabá.

24, 25 e 26/06 – II Encontro de Aposentados e Aposentáveis da Adufmat-Ssind, no Hotel Águas Quentes.   

 

Informes da base

 

Os professores que participaram do II ENE, presentes na assembleia, informaram sobre os debates que foram realizados nos três dias do evento (disponíveis aqui). A professora Vanessa Furtado falou que os três docentes membros da chapa eleita para a próxima diretoria do ANDES-SN (Vanessa Furtado, Maria Luzinete Vanzeler e Maurício Couto) participaram do evento organizado pela Regional Pantanal em Mato Grosso do Sul, no dia 03/06, para debater a PLP 257/16 e o movimento Escola Sem Partido. A diretoria eleita do ANDES-SN assumirá a direção da entidade no próximo Conad.  

 

   

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

 

Sexta, 03 Junho 2016 22:36

 *Atualizada às 17h04 do dia 20/06/16

 

Os docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) decidiram, em assembleia geral realizada nessa sexta-feira, 03/06, na sede do sindicato da categoria (Adufmat-Ssind), a maneira como vão pagar os advogados e peritos que trabalham no processo dos 28,86%. Ficou decidido que o pagamento será feito em dez vezes de 10% do valor implementado a cada professor, como propôs a assessoria jurídica responsável pelo caso.

 

A comissão formada por docentes, eleita na assembleia do dia 12/05 (clique aqui para saber mais), destrinchou os contratos firmados, explicando o que já foi pago e o que ainda está pendente.

 

Em 1994, no início do processo, o acordo entre sindicato e advogados foi o pagamento de 7,5% em três vezes, referente ao ajuizamento da ação. Essa parte já está quitada. Do contrato inicial ficou pendente, apenas, o pagamento de outras três parcelas de 7,5% por docente, prevista para o final da ação (transitado em julgado).

 

Um segundo contrato substituiu o primeiro, em 2010.  O objetivo, à época, foi tentar evitar que o Tribunal de Contas da União (TCU) suspendesse o benefício de quem já o recebia. Na ocasião, a categoria decidiu, em assembleia geral, iniciar imediatamente o pagamento acordado em seis parcelas de 10% do valor implementado a cada docente. Assim, essa parte do acordo também se encontra quitada. 

 

“O pagamento por determinação judicial só é realizado mediante apresentação de cálculo feito por perícia. Por isso, entre 2013 e 2014, a Adufmat-Ssind assumiu uma dívida de cerca de R$ 400 mil junto aos advogados, que intermediaram a contratação do escritório de perícia contábil indicado pelo ANDES – Sindicato Nacional”, explicou o presidente do sindicato, Reginaldo Araújo.

 

O valor cobrado pela perícia a cada docente é de R$ 150,00, e permanece o mesmo. Para chegar a esse número, o escritório calculou a média das incorporações. 

 

Considerando que ainda estão em aberto o pagamento acordado para ser realizado, referente ao retroativo, após trânsito em julgado da ação e a parcela referente à perícia contábil, e diante da decisão para incorporação conquistada pelos docentes este ano, a assessoria jurídica apresentou uma terceira proposta ao sindicato. Além das pendências, os advogados apontam, agora, a variação de percentual de cobrança praticada pelo mercado jurídico no decorrer dos anos. Tratando-se de ação coletiva, o sindicato e os advogados dialogaram sobre um percentual justo, mas abaixo do mercado. Chegou-se, então, à proposta apresentada e aprovada na tarde dessa sexta-feira: dez parcelas de 10% de cada docente, que totalizará, ao final, um mês do valor implementado.

 

Diferentemente do contrato anterior, esse percentual inclui o pagamento das assessorias jurídica e pericial, além de 1% que retornará ao sindicato. Nos dois contratos anteriores, a parcela destinada ao sindicato seria de 0,5%. Assim, após o pagamento dessas dez parcelas de 10% da diferença implementada, restará tão-somente o pagamento de 7,5% do retroativo.

 

Vale lembrar que farão o pagamento, apenas, os docentes associados que estão recebendo os 28,86%. Isso significa que, nesse momento, a perícia receberá cerca de R$ 110 mil, do total de R$ 400 mil. À medida que a incorporação for feita aos outros docentes, como é a verdadeira demanda da Adufmat-Ssind, os valores vão se completando.

 

E quanto aos não sindicalizados?

   

Os docentes beneficiados e não sindicalizados serão cobrados de acordo com os mecanismos jurídicos tradicionais. Os advogados Elenir Alves e Alexandre Pereira afirmaram que, individualmente, a prática será a do mercado, de 20%.

 

Nesse sentido, também foi aprovado pela plenária dessa sexta-feira que a perícia contratada pelo sindicato apresentará, quando o juiz solicitar os cálculos para pagamento dos valores retroativos, apenas os valores referentes aos docentes sindicalizados. Os não sindicalizados terão de arcar individualmente com as assessorias necessárias para reivindicar o direito em processo particular.

 

Essa questão motivou longo debate durante a assembleia. Os docentes avaliaram que a ideia não é forçar a sindicalização dos colegas, mas a reflexão acerca da importância e da capacidade de uma organização coletiva fortalecida. “Nós só obtivemos sucesso nessa causa porque ela é movida coletivamente! Ninguém, sozinho, conseguiria bancar 22 anos de um processo como esse. A categoria precisa entender que a união é necessária, porque nós temos outras lutas tão duras ou mais que essa”, ressaltou a professora Sirlei Silveira.

 

Também foi decisão da assembleia que os docentes sindicalizados farão o repasse à assessoria jurídica via sindicato, descontando o valor devido junto à contribuição sindical mensal.

 

Outras dúvidas   

 

A Adufmat-Ssind registrou vários erros na implementação executada pela universidade. Primeiro, o não cumprimento e interpretação extemporânea da decisão do juiz, que é claramente a de pagar todos os docentes da universidade, independente da data de ingresso na instituição. Quanto a isso, a assessoria jurídica reafirmou que deu entrada numa petição, apresentando ao juiz Cesar Bearsi a informação sobre o descumprimento de sua decisão, bem como a solicitação de aplicação de multa.

 

O documento já está concluso para despacho, e a assessoria aguarda a resposta do juiz para os próximos dias. Os advogados estão otimistas, visto que o próprio Bearsi apontou, na sua última decisão, falhas da universidade com relação ao processo. Assim manifestou-se o magistrado em trecho do documento: “[...] a parte executada tem protelado o cumprimento de sua obrigação, inclusive pedindo prazos que depois não cumpre e juntando petições cujo teor tenta reviver questões já decididas pelo Acórdão exequendo, fica revelada a ocorrência do art. 80, IV, do novo CPC [Código de Processo Civil], litigância de má-fé, ou seja, a parte está opondo resistência injustificada ao andamento do processo”.

 

Outros erros que foram identificados pela Adufmat-Ssind até o momento e deverão ser revistos: valores inferiores ao estimado; docentes com ingresso anterior a 1993, que se enquadram no recorte feito pela universidade para implementação, mas não receberam; e docentes posteriores a 1993 que receberam. O presidente do sindicato informou que a universidade admitiu a possibilidade de algum erro no primeiro pagamento, que deverá ser corrigido na próxima folha.

 

O sindicato já solicitou informações ao RH da UFMT sobre como o cálculo é feito e quais rubricas foram consideradas, para que os docentes possam acompanhar e verificar seus valores.      

 

Algumas dúvidas sobre a possibilidade de suspensão e devolução do benefício foram sanadas pelo professor José Airton, um dos docentes que mais tem contribuído nos debates sobre esse processo. “A última decisão do juiz é muito clara, no sentido de que não há efeito suspensivo ao benefício. Ele diz isso com todas as palavras”, afirmou o docente.  

 

Caso dos docentes aposentados que tiveram a suspensão determinada pelo TCU

 

No caso dos 168 docentes aposentados que tiveram o benefício suspenso pelo TCU, os advogados explicaram que o caminho será fazer nova reivindicação. Isso só poderá ser feito quando o processo for finalizado, com a determinação de pagamento dos valores retroativos. A expectativa é de que isso ocorra em até dois anos.

 

Informes da Diretoria

 

A diretoria da Adufmat-Ssind informou à plenária que participou, nos últimos dias, da mobilização dos servidores estaduais que estão em greve geral, reivindicando direitos previstos em Lei que o governador Pedro Taques alega não ter condições de garantir. No ato, que reuniu milhares de pessoas na última terça-feira, também estavam estudantes que ocupam 14 escolas no estado, dentro de um movimento nacional chamado de “primavera secundarista”. Os estudantes e professores estaduais querem que o governador retire a intenção (já publicada em edital) de implementar Parceria Público Privada (PPP) nas escolas de Mato Grosso. Além disso, defendem a instauração de uma CPI da educação, diante do escândalo que derrubou o secretário Permínio Pinto e outros funcionários da pasta.

 

Na próxima terça-feira, 07/06, haverá um ato em defesa do SUS em frente ao Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, às 15h. O objetivo é alertar e mobilizar a população contra uma série de projetos de lei que podem ser apreciados pelo Congresso Nacional nos próximos dias. Mais de 15 entidades formam o grupo.

 

Interessados em participar do II Encontro Nacional de Educação (ENE), que será realizado em Brasília entre os dias 16 e 18/06, têm até o diz 10/06 para fazer a inscrição. O sindicato está se comprometendo a viabilizar a taxa de inscrição, deslocamento e hospedagem aos docentes sindicalizados que desejarem participar do evento. Para fazer a inscrição, clique aqui.

 

Informes da base

 

Cuiabá terá a Etapa Regional do II ENE no dia 11/06. A Adufmat-Ssind sediará o evento, que debaterá temas como Trabalho e formação dos/as trabalhadores da Educação; Gênero, Sexualidade, Orientação Sexual e Questões Étnico-raciais; Financiamento; Avaliação; Gestão e Acesso e Permanência.

 

A comissão de reformulação do estatuto do sindicato realizou a primeira reunião em Sinop nessa quinta-feira, 02/06. O próximo encontro do grupo já está marcado para o dia 20/06, em Barra do Garças. Os sindicalizados podem enviar sugestões de alteração do estatuto, que está disponível no site do sindicato (clique aqui) para apreciação da comissão. Qualquer alteração só será realizada após discussão e aprovação em assembleia geral da categoria.

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind