Terça, 12 Fevereiro 2019 17:19

 

Em assembleia geral realizada nessa terça-feira, 12/02, na Adufmat – Seção Sindical do ANDES-SN, os docentes da Universidade Federal de Mato Grosso aprovaram o Regimento Eleitoral que orientará o processo de eleição da próxima diretoria da entidade, biênio 2019-2021. Conforme edital de convocação da assembleia, além da aprovação do calendário eleitoral e Regimento, a categoria voltou a discutir a conjuntura política.

 

O primeiro ponto de pauta, invertido no início da assembleia, foi a eleição da próxima diretoria da Adufmat-Ssind. Após a leitura do Regimento, proposto pela comissão eleitoral formada na última quinta-feira (07), os presentes registraram suas contribuições, e o documento foi aprovado. O período de inscrição de chapas será de 13/02 a 19/02/19, e o pleito se dará no dia 20/03/19. As datas em que serão realizados os debates entre os candidatos deverão ser previamente acordadas entre Comissão Eleitoral e chapas homologadas.  

 

A íntegra do Regimento será disponibilizada no site da Adufmat-Ssind nessa quarta-feira, 13/02, quando terá início oficialmente o processo eleitoral, conforme publicação do Edital de Convocação em jornal de grande circulação de Mato Grosso, que circulará também nesta quarta-feira.   

 

Outras informações sobre o processo eleitoral da Adufmat-Ssind podem ser encontradas no Título V, Capítulos I e II do Regimento Interno da entidade (leia aqui).

 

Conjuntura

 

A discussão sobre conjuntura realizada na assembleia dessa terça-feira reafirmou o compromisso da categoria na luta contra a contrarreformas trabalhista e da previdência, além da mobilização e participação nas atividades do dia Internacional de Luta das Mulheres. Em assembleia geral anterior, os docentes indicaram paralisação na data 08/03.  

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quinta, 07 Fevereiro 2019 18:46

 

Os docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) que compõem a base sindical da Adufmat-Ssind definiram, em assembleia geral realizada nessa quinta-feira, 07/02, os membros da comissão eleitoral que será responsável por organizar o processo de mudança da diretoria para dirigir a entidade no biênio 2019-2021. Além disso, a categoria debateu a conjuntura, dialogando com as deliberações do 38º Congresso do ANDES – Sindicato Nacional, realizado em Belém do Pará entre os dias 28/01 a 03/02.

 

Durante o primeiro ponto de pauta - informe qualificado do 38º Congresso do ANDES-SN -, o professor Armando Tafner apresentou uma leitura crítica dos delegados da Adufmat-Ssind com relação a deliberação aprovada, que orienta a base a participar de comitês que contenham, entre outras, a insígnia “Lula Livre”. “A delegação avalia que a defesa de tal palavra de ordem, em vez de ajudar na construção da centralidade da luta, afasta ainda mais os sindicalizados e a categoria. Perdemos um tempo precioso no qual poderíamos discutir e aprofundar a luta pelo ensino público, educação, verbas, carreira docente, democracia e liberdade para ensinar. A luta por justiça, ou mesmo a defesa da liberdade de Lula poderia estar embutida na defesa da democratização e reorganização da classe trabalhadora, pela esquerda, sem colocar o Lula como eixo”, disse o docente, afirmando que, por esse motivo, todos os delegados da Adufmat-Ssind foram contrários à proposta.   

 

As principais deliberações do Congresso do ANDES-SN, no entanto, foram a defesa da liberdade de cátedra, a luta contra o congelamento dos recursos para os direitos sociais - imposto pela Emenda Constitucional 95 -, e o fortalecimento da unidade dos trabalhadores a partir do diálogo com outras categorias e movimentos sociais para a construção das mobilizações contra a Reforma da Previdência, do Dia Internacional das Mulheres e a realização da Greve Geral.

 

Nesse sentido, os presentes aprovaram a participação da Adufmat-Sisnd na organização do dia 08 de Março, junto a outros grupos de mulheres, com indicação de paralisação das atividades docentes na UFMT.

 

Os docentes também aprovaram a participação dos professores Waldir Bertúlio e Lélica Lacerda nas atividades da CSP Conlutas entre os dias 20 e 24/02, onde o ANDES – Sindicato Nacional deve defender a construção de uma Greve Geral, conforme deliberado no Congresso.

  

Após a leitura do Regimento da Adufmat-Ssind (leia aqui), a assembleia apreciou os nomes colocados à disposição para compor a comissão eleitoral que realizará o pleito para escolha da diretoria do sindicato no biênio 2019 – 2021. Foram eleitas como titulares as professoras Haya Del Bel, Adriana Pinhorati (Araguaia) e Clarianna Silva (Sinop), e como suplentes os docentes Breno Guimarães, Reginaldo Araújo e José Ricardo.

 

A Comissão deverá elaborar o calendário eleitoral, com vistas a realizar a eleição no dia 20/03, conforme decidido também na plenária dessa quinta-feira. A proposta deverá ser apresentada na próxima assembleia, já indicada para a tarde de terça-feira, 12/02. Vale destacar que, conforme o Regimento Interno da Adufmat-Ssind, poderão votar todos os docentes cuja data de sindicalização anteceda pelo menos 30 dias da data da eleição.

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

 

Segunda, 10 Abril 2017 09:32

 

 

         No dia 05 de abril/2017 foi eleita a nova direção da ADUFMAT-S.Sindical do ANDES/SN, ADUFMAT de Luta: Autônoma e Democrática!  À Diretoria da gestão 2017/2019 que se inicia, resta, antes de qualquer coisa, agradecer a todos aqueles que participaram do processo eleitoral, independente do destino do seu voto.

Agradecer, também, aos colegas da Chapa 2, que possibilitaram a promoção de debates públicos, nos quais as diferentes perspectivas de sociedade, universidade e sindicato oportunizaram aos demais professores dimensionar as implicações das escolhas eleitorais.

         Agradecer, especialmente, àqueles que depositaram sua confiança nos membros da Chapa 1 e, particularmente, no programa combativo, autônomo e democrático que a elegeu. Muitos desses, ativamente engajados na campanha eleitoral.

         Agradecer aos membros da comissão eleitoral, mesários e servidores da ADUFMAT que não mediram esforços para garantir as condições necessárias à realização do pleito.

         Agradecer aos coletivos que se manifestaram publicamente em apoio à Chapa 1, assim como aqueles que assim o fizeram individualmente, desdobrando-se em contribuir das mais variadas formas e nas mais diversas oportunidades.

         Enfim, à nova Diretoria da ADUFMAT de Luta: Autônoma e Democrática!, cumpre reafirmar o empenho e o compromisso com o Programa e a representação democrática e combativa de todos os docentes.

         Saudações Sindicais!

Cuiabá – MT., 07 de abril de 2017.

Sexta, 07 Abril 2017 22:13

A Comissão Eleitoral da Adufmat-Ssind 2017 retifica os números de votos do processo eleitoral, devido a um erro na incorporação dos votos do campus do Araguaia.

Foram 50 votos para a Chapa 1, e não 30, como divulgado anteriormente.

O dado altera os números finais da eleição, mas não o resultado, conforme tabela abaixo, já corrigida.

 

Local de Votação

Número do Lacre

Chapa 01

Chapa 02

Total de Votos Válidos

 

votos nulos

 

votos brancos

Total de Cédulas

ICET/FAET

4937

49

44

93

1

 

94

ICHS

4938

56

15

71

3

 

74

IL

4939

63

8

71

 

1

72

FEF

4940

16

31

47

1

 

48

HUJM

4991

6

11

17

 

 

17

ADUFMAT

4992

36

49

85

2

 

87

FCM

4993

34

38

72

 

 

72

Várzea Grande

4994

4

3

7

 

 

7

SINOP

 

93

4

97

0

0

97

Campos do Araguaia

 

50

10

60

2

0

62

Votos Validos Total

 

407

213

620

9

1

630

 

 

 

Sexta, 07 Abril 2017 21:57

 *Atualizada às 07h50 do dia 10/04/17 para correção de nomes e inclusão de informações sobre a prestação de contas

 

Uma mesa bastante simbólica abriu a assembleia geral da Adufmat-Seção Sindical do ANDES nessa sexta-feira, 07/04. Diante da disputa clara de concepção de sindicato registrada no processo eleitoral para diretoria da entidade, a mesa composta por ex-presidentes, militantes históricos, toda nas cores vermelho e branco, remeteu imediatamente ao resultado do pleito: o caráter classista, pautado na luta dos trabalhadores, foi evidenciado pelos docentes da UFMT como o ideal para garantir os interesses da categoria.

 

 

A disputa eleitoral acabou, mas o clima das últimas semanas permaneceu na assembleia de posse da gestão “Adufmat de Luta, Autônoma e Democrática”. A disposição para o debate e respeito às regras estabelecidas coletivamente, exercícios fundamentais à prática democrática, foram pontos centrais de muitas intervenções, durante todos os pontos de pauta. Não só pela disputa, mas também por duas manifestações fervorosas feitas no início da assembleia, cujos autores pontuaram divergências, mas se recusaram a permanecer no espaço para realizar qualquer debate.   

 

Durante a apresentação dos resultados do processo eleitoral de 2017, a Comissão realizou informe qualificado, apresentando os resultados de cada urna, as ações realizadas durante o pleito para divulgar as propostas e promover os debates, e as dificuldades enfrentadas.

 

A Comissão retificou o número de votos do campus do Araguaia. Foram 50 votos para a chapa 1, e não 30, como divulgado. Assim, a Chapa 1 teve o total de 407 votos, e a Chapa 2, 213.

 

De acordo com a Comissão Eleitoral, no dia da eleição, foram registrados muito atos de violência verbal contra a Comissão Eleitoral, funcionários da Adufmat-Ssind e mesários. Esses atos vão refletir numa nota pública de denúncia, aprovada pela assembleia.

 

Uma dessas manifestações de violência gerou custos, inclusive, ao sindicato. O carro de um dos candidatos da chapa 1, vencedora do pleito, foi arranhado dos dois lados. Um dos riscos forma o número 2. Além disso, uma das lanternas do veículo foi quebrada. Após discussão, a plenária decidiu que o sindicato deve arcar com o conserto, pelo fato ter ocorrido nas imediações do sindicato, justamente num dia de disputa intensa na entidade, configurando uma clara demonstração de intolerância por parte de alguma pessoa ligada ao processo.      

 

Os docentes presentes repudiaram esse e outros atos, e fizeram algumas avaliações sobre as eleições. A professora Lélica Lacerda sugeriu que o direito ao voto não seja restrito aos docentes adimplentes. Uma questão que a categoria precisa amadurecer, já que essa decisão é fruto de discussões que balizaram o Regimento Eleitoral praticado nos últimos anos, e aprovado em assembleia no início do pleito de 2017.

 

O professor Reginaldo Araújo destacou a dificuldade de dialogar, e o constrangimento em lidar com a insistente problematização das decisões tomadas em assembleia, ou até mesmo acordadas entre as chapas.

 

Para o professor José Domingues, essas ações são fruto do recrudescimento do pensamento conservador, que assombra diversas partes do mundo.

 

A professora Alair Silveira, diretora tesoureira da nova gestão, afirmou que a eleição em si possibilitou a realização de um debate necessário que, inclusive, motivou um salto no número de votantes. Mas lamentou as ações de intolerância e destacou o sindicato como espaço de exercício democrático. “É essa a arena onde nós exercitamos democracia combatendo ideias, não pessoas. Tem gente que pessoaliza o embate de ideias. Nós já perdemos várias vezes aqui, mas acatamos e o sindicato sempre deu andamento ao que foi decidido nas assembleias. Nem sempre é o que nós defendemos, mas nem por isso nós nos retiramos”, disse.  

 

Para o professor Paulo Wescley, apesar de todos os entraves, o processo eleitoral evidenciou uma consciência latente da categoria diante da clara diferença de projetos colocada, com resultado expressivo.

 

 

Posse

 

A Comissão Eleitoral formou a mesa de posse por volta das 17h20, e convidou as entidades que representam a comunidade acadêmica da UFMT para receber a nova diretoria da Adufmat-Ssind, eleita para o biênio 2017-2019.

 

O reitor em exercício, Evandro Silva, ressaltou o valor do sindicato na defesa dos trabalhadores, o processo democrático de escolha de representantes, e parabenizou a chapa vencedora pela vitória e pela luta.

 

Vinícius Brasilino, coordenador geral do Diretório Central dos Estudantes (DCE) afirmou que a vitória da Chapa 1 demonstra que há esperança no fortalecimento da luta dos trabalhadores, principalmente nesse momento, de profundos ataques aos direitos sociais.

 

A presidente do Sindicato dos Servidores Técnicos Administrativos (Sintuf/MT), Leia de Souza, apontou a conjuntura desafiadora, parabenizou os membros da chapa pela disposição, e reafirmou a parceria do sindicato dos técnicos com o sindicato dos docentes.

 

Em seu discurso, o presidente eleito para o segundo mandato, Reginaldo Araújo, agradeceu os diretores da última gestão, falou sobre os desafios, a conjuntura difícil, e a solidariedade de classe. “Esse sindicato tem uma concepção classista e emancipatória. Isso significa que a luta dos trabalhadores rurais sem terra é nossa; que a luta dos indígenas é nossa. Nós não vamos admitir a retirada de direitos de qualquer trabalhador, assim como não vamos admitir a privatização das universidades públicas, a imposição da terceirização”, afirmou.

 

Em seguida, garantiu a autonomia como princípio do sindicato, e destacou o desafio de mobilizar a categoria. “Por vários momentos, teremos enfrentamento com a Reitoria, como foi na gestão anterior, e como é na atual. Temos a clareza de que nossas ações refletem e também beneficiam os docentes não sindicalizados. Temos a disposição de dialogar com esses colegas, na perspectiva de que todos assumam, junto conosco, a responsabilidade de fazer esse sindicato cada vez mais forte. Agradecemos o apoio escrito de entidades como o MST, Movimento Mulheres em Luta, inúmeros colegas docentes da UFMT e de outras universidades, PET Conexões de Saberes, Conselho Missionário Indigenista (CIMI), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). Movimentos que têm clareza da sua posição na luta”, disse o presidente.

 

Por fim, Araújo agradeceu os docentes que participaram do processo e destacou a expressividade da votação: “dois terços da nossa base apontou qual sindicato querem: de luta, autônomo e democrático”.

 

Os representantes do sindicato no interior também foram empossados na assembleia dessa sexta-feira. No Araguaia, foram eleitos os docentes Eliel Ferreira, Márcia Pascotto, Maurício Guedes e Deyvisson da Costa. No campus de Sinop, os docentes eleitos são Clariana Silva, Lorenna Rezende, Ricardo Santana e Gustavo Canale.

 

Para o Conselho Fiscal, biênio 2017-2019, foram eleitos os docentes Juliana Ghisolfi, Dorival Gonçalves e Sinthia Batista.    

 

Prestação de Contas

 

O Conselho Fiscal, biênio 2015-2017, solicitou ampliação do prazo para entregar o parecer sobre as contas do sindicato. Após debate, ficou decidido que a Adufmat-Ssind chamará uma assembleia para discutir esse ponto de pauta na primeira quinzena de maio.  

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Sexta, 07 Abril 2017 12:53

 

Prezados Professores,

 

      Agradecemos a todos os docentes que se mobilizaram e participaram do pleito eleitoral da Adufmat-SSind - biênio 2017-2019. Nossas saudações, em especial, aos que se interessaram e acreditaram nas nossas propostas. Tudo o que apresentamos à categoria teve por base a verdade referenciada e nossas intenções foram autênticas. Este exercício da democracia novamente mostrou-se fundamental para oxigenar a estrutura e a ação sindical. Ao final, todos saímos vitoriosos e mais fortalecidos. A luta continua, vamos adiante, superando todas as formas de intolerância, medo e opressão...
 

      Nosso muito obrigado aos professores sindicalizados que nos confiaram o voto!
 
Com os nossos melhores cumprimentos ao corpo docente da UFMT,
 
                                         Membros da Chapa 2 

Quinta, 06 Abril 2017 17:03

 

A Comissão Eleitoral Adufmat-Ssind 2017 vem por meio deste comunicar o indeferimento dos dois recursos de votação apresentados pela Chapa 02. Os documentos estão disponíveis para consulta dos membros da chapa na sede do sindicato.
 
 
Comissão Eleitoral Adufmat-Ssind 2017
Quinta, 06 Abril 2017 03:10

 

 

Com 64,5% dos votos, a Chapa 1, “Adufmat de Luta, Autônoma e Democrática” foi eleita para coordenar as atividades da Adufmat-Seção Sindical do ANDES pelos próximos dois anos.

 

A apuração teve início logo após o final da votação, e foi concluída por volta das 2h40, no auditório da Adufmat-Ssind, com a presença de cerca de 30 pessoas.  

 

Foram 600 votos válidos, 387 para a Chapa 1, e 213 para a adversária, Inovação e Inclusão em Foco. A eleição foi realizada nos campi da UFMT em Cuiabá, Sinop, Araguaia e Várzea Grande. Apenas 9 votos foram nulos, e 1 branco.

 

A Assembleia de posse será na sexta-feira, 07/04, às 14h30.

 

 

Abaixo a tabela com os dados da eleição:

 

Local de Votação

Numero do Lacre

Chapa 01

Chapa 02

Total de Votos Válidos

 

 

Total de Cédulas

votos nulos

votos brancos

ICET/FAET

4937

49

44

93

1

 

94

ICHS

4938

56

15

71

3

 

74

IL

4939

63

8

71

 

1

72

FEF

4940

16

31

47

1

 

48

HUJM

4991

6

11

17

 

 

17

ADUFMAT

4992

36

49

85

2

 

87

FCM

4993

34

38

72

 

 

72

Várzea Grande

4994

4

3

7

 

 

7

SINOP

 

93

4

97

0

0

97

Campos do Araguaia

 

30

10

40

2

0

42

Votos Validos Total

 

387

213

600

9

1

610

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quarta, 05 Abril 2017 17:54

 

Controle de Segurança das Urnas/ ADUFMAT Eleições biênio 2017/2019

 

Local de Votação

Numero do Lacre

Chapa 01

Chapa 02

Parcial de votos

Total de Votos

 

ICET/FAET

004937

 

 

71

 

ICHS

004938

 

 

45

 

IL

004939

 

 

51

 

FEF

004940

 

 

37

 

HUJM

004991

 

 

19

 

ADUFMAT

004992

 

 

74

 

FCM

004993

 

 

48

 

Várzea Grande

004994

 

 

7

 

SINOP

xxxxxxx

 

 

83

 

Campos do Araguaia

xxxxxxxx

 

 

55

 

Quarta, 05 Abril 2017 09:41

 

Maria Aparecida Morgado

Dra. em Psicologia Social

 

Declaro meu voto na Chapa 1 pela coerência que existe entre o slogan “ADUFMAT DE LUTA: AUTÔNOMA E DEMOCRÁTICA!” e a prática político-sindical de seus integrantes.

 

Acabo de me aposentar com quase 35 anos de trabalho e tenho acompanhado as diretorias do Sindicato desde o início da carreira. E, para dizer a verdade, ver os colegas da Chapa 1 em ação me deu esperanças para resistir ao inexorável, parafraseando Chico Buarque.

 

Tivemos momentos de grande combatividade de diretorias e momentos de pouca combatividade. Desde o governo Fernando Henrique Cardoso o sindicalismo, em geral, e o ANDES-SN, em particular, veio apresentando certa distensão entre a condução de decisões políticas do Sindicato Nacional e as bases docentes.

 

Evidentemente, naquele momento FHC o chamado Neoliberalismo que vinha sendo implantado no mundo chegou ao Brasil. As consequências desse modelo político-econômico para o sindicalismo brasileiro foi desastrosa, pois tirou dos trabalhadores o poder de barganha nas reivindicações salariais dentre outras.

 

Nossas condições de trabalho docente, assim como nossos salários vieram se depauperando desde então, com melhoras pontuais, tímidas e insuficientes. O nosso salário base foi assimilado a uma colcha de penduricalhos e gratificações disso e daquilo, que podem nos ser subtraídas a qualquer instante.

 

Estamos em um momento político vital para a sociedade brasileira. Foram congelados por muitos anos os investimentos em saúde e educação e os efeitos desse congelamento já se fazem sentir na UFMT e em outras universidades federais e instituições de ensino técnico.

 

Estive na Assembléia do ano passado em que votamos pela paralisação ou não de nossas atividades no primeiro e segundo dia de votação da PEC pelo Senado. A Assembléia estava muito tensa, as posições políticas estavam muito polarizadas. Pude testemunhar a clareza política e paciência com que o professor Reginaldo Araújo e demais integrantes da mesa conduziram a Assembléia. Nesses momentos luta e embate é que o caráter das pessoas se revela.

 

Outros da Chapa 1 presentes na Assembléia divergiram do não à paralisação com clareza, sem perder a paciência e o respeito com os colegas da posição contrária e majoritária. Perdi no voto, mas fiquei feliz em viver aquele momento de maturidade sindical. Eu, que já estava desistindo da luta, recuperei meu fôlego.

 

Militarei no Movimento Sindical como aposentada doravante. Poderemos concordar ou divergir em nossas posições, mas o rumo dado à condução dos debates e embates de nosso interesse está sedimentado. Por um sindicalismo vigoroso na luta, hábil na prática democrática e sempre autônomo! Pela realização da política como arte da negociação! Pela eleição da Chapa 1!