Sexta, 08 Fevereiro 2019 16:23

 

A Adufmat-Ssind comunicamos a suspensão do Curso de Formação Sindical, programado para os dias 09/02 e 10/02/2019 em Sinop. A suspensão se dá em virtude de a palestrante ter quebrado o pé e estar impossibilitada de andar.

 

O Curso será realizado em data futura a ser informada pelo Grupo de Trabalho Política de Formação Sindical - GTPFS.

 

Att.

 

Coordenação do GTPFS/ADUFMAT

 

Quarta, 31 Outubro 2018 13:05

 

O Grupo de Trabalho Política de Formação Sindical (GTPFS) da Adufmat-Ssind informa que o número de inscritos para o curso Capital e Trabalho: Reforma ou Revolução? em Cuiabá, programado para os dias 10 e 11/11, já ultrapassou o estipulado e, portanto, as inscrições estão encerradas.

Devido a grande procura, a organização garantirá que demais interessados preencham os formulários, mas todos os inscritos a partir de agora farão parte de uma lista de espera para uma segunda edição do mesmo curso, com data ainda a definir.

Inscrições continuam abertas para o curso em SINOP a ARAGUAIA

Devido ao feriado prolongado entre 15 e 20/11, a organização optou por alterar a data do curso em Sinop para os dias 09 e 10/02/19.

Não há alterações relativas ao curso no Araguaia. 

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

 

Adufmat-Ssind

Terça, 25 Setembro 2018 17:16

 

****

O Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato

para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.

Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.

****

 

Alair Silveira

Profa. Dra. Depto. Sociologia e Ciência Política – SOCIP/ICHS

Coordenadora Grupo Pesquisa MERQO-CNPq

Diretora Tesoureira ADUFMAT

 

 

            No período de 14 a 16 de setembro/2018 foi realizado o Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES/SN, intitulado Universidade, Trabalho e Movimento Docente, em Salvador-BA[1].

            Da série de cursos de Formação Política e Sindical iniciada em 2017, esse foi o mais procurado. De acordo com informações fornecidas por Eblin Farage (1ª Secretária do ANDES/SN), 64 docentes manifestaram interesse em participar.

            Com a Conferência de abertura do atual presidente do Sindicato Nacional, Prof. Dr. Antônio Gonçalves (UFMA), intitulada “O ANDES-SN no processo de reorganização da classe trabalhadora”, foi feito um breve histórico da formação da Associação Nacional dos Docentes de Ensino Superior (ANDES), em 1981, para a sua transformação em Sindicato (ANDES/SN), e, 1988, a partir da Constituição Federal de 1988, que reconheceu o direito à sindicalização ao funcionalismo público.

            Defendendo desde o início a autonomia sindical frente ao Estado, a ANDES (e depois o ANDES/SN) sempre recusou receber o imposto sindical e, de forma inovadora, criou uma estrutural organizacional diferente daquelas existentes. Ao invés de uma Federação (que agrega unidades, sem necessariamente unidade política), os docentes optaram por construir um Sindicato Nacional, de base, cuja direção política é extraída de duas instâncias nacionais deliberativas: o Congresso Nacional do ANDES/SN[2] e o CONAD[3] (Conselho Nacional dos Docentes).

            Como sindicato de base, são as Assembleias Gerais de cada Seção Sindical que define os rumos do Sindicato Nacional, sendo a Diretoria Nacional de caráter executivo.

            Como um Sindicato autônomo, classista, combativo e solidário, o ANDES/SN ultrapassou o limite dos interesses corporativos da categoria. E, ainda na condição de Associação, em 1982, produziu a primeira versão do Caderno 2,  no qual apresenta um projeto de educação para o Brasil. Nessa trajetória, coerente com seus princípios, o ANDES/SN filiou-se à CUT em 1989 e, em 2005, deliberou pela desfiliação à essa Central.

Simultaneamente, dedicou-se à construção de uma Central capaz de aglutinar o conjunto dos trabalhadores, do campo e da cidade, empregados e desempregados, movimentos sociais e populares, estudantes e aposentados. Assim, em 2004, participou da criação da Coordenação Nacional de Lutas (CONLUTAS) e, em 2011, no 30º Congresso Nacional do ANDES/SN, foi aprovada a filiação à CSP-Conlutas.

Na sequência, responsável pelo minicurso sobre os “Desafios do sindicalismo diante das transformações no mundo do trabalho”, a Profa. Dra. Graça Druck (UFBA) estruturou sua exposição sobre os seguintes eixos: 1 – Precarização; 2 – Hegemonia Neoliberal; 3 – Funcionalismo Público; 4 – Contrarreformas; 5 – STF e Terceirização; 6 – “Classe Média” e Sindicatos; 7 – Universidade Pública na Resistência e Contra-poderes.

De forma articulada, a socióloga iniciou analisando a financeirização da vida social a partir da dominância do capital financeiro mundializado. Esse processo extrapola as relações econômicas e alcança a vida cotidiana através de uma sensação de “tempo que escorre pelas mãos”, dos prazos ínfimos, da descartabilidade e da volatilidade. Assim, mais do que a financeirização dos indivíduos através da generalização do uso de cartões de crédito e débito, por exemplo, a lógica do curto prazo e da obsolescência/instabilidade impregna a vida cotidiana.

Esse processo recobre, nas relações laborais, a precarização das relações de trabalho sob o nome palatável de “flexibilização”. Neste aspecto, Graça Druck ressalta a diferença entre “precarização” e “precariedade”, esclarecendo que a “precariedade” significa a situação estrutural das relações capitalistas, enquanto a “precarização” é uma estratégia de dominação dentro das condições estruturais de precariedade. Consequentemente, manifestou-se contrária à compreensão de alguns estudiosos quanto à utilização de “precariado” para definir uma categoria específica, posto que essa nomeação acaba por isolar um segmento de trabalhadores, obscurecendo a condição de precarização que atinge a totalidade da classe trabalhadora.

Atentando sobre as mudanças ocorridas no mundo das relações sociais de produção capitalistas, destacou as mudanças tecnológicas e a chamada indústria 4.0 e suas consequências sobre a precarização do trabalho e da vida. Como exemplo, citou a UBER. Apresentada como inovação avançada que traz benefícios generalizados (alguns economistas chegam, inclusive, a considerá-la como demonstração de “economia compartilhada” que estaria renovando as relações capitalistas), a relação entre o motorista e a Empresa configura, na verdade, o aumento da exploração e da precarização do trabalho.

Analisando os contratos entre motoristas e a UBER, a Empresa não apenas exige do trabalhador a disponibilização dos meios de produção (o carro) e a força de trabalho, mas exige-lhe o custeio de todas as despesas referentes às condições para o trabalho: seguro, revisões periódicas, combustível etc. O contrato - como em todas as relações de trabalho – já vem previamente redigido (e, portanto, não decorre de “negociação”), impõe a aceitação prévia de uma relação contratual que reafirma a todo momento a inexistência de vínculo empregatício. Ao final, exige do motorista, pelo uso da plataforma/aplicativo, o repasse de 25% do que ele ganhar.

Sem amparo dos direitos trabalhistas e sociais, ao motorista resta trabalhar, em média, 10 a 12 horas diárias para poder garantir – após o desconto dos repasses e das despesas - a própria subsistência e a da sua família.

Considerando o conjunto da classe trabalhadora, antes da aprovação da Contrarreforma, 50% dos trabalhadores empregados já não usufruíam de qualquer proteção trabalhista. Após a Contrarreforma, pesquisas recentes capturaram o movimento de demissão de trabalhadores com vínculos formais e o crescimento da contratação por meio do trabalho intermitente. Certamente, aquele percentual deve ter assumido índices impressionantes!

Na esteira dessas relações precarizadas, o adoecimento, o suicídio, a terceirização, a instabilidade laboral, a intensificação do trabalho e a perda da identidade de si mesmo e coletiva.

Esse processo se dá concomitante à hegemonia neoliberal, embora, paradoxalmente, tenha o neoliberalismo fracassado para produzir desenvolvimento, emprego e melhor distribuição da riqueza socialmente produzida. Entretanto, se do ponto de vista econômico ele fracassou, do ponto de vista da “racionalidade neoliberal” (conforme Christian Laval e Pierre Dardot) espraiou-se e enraizou-se na sociedade, de maneira que sob a total abstração das condições estruturais de produção e reprodução da vida social, os indivíduos reclamam mais concorrência, mais individualismo, mais iniciativa privada, mais empreendedorismo...

Como o Neoliberalismo é incompatível com o Estado Social, e junto com ele, as obrigações estatais oferecidas por meio de políticas sociais e de servidores públicos, as privatizações, o desmonte da educação e da saúde pública, a terceirização, os ataques ao funcionalismo público etc. assumem a forma mais explícita com a Emenda Constitucional 95/2016.

Em contraposição à inviabilização do Estado Social, o Estado Neoliberal tem sido generoso com as demandas do capital, seja por meio de renúncia fiscal, REFIS etc.; ou seja através das proposições de interesse do grande capital. A Confederação Nacional da Indústria, por exemplo, garantiu nada menos que 101 pontos na Contrarreforma Trabalhista.

De acordo com a Socióloga, os professores têm a prerrogativa, pela natureza do seu ofício, de constituir-se em polo de resistência. Para isso, é preciso romper com a lógica produtivista que submete o trabalho docente ao controle fordista/taylorista da produção; contrapor-se ao sobretrabalho e, consequentemente, ao adoecimento e ao desencantamento. Nesse processo, também precisa reconhecer-se como classe trabalhadora e revitalizar a solidariedade como princípio da resistência e da ação coletiva.

Ao final, rejeitou a discussão que tem tomado corpo nos últimos tempos, para quem a “classe média” tem servido de base para a sustentação da “direitização” e do “conservadorismo”, visto que, em sua opinião, esse discurso é funcional para o uso da classe média como escudo para a ação da classe dominante.

Como coroamento da sua exposição, Graça Druck apresentou vídeo em que Eduardo Galleano declama “El derecho al delírio”. Imperdível!       

No dia 15 de setembro coube à Profa. Dra. Marina Barbosa (UFJF) discorrer sobre o Movimento Docente: Da ANDES para o ANDES-SN. Para resgatar a história do próprio Sindicato, Marina Barbosa situou a luta dos trabalhadores em geral no processo de industrialização brasileiro. Nesse sentido, destacou que as organizações dos trabalhadores estabeleceram “diálogos”  com o clientelismo, o paternalismo, o comunismo, o populismo, o anarquismo e o fascismo.

Dentre as principais características do movimento sindical brasileiro, ressaltou a perspectiva corporativa, com a tutela do Estado, a unicidade, o monopólio da representação, o imposto sindical e a estrutura sindical. Desta maneira, o chamado “Sindicalismo de Estado” atuou de forma significativa para a harmonização dos conflitos estruturais entre capital e trabalho.

A partir da década de 1970, o denominado “Novo Sindicalismo” irrompeu na vida sindical, contrapondo-se à tutela do Estado e ao sindicalismo estatal também chamado de “sindicalismo pelego”. Tanto a CUT quanto a ANDES surgiram nesse processo. Assim, na disputa por uma outra estrutura sindical, a Associação Nacional dos Docentes de Ensino Superior disputou a representação docente com o SINPRO, ao qual os professores eram filiados.

A transformação da ANDES em ANDES/SN não encerrou essa disputa, posto que embora a Carta Sindical tenha sido concedida ao ANDES/SN em março de 1990, em 2006 a Carta Sindical foi suspensa, sendo ratificada em 2009. Desta maneira, a transformação da Associação em Sindicato responde não apenas à possibilidade assegurada pela nova Constituição Federal, mas, também, à necessidade de constituir uma interlocução legal com o Governo nas mesas de negociações. Essa “concessão” ao Estado, entretanto, não representou ajustar-se à organização sindical tradicional. Tanto assim que, ao contrário da maioria das Entidades, sempre recusou o recebimento do imposto sindical. E, todos os anos, reiterou sua recusa no Diário Oficial da União.

O ANDES/SN é herdeiro, como destacou Marina Barbosa, da efervescência democrática que combateu a Ditadura, lutou pela Anistia, passou pelo movimento das Diretas Já! e redundou na Constituição Federal/1988. Nesse período, a organização incipiente dos professores universitários já se formava recusando a estrutura sindical tradicional e defendendo a autonomia e a solidariedade classista.

Nesse aspecto, a ANDES propôs um projeto de educação (Caderno 2) que extrapolou as demandas corporativas sindicais, assim como criou uma estrutura nacional diferente da federativa. Ao final, o ANDES/SN constituiu-se sobre uma organização de âmbito nacional de base, aonde a Direção Nacional tem papel executivo e não deliberativo.

O ANDES/SN, assim como qualquer organização nacional dos trabalhadores não passou (nem passa) imune à implementação do Neoliberalismo; às transformações pelas quais passou as principais organizações coletivas populares e sindicais (especialmente após a derrocada do Leste Europeu); a experiência governativa do PT (em particular com o governismo das principais entidades sindicais e populares); e as consequências da nova (des)ordem mundial, após o fim da Guerra Fria.

Nesse sentido, as Contrarreformas iniciadas por FHC - e aprofundadas por Lula -, como a Contrarreforma da Previdência, as fundações universitárias e hospitalares, a “Celetização” do serviço público etc. foram algumas das políticas analisadas pela palestrante. No geral, os governos petistas – e especialmente Lula - estabeleceram com os trabalhadores uma relação de cooptação, submissão e, também, criminalização das lutas sociais. 

A criação do sindicato chapa branca PROIFES, em 2005, com o propósito de “dobrar” o ANDES/SN foi parte desse processo. Afinal, o ANDES/SN foi um dos poucos sindicatos que não sucumbiu aos governos petistas. Consequentemente, a desfiliação à CUT e a construção da CONLUTAS, o estreitamente da unidade com as lutas estudantis, a filiação à CSP-Conlutas etc. são algumas das faces da resistência do ANDES/SN durante esse período.

Como sindicato de servidores públicos, o ANDES/SN tem enfrentado muitas e árduas frentes de batalha, especialmente porque o Neoliberalismo faz um combate atroz e desleal ao servidor público (caracterizado como “privilegiado”). Independente da esfera (municipal, estadual ou federal), o serviço público, a educação e a saúde pública têm sido satanizadas e responsabilizadas pela falta de recursos e pelo déficit público. Contando com “entidades chapa branca” (PROIFES) que se prestam a negociar o que o ANDES/SN jamais negociaria (como a carreira, por exemplo), os governos têm imposto perdas significativas aos servidores públicos em geral, e aos docentes em particular. A Emenda Constitucional n. 95/2016 é apenas a face mais escancarada desses ataques.

Encerrando o minicurso do dia, Marina Barbosa destacou a história do ANDES/SN e a “reserva moral” que o Sindicato dispõe para seguir lutando sem fazer concessões no que tange aos princípios que sempre o nortearam, desde a origem sob a forma de Associação.

Dentre os desafios renovados nessa conjuntura tão dura e hostil estão: organização por local de trabalho (trabalho de base), a multicampia, a autonomia, a democracia interna, a combatividade classista, a solidariedade nacional e internacional, a identidade docente forjada na valorização do trabalho docente, o enraizamento do sindicato na vida docente, constituindo-se em uma referência para pensar, sentir e agir e, por fim, “não sucumbir ao imediato.”

            No último dia, a Profa. Dra. Sâmbara Paula (UECE) dedicou-se à análise da “Organização dos trabalhadores, sindicatos e luta de classe”. Recheado por apresentações musicais e vídeos, o minicurso retomou alguns aspectos já apresentados nas exposições anteriores. Fundamentalmente, a Assistente Social organizou a sua atividade sobre a reflexão sobre a categoria classe social, a partir do capítulo 52 de Karl Marx.

            Situando as primeiras experiências coletivas de resistência e luta no Brasil, localizou a primeira manifestação organizada dos gráficos, em 1858, no RJ, assim como o Mutualismo como a primeira experiência organizativa, em defesa da saúde.

            Avançando sobre as experiências mais marcantes do século XX e as duas primeiras décadas do século XXI, destacou a força da cultura pós-moderna e sua influência sobre os trabalhadores em geral e os professores em particular. Retendo-se na última década, acentuou não apenas os ataques contra a classe trabalhadora e servidores públicos, mas, também, as várias manifestações de resistência no Brasil e no mundo.

            No encerramento, envolveu a todos os presentes com a apresentação do vídeo “Ninguém tira o trono de estudar”, de Dani Black.



[1] A Profa. Dra. Maria Luzinete Vanzeler, membro do GTPFS da ADUFMAT-S.Sind., também participou do Curso. Lamentavelmente, por razões de saúde imprevistas e graves, precisou ser hospitalizada em Salvador/BA, lá permanecendo até o momento.

[2] Cada Seção Sindical tem direito a eleger número de delegados proporcional à sua base sindical. O número de observadores é de acordo com a definição da própria Seção Sindical.

[3] Cada Seção Sindical tem o direito a eleger um único delegado. O número de observadores é de acordo com a definição da própria Seção Sindical.

Segunda, 12 Março 2018 11:44

 

“Quilombolas, luta e revolução” é o tema da etapa

A cidade de Rio Branco (AC) receberá, nos dias 6 e 7 de abril, a 4ª etapa do Curso de Formação Política e Sindical do ANDES-SN, com o tema “Quilombolas, luta e revolução”. A Associação dos Docentes da Universidade Federal do Acre (Adufac – Seção Sindical do ANDES-SN) sediará o evento.

A quarta etapa será dividida em módulos, sendo o primeiro sobre “Quilombos: histórias e memórias”, o segundo “A luta quilombola no Brasil: território, identidade quilombola e resistência política e sociocultural”, e o terceiro “Organização e lutas quilombolas: como as universidades e os demais movimentos sociais podem contribuir?”. O terceiro módulo terá a participação de membros do Quilombo Machadinha, de Quissamã (RJ).

Amauri Fragoso de Medeiros, tesoureiro e um dos coordenadores do Grupo de Trabalho de Política de Formação Sindical (GTPFS) do ANDES-SN, lembra que o curso de 2017 trabalha vários aspectos levando em conta a compreensão da luta de classes. “Agora vamos discutir as lutas dos povos quilombolas, apresentando elementos que contribuam para aproximar os movimentos sociais e a universidade. Queremos compreender o conceito de quilombo, seus aspectos históricos, sociais e políticos no Brasil, além de debater racismo e a afirmação da identidade quilombola”, afirma o docente.

Inscrições
Estarão disponíveis 50 vagas para os docentes sindicalizados indicados pelas suas respectivas seções sindicais, as quais também ficarão responsáveis pelas despesas destes. Cada seção sindical terá garantida pelo menos uma indicação, e, somente na possibilidade de vagas remanescentes, poderá indicar mais de um nome.

Os nomes dos participantes de cada seção sindical deverão ser encaminhados até o dia 30 de março, às 14 horas, para o e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo., detalhando o nome completo, e-mail e telefone de contato do candidato. Colocar no assunto do e-mail: Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN.

Confira toda a programação, a ementa do curso e mais informações sobre inscrições na Circular 052/18. 

Curso de Formação Política e Sindical do ANDES-SN
O eixo central do Curso de Formação Política e Sindical do ANDES-SN de 2017 é “Movimentos Sociais: exploração, opressão e revolução”. Três etapas já foram realizadas: a primeira ocorreu em março de 2017, na cidade de Fortaleza (CE), e teve como tema "Mulheres, opressão pelo viés de classe na perspectiva revolucionária", a segunda etapa aconteceu em Dourados (MS), no mês de agosto, com a temática “Indígenas, opressão pelo viés de classe na perspectiva revolucionária”, a terceira debateu “LGBTfobia, luta de classe e revolução” em Belo Horizonte (MG), no mês de setembro.

Amauri Fragoso de Medeiros explica que a quarta etapa deveria ter sido realizada em 2017, mas os ataques aos direitos dos trabalhadores e aos serviços públicos fizeram com que o Sindicato Nacional adiasse a realização da mesma para o início de 2018. “A dinâmica da conjuntura e todas as lutas que travamos em 2017 nos impediu de realizar essa etapa no ano passado. Vamos realizá-la agora para cumprir a resolução do 36º Congresso do ANDES-SN”, comenta.

O 37º Congresso do ANDES-SN, realizado em janeiro de 2018 na cidade de Salvador (BA), deliberou pela realização de um novo Curso de Formação Política e Sindical, que ainda será organizado pelo GTPFS, com o tema “Universidade, Trabalho e Movimento Docente”.

Reunião do GTPFS
O GTPFS do ANDES-SN se reunirá no dia que antecede o curso, 5 de abril, também em Rio Branco. Na pauta estão temas como: Comissão sobre criminalização do trabalho docente; Organização do Curso de Formação Sindical (Universidade, trabalho e movimento docente); Possibilidades de criação de um novo fundo a fim de assegurar as condições para a participação de seções sindicais, com até 200 filiados, em reuniões dos setores, a ser deliberado no 38º Congresso; e Paridade de gênero.

Confira a convocação da reunião na Circular 054/18.  Confira o cartaz em pdf.

 

 

Fonte: ANDES-SN

 

Sexta, 12 Maio 2017 10:20

 

Nos dias 27 e 28 de maio, na cidade de Dourados (MS), acontecerá o segundo encontro, de uma série de quatro, da edição de 2017 do Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN, que tem como eixo central: “Movimentos Sociais: exploração, opressão e revolução”. O tema a ser abordado nesta segunda etapa será “Indígenas, opressão pelo viés de classe na perspectiva revolucionária”. 

O curso atende à resolução do 36° Congresso do Sindicato Nacional, ocorrido em janeiro deste ano em Cuiabá (MT) e está sendo organizado pelo Grupo de Trabalho de Política de Formação Sindical (GTPFS) do ANDES-SN. A ementa do curso foi encaminhada com a programação e bibliografia sugerida através da circular 128/2017. Confira aqui.

De acordo com a circular, os objetivos dessa segunda etapa são compreender o processo de colonização ao qual os povos indígenas têm sido submetidos no Brasil; analisar os mecanismos de opressão e exploração aos quais os povos indígenas têm sido submetidos pelo Estado Brasileiro e pelo Agronegócio; compreender a natureza os direitos indígenas no ordenamento jurídico nacional; e, ainda, refletir sobre o papel do movimento sindical na construção de mecanismos para a libertação dos povos indígenas por meio de um caminho de luta revolucionária.

Amauri Fragoso de Medeiros, 1º tesoureiro do ANDES-SN e da coordenação do GTPFS, conta que a edição desse ano é um aprofundamento do curso realizado em 2016, também em quatro etapas, que abordou as opressões de forma mais ampla. “Esse curso é um seguimento do curso realizado ano passado, que teve uma discussão muito forte da formação da sociedade, das opressões, das questões das mulheres, dos LGBTS. E, na reunião do GTPFS, foi apontado que nós realizássemos, na edição de 2017, etapas diretamente ligadas às opressões. Na primeira, discutimos especificamente a questão da mulher, e, agora vamos discutir a questão indígena”, explicou.

O diretor do ANDES-SN ressalta que essa é uma temática extremamente atual, considerando recentes ataques aos povos Gamelas, no Maranhão, e aos Guarani-Kaiowá, no Mato Grosso do Sul. “O curso tem um atrativo especial por que a abertura vai ser na própria aldeia e vamos fazer visitas, trabalho de campo e teremos conversas e vivências com as lideranças indígenas lá do Mato Grosso do Sul. Só no segundo dia nós teremos formação com pessoas que estudam esse tema”, destacou. Além de palestras e debates, o curso terá também rodas de conversa, trabalho de campo, vivencias em reserva indígena da região e exibição de documentários sobre a temática. Confira abaixo a programação. 

Amauri aponta a relevância de a entidade aprofundar os debates sobre as opressões. “É importante que o ANDES-SN se debruce sobre essa questão, porque o Sindicato Nacional tem uma concepção, não só de Universidade, mas também de sociedade a ser apresentada para sua categoria e a ser construída a partir de suas instâncias deliberativas”, concluiu. 

Participação
Estarão disponíveis 50 vagas para os sindicalizados indicados pelas suas respectivas seções sindicais, as quais também ficarão responsáveis também pelas despesas dos indicados para participar curso. Cada seção sindical terá garantida pelo menos uma indicação, e somente na possibilidade de vagas remanescentes poderá ter mais de uma indicação.

As indicações de cada seção sindical deverão ser encaminhadas até o dia 19 de maio às 14 horas, pela seção sindical, para o email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo., sob o assunto “Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN”, detalhando o nome completo, email e telefone de contato do candidato.

Programação

Dia 27
Local: 9 às 10h (depois saída de campo) - Rua Passo Fundo, 290, Jd. Universitário (Sede AdufDourados) 
9:00 às 10:00 Roda de conversa “Contexto de Retomadas, Reserva e Aldeia indígena”;
10:30 às 12:00 Trabalho de Campo em Retomadas no município de Dourados;
13:30 às 18:00 Conversa com lideranças e vivencias na Reserva Jaguapirú e escola da Aldeia Panambizinho;

Dia 28

Local: Rua Quintino Bocaiúva, 2100 (esquina com Manoel Santiano) Fadir (Faculdade de Direito da UFGD)
9:00 às 10:30 Palestra sobre o tema “Povos indígenas do Brasil: 500 anos de resistência”.
10:45 às 12:00 Exibição do documentário “Muita terra para pouco índio” (filme de 23 minutos) seguido de discussão.
14:00 às 14:45 Palestra “Introdução ao Direito Indigenista”.
15:00 às 16:00 Exposição de dados sobre “Violação de Direitos dos Povos Indígenas: da Ditadura a atualidade”.  
16:00 às 16:30 Exibição do documentário “À sombra de um delírio verde” (29 minutos).
16:30 às 18:00 Discussões e debates sobre violações de direitos indígenas e sobre o documentário “À sombra de um delírio verde”.

 

Fonte: ANDES-SN (Imagem: Mídia Ninja)

 

Sexta, 24 Fevereiro 2017 10:54

 

Circular nº 042/17

Brasília (DF), 23 de fevereiro de 2017

 

 

Às seções sindicais, secretarias regionais e à(o)s diretora(e)s do ANDES-SN

 

 

Companheiros (as),

 

Em cumprimento às resoluções do 36o Congresso do Andes-SN estamos convocando as seções sindicais para a primeira etapa do Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN 2017, com o eixo central,Movimentos Sociais: exploração, opressão e revolução a ser realizado na cidade de Fortaleza, de 25 a 26 de março do corrente ano. O tema a ser abordado nesta primeira etapa será Mulheres, opressão pelo viés de classe na perspectiva revolucionária.

Estarão disponíveis 50 vagas para os sindicalizados indicados pelas suas seções sindicais, as quais também ficarão responsáveis pelas despesas dos indicados para participar curso. Cada seção sindical terá garantida pelo menos, uma indicação e somente na possibilidade de vagas remanescentes poderá ter mais de uma indicação.

As indicações deverão ser encaminhadas pela seção sindical, até as 14 horas do dia 17 de março de 2017, para o email: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo., detalhando o nome completo, email e telefone de contato do candidato. Colocar no assunto do email: Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN.

A composição das 50 vagas para cada período do curso será definida a partir das indicações das seções sindicais, observando-se a ordem de chegada. Caso a seção sindical deseje realizar mais de uma indicação, a lista de indicados deverá estar ordenada na sequência de prioridade. Os excedentes farão parte de uma lista de espera cumprindo o mesmo critério observado na composição das 50 vagas.

Os detalhes do curso e do local de realização serão enviados em circular complementar a posteriori.

Sem mais para o momento, aproveitamos a oportunidade para renovar nossas cordiais saudações sindicais e universitárias.

 

Prof. Alexandre Galvão Carvalho

Secretário-Geral

 

Terça, 04 Outubro 2016 11:01

 

Circular nº 320/16

Brasília, 3 de outubro de 2016

 

 

 

Às seções sindicais, secretarias regionais e aos diretores do ANDES-SN

 

 

Companheiros(as)

 

                       Em complementação às circulares nos 314 e 315, que convocam respectivamente a Reunião do GTPFS e IV Encontro do Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN, informamos-lhes que houve alterações nas datas, em virtude do Feriado do Dia do Servidor Público, dia 28/10 e do 2º turno para votações municipais, dia 30/10. Ambas atividades serão realizadas no Rio de Janeiro e terão seus locais informados posteriormente.

 

Comunicamos as novas datas, conforme o que se segue:

 

  • ·       Reunião do Grupo de Trabalho de Política e Formação Sindical – GTPFS

Data: 3 e 4 de novembro de 2016 (quinta e sexta)

 

  • ·       IV Encontro do Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN

Data: 5 e 6 de novembro de 2016 (sábado e domingo)

 

 

 

 

Prof. Epitácio Macário Moura 

3º Tesoureiro

 

Quinta, 29 Setembro 2016 19:10

 

 

Circular nº 315/16

Brasília, 29 setembro de 2016

 

 

 

Às seções sindicais, secretarias regionais e aos diretores do ANDES-SN

 

 

Companheiros(as)

 

O 35o Congresso do ANDES-SN deliberou realizar um “Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN, com Encontros de Formação Política (em diferentes secretarias regionais), organizados de acordo aos eixos de interesse da classe trabalhadora e do mundo do trabalho”. Assim sendo, estamos convocando o 4º Encontro de Formação com o eixo IV “UNIVERSIDADE, TRABALHO E MOVIMENTO DOCENTE”.

O 4º Encontro de Formação será realizado nos dias 29 e 30 de outubro do corrente ano, no Rio de Janeiro/RJ, em local a ser informado posteriormente e cuja programação segue anexa.

 

Informamos que estarão disponíveis para esse 4º Encontro, 50 (cinquenta) vagas para os sindicalizados indicados pelas suas respectivas seções sindicais, as quais ficarão responsáveis pelas despesas (descolamento, hospedagem e alimentação) dos participantes. Cada Seção Sindical terá direito a uma indicação e o preenchimento das vagas será definido a partir da ordem cronológica dos pedidos.

As indicações de cada seção sindical deverão ser encaminhadas até o dia 20 de outubro para o email:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo., com o nome completo, email e telefone de contato do indicado. Colocar no assunto do email: 4º Encontro do Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN.

As seções sindicais que desejarem enviar mais de um participante deverão informar tal demanda no pedido de inscrição do seu representante. A confirmação dessas inscrições dependerá da existência de vagas remanescentes.

Sem mais para o momento, aproveitamos a oportunidade para renovar nossas cordiais saudações sindicais e universitárias.

 

Prof. Francisco Jacob Paiva da Silva

1º Secretário

 

Quarta, 31 Agosto 2016 16:07

 

 

O ANDES-SN realizou, entre os dias 26 e 28 de agosto, o III Encontro Nacional do Curso de Formação Política e Sindical, na Casa do Professor da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Pará (Adufpa – Seção Sindical do ANDES-SN), em Belém. O encontro teve como tema “História dos movimentos sociais: exploração, opressão e revolução” e contou com a presença de 50 docentes de todo o país. 

Os encontros são organizados pelo Grupo de Trabalho de Política de Formação Sindical (GTPFS) do Sindicato Nacional. Em abril, a cidade de Recife (PE) recebeu a primeira edição, com o tema “Os fundamentos da sociedade capitalista, mundo do trabalho hoje e organização sindical”. Porto Alegre (RS) sediou o 2º encontro, no mês de junho, que abordou a "Formação econômica, política e social do Brasil e da América Latina". Haverá, ainda, um quarto encontro, que debaterá educação, universidade e movimento docente, e acontecerá no Rio de Janeiro (RJ), em data a definir.

Luis Eduardo Acosta, 1º vice-presidente do ANDES-SN, considerou o encontro muito produtivo, e ressaltou que houve grande interesse por parte dos docentes sobre os temas LGBTTI e de gênero, demonstrando grande vontade de avançar nesses debates. “Discutimos a história dos movimentos sociais, e os processos de transformação social de maneira bastante ampla, e ainda assim nos faltou tempo para tratar de outros temas importantes. Agora estamos planejando o encontro do Rio de Janeiro, no qual, além de debater educação e universidade, queremos organizar, também, um espaço de avaliação para que possamos repensar as próximas edições do curso”, diz o docente. 

Questões fundamentais em debate


No primeiro dia do encontro, os participantes discutiram as questões LGBTTI e a sexualidade ao longo dos tempos. A formação sobre a temática foi conduzida pelo professor Wilson Honório da Silva, historiador paulista, ativista LGBT e militante do movimento Quilombo, Raça e Classe, que faz parte da CSP-Conlutas. 
 
Durante sua exposição, Wilson Honório fez uma análise das mobilizações da comunidade LGBT, criticou a criminalização da homossexualidade ao longo da história, chamou a atenção acerca de nomenclaturas corretas a serem utilizadas e destacou a contribuição de diversos homossexuais para o desenvolvimento de diversas áreas do conhecimento. “A história do movimento LGBT não é a história das paradas e nem de adaptação à ordem, mas de ruptura com o sistema capitalista”, afirmou.

Em seguida, Renata Gomes da Costa, docente de serviço social da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), fez sua apresentação sobre o tema “feminismo e estudos de gênero”. Wilson Honório voltou a falar, no sábado (27), pela manhã, sobre as questões Etnicorraciais, como foco na opressão sofrida por negros e negras.

Já na tarde do sábado, e na manhã do domingo (28), foi a vez do docente de história da Universidade de São Paulo (USP), Osvaldo Coggiola, fazer uma grande apanhado sobre a formação do movimento operário e sindical no Brasil, desde suas origens, passando pela ditadura empresarial-militar, chegando à atualidade.  
 

Fonte: ANDES-SN (com informações e imagem de Adufpa-SSind). 


 
Segunda, 16 Maio 2016 14:51

 

Inscrições ocorrem até esta sexta-feira, 20 de maio

 

Dando continuidade às deliberações do 35° Congresso do ANDES-SN, realizado em janeiro deste ano em Curitiba (PR), nos dias 4 e 5 de junho acontecerá em Porto Alegre (RS), o 2° encontro do Curso Nacional de Formação Política e Sindical do ANDES-SN, com o tema "Formação econômica, política e social do Brasil e da América Latina".

 

Organizado pelo Grupo de Trabalho de Política de Formação Sindical (GTPFS) do Sindicato Nacional, este é o segundo de quatro encontros previstos para ocorrer durante este ano. O primeiro encontro foi realizado no mês de abril em Recife (PE), sob o tema "Os fundamentos da sociedade capitalista, mundo do trabalho hoje e organização sindical". 

 

Amauri Fragoso, 1° tesoureiro e encarregado de relações sindicais do ANDES-SN, explica que os cursos discutem desde a concepção das relações de trabalho com o Capital até as consequências desta ligação como a opressão, exploração e preconceito que recaem diretamente sobre o trabalhador. "O professor terá uma compreensão geral de como se estabelece a relação entre trabalho e Capital e, de uma maneira mais específica, como essa relação ocorre dentro das instituições de ensino superior, algo intrinsecamente relacionado", complementa.

 

Para o encarregado de relações sindicais, diante do grande número de docentes recém-ingressos na carreira, é fundamental um curso com encontros de formação política, em diferentes secretarias regionais, com temáticas de interesse da classe trabalhadora e do mundo do trabalho.

 

"A ideia deste curso é justamente formar quadros para o nosso Sindicato Nacional. Temos instituições que passaram a ter 50% do seu quadro de professores renovado nos últimos tempos, o que mostrou ser necessário discutir a formação política-sindical dos docentes que compõem o Sindicato para que eles tenham uma referência de compreensão e leitura de realidade e, com isso, indicar dentro das suas seções sindicais formas de lutar e somar ao Sindicato Nacional", disse. O terceiro encontro será sobre a história dos movimentos sociais, sindicatos e luta de classes, e o último sobre educação, universidade e movimento docente.

 

Inscrições

 

Conforme a Circula 115/16, as seções sindicais do ANDES-SN têm até esta sexta-feira, 20 de maio, para indicar os docentes interessados em participar do encontro, através do e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.. Para este 2º Encontro, foram disponibilizadas 50 vagas para os sindicalizados.

 

Serviço

 

2º Encontro De Formação Política e Sindical do ANDES-SN

 

Tema: Formação econômica, política e social do Brasil e da América Latina

 

Data: 4 e 5 de junho (sábado e domingo)

 

Local: Sede do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa)

 

Endereço: Rua João Alfredo, 61 - Cidade Baixa, Porto Alegre (RS)

 

Saiba Mais

 

ANDES-SN realiza 1º encontro de curso de formação política e sindical

 

 

Fonte: ANDES-SN