Terça, 18 Agosto 2020 20:14

Plenária da Adufmat-Ssind encaminha homenagem a Dom Pedro em setembro, elaboração de programa para rádio comunitária, entre outras ações Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

Reunidos nessa terça-feira, 18/08, conforme convocação para Plenária divulgada na sexta-feira (14), os professores sindicalizados a Adufmat-Seção Sindical do ANDES Sindicato Nacional discutiram e pensaram em encaminhamentos sobre a conjuntura, Reforma Administrativa do Governo Federal, ato em homenagem a Dom Pedro Casaldáliga e elaboração de um programa para ser exibido na Rádio Comunitária do CPA.

 

Como de praxe, o início da Plenária foi de informes da diretoria e da base. Pela diretoria, o professor Aldi Nestor de Souza avisou sobre os diagnósticos de Covid-19 de dois funcionários da Adufmat-Ssind, um de Cuiabá e outro em Sinop, apesar de não estar havendo expediente na sede e subsedes. O caso de Cuiabá, no entanto, é de um dos guardas e, por precaução, o sindicato contratou a limpeza do prédio com empresa especializada e buscou orientações com uma médica para evitar qualquer tipo de exposição. Os dois funcionários passam bem.

 

Souza também fez o informe qualificado do Conad extraordinário realizado nos dias 30 e 31/07, cuja pauta única foi a prorrogação do mandato da diretoria do ANDES-Sindicato Nacional. Na ocasião, foi aprovada a prorrogação por até 90 dias, prorrogáveis por mais até 90 dias, caso o processo não possa ser realizado presencialmente nesse período. Também foi aprovada a realização de mais um Conad extraordinário, em setembro deste ano, para tratar dos procedimentos de sucessão da diretoria.

 

O diretor repassou ainda informações do encontro do Fórum Nacional dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), que durou três dias e aprovou, entre as lutas centrais dos próximos períodos, o enfrentamento à Reforma Administrativa do Governo Federal. O calendário de lutas teve ter início com uma paralisação nacional na segunda quinzena de setembro.

 

A professora Maria Luzinete Vanzeler falou sobre outros encaminhamos dos encontros nacionais, como a decisão de participar do Congresso Nacional de Educação, a defesa da insígnia “Fora Bolsonaro” e a campanha que já está no ar para pressionar parlamentares a não aprovarem o corte do orçamento destinado à Educação (clique aqui para saber mais).

 

Por fim, a diretoria informou que a vice-tesoureira do sindicato, professora Liliane Capilé, assumiu a Tesouraria, pois o professor Djeison Benetti precisou se afastar por questões pessoais.

 

O professor Leonado Santos informou que GT Políticas Educacionais se reuniu na última semana, e decidiu dar continuidade à reorganização do GT que já estava sendo rearticulado antes da pandemia. A próxima reunião será marcada para setembro e terá como pauta o monitoramento do ensino remoto na UFMT, além do início do debate sobre o retorno à normalidade, com vistas a preparar a categoria para quando for possível retornar.

O docente também destacou a importância da greve dos trabalhadores dos Correios, que teve início essa semana, como principal campo de batalha contra o governo Bolsonaro nesse momento, pois os Correios são uma das empresas públicas que o governo quer privatizar.

 

O professor Reginaldo Araújo falou sobre a série de diálogos para acolher os estudantes para receber os calouros da universidade que estão sendo feitas pelo Diretório Central dos Estudantes de Cuiabá, e sobre a entrega de 15 toneladas de alimentos e materiais de higiene e limpeza realizada, também na última semana, pela “Frente Popular pela Vida: em Defesa dos Serviços Públicos e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19”.  

 

    
Análise de conjuntura


A análise de conjuntura, nas palavras dos próprios docentes, demonstram sempre novos quadros, mais agravados sobre as condições dos serviços públicos e, consequentemente, dos trabalhadores. Os ataques são tão rápidos e absurdos, que conseguem impedir reações à altura.

 

Relacionando a conjuntura nacional à local, alguns presentes falaram em reprensar a participação da Adufmat-Ssind nos conselhos da UFMT, diante dos recorrentes tolhimentos à entidade nesses espaços.

 

Na avaliação da categoria, o acúmulo de revoltas desse período deve refletir no pós-pandemia, quando ondas de revoltas e de lutas devem ter início. Um indício de que o capital teme essa reação massiva seria a defesa de milionários de que o Estado deve taxar suas próprias fortunas.

 

O caso da criança estuprada e engravidada no Espírito Santo também foi objeto de análise da conjuntura, uma vez que grupos de extrema direita tentaram intervir no processo político que permite a interrupção de gestações geradas por violência. Apesar de todo o movimento ultraconservador, os docentes avaliaram que as mulheres organizadas conseguiram defender o direito da criança, garantindo o direito ao aborto. “Nem tudo está perdido. Há muita potência de luta, e as mulheres têm se mostrado mais organizadas nesse sentido”, disse a professora Lélica Lacerda, do Serviço Social.

 

O apoio à greve dos trabalhadores dos Correios também foi evidenciado na análise de conjuntura, pois a categoria docente entende que a privatização dos Correios simboliza o ataque a todo o serviço público. Entregar à burguesia internacional o que é do povo brasileiro é o objetivo dos governos privatistas, e somente a organização dos trabalhadores é capaz de impedir essa política.  

 

Assim, para 2021, a leitura é de que pandemia seguirá matando muitos brasileiros, mas haverá ainda as chamadas “reformas” que destroem direitos, e a precarização e privatização das universidades públicas por meio do Future-se para enfrentar.

 

Ao final do debate os docentes encaminharam a elaboração de uma nota em solidariedade à greve nos Correios, a participação de alguma forma da coletiva de imprensa que será realizada pelo Conselho Estadual de Direitos Humanos em frente ao Tribunal de Justiça nessa quarta-feira, 19/08, solicitando a suspensão de qualquer despejo que esteja previsto em Mato Grosso, e a elaboração de outra nota de repúdio à agressão aos manifestantes na Câmara de Vereadores de Sinop, que realizaram uma intervenção contra a entrega do título de cidadão sinopense à Jair Bolsonaro.

 

Reforma administrativa

 

A luta contra a Reforma Administrativa do Governo Federal será uma das centralidades do Movimento Docente nos próximos períodos. Pois a chamada reforma é, na verdade, parte do esquema de desmonte do Estado.

 

Nesse sentido, os professores sindicalizados encaminharam a realização de uma campanha contra os cortes na educação e defesa permanente dos serviços públicos. Apesar de o projeto de Reforma Administrativa ainda não ter sido publicado, todos já conhecem a intenção do governo federal de “desestatizar” ao máximo, quebrando as instituições que garantem direitos, haja vista que há uma secretaria especial para isso. Também serão realizadas Lives para discutir essa questão.

 
Homenagem a Dom Pedro Casaldaliga

 

Após a morte de Dom Pedro Casaldáliga, vários professores da base procuraram a diretoria da Adufmat-Ssind com propostas de homenagens ao bispo, que sempre partilhou das lutas do sindicato, em defesa dos povos originários, trabalhadores rurais e população marginalizada, em geral.

 

Pensando sobre isso, a diretoria sugeriu batizar a praça em frente a sede do sindicato de Dom Pedro Casaldáliga. Na plenária dessa terça-feira, ficou decidido que a cerimônia marcará o primeiro mês desde a morte de Casaldáliga, – entre 8 ou 11/09, e terá diversas apresentações culturais transmitidas em Live pelo sindicato.


Programa na rádio comunitária do CPA

 

A Adufmat-Ssind já administrou um programa de rádio na rádio comunitária CPA FM 109.5, e está disposta a retomar o programa para levar as pautas dos servidores públicos à outra parte bastante interessada: a população em geral. A priori, o programa elaborado pela equipe de comunicação do sindicato deverá ser exibido aos sábados, das 10h às 11h30, e custará ao sindicato entre R$ 300 e 500.

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Ler 140 vezes