Sexta, 13 Dezembro 2019 14:17

Sindicatos dos setores público e privado avançam na organização da luta em Mato Grosso Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

A segunda reunião entre sindicatos de trabalhadores dos setores público e privado de Mato Grosso, realizada esta semana, reuniu ainda mais categorias interessadas em avançar na organização da classe no estado.

 

Na quarta-feira, 11/12, além das entidades que já faziam parte do grupo – professores, estudantes e técnicos da universidade e do instituto federais de Mato Grosso (UFMT e IFMT), assistentes sociais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), trabalhadores da construção pesada (Sintecomp), dos correios (Sintect), profissionais da carreira de desenvolvimento econômico (Sindes) e trabalhadores do Detran (Sinetran) -, também compareceram representantes dos trabalhadores da Indústria da Construção Civil de Cuiabá e Município (Sintraicccm), dos Conselhos e Ordens de Fiscalização e Entidades Afins do Exercício Profissional do Estado de Mato Grosso (Sindifisc), trabalhadores nas Indústrias Urbanas (STIU) e da Federação dos Metalúrgicos do Centro Oeste.

 

A pauta da reunião foi a elaboração de um jornal que contemple as demandas de todas as categorias envolvidas. Os novos participantes também expuseram suas questões específicas para contribuírem com o material, cujo conteúdo será elaborado pelos próprios trabalhadores, em conjunto.

 

Entre os repasses, foram informadas algumas mobilizações organizadas para esta semana, como a assembleia geral do Sindicato da Construção Civil, realizada na manhã dessa sexta-feira, 13/12, para deliberar sobre a Convenção Coletiva da categoria, que as empresas querem negociar verbalmente. Também nesta sexta-feira o Sindicato dos Urbanitários Eletricistas, Energisa Subestação Barro Duro, avaliam, em assembleia, a proposta de negociação da empresa. A categoria já indica a possibilidade de iniciar uma greve a partir de segunda 16/12.

 

Na segunda-feira, às 14h, os sindicatos de servidores estaduais participam de audiência na Assembleia Legislativa sobre a Reforma da Previdência.

 

Para o professor Aldi Nestor de Souza, diretor geral da Adufmat-Ssind, as reuniões têm contribuído para que os trabalhadores conheçam de perto as diferentes realidades e também observem muitas semelhanças. “Há uma intersecção muito grande entre a situação que nós estamos. As cartas dadas pelo capital são conhecidas internacionalmente. Ele tem tudo a seu favor. O jogo do capital é televisionado quase ao vivo, todo mundo fica sabendo dos seus ataques, porque a imprensa toda divulga. Agora, a resposta dos trabalhadores é um pouco mais tímida, mais difícil de a gente enxergar como é que faz esse enfrentamento”, destacou o docente.

 

Nestor observou também que as reuniões têm possibilitado, além do contato entre as categorias dos setores público e privado, a troca de informações sobre os ataques orquestrados contra os sindicatos. “Da mesma forma que estão atacando direitos, há ataques frontais aos sindicatos. Um exemplo é o caso dos trabalhadores da construção civil, que teve uma base que ultrapassava 25 mil trabalhadores reduzida a pouco mais de mil. É difícil até fazer reunião. Nós estamos aprendendo, junto com esses trabalhadores, como nós vamos fazer enfrentamento, porque as respostas clássicas dos sindicatos parecem não estar funcionando nesse momento. Nós temos de inventar uma solução, uma saída para fazer esse enfrentamento”, concluiu.

 

Os trabalhadores continuam convidando outros sindicatos e movimentos sociais para as reuniões, realizadas todas as quartas-feiras, às 19h, na Adufmat-Ssind.  

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Ler 158 vezes