Quinta, 26 Julho 2018 15:49

Estudantes da UFMT encerram movimento paredista, mas permanecem em estado de greve Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Imagem: DCE UFMT/Cuiabá

 

Em assembleia geral realizada na última sexta-feira, 20/07, os estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá, decidiram encerrar a greve que durou mais de 60 dias em defesa do restaurante Universitário a R$ 1 e universal. No entanto, a categoria permanece mobilizada, em estado de greve.

 

Para os estudantes, embora as alterações na política de alimentação da instituição tenham sido suspensas até o final deste ano, não há nenhuma garantia de que o valor e a universalidade permanecerão inalterados a partir de 2019. A reitora Myrian Serra recusou-se por diversas vezes a assinar o termo de compromisso afirmando a manutenção da atual política até o final da sua gestão, em 2020, sob o argumento de que o Conselho Universitário (Consuni) é o órgão que deve decidir sobre isso. Todavia, historicamente, é notável a ascendência da administração superior com relação as decisões tomadas pelos conselhos.    

 

Além da saída da greve e da permanência em estado de greve, os estudantes aprovaram na assembleia a realização de Conselhos de Entidades de Base (CEB’s) mensais para apresentação dos trabalhos da Comissão de Estudos da Política de Alimentação instalada no Consuni (o primeiro deverá ser convocado na primeira semana de aula após o retorno das férias docentes); elaboração de uma nota contra o espancamento do estudante de História; composição de um comando de mobilização nos mesmos moldes de representação do Comando de Greve; convocação de uma Assembleia Geral Estudantil após a publicação dos trabalhos realizados pela da Comissão de Estudos da Política de Alimentação, instalada no Consuni, com ponto de pauta de deflagração de Greve Estudantil; ato de mobilização 15 dias após o retorno das aulas, cabendo ao CEB sua organização; solicitação de Audiência Pública para apreciação dos trabalhos apresentados pela Comissão de Estudos da Política de Alimentação instalada no Consuni; e que representantes discentes nos colegiados dos cursos levem a demanda de readequação do calendário acadêmico a partir da data da saída da greve estudantil (20/07/18).

 

Com relação a outras demandas, que pautaram três reuniões entre o Comando de Greve de Cuiabá e a Reitoria nas últimas semanas (saiba mais aqui), os estudantes entendem que a sinalização de cumprimento, por parte da Reitoria, representa mera formalidade.

 

A orientação da administração da UFMT é que os cursos organizem a retomada do calendário acadêmico de acordo com as decisões de seus órgãos colegiados.

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind    

 

Ler 410 vezes Última modificação em Quinta, 26 Julho 2018 17:04