****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
****
 

 

Roberto Boaventura da Silva Sá
Dr. em Jornalismo pela USP/Professor da UFMT

 

Após um tempo de ausência forçada, motivada pela luta contra um linfoma, eis-me de volta à arena dos debates.

Durante essa quarentena, se meu mundo balançou, mas não caiu, nosso mundo – chamado Brasil – tem balançado mais do que o normal. Como diz Belchior, “há perigo na esquina... E o sinal está fechado pra nós...”

Sim. Estou falando das investidas – em especial, das recentes – contra a liberdade de expressão. O governo Bolsonaro tem flertado demais com o fascismo.

Com base em bizarros discursos contra “as ideologias” (na verdade, ideais socialistas e/ou comunistas), o governo tem investido contra vários pilares sociais. Destaco dois: 1º) a educação, com ênfase às universidades federais; 2º) a cultura.

Das universidades, quase sempre por meio de decretos, via de regra, autoritários, vários ataques já podem ser percebidos, como, p. ex., os cortes orçamentários, a escolha de reitores fora da lista tríplice e a extinção de cargos administrativos. Em curso, há um desmonte das federais.

Da cultura, o ataque/desmonte não é menor. A quem duvidar, a mídia tem denunciado as ofensivas do governo contra muitas produções culturais.

Na Revista Veja de 11/10/19, em “É proibido proibir: a censura volta a assombrar as artes”, Fernanda Thedim e Fernando Molica afirmam que “o governo cerceia a liberdade freando repasses e impedindo o uso de espaços públicos a quem não comunga de sua cartilha”.

Essa informação aponta para uma diferença da censura praticada pelo governo Bolsonaro em relação ao que foi feito por Vargas e pelos golpistas de 64. No passado, a censura foi direta, sem subterfúgios. Todavia, às vezes, o ódio dos bolsonaristas ao diferente é tão intenso que as retaliações explícitas acabam vindo à tona.

Nesse sentido, a mais recente censura de que ficamos sabendo envolve a peça “Caranguejo Overdrive”. A poucos dias de sua estreia, ela foi retirada da programação do Centro Cultural Banco do Brasil. Motivo: a peça estabelece críticas a momentos da história do Brasil, incluindo os temas Amazônia e milícias.

De forma semelhante, “Iago”, inspirada em Shakespeare, adaptada para o Teatro Sesc Copacabana, também foi censurada. Na mesma matéria de Veja, é dito que antes da estreia, exigiram do dramaturgo Geraldo Carneiro que ele trocasse o texto do catálogo, pois, mesmo sem dar nomes, havia inferência ao governo.

E não foi só!

Na Caixa Cultural, três peças foram removidas da programação de setembro: uma tinha um personagem homossexual. Outra, incluía um trans. A última falava justamente de ditadura e censura.

Também em setembro, ficamos sabendo, por meio de Anselmo Gois, d’O Globo, que a embaixada brasileira em Montevidéu/Uruguai, impediu a exibição de um filme sobre a vida e a obra de Chico Buarque naquele país. O filme seria exibido no “Brazil Film Festival 2019”. O mesmo artista aguarda a assinatura de Bolsonaro para receber o prêmio Camões, concedido pelo governo de Portugal.

E o que dizer sobre as ofensas que Roberto Alvim, presidente da Funarte, expôs contra o ícone Fernanda Montenegro, que acabou de completar 90 de idade, sendo 75 deles dedicados à cultura de nosso país?

Por conta disso tudo, é hora de recusarmos a imposição daquela “bebida amarga”, cantada em “Cálice” (ou “cale-se”?) de Chico Buarque e Gilberto Gil, composta em 73. Só para lembrar, essa música faz parte das canções de protestos que se tornaram hinos contra a ditadura. Resgatá-los e cantá-los pode ser forma importante de não aceitarmos nenhuma atualização de qualquer tipo de “cálice” ou “cale-se”.
 

 

Quarta, 16 Outubro 2019 11:40

ODE À PREGUIÇA - Aldi Nestor de Souza

 

****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
****


Por Aldi Nestor de Souza*
 

Eu acho muito triste uma pessoa que não tem preguiça. Depois da preguiça é de novo a preguiça a coisa que mais admiro nas pessoas. Disparado! A preguiça tem um charme e uma beleza sem iguais. Ela trata com descaso essa correria que nos flagela e nos reduz a pó. Ela zomba da pressa, da agonia, dos prazos, dos relatórios, dos objetivos, dos planejamentos. Ela ignora os currículos obesos. Um preguiçoso, certamente, é menos explorado.

Toda preguiça é revolucionária. Pode olhar! Uma pessoa preguiçosa jamais alcança metas, que não seja a de deixar pra depois e dormir. Jamais usa a terrível expressão "manter o foco". Uma pessoa preguiçosa, que se preza, nunca na vida fará um curso de coaching. E jamais cairá na conversinha mole de virar patrão de si mesmo. Eu hein???

Uma pessoa preguiçosa pensa mais, dado que fica mais tempo sem fazer nada e, portanto, tem muito mais chance de ter ideias e mudar o mundo. Uma pessoa produtiva é uma pessoa morta, fadada ao fracasso de se parecer com uma máquina. Toda pessoa produtiva tem cara de boba. Aliás, é boba. Imagine ser a pessoa que mais vendeu no mês? Ou, por outra, imagine ser a pessoa que mais produz artigos num departamento?  

Uma pessoa preguiçosa chega atrasada e aqui eu lembro de um saudoso amigo, professor Gilmar Rodrigues, que dizia: "se você não é capaz nem de chegar atrasado, como pensa em mudar o mundo? Que revolução você planeja fazer? Que sistema você pensa em alterar?"

Lembro aqui também de minha filha mais nova, que às vezes me liga dizendo: " pai, tô com uma preguiça tão grande que só falta não caber no corpo. Vou aproveitar e não fazer nada hoje." Nessas horas, cheio de felicidade e de orgulho, penso: "Poxa, ensinei alguma coisa nessa vida, valeu a pena ser pai".

Acho que foi o poeta Mário Quintana que disse: “A preguiça é a mãe do progresso. Se o homem não tivesse preguiça de caminhar, não teria inventado a roda.”

Uma pessoa preguiçosa vive mais, e para isso não faltam exemplos. Um bem conhecido é o do cantor Dorival Caymmi que, ali na casa dos 80, deitado numa rede, nas cercanias de uma praia baiana e tomando cerveja, brincava: "já viu algum atleta chegar aos noventa?

A preguiça é, portanto, uma das coisas  mais sérias que a humanidade dispõe. E cuidar dela deveria ser uma questão básica, inclusive ensinada nas escolas, casos as escolas servissem pra alguma coisa. Escola, aliás, é uma coisa tão estranha que quando um aluno cisma de dormir numa aula, o professor fica bravo.

Precisamos salvar a preguiça que existe em nós, urgentemente, antes que seja tarde. Isso, para mim, é uma forma de salvar a humanidade. E de dar a ela a chance de entender que viver é uma coisa mais profunda do que a submissão irrefletida no mundo frenético da produção. E criar, quem sabe, o dia internacional da preguiça. Um dia pra, de verdade, não fazermos nada, apenas pensarmos no que fazemos. E já aproveito pra sugerir que esse dia seja numa quarta. Por exemplo, na segunda quarta feira de julho, que é mês fraco pra feriados.

Viva a preguiça!!

 

*Aldi Nestor de Souza
Professor do departamento de matemática da UFMT/Cuiabá
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
 

Pagina 1 de 372