****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
**** 

 

Na última quinta feira, 19\06, um grupo formado por professores e técnicos administrativos da UFMT fez a primeira reunião de uma série que pretende debater  a terceirização e a precarização do mundo do trabalho em geral e o caso da UFMT em particular.

A intenção do grupo é encarar esses temas  como um problema de toda a comunidade acadêmica, e não apenas da administração, promover um amplo debate, estudar com profundidade a questão e propor diretrizes gerais a serem apresentadas no âmbito dos órgãos colegiados responsáveis.

A motivação para a formação desse grupo veio da evidente transformação por que passa o mundo do trabalho na atualidade e também devido a diversos movimentos que alguns dos integrantes do grupo mantem ou mantiveram, há algum tempo,  com os\as trabalhadoras terceirizados\as da instituição, como por exemplo:

- curso de alfabetização para terceirizadas da limpeza em 2019;

- os constantes atrasos de pagamento aos trabalhadores e às trabalhadoras terceirizadas;

- episódio do fechamento das guaritas da ufmt em 2019 e paralização dos trabalhos no campus por falta de salários pros\as terceirizados\as;

- as demissões de vários trabalhadores da limpeza em plena pandemia;

- A constitucionalidade da lei da terceirização(que expande a terceirização para todas  as atividades , inclusive as atividades fim) que foi estabelecida pelo STF em 16\06\2020.

- O  trabalho em geral  na instituição UFMT diante da e após a pandemia, frente às modalidades,  já em voga no momento, tais como a virtualização do trabalho;

- Os direitos dos trabalhadores numa realidade de individualização imposta pela virtualização do trabalho.

Pela internet, às 14 horas da última quinta feira, a reunião contou com a presença das seguintes pessoas:

Aldi Nestor de Souza-professor dep. matemática UFMT- Cuiabá

Djeison Beneti-professor dep matemática UFMT-Cuiabá

Dorival Gonçalves -professor dep engenharia elétrica UFMT-Cuiabá

Elvis Lira-  coordenador do curso de graduação em  Física- UFMT-Cuiabá

Gerdine Sanson- professora do Instituto de Ciências da Saúde UFMT-SINOP

Graziela Borges –  professora do curso de química- ICET-Araguaia

Evando Carlos Moreira - diretor Faculdade de Educação Física- UFMT- Cuiabá

Luzia Melo -  Técnica administrativa-Faculdade de Medicina-UFMT- Cuiabá

Marilin Castro – Técnica administrativa HOVET-UFMT-CUIABÀ

Reinaldo de Marchi- chefe do departamento de Matemática UFMT- Cuiabá

Rosa lúcia Rocha- professora  Faculdade de enfermagem UFMT-CUIABá

Vinícius Santos - professor dep matemática Cuiabá

O grupo é aberto, pretende se reunir toda quinta feira, às 14:00h, a princípio , enquanto presencialmente não for possível,  pelo google meet.

Encaminhamentos  da última reunião:

1- olhar os contratos de trabalho terceirizado vigentes na UFMT, um a um, e ver suas particularidades;

2- conhecer os instrumentos legais que amparam o trabalho terceirizado;

3- ampliar o debate, chamar mais gente pra discutir, estudar e compreender melhor o problema; convocar  estudantes;

4- aprofundar o debate sobre contratos via fundação UNISELVA;

5- pressionar para que o CONSUNI  assuma a responsabilidade de pautar, discutir e  assumir esse problema da terceirização.


Toda a comunidade acadêmica está convidada a fazer parte do grupo, contribuir no debate e para participar  basta uma mensagem pro emeio O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou pro telefone celular. 

 

****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
****
 

 

 
Fernando Nogueira de Lima*
 
 
Compartilho o texto “Os Dentes são Inocentes”, inspirado em um diálogo entre pai e filha, na expectativa de chamar a atenção para os riscos associados às doenças bucais e reiterar a importância, para a saúde pública, dos profissionais da Odontologia.
 
Certa vez quando eu escovava os dentes, minha filha adentrou o ambiente e diante do espelho deu uma última olhada para conferir a maquilagem antes de seguir para a lida da vida, caracterizada, tal qual a da irmã, por cuidar da saúde bucal dos seus pacientes.
 
Na saída, olhou-me e advertiu: - pai tenha calma ao escovar seus dentes. Sem refletir, eu reagi como a maioria das pessoas quando se sentem criticadas: - filha, eu estou calmo, respondi, quase que rispidamente. Ela, já fora do alcance dos meus olhos sentenciou: - se de fato você está calmo, então escove com menos força; seus dentes não têm culpa.
 
Não podendo mais retrucar - sem gritar, só restou-me concluir aquela obrigação que incluía o uso do fio dental e ocorria duas ou três vezes por dia, porque às vezes com desculpas silenciosas eu dormia sem escovar os dentes, mesmo quando devorava doces.
 
Por certo, ela constatou outras vezes que eu continuava negligenciando o alerta de uma profissional especializada em cuidar para além do sorriso, do bem-estar, da autoconfiança e da prevenção de males advindos de doenças bucais. Mas, educada que foi para não insistir no óbvio com quem não quer ouvir o que se diz e sabendo que esse tipo de insistência pode desencadear avalanches de inúteis discórdias, ficou silente.
 
Durante algum tempo, ao escovar compulsivamente meus dentes e me olhar no espelho, mormente quando a escova atingia a gengiva provocando dores e machucados, me vinha à mente aquele alerta. Então, compreendendo que as críticas que nos são dirigidas são senhas que podem dar acesso a melhores condições de vida, não tardou para que eu refletisse sobre o jeito em que se dava minha limpeza bucal, naquela etapa da vida.
 
Daí, percebi que se a ação é exercida apenas pela obrigação de fazer, o alvo é somente findá-la sem preocupar-se com a eficácia esperada. E ao considerar que o escovar pode ocorrer sem pressa e com suavidade, o óbvio veio a lume: a origem do problema não residia na maneira de escovar e sim no fato de eu estar me submetendo, em demasia, a afazeres dispensáveis, ao convívio com pessoas amargas e a diálogos sem pausas.
 
Ora, sendo parte do grupo de pessoas que agem repetindo ações cotidianas sem refletir sobre elas, mesmo quando há alertas suficientes clamando por mudanças de atitudes, incorrendo no risco de se tornarem amargas e solitárias, como poderia eu preocupar-me com os dentes. Neles, esfregava diariamente e injustamente a dor reprimida.
 
Para me redimir dessa culpa, assumi que o escovar deve ser ação para obter, prazerosamente, a higiene adequada em prol da saúde bucal. Após testar vários cremes dentais e verificar a sensação de limpeza advinda de cada um deles, encontrei nos refrescantes o prazer durante a escovação que tem se dado pelo menos três vezes, ao dia.
 
E a sensação mais agradável ocorre quando, entre uma e outra escovada em dois dentes de cada vez, massageio sem pressa a gengiva, deixando-me envolver pela sensação deleitosa de higiene, que só se torna completa após a higienização da língua.
 
Ademais, aprendi com essas profissionais da Odontologia que higiene bucal inadequada e maus cuidados com os dentes, nos deixam suscetíveis a ter cáries, sensibilidade nos dentes, exposição das raízes, acúmulo de placas bacterianas, inflamação nas gengivas, mau hálito e cavidades nos dentes nas proximidades da gengiva.
 
E mais, que cáries e lesões na boca são portas de entrada de bactérias na corrente sanguínea, possibilitando que enfermidades tais como doenças pulmonares, cardíacas e complicações de diabetes, se instalem no organismo.
 
Desde então, lembrando de que não fui educado para conviver em harmonia com mediocridades ou servilismos, tenho me afastado de tudo que não for saudável, tarefas, pessoas e conversas que resultem em aborrecimentos sem chances de serem superados ou minorados. Meus dentes agradecem. Minha saúde como um todo também.
 
*Fernando Nogueira de Lima é Engenheiro Eletricista e foi reitor da UFMT
 
 
 
Pagina 4 de 439