Terça, 16 Julho 2019 09:15

 

Entre os dias 11 e 14 de julho de 2019 estiveram reunido(a)s na capital do país professoras e professores de todo o Brasil, por conta da realização do 64º CONAD, sediado pela ADUnB Seção Sindical do ANDES-SN, com o tema “Em defesa da Educação Pública, dos direitos sociais e das liberdades democráticas!”. O 64º CONAD reuniu 64 seções sindicais, representadas por 62 delegado(a)s, 134 observadore(a)s além de 04 convidado(a)s e 38 diretore(a)s do ANDES-SN. A abertura do 64º CONAD foi marcada pela apresentação da Quadrilha “Brilho do Luar”, que em alusão à cultura nordestina, espraiada por todo o Brasil, dançou uma típica quadrilha junina.

Em um momento importante da conjuntura, no qual o país vive as consequências da crise internacional e estrutural do capital, com rebatimentos nacionais, em especial no que tange ao recrudescimento do conservadorismo, professoras e professores atualizaram o plano de lutas do sindicato nacional e traçaram as principais ações para o segundo semestre de 2019 para, de um lado, defender de forma intransigente as liberdades democráticas, a liberdade de ensinar e aprender e os direitos sociais, em especial a seguridade social atacada pela contrarreforma da previdência e a educação pública, gratuita, laica, socialmente referenciada; e, por outro lado, combater todos os retrocessos em curso no Brasil e nas Universidades, Institutos Federais e CEFET.

A capital federal, proposta por Juscelino Kubitschek com a explícita intenção de afastar o povo da capital política do país, e projetada pelo arquiteto Lúcio Costa, guarda em suas curvas “retilíneas” e em seus traços de cidade planejada, o trabalho e a vida de muitas e muitos trabalhadoras e trabalhadores pobres de várias regiões do país. Trabalhadoras e trabalhadores que, em busca de uma vida melhor, largaram suas raízes para construir o espaço do centro do poder político do país, que ao longo de toda sua história, abrigou político(a)s, que, em sua maioria, estiveram representando os interesses das diferentes frações da burguesia, em especial a latifundiária, financeira e empresarial, contra o(a)s trabalhadore(a)s.

A capital federal abrigou e abriga poucas e poucos política(o)s que dedicaram e dedicam seus mandatos para a construção de projetos e propostas de interesse da(o)s trabalhadore(a)s. Poucos foram e são, os que defenderam e defendem as pautas classistas dos direitos sociais e da superação da ordem do capital, os direitos das mulheres, indígenas, quilombolas, pessoas com deficiência, negros e negras e LGBTTi. Assim, a cidade que se tornou expressão do poder político do país, expressa, também, a força do capital contra o(a)s trabalhadore(a)s.

Em uma quadra histórica de profundos retrocessos nos direitos sociais, de polarização social, de ataques conservadores e intensificação da violência dirigida especialmente aos grupos historicamente oprimidos e explorados, o(a)s delegado(a)s e observadore(a)s realizaram um importante debate sobre a conjuntura internacional e nacional, analisando as consequências da crise internacional do capital para a classe trabalhadora, a ascensão da extrema direita no mundo e no Brasil e, em especial, ataques aos direitos sociais, educação pública e a atividade docente. O(A)s participantes também analisaram as ações da classe trabalhadora e do movimento docente em particular, destacando o papel central do ANDES-SN, da CSP-Conlutas, do FONASEFE, das entidades da educação e do Fórum Sindical, Popular e de Juventudes por Direitos e Liberdades Democráticas, na resistência e mobilização do(a)s professore(a)s e de outras categorias, em especial nas ações que marcaram o dia 08 de março, 1º de maio, 15 de maio, 30 de maio e 14 de junho.

No mesmo período em que o(a)s professore(a)s estavam reunidos em Brasília, também estavam em congresso o(a)s estudantes, que reuniram cerca de 10 mil jovens no Congresso Nacional da União Nacional dos Estudantes (CONUNE), também nas dependências da UnB. Por ocasião do CONUNE, foi convocado pela UNE um ato para o dia 12 de julho, o qual foi adensado pelas entidades da educação, pelas centrais sindicais e movimentos sociais, que realizaram uma grande manifestação, reunindo em torno de 15 mil pessoas, que marcharam na Esplanada dos Ministérios. O ato “Por Educação, Aposentadoria e Emprego” contou com a adesão do(a)s professore(a)s reunido(a)s no 64º CONAD.

Na mesma semana em que professore(a)s e estudantes estavam se reunindo para planejar a luta em defesa de liberdades democráticas e direitos sociais, a Câmara Federal, após a liberação de mais de um bilhão de reais em emendas parlamentares, aprovou, em primeiro turno, a PEC 06/2019 que põe fim à previdência pública. Para piorar, no mesmo dia em que professore(a)s, estudantes e trabalhadore(a)s de várias categorias marchavam na Esplanada dos Ministérios, mais ataques à educação estavam sendo preparados e a imprensa anunciou que o Ministério da Educação apresentará um projeto de reforma da “autonomia financeira” do ensino superior público federal. Trata-se de mais um profundo ataque à universidade pública, marcado pela violação da autonomia universitária e pela privatização da educação pública. Esse grave ataque foi tratado na plenária do Tema II e gerou um manifesto em defesa da educação pública, com a indicação de ações para mobilizar a categoria, dentre elas a construção de uma Greve Geral ainda em agosto, pois a sincronia dos ataques contra a seguridade social e contra a educação pública é expressão de um mesmo projeto do capital para o(a)s trabalhadore(a)s.

Depois de analisar a conjuntura, construir e participar do ato do dia 12/07, as delegações retornaram às atividades para realizar debates nos grupos de trabalho. Estes foram marcados por intensas reflexões, diferentes leituras da realidade e de posições da base do sindicato no processo de atualização do plano de lutas. Dentre os debates e construções políticas podem ser citadas as reflexões e discussões sobre a CSP-Conlutas e seu IV Congresso Nacional, o combate à contrarreforma da previdência e aos inúmeros ataques à Educação Superior, a necessária reorganização dos eventos do ANDES-SN, a proposição para a CONEDEP da construção do IV Encontro Nacional de Educação (ENE), o aprofundamento dos esforços para construir o Fórum Sindical, Popular e de Juventudes por Direitos e Liberdades Democráticas, entre outros.

A plenária do Tema II foi iniciada pela performance de “Martinha do Coco”, que realizou uma linda apresentação, animando os presentes para os bons debates que seguiram durante a plenária. Os debates foram marcados pelas diferentes posições sobre a CSP-Conlutas e pela reafirmação da participação do ANDES-SN na central, pela realização de um balanço crítico e pela defesa de nos posicionarmos para garantir o avanço na democracia interna da central. Também foi ratificada a importância de construção do IV Encontro Nacional de Educação (ENE) como espaço estratégico para a construção de um projeto classista de educação, que só pode se efetivar se todas as entidades classistas da educação se envolverem efetivamente em sua construção. Daí o desafio de, a partir da CONEDEP, realizar uma avaliação do III ENE e trilhar os passos para a construção do IV ENE.

As decisões tomadas na plenária do Tema II também apontaram para o acerto da decisão do ANDES-SN em não poupar esforços para construir a unidade na luta com todas e todos dispostos a defender pautas que são parte do projeto de educação e sociedade afirmado historicamente por nossa entidade. Expressão concreta desse esforço de construir a unidade na luta foi a deliberação pela construção da GREVE NACIONAL DA EDUCAÇÃO em 13 de agosto de 2019 e pela participação na construção da greve geral.

Na plenária do Tema III, foram atualizados os planos de luta do Setor das Estaduais e Municipais e do Setor das Federias e mais uma vez se reafirmou a construção de um dia de Greve Nacional da Educação em agosto, os dias de luta e mobilização da categoria, em combinação com a pauta geral da classe trabalhadora contra a reforma da previdência. Foi explicitada a necessidade de avançarmos nas lutas das campanhas salariais das Universidades Estaduais e Municipais, e em especial, na resistência ao conjunto dos ataques que estão sendo desferidos pelos governos de conciliação de classe e de extrema direita nos estados contra a educação pública. Também se reafirmou a necessidade de fortalecimento da unidade de ação para os enfrentamentos que devem ser realizados contra o governo federal de extrema direita de Bolsonaro e o fortalecimento da luta com o conjunto dos Servidores Públicos Federais. O ponto forte da plenária foi a construção unitária do “Manifesto de Alerta em Defesa do Ensino Superior Público e Gratuito”, que se posiciona contra o projeto de reestruturação do ensino superior a favor do capital.

Na tarde de domingo, ao som da Banda “Chinelo de Couro”, tocando animados forrós, o(a)s delegado(a)s e observadore(a)s, retomaram os debates sobre os planos de luta dos setores e foi indicado que o setor das federais faça o debate sobre a construção da necessária greve que a conjuntura exige, no sentido de combater os ataques e retrocessos em curso.

Na plenária do Tema IV, com intensas discussões, foram aprovadas mudanças na estrutura dos eventos nacionais, Congressos e CONAD, visando a realização de atividades mais objetivas e que priorizem de fato os temas centrais para o conjunto do sindicato. Também nessa plenária foram aprovadas as contas do sindicato, função precípua do CONAD, legítimo Conselho Fiscal de nossa entidade.

O 64º CONAD ocorreu em um clima de muitos debates e de grandes desafios, tendo como foco central a construção da unidade de ação, a partir de ações e mobilizações de rua, de forma ampla, para o fortalecimento da resistência necessária para a realização do bom combate que o(a)s professore(a)s devem fazer contra o governo federal e os governos estaduais que retiram direitos do(a)s trabalhadore(a)s.

Todos os debates que permearam os quatro dias em que professore(a)s estiveram reunido(a)s, avaliando os retrocessos e os desafios postos pela conjuntura, foram permeados pela indignação diante dos ataques do governo federal e dos governos estaduais contra a educação, diante do recrudescimento do conservadorismo e diante dos desafios para a construção da unidade de ação.

O saldo desse encontro é extremamente positivo, tendo prevalecido o clima de mobilização, engajamento e fortalecimento da categoria. Como nos disse o professor Paulo Freire, reafirmado em nosso 64º CONAD como patrono da educação:

 

“É preciso ficar claro que a desesperança não é maneira de estar sendo natural do ser humano, mas distorção da esperança. Eu não sou um ser da desesperança a ser convertido ou não pela esperança. Eu sou, pelo contrário, um ser da esperança que por “n” razões se tornou desesperançado. Daí que uma das nossas brigas com seres humanos deva ser dada no sentido de diminuir as razões objetivas para a desesperança que nos imobiliza”.

 

Assim, seguimos na luta, mobilizado(a)s e fortalecido(a)s como sujeitos que lutam na esperança e na certeza que a ordem do capital deve ser superada e que é necessário enfrentar, com unidade, o projeto do capital materializado nos diferentes governos e defender, de forma intransigente, a educação pública, gratuita, laica e socialmente referenciada.

 

64º CONAD do ANDES-SN

Brasília, Distrito Federal 14 de julho de 2019.

Sexta, 12 Julho 2019 19:54

 

Começou nessa quinta-feira, 11/07, o 64º Conselho do ANDES – Sindicato Nacional. O CONAD é considerado um dos espaços mais importantes para a categoria docente, no qual professores do ensino superior de todo o país – no âmbito federal, estadual e municipal - avaliam a conjuntura e as estratégias traçadas no Congresso do início do ano com o objetivo de avançar na luta em defesa dos direitos sociais e trabalhistas.

 

O perfil nada democrático de Jair Bolsonaro deu a essa edição do Conselho também a tarefa de aprofundar o debate acerca das liberdades democráticas, que envolvem o direito à livre associação sindical, de atuação política, além da liberdade de cátedra.

 

Já na abertura, o grupo folclórico Brilho do Luar, do município de Paranoá, apresentou Brasília aos participantes: uma imensa cidade planejada, construída sobre o suor de centenas de trabalhadores nordestinos. A quadrilha junina representou a tradição popular que resiste às opressões impostas por uma capital onde os negócios são sobrepostos, diariamente, a qualquer interesse da população. Poucos sabem, mas durante a construção de Brasília muitos trabalhadores foram concretados junto às obras que ajudavam a levantar. A famosa escultura “dois candangos” é uma expressão disso.

 

Na contramão, o grupo Brilho do Luar resiste às investidas da especulação imobiliária e cultural local. Resiste, como a categoria docente.

 

“É muito simbólico receber o CONAD em Brasília nesse momento. Além de toda a nossa história, há o peso de estar falando mais de perto àqueles que deveriam nos ouvir”, disse o vice-reitor da UnB, Paulo César Marques, na abertura do evento. O professor fez questão de se apresentar, antes, como trabalhador da base do ANDES-SN.         

 

Como de costume, representantes de outras entidades deram as boas vindas aos participantes. Formaram a mesa o presidente da Associação dos Docentes da UnB, Luis Antônio Pasquetti; o coordenador da CSP-Conlutas, Paulo Barela; o coordenador da Fasubra, Fernando Maranhão; o representante do SINASEFE, Davi Lobão; a representante do Conselho Federal de Serviço Social (CEFEs), Daniela Neves; o diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (SINAL), Paulo Lino; a representante da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (ANPAE), Adriana Melo; a representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Rosilene Corrêa; e o diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Fundação da Universidade de Brasília (SINDFUB), Lima.

 

Em todas as falas, a urgência de unidade entre os trabalhadores para conseguir barrar os ataques se fez presente. O presidente do ANDES-SN, Antônio Gonçalves, fez questão de destacar em seu discurso que esse tem sido o esforço do sindicato nacional. “Novos ataques virão. Nós precisamos nos fortalecer em torno de uma pauta que realmente nos unifique. Esse tem sido o nosso esforço. E esse é o espaço no qual nós devemos ter debates duros, sim, mas também fraternos. Nosso inimigo não está aqui”, afirmou.

 

Conjuntura

 

Delegação da Adufmat-Ssind no 64º CONAD

 

No período da tarde, depois das mesas de abertura e de instalação - que estabelece a dinâmica do evento -, realizadas no período da manhã, os docentes se reuniram para debater a conjuntura.

 

Com base nas avaliações divulgadas antecipadamente no Caderno de Textos do 64º CONAD, vários grupos discorreram sobre os pontos que consideram mais importantes acerca do tema “Movimento Docente e Conjuntura: avaliação da atuação do ANDES-SN frente às ações estabelecidas no 38º Congresso”.

 

Nesse sentido, além de todas as ponderações realizadas anteriormente, como a defesa dos direitos, a proposta de financiamento que será apresentada pelo governo Bolsonaro também teve destaque. O Executivo já anunciou que pretende dar uma dinâmica similar à empresarial às instituições públicas de ensino superior, mas a proposta só será apresentada, de fato, nos próximos dias. A defesa do ANDES-SN, no entanto, sempre foi pela universidade pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada. Dessa forma, a categoria se mobiliza para evitar que a universidade seja privatizada, como pretende o projeto neoliberal.

 

Para isso, os docentes defenderam, na primeira plenária, que o sindicato participe de fóruns e conselhos que defendam a universidade pública e gratuita, junto a outras entidades de trabalhadores. Além disso, há propostas de continuar realizando o Encontro Nacional da Educação – que este ano teve sua terceira edição -, e de organizar uma nova Conferência Nacional da Classe Trabalhadora (CONCLAT), na qual diversas categorias dialogam sobre o projeto de sociedade que os trabalhadores desejam construir, incluindo as políticas de educação, saúde, assistência social, entre outros.        

 

Alguns docentes apresentaram situações vivenciadas nas suas instituições, como as duras greves enfrentadas recentemente pelos professores das universidades estaduais da Bahia e do Paraná, e a construção da Universidade do Norte de Tocantins, que já deve ser enquadrada no modelo da “universidade do futuro” proposta pelo governo federal.

 

O professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Reginaldo Araújo, diretor da Vice-presidência Regional do ANDES-SN no Centro-oeste (VPR Pantanal), falou sobre a ameaça de corte de luz da universidade, e expôs a apreensão da categoria com relação às intervenções do Executivo nas instituições, nomeando reitores não escolhidos pelas comunidades acadêmicas, bem como diretores e outros representantes, o que fere a autonomia das universidades.

 

A plenária do Tema I não tem deliberação, mas as contribuições acerca da conjuntura são consideradas extremamente importantes para organização das estratégias de luta da categoria.

 

Intervenção cultural

 

Após os trabalhos, o diretor geral da Adufmat-Ssind, Aldi Nestor de Souza, brindou os presentes declamando um cordel.

 

O docente justificou a escolha afirmando que os cordéis são literaturas que retratam histórias improváveis e demonstram resistência popular, especialmente na região nordeste do país.  

 

“Para esse momento em que tudo na vida parece se transformar em mercadoria, em que tudo está à venda, seja a água, a terra e até o ar, eu trouxe um cordel da banda El Efecto, que se chama ‘O Encontro de Lampião com Eike Batista’, que diz mais ou menos assim: duas coisas bem distintas, uma é o preço, a outra é o valor. Quem não entende a diferença, pouco saberá do amor, da vida, da dor, da glória, e tampouco dessa história, memória de cantador...”, e prosseguiu com o texto, que você pode ler na íntegra clicando aqui.

 

 

 

A plenária aprovou a escolha e cumprimentou o docente pelo presente.

 

O 64º CONAD segue até o próximo domingo, com 210 participantes. Nessa sexta-feira e na manhã do sábado, os docentes discutirão os temas em Grupos Mistos, que serão novamente debatidos nas próximas plenárias. Representam a Adufmat-Ssind no evento os professores eleitos em assembleia Quélen de Lima Barcelos, como delegada, e os professores Aldi Nestor de Souza, José Airton de Paula, Waldir Bertúlio, Tomás Boaventura e Maurício Couto, como observadores.

 

A galeria de imagens será disponibilizada em breve. 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

 

 

    

 

Segunda, 24 Junho 2019 15:36

 

A Secretaria-Geral do ANDES-SN divulgou, através da circular 223/19, o Caderno de Textos do 64º Conad. O material servirá para embasar os debates e deliberações do evento, que terá a temática "Em defesa da educação pública, dos direitos sociais e das liberdades democráticas". O prazo para envio de contribuições ao Anexo do Caderno de Textos será encerrado no próximo domingo (23).

Até lá, as contribuições ao material podem ser encaminhadas para o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 
O 64º Conad acontecerá capital federal, entre os dias 11 e 14 de julho, na Associação dos Docentes da UnB (AdUnB - Seção Sindical do ANDES-SN). Durante a iniciativa os docentes atualizarão os planos de lutas gerais e dos setores do ANDES-SN, aprovados durante o 38º Congresso do Sindicato, realizado no início deste ano, em Belém do Pará.


Os recentes ataques à Educação Pública, como o corte no orçamento nas instituições federais de ensino públicas e o teor do projeto “Escola Sem Partido” estarão na pauta dos debates. Durante a realização do Conad também serão debatidos e deliberados assuntos relacionados às contas da instituição.

Confira aqui o caderno de textos do 64º Conad

Credenciamento prévio

O credenciamento prévio poderá ser realizado até dia 4 de julho também por e-mail. As informações sobre a documentação para credenciamento estão na Circular nº 184/19.

Serviço -64º Conad do ANDES-SN
Tema: "Em defesa da educação pública, dos direitos sociais e das liberdades democráticas"
Data: 11 a 14 de julho de 2019
Local: Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (Adunb SSind.)
Endereço: Campus Universitário Darcy Ribeiro, gleba A, Casa do Professor - Brasília/DF

Confira as circulares referentes ao 64º Conad

Circular nº 236/19 - Em cumprimento a essa deliberação informamos à(o)s participantes do
64º CONAD
 (Anexo1-Circ236-19) (Anexo2-Circ236-19) (Anexo3-Circ236-19) 
Circular nº 234/19 - Orientações sobre o credenciamento do(a)s jornalistas que atuarão na cobertura do 64º CONAD 
Circular nº 223/19 - Envia o Caderno de Textos do 64º Conad 
Circular nº 201/19 - Envio de jornalistas para o 64º Conad 
Circular nº 200/19 - Impressão de cartaz do 64º Conad 
Circular nº 199/19 - Cartaz do 64º Conad 
Circular nº 198/19 - Errata da circular nº 125/19 que convoca o Conad
Circular nº 191/19 - Impressão do Caderno e do Anexo ao Caderno de Textos do 64º Conad 
Circular nº 190/19 - Acessibilidade no 64º Conad 
Circular nº 189/19 - Local e opções de hospedagem do 64º Conad 
Circular nº 184/19 - Credenciamento para o 64º Conad 
Circular nº 130/19 - Comissão Organizadora do 64º Conad
Circular nº 125/19 – Convoca o Conad (esta circular foi corrigida pela circular nº 198/19)

 

Fonte: ANDES-SN

Segunda, 20 Maio 2019 14:04

 

Circular nº 198/19

Brasília(DF), 20 de maio de 2019

 

 

 

Às seções sindicais, às secretarias regionais e à(o)s diretora(e)s do ANDES-SN

  

Companheira(o)s

 

De acordo com o art. 30, inciso XII, do Estatuto do ANDES-Sindicato Nacional, fica convocado o 64º CONAD para o período de 11 a 14 de julho de 2019, na cidade de Brasília (DF), sediado pela ADUnB Seção Sindical, com o tema central:

"Em defesa da educação pública, dos direitos sociais e das liberdades democráticas".

           Encaminhamos anexa a proposta de pauta e de cronograma do evento e chamamos a atenção para as seguintes orientações:

 

1 - APRESENTAÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES AO CADERNO DE TEXTOS

1.1 - Dos prazos

1.1.1 Os textos das seções sindicais e do(a)s sindicalizado(a)s deverão ser enviadas para o ANDES-SN até às 24h do dia 20 de maio de 2019, por e-mail (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.).

1.1.2 Os textos que chegarem ao ANDES-SN no período de 21 de maio a 23 de junho de 2019 também serão remetidos às seções sindicais, compondo assim o Anexo ao Caderno de Textos.

1.1.3 Conforme deliberação do 62o CONAD (Niterói (RJ), 13 a 16 de julho de 2017), a apresentação de textos referentes ao Tema I – Movimento Docente e Conjuntura: avaliação da atuação do ANDES-SN frente às ações estabelecidas no 38º CONGRESSO – também será admitida no Anexo ao Caderno de Textos, desde que oriunda e aprovada em assembleia de base. O prazo para envio de contribuições para o Anexo é até o dia 23 de junho de 2019.

1.1.4 Encerrados os prazos previstos para a composição do Caderno de Textos e do Anexo, qualquer novo texto só será submetido à discussão no evento, obedecidas as deliberações do 20º CONGRESSO (Rio de Janeiro, 15 a 21 de fevereiro de 2001) registradas a seguir:

“2 - após a publicação do Anexo, qualquer novo texto somente poderá ser submetido à discussão no evento se aprovada sua inclusão pela Plenária de Instalação. Para a apreciação pela Plenária de Instalação, o novo texto deverá apresentar uma justificativa demonstrando a necessidade da sua apreciação no evento e os fatos excepcionais que levaram à apresentação fora dos prazos fixados.

2.1 a inclusão de novos textos deve ser aprovada por maioria simples do(a)s delegado(a)s presentes.

2.2 - no caso de aprovação da inclusão de novos textos, cabe à comissão organizadora a responsabilidade da reprodução dos mesmos para o conjunto de participantes do evento”.

1.2 - Das orientações para apresentação de contribuições

1.2.1 Os textos das seções sindicais e do(a)s sindicalizado(a)s para integrarem o Caderno de Textos deverão:

1.2.1.1 ater-se ao temário do 64º CONAD, que tratará do seguinte: Tema I: Movimento Docente e Conjuntura: avaliação da atuação do ANDES-SN frente às ações estabelecidas no 38° CONGRESSO; Tema II: Avaliação e atualização do plano de lutas: educação, direitos e organização do(a)s trabalhadore(a)s; Tema III: Avaliação e atualização do plano de lutas: setores; Tema IV: Questões organizativas e financeiras.

1.2.1.2 seguir as orientações gerais e, ainda, as recomendações quanto à construção visando a tornar os debates mais profícuos, bem como a agilizar as decisões e deliberações oriundas destes.

1.2.1.3 pautar-se pelos critérios de objetividade, clareza, concisão, consistência e atualidade.

1.2.1.4 no caso do assunto já ter sido discutido em eventos anteriores, deverá ser apresentada nova versão com argumentação que justifique a reapresentação do tema.

1.2.1.5 conter no máximo, para o tema Movimento Docente e Conjuntura, 10 páginas e para os de apoio aos demais temas, 3 páginas, observando-se:

– Margem superior – 3cm

– Margem inferior – 2 cm

– Margem esquerda – 2 cm

– Margem direita – 2 cm

– Fonte – Times New Roman tamanho 11

– Espaçamento entre linhas – simples

– Espaçamento entre parágrafos – antes: 5pt; depois: 5pt

– Título maiúsculo /negrito – letra 14; alinhamento justificado.

– Parágrafos justificados

– Nota de rodapé – Fonte Times New Roman tamanho 8

1.2.1.6 indicar o Texto de Resolução (TR)

1.2.1.7 indicar o Tema (I, II, III ou IV)

1.2.1.8 indicar a autoria do texto: por exemplo: “Diretoria da SSIND”, “Assembleia Geral”, “Conselho de Representantes” ou “Sindicalizado(a)s”.

2 – PARTICIPAÇÃO

2.1 - Dos critérios de eleição

2.1.1 A(O) delegada(o) do CONAD deverá ser eleita(o) segundo o art. 25 do Estatuto do ANDES-SN:

Art. 25. O CONAD é composto:

I - por um(a) (1) delegado(a) de cada S.SIND ou AD-S.SIND escolhido(a) na forma deliberada por sua Assembleia Geral;

II - por um(a) (1) delegado(a) representativo(a) do(a)s sindicalizado(a)s, via cada uma das Secretarias Regionais, escolhido(a) na forma deliberada por sua Assembleia Geral;

III - por observadores(as) de base das S.SINDs ou AD-S.SINDs e Secretarias Regionais, com direito a voz;

IV – pelos demais membros em exercício na Diretoria (Art. 32, I, II, III e IV), excetuado(a)s aquele(a)s cujo âmbito de competência e atuação limita-se à área de sua Regional (Art. 32, V) dele participam com direito a voz.

V - pelo(a) Presidente do ANDES-SINDICATO NACIONAL, que o preside, com direito a voz e voto em suas sessões.

§ 1º. Os demais membros em exercício da Diretoria, cujo âmbito de competência e atuação limita-se à área de sua Regional (Art. 32, V), podem participar do CONAD na qualidade de delegado(a)s ou observadore(a)s de suas respectivas S.SINDs ou AD-S.SINDs.

§ 2º. É vedado o voto por procuração para eleição de delegado(a) da SEÇÃO SINDICAL OU AD-SEÇÃO SINDICAL.

 

2.1.2 O(A) observador(a) escolhido(a) em assembleia geral deverá ter seu nome constante da ata da assembleia que o(a) indicou. No caso de a escolha ter sido em outra instância, deverá ser apresentado documento comprobatório de sua indicação, encaminhado pela diretoria da seção sindical.

2.1.3 No caso do(a) suplente de delegado(a), que será necessariamente observador(a), o seu nome e a sua condição de suplente deverão constar obrigatoriamente da ata da assembleia, ou do documento encaminhado pela diretoria da seção sindical, que tenha recebido delegação da AG para tal.

2.2 Dos prazos para o credenciamento.

2.2.1 O Credenciamento é prévio. O ANDES-SN, empenhado em implementar um sistema mais ágil de inscrição em seus eventos nacionais, reafirma a importância do credenciamento prévio como elemento facilitador do processo. Para o 64º CONAD, fica estabelecido o período de 20 de maio a 4 de julho de 2019 para o recebimento da documentação regimental para inscrição de delegada(o), observadora(e)s e observadora(e)s suplentes da(o) delegada(o).

2.2.2 Não haverá recebimento da documentação necessária ao credenciamento no dia 11 de julho de 2019, excetuando-se os casos justificados e aprovados pela Plenária de Instalação.

2.2.3 Pelo menos um(a) representante de cada seção sindical ou secretaria regional, credenciada previamente, deverá comparecer à Secretaria do 64º CONAD, no dia 11 de julho, para confirmar ou não, a presença do(a) delegado(a) e do(a)s observadore(a)s, sendo que o número de observadore(a)s fica a critério de cada seção sindical.

2.3 Da documentação necessária ao credenciamento

2.3.1 Ata da assembleia (assinada pela(o) presidente e pela(o) secretária(o) da mesa) em que foi escolhida(o) a(o) delegada(o), a(o)s observadora(e)a (a)(s) e o(s) observadora(e)s suplente(s) da(o) delegada(o) ao 64º CONAD;

2.3.2 Lista de presença da Assembleia Geral;

2.3.3 Comprovação pela seção sindical de quitação com a Tesouraria, incluindo a contribuição correspondente ao mês de maio e repasse de parcelas de acordos efetuados anteriormente (se houver).

2.3.4 Para o credenciamento do(a)s delegado(a)s será exigida a documentação relacionada nos itens 2.3.1 a 2.3.3. A documentação deverá ser enviada previamente, até às 24h do dia 4 de julho de 2019, para o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

 

Solicitamos às seções sindicais que estejam com problemas de débitos junto à Tesouraria Nacional comunicar-nos o fato, o mais breve possível, para evitarmos transtornos por ocasião do credenciamento.

Sem mais para o momento, renovamos nossas cordiais saudações sindicais e universitárias.

 

 

Prof. Antonio Gonçalves Filho

Presidente

 

Terça, 23 Abril 2019 16:50

 

A Universidade de Brasília (UnB) receberá, de 11 a 14 de julho, o 64º Conad. O evento terá como tema central "Em defesa da educação pública, dos direitos sociais e das liberdades democráticas". Essa edição do Conad será sediada pela Associação de Docentes da UnB (Adunb Seção Sindical).

 
Campus Darcy Ribeiro da UnB

As seções sindicais e os docentes sindicalizados têm dia 20 de maio para enviar contribuições ao Caderno de Textos do 64º Conad. Os textos que chegarem entre 21 de maio e 23 de junho irão compor o Anexo ao Caderno de Textos. Os materiais devem ser enviados por e-mail para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

Confira aqui a circular com orientações sobre a formatação dos textos e credenciamento.

 

 Fonte: ANDES-SN
Terça, 24 Julho 2018 16:16

 

O relatório com as deliberações do 63º Conad do ANDES-SN foi divulgado na última sexta-feira (19), pela secretaria do Sindicato Nacional. O encontro foi realizado de 28 de junho a 01 de julho desse ano, na Universidade Estadual do Ceará, em Fortaleza (CE). O Conad teve como tema central“Por um projeto classista e democrático de educação pública: em defesa da gratuidade, autonomia e liberdade acadêmica” e atualizou o plano de lutas da categoria docente para o segundo semestre. Leia aqui o relatório.

 

Confira a cobertura do 63º Conad:

Com leitura da Carta de Fortaleza, termina o 63º Conad

Delegados escolhem Brasília como sede do 64º Conad e aprovam contas do Sindicato

Docentes elegem novos membros da Comissão da Verdade do Sindicato Nacional

Docentes deliberam pela ampliação do combate à violência na Maré

Defesa ao povo palestino passa a integrar plano de lutas do ANDES-SN

Docentes definem agenda de lutas para os setores no segundo semestre

Docentes atualizam plano de lutas geral do ANDES-SN

Plenária debate conjuntura e aponta necessidade de unidade para ampliar a luta

Funcionária do ANDES-SN, Fátima é homenageada na abertura do Conad

ANDES-SN lança publicações durante o 63° Conad

Tem início, em Fortaleza (CE), o 63º Conad 

Confira a cobertura fotográfica na página do ANDES no Facebook 

 

Fonte: ANDES-SN

 

Quarta, 11 Julho 2018 15:08

 

A luta dos trabalhadores em Sinop, reunindo professores do ensino superior, entre outros movimentos organizados, tem garantido importantes vitórias na região. Com destaque para a conquista de uma delegacia especializada ao atendimento às mulheres, crianças e pessoas idosas, também a defesa das universidades públicas e da educação têm repercutido a partir do trabalho realizado em conjunto.

 

Entre os dias 28/06 e 01/07, três docentes do município, que participam ativamente desse processo de mobilização, estiveram da 63ª edição do Conselho do ANDES Sindicato Nacional (Conad), em Fortaleza. Segundo a professora Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Clarianna Silva, representante sindical em Sinop, a participação no evento poderá contribuir ainda mais para a organização local.

 

“A gente tem uma complexidade proveniente da multicampia. Então, a forma de construir o mesmo movimento, com a mesma pauta, as vezes se dá de diferentes maneiras, até pelas características dos professores e dos cursos que compõem os campi. Eventos como este nos ajudam a articular melhor com a base, mas também com outras entidades, como a Unemat, porque nós temos proximidades e conseguimos traçar estratégias. Nesse Conad, por exemplo, o que me chamou a atenção foi a tarefa de articular os Grupos de Trabalho (GT’s). Aí nós já pudemos ter uma conversa prévia sobre a possibilidade de montar o GTPE e fortalecer o GTCarreira”, afirmou Silva.

 

A professora explicou ainda que a Unemat, também filiada ao ANDES Sindicato Nacional, é sempre parceira na construção coletiva de atividades em Sinop. Juntos, os sindicatos já realizaram debates sobre a carreira docente, depressão, os desafios das universidades públicas, além de construir um importante apoio à greve estudantil em defesa do Restaurante Universitário (RU).

 

Para além dos muros das universidades, as entidades também contribuem com a luta em defesa do Hospital Municipal, moradia e meio ambiente. “Nós formamos uma espécie de Frente de Luta da Classe Trabalhadora, que não está muito ativa no momento. Mas com a vinda do Maurício [Couto] para a diretoria do ANDES-SN, a gente tem conseguido agregar debates mais profundos e construir essa unidade, essa aproximação; mudou toda a dinâmica de luta”, acrescentou a docente.

 

Para o professor da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), Luis Ohira, a situação da educação superior no país é preocupante e tende a piorar. “Estamos assistindo de camarote o sucateamento da educação superior no Brasil, onde o Grupo Kroton está atacando de forma agressiva o sistema de nível superior. Pelo que eu observo, vai acontecer com as universidades brasileiras o mesmo que aconteceu com o ensino público de educação fundamental e básica, que tinham bons níveis há uns 30 anos”, disse o docente.

 

Na opinião do professor, a participação no Conad contribui para a organização, mas seria ainda mais efetiva se a categoria priorizasse debates mais específicos, do tipo como aumentar o número de professores para ter maior representatividade.

 

Já para a professora Patrícia Marisco, que esteve pela primeira vez em evento nacional do ANDES-SN, foi a disposição dos debates para viabilizar a construção coletiva que mais se destacou.  “É o meu primeiro contato com a dinâmica de trabalho para a tomada de decisões no coletivo, e eu percebo que é cada vez mais importante, premente, organizar a luta para combater as medidas que causam detrimento da universidade gratuita e de qualidade. Estou aprendendo e entendendo a dinâmica do processo”, afirmou a docente.

 

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Quarta, 04 Julho 2018 16:08

 

Após dias de intensos debates, terminou na noite desse domingo (1º), com a leitura da Carta de Fortaleza, a sexagésima terceira edição do Conad, realizado na Universidade Estadual do Ceará (Uece), desde quinta-feira (28).

Leia aqui a Carta de Fortaleza

Houve leitura das moções, na qual os participantes do Conad expressaram apoio aos trabalhadores demitidos da Amsted Maxion, aos professores perseguidos na Universidade Federal da de Santa Catarina (Ufsc), à greve dos trabalhadores técnico-administrativos em educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), à luta pela manutenção da Política Nacional de Educação Especial e apoio também à federalização do Hospital São Paulo, da Universidade Federal de SP (Unifesp).

Manifestaram, ainda, solidariedade aos trabalhadores venezuelanos, e repúdio às ações de repressão à manifestação dos professores do Piauí, em 21 de junho; à contratação de PMs aposentados, fardados e armados, feita pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes); ao governo cearense Camilo Santana (PT), que se nega a receber as seções sindicais do ANDES-SN Sinduece, Sindurca e Sindiuva, e também a política de segurança pública no estado, que criminaliza e assassina a população da periferia do Ceará.

Também repudiaram a limitação, pela reitoria da Universidade Federal de Lavras (Ufla), do uso dos espaços da instituição, a postura repressora na Universidade Federal do Amapá (Unifap), frente ao silenciamento da destruição de obra artística construída por um sindicalizado e a prisão arbitrária de Stella Avallone, detida neste domingo (1) durante um ato contra o genocídio de jovens e crianças negras na capital paulista.

A mesa convidou o estudante Iuri, morador de Serrinha, para uma fala sobre a violência contra a população pobre e jovem na capital cearense e denunciar a chacina ocorrida em Fortaleza, em 2015, que vitimou 11 pessoas.

Sâmbara Paula, presidente da Sinduece Ssind., que recebeu o 63° Conad, agradeceu a todos e todas que contribuíram para a realização do evento. Ela disse se sentir mais humana após a troca de experiências na construção coletiva do Conad e também com os debates ocorridos durante o evento. “Ainda que muitas dificuldades possam ter ocorrido nesse Conad, acreditamos que demos o melhor de nós, e aprendemos nessa relação com o ANDES-SN e a ser mais parte do ANDES-SN enquanto seção sindical”, disse.

Célio Coutinho, 2º vice-presidente da Regional Nordeste 1 do Sindicato Nacional, também destacou a importância de realização do Conad na Uece, na valorização da universidade estadual.

Carta de Fortaleza

Eblin Farage, secretária-geral do ANDES-SN, fez a leitura da Carta de Fortaleza. Antes, ela registrou que a Comissão de Assédio do 63º Conad não recebeu nenhuma denúncia de assédio.Na carta, a secretária-geral destacou os vários momentos emocionantes que marcaram a abertura de um dos maiores Conads já realizados pelo ANDES-SN, como as homenagens à funcionária do sindicato Fátima Alves da Silva e à Marielle Franco, vereadora assassinada no Rio de Janeiro. 

Eblin pontuou na Carta várias deliberações, entre elas, a luta pelos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, a agenda de lutas dos setores das Ifes, Iees e Imes, que conta com um Dia Nacional de Luta contra o assédio moral e sexual nas Universidades e um Dia Nacional de Luta contra o Racismo, em novembro. Ela encerrou a Carta de Fortaleza com os dizeres do poeta cearense Patativa de Assaré “eu sou de uma terra que o povo padece, mas não esmorece e procura vencer” e finalizou conclamando “Marielle, Presente!”

Antonio Gonçalves, presidente do Sindicato Nacional empossado na abertura do 63º Conad, agradeceu aos trabalhadores e trabalhadoras que participaram da organização do evento e à nova diretoria, que assumiu com a tarefa de “não permitir a descontinuidade nesse processo histórico de construção de um espaço onde a base pode se expressar livremente”.

Antonio finalizou o 63º Conad destacando que a categoria e a direção do Sindicato Nacional têm muitas tarefas a cumprir e espera encontrar todas e todos nas lutas e espaços de debate que acontecerão no próximo período. “Esses encontros nos fortalecem e, diante da dureza da vida, é fundamental termos esse ânimo para nos fortalecer no enfrentamento”, disse.

 

Saiba mais sobre a cobertura do 63º Conad:

Delegados escolhem Brasília como sede do 64º Conad e aprovam contas do Sindicato


Docentes elegem novos membros da Comissão da Verdade do Sindicato Nacional

Docentes deliberam pela ampliação do combate à violência na Maré

Defesa ao povo palestino passa a integrar plano de lutas do ANDES-SN

Docentes definem agenda de lutas para os setores no segundo semestre

Docentes atualizam plano de lutas geral do ANDES-SN

Plenária debate conjuntura e aponta necessidade de unidade para ampliar a luta 

Funcionária do ANDES-SN, Fátima é homenageada na abertura do Conad 

ANDES-SN lança publicações durante o 63° Conad

Tem início, em Fortaleza (CE), o 63º Conad

Confira a cobertura fotográfica do 63º Conad na página do ANDES-SN no facebook: https://www.facebook.com/andessn/

E ainda os Informandes Especiais do 63º Conad

 

 

Fonte: ANDES-SN

 

Terça, 03 Julho 2018 16:48

 

Após quatro dias de intensos debates, os docentes presentes no 63º Conad, em Fortaleza, concluíram os trabalhos e encerraram as atividades na noite de domingo, 01/07, atualizando o Plano de Lutas da categoria. Debates importantes, que tiveram como ponto de partida as análises de conjuntura, balizaram as proposições com foco na reorganização da classe trabalhadora, a luta contra a retirada de direitos e em defesa da educação pública, gratuita e de qualidade.  

 

Grupos de Trabalho reafirmaram posições históricas do sindicato nacional como a luta contra o Agronegócio e o uso de agrotóxicos, pela mobilidade urbana e o direito à cidade, por meio do Grupo de Trabalho Política Agrária, Urbana e Ambiental (GTPAUA). O Grupo de Trabalho Política de Classe para Questões Étnico-raciais, Gênero e Diversidade Sexual (GTPCEGDS) destacou a defesa aos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, assim como o Grupo de Trabalho de Seguridade Social e Assuntos de Aposentadoria (GTSSA) apontou ações na defesa da Previdência Social e contra a Ebserh.

 

Dentre as tarefas atribuídas ao GT de Formação Política e Sindical (GTPFS) caberá realizar novos cursos de formação para a categoria, a fim de tentar fortalecer o GT, além do próprio sindicato.

 

O GTPFS da Adufmat-Ssind aproveitou a abertura da Plenária com tema “Avaliação e atualização do plano de lutas: educação, direitos e organização da(o)s trabalhadora(e)s” para fazer o lançamento do Caderno de Textos de Formação Política e Sindical. “Esse material está sendo finalizado e será acompanhado de um caderno suplementar, resultado de uma pesquisa sobre todas as leis aprovadas de janeiro de 1995 a setembro de 2016, que dizem respeito aos direitos dos trabalhadores, junto a uma confrontação de materiais do DIAP e do Dieese”, disse a professora Alair Silveira, membro do GTPFS da Adufmat-Ssind.  

 

Para o presidente da Adufmat-Ssind, Reginaldo Araújo, que presidiu uma mesa já como integrante da direção nacional, o espaço é imprescindível para o exercício da democracia interna do sindicato. “O Conad é um evento estratégico, que reuniu nessa edição mais de 300 pessoas. Nele, o ANDES-SN tem a oportunidade de aperfeiçoar seus debates e a forma de exercitar a democracia em seus processos. Ao mesmo tempo, atualizamos a agenda de lutas com relação a questão da Contrarreforma da Previdência, contra a utilização de agrotóxicos, entre outras questões”, afirmou o docente.

 

Além dessas discussões, a plenária rejeitou, em votação apertada, mas de contraposições expressivas, uma resolução propondo reavaliação do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, caracterizando um golpe que culminou na prisão do ex-presidente Lula. A diretoria propôs um texto alternativo, no entanto a plenária decidiu pela rejeição à íntegra da proposta.

 

Também houve debate e encaminhamentos sobre apoio aos migrantes venezuelanos em parceria com a CSP Conlutas, defesa da universidade popular e a adoção de cotas raciais em concursos e na composição do sindicato. Além disso, os delegados aprovaram um texto assumindo a postura contra o genocídio do povo palestino, a partir da campanha Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) a Israel.

 

Delegação da Adufmat-Ssind no 63º Conad.

Da esquerda para a direita: Reginaldo Araújo (neste Conad representando a diretoria eleita e empossada durante o evento), Alair Silveira (delegada), Patrícia Marisco, Adriana Pinhorati, Haya Del Bel e Clariana Silva (suplentes).

 

Para as professoras da Adufmat-Ssind nos campi do interior, Patrícia Marisco e Adriana Pinhorati, que participaram pela primeira vez do evento, o Conad representou uma forma de verificar mais de perto o processo de discussão e tomada de posições do sindicato.

 

“Para mim o Conad foi uma experiência enriquecedora. Eu já tinha ouvido alguns colegas que participaram falarem das suas impressões com relação a construção coletiva, mas foi muito bom perceber que, num grupo com diferentes representantes, todos falam a mesma língua, compreendendo a função do sindicato na defesa da luta e da profissão docente. O Conad foi a construção de um plano de lutas da classe em geral, e eu fico feliz por poder participar, inclusive com a presença do meu filho, que foi muito bem acolhido pela organização do evento no espaço infantil. Há, claro, algumas coisas a aprimorar, como a questão do almoço para as crianças, mas de modo geral o evento foi excelente para reflexão. Eu penso que todo docente deveria participar ao menos uma vez”, disse a professora Adriana Pinhorati, da Adufmat-Ssind Araguaia.   

 

A professora Patrícia Marisco apontou impressão semelhante. “Esta experiência está sendo muito enriquecedora. É o meu primeiro contato com a dinâmica de trabalho para a tomada de decisões no coletivo, e eu percebo que é cada vez mais importante, premente, organizar a luta para combater as medidas que causam detrimento da universidade gratuita e de qualidade. Estou aprendendo e entendendo a dinâmica do processo”, afirmou a docente de Sinop. 

 

No total, participaram do 63º Conad 308 pessoas, sendo 61 delegados e 210 observadores representando 70 Seções Sindicais, além de 32 diretores do ANDES-SN e 5 convidados.

 

Em alguns dias, o Sindicato Nacional publicará o caderno de resoluções com todos os textos aprovados nas plenárias. Também por decisão da categoria no Conad, o 64º Conselho será realizado em Brasília, organizado em conjunto pelo ANDES-SN e a Adunb Seção Sindical do ANDES-SN.

 

VEJA AQUI A GALERIA DE IMAGENS DO EVENTO

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind

Sexta, 29 Junho 2018 14:11

 

Mais uma vez os docentes do ensino superior do país estão reunidos para discutir o plano de lutas da categoria por melhores condições de trabalho e o projeto de educação desejado pelos trabalhadores brasileiros. Nessa quinta-feira, 28/06, professores universitários de diversas instituições federais, estaduais e municipais participaram da abertura do 63º Conselho do ANDES Sindicato Nacional (Conad), em Fortaleza, capital do Ceará.

 

A Adufmat-Seção Sindical do ANDES está representada neste Conad por uma delegação formada pelas docentes Alair Silveira (delegada), Clariana Silva (1ª suplente), Patrícia Marisco (2ª suplente), Adriana Pinhorati (3ª suplente), e Haya Del Bel, que assumiu, pela ordem deliberada em assembleia, depois da desistência da professora Maria Luzinete Vanzeler.

 

A ideia do evento, realizado uma vez por ano, é avaliar o plano de lutas definido no Congresso da categoria diante da conjuntura política, afim de viabilizá-lo. Dessa forma, a partir do tema “Por um projeto classista e democrático de educação pública: em defesa da gratuidade, autonomia e liberdade acadêmica”, os docentes realizam discussões centralizadas nos eixos “Movimento Docente e Conjuntura: avaliação da atuação do ANDES-SN frente às ações estabelecidas no 37° Congresso”, “Avaliação e atualização do plano de lutas: educação, direitos e organização da(o)s trabalhadora(e)s”, “Avaliação e atualização do plano de lutas: Setores”, e “Questões organizativas e financeiras”. 

 

 

 

Na plenária de abertura, representantes de entidades parceiras como a Central Sindical e Popular Conlutas (CSP Conlutas), o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), a Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual do Ceará (Sinduece SSind), o Movimento Nacional dos Servidores Públicos Aposentados e Pensionistas (Instituto Mosap), a Frente Nacional Contra a Privatização da Saúde e em Defesa do SUS, a Regional Nordeste, além do reitor da Universidade Estadual do Ceará (Uece - sede do evento), José Jackson Coelho Sampaio, saudaram os participantes.

 

Membro da executiva nacional da CSP-Conlutas, a representante da central, Rejane Oliveira, reafirmou a importância da autonomia dos trabalhadores na construção de suas lutas. “Cada um de nós deve, sim, construir militâncias em grupos e partidos que entendemos melhor, mas a classe trabalhadora, como um todo, não pode depositar suas expectativas em eleições, e sim na luta. A classe trabalhadora tem de construir sua plataforma autônoma e exigir que qualquer governante a execute, porque a nossa pauta é justa”, afirmou a sindicalista.

 

A presidente do ANDES-SN, Eblin Farage, discursou fazendo uma breve avaliação de sua gestão. Para a docente, alguns destaques do período foram as respostas nas ruas contra a retirada intensiva de direitos e a construção da campanha nacional contra o assédio sexual. Antes de dar posse à nova diretoria, Farage comentou o processo eleitoral. “O ANDES-SN trabalha sempre para a construção da unidade, e nos últimos anos tivemos eleições com chapa única. No entanto, quando mais de uma chapa disputa o pleito, significa que a categoria reconhece que este sindicato é o único que representa os professores de nível superior de todo o país. Parabéns às duas chapas e ao ANDES Sindicato Nacional”, disse a presidente.    

 

 

Por fim, a gestão “ANDES Autônomo de Luta”, eleita este ano para dirigir o sindicato pelo próximo biênio, foi empossada e o novo presidente, Antônio Gonçalves, agradeceu a todos. Suas primeiras palavras no cargo destacaram os desafios da categoria diante da conjuntura acirrada. "Tenho como tarefa a ampliação da nossa base nas universidades, institutos e colégios de aplicação, o fortalecimento das assembleias de base, para lutarmos por uma carreira estruturada, melhores condições de trabalho e de remuneração salarial tanto no setor das federais, quanto nos das estaduais e municipais. Precisamos aumentar na base da nossa categoria a percepção do modo como as políticas mais gerais, que por vezes somos acusados injustamente de debatê-las demasiadamente em detrimento das pautas ditas corporativas, têm impacto direto em nossas vidas, desse modo contribuiremos para a construção da consciência de classe, indispensável para avançarmos na luta”, finalizou o novo presidente do ANDES-SN. 

 

 

 

Três professores da UFMT estão entre os 83 novos diretores: Qelli Rocha (Serviço Social), como primeira vice-presidente, e Reginaldo Araújo de Haya Del Bel, ambos da Saúde Coletiva, como primeiro vice-presidente e primeira secretária da Regional Pantanal, respectivamente.  

 

Homenagens

 

A abertura do 63º Conad também foi de homenagens.

 

A primeira foi para a secretária do sindicato, Fátima Alves da Silva, que trabalhou na secretaria administrativa do ANDES-SN por 34 anos e decidiu se aposentar. Diretores e colegas de trabalho agradeceram pela dedicação e atenção ao longo de todos esses anos em um vídeo, e suas filhas e netos também gravaram um depoimento surpresa, desejando saúde e alegria nessa nova etapa.

 

A segunda homenagem foi à vereadora Marielle Franco, assassinada há mais de 100 dias no Rio de Janeiro. Depois da exibição de dois vídeos, a moradora da Favela da Maré, onde nasceu e cresceu a vereadora, Shyrlei Rosendo, convidada pela organização do Conad, falou sobre a situação de terror à qual os moradores do local estão submetidos há anos, mas que está agravada pela intervenção miliar. “A Maré é uma cidade onde vivem mais de 140 mil pessoas, mas quando tem operação os moradores não saem de casa com medo”, afirmou Rosendo.

 

Na plenária, os participantes também usaram lenços verdes durante todo o evento, simbolizando a vitória das mulheres argentinas em umas das mais importantes lutas em defesa da saúde feminina: a legalização do aborto.  

 

No segundo dia de atividades, a programação é de Grupo Mistos, nos quais os professores aprofundam as discussões sobre os Textos Resoluções (TR’s apresentados pela categoria. As plenárias aberas serão retomadas no sábado, 30/06.

 

Acompanhe o 63º Conad também pela página do ANDES-SN: www.andes.org.br

 

GALERIA DE IMAGENS (em construção)

 

Luana Soutos

Assessoria de Imprensa da Adufmat-Ssind