Quarta, 16 Outubro 2019 11:40

ODE À PREGUIÇA - Aldi Nestor de Souza

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 
****


Por Aldi Nestor de Souza*
 

Eu acho muito triste uma pessoa que não tem preguiça. Depois da preguiça é de novo a preguiça a coisa que mais admiro nas pessoas. Disparado! A preguiça tem um charme e uma beleza sem iguais. Ela trata com descaso essa correria que nos flagela e nos reduz a pó. Ela zomba da pressa, da agonia, dos prazos, dos relatórios, dos objetivos, dos planejamentos. Ela ignora os currículos obesos. Um preguiçoso, certamente, é menos explorado.

Toda preguiça é revolucionária. Pode olhar! Uma pessoa preguiçosa jamais alcança metas, que não seja a de deixar pra depois e dormir. Jamais usa a terrível expressão "manter o foco". Uma pessoa preguiçosa, que se preza, nunca na vida fará um curso de coaching. E jamais cairá na conversinha mole de virar patrão de si mesmo. Eu hein???

Uma pessoa preguiçosa pensa mais, dado que fica mais tempo sem fazer nada e, portanto, tem muito mais chance de ter ideias e mudar o mundo. Uma pessoa produtiva é uma pessoa morta, fadada ao fracasso de se parecer com uma máquina. Toda pessoa produtiva tem cara de boba. Aliás, é boba. Imagine ser a pessoa que mais vendeu no mês? Ou, por outra, imagine ser a pessoa que mais produz artigos num departamento?  

Uma pessoa preguiçosa chega atrasada e aqui eu lembro de um saudoso amigo, professor Gilmar Rodrigues, que dizia: "se você não é capaz nem de chegar atrasado, como pensa em mudar o mundo? Que revolução você planeja fazer? Que sistema você pensa em alterar?"

Lembro aqui também de minha filha mais nova, que às vezes me liga dizendo: " pai, tô com uma preguiça tão grande que só falta não caber no corpo. Vou aproveitar e não fazer nada hoje." Nessas horas, cheio de felicidade e de orgulho, penso: "Poxa, ensinei alguma coisa nessa vida, valeu a pena ser pai".

Acho que foi o poeta Mário Quintana que disse: “A preguiça é a mãe do progresso. Se o homem não tivesse preguiça de caminhar, não teria inventado a roda.”

Uma pessoa preguiçosa vive mais, e para isso não faltam exemplos. Um bem conhecido é o do cantor Dorival Caymmi que, ali na casa dos 80, deitado numa rede, nas cercanias de uma praia baiana e tomando cerveja, brincava: "já viu algum atleta chegar aos noventa?

A preguiça é, portanto, uma das coisas  mais sérias que a humanidade dispõe. E cuidar dela deveria ser uma questão básica, inclusive ensinada nas escolas, casos as escolas servissem pra alguma coisa. Escola, aliás, é uma coisa tão estranha que quando um aluno cisma de dormir numa aula, o professor fica bravo.

Precisamos salvar a preguiça que existe em nós, urgentemente, antes que seja tarde. Isso, para mim, é uma forma de salvar a humanidade. E de dar a ela a chance de entender que viver é uma coisa mais profunda do que a submissão irrefletida no mundo frenético da produção. E criar, quem sabe, o dia internacional da preguiça. Um dia pra, de verdade, não fazermos nada, apenas pensarmos no que fazemos. E já aproveito pra sugerir que esse dia seja numa quarta. Por exemplo, na segunda quarta feira de julho, que é mês fraco pra feriados.

Viva a preguiça!!

 

*Aldi Nestor de Souza
Professor do departamento de matemática da UFMT/Cuiabá
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
 

Ler 238 vezes