Quinta, 25 Julho 2019 12:10

TECLAS AO ESCRITOR - Roberto Boaventura

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

****

Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.

 

****

 

 

Roberto Boaventura da Silva Sá

Prof. de Literatura/UFMT; Dr. em Jornalismo/USP

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

A quem ainda não sabia, assim como o professor, a empregada doméstica etc., o escritor também tem seu dia no calendário: 25 de julho. Por isso, hoje, falarei da importância desses, seres, potencialmente, imortais.

Pois bem. Para comemorar a dada, em idos tempos, o título mais adequado a este artigo seria “Penas ao Escritor”. Todavia, as antigas “penas” já foram, há muito, substituídas pelos teclados das máquinas de escrever e, mais recentemente, pelas teclas dos computadores; aliás, os teclados inseridos em telas touch screen, que são as baseadas em sensores, como que de forma mágica, fazem aparecer e desaparecer as próprias teclas.

A despeito de tantas mudanças tecnológicas, ocorridas ao longo do tempo, que certamente impuseram a muitos escritores a necessidade de atualização, a importância do escritor à sociedade – mesma àquelas que não veem o menor significado a essa atividade, genuinamente humana – é de absoluta relevância, pois suas obras podem ser verdadeiros registros de identidade de um povo.

Nesse sentido, a título de reflexão, algumas breves perguntas: teria a Grécia Antiga, ainda hoje, a mesma importância, caso Aristóteles, Platão, Sócrates et alii não tivessem existido?

A despeito da força do império romano, mas, em perspectiva mais ampla, a Roma Antiga teria o mesmo peso ao Ocidente, não fossem as presenças de Virgílio, Cícero, Ovídio...

Na entrada da Idade Moderna, sem Camões, quem saberia das façanhas de Portugal, que, como poucos povos, soube “navegar por mares nunca dantes navegados”?

E o que seria da Inglaterra sem o brilhantismo de William Shakespeare? Da Espanha, se Miguel de Cervantes não tivesse existido?

No caso doméstico, destaco a importância da obra de um Gregório de Matos. No séc. XVII, o “Boca do Inferno”, como era conhecido, deu verdadeiras aulas de economia e política em sonetos, como o “Triste Bahia”, que pode nos remeter a uma “fotografia social” da decadência de seu tempo.

Do mesmo séc., como não se encantar com o Sermão da Sexagésima, que trata da arte da pregação, do Padre Vieira?

No séc. XVIII, é no mínimo necessário reverenciar a irreverência dos escritores tidos, pela Coroa Portuguesa, como inconfidentes.

Pouco adiante, um conjunto de romancistas românticos, mesmo atrelados aos modelos europeus, mostrou um Brasil por diferentes vieses. Assim, foi-nos possível, p. ex., conhecer os índios, os regionalistas, os urbanos de Alencar, as peripécias de um Leonardo Pataca de Manoel Antônio de Almeida...

Mais para o fim do mesmo século, sem desconsiderar as páginas de um Cortiço de Aluísio de Azevedo e outros tantos, como não se inquietar com as personagens de Machado, que, como poucos, ironizou o cinismo e a mediocridade da sociedade burguesa?

Por falta de espaço, vou encerrando essas pinceladas sobre a importância que tantos escritores têm para todos nós. Antes, convido indistintamente à leitura de obras de um Castro Alves, Lima Barreto, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Drummond, os três Andrades, Vinícius, Cecília, Cabral...

No plano regional, também há belos expoentes, tanto no verso, quanto na prosa. Nesta, para nossa felicidade, temos Felipe Holloway, que, há bem pouco, ganhou uma premiação nacional promovida pelo SESC. Assim, com o Legado de nossa miséria, título de seu romance premiado, presto minha homenagem/reverência a todo escritor que, arraigado ao seu tempo, mas universalizado em sua escritura, se dispõe a desnudar a alma de seu povo, compartilhando-a sem fronteira alguma a todos os seres humanos. 

 

Ler 205 vezes