Quarta, 10 Outubro 2018 10:09

VOTO DE CABRESTO - Vicente Ávila

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

****
O Espaço Aberto é um canal disponibilizado pelo sindicato
para que os docentes manifestem suas posições pessoais, por meio de artigos de opinião.
Os textos publicados nessa seção, portanto, não são análises da Adufmat-Ssind.
 ****

 

Por Vicente Machado Ávila*

 

Voto de cabresto no passado.

 

A figura do coronel era muito comum durante os anos iniciais da República, principalmente nas regiões do interior do Brasil. O coronel era um grande fazendeiro que utilizava seu poder econômico para garantir a eleição dos candidatos que apoiava. Era usado o voto do cabresto, onde o coronel obrigava e usava até mesmo de violência para que os eleitores de seu “curral eleitoral” votassem nos candidatos apoiadores por ele.  Como o voto era aberto.

Coronéis capangas e candidatos

Os interesses dos coronéis e candidatos eram garantidos pala ação impiedosas dos capangas.

Esse sistema permitia que os títulos eleitorais se transformassem em títulos negociáveis e que o governo exercesse sobre eles o ato do voto, praticado sob a odiosa fiscalização e vigilância de seus agentes.  Da ameaça de represália, da peita e do suborno.

Voto de cabresto no presente

No sistema político e eleitoral brasileiro, nos dias atuais, é mais difícil controlar o voto das pessoas, mas há novos mecanismos de pressão que são usados como, por exemplo, anotar as secções em que os eleitores de uma determinada família ou localidade votam, para depois conferir se a votação do candidato correspondeu ao que se esperava dos eleitores, que em troca recebem dinheiro, lotes e alimentos (cesta básica). Embora não seja possível se determinar “quem” votou em “quem” por este método, ele é eficaz entre a população mais pobre como instrumento de pressão psicológica.

Mas há também o uso de poder das milícias, nas comunidades pobres, que obrigam os moradores locais a votar em quem eles querem, ou não permitem o voto em candidatos que a milícia não aceita; se a população não cumpre a milícia pode abusar do poder e causar mortes ou parar de “ajudar” os moradores

Laicos ou lacaios?

Ignorando o sadio principio que separa religião do estado muitos pregadores religiosos( padres e pastores)praticam o voto de cabresto influenciando seus fiéis a votarem em candidatos na-povo e com isso empurram suas ovelhas para as presas afiadas da selvageria capitalista. 

                                                          

Professor

 BRASILINO EXPERANÇOSO

Ler 136 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.


Anti-spam: complete the task